Aspargos

Composto Presente no Aspargo É Ligado à Propagação do Câncer de Mama

Pacientes com câncer de mama podem ser recomendadas a cortar os aspargos e outros alimentos de suas dietas no futuro para reduzir o risco de propagação da doença, dizem cientistas.

Os pesquisadores estão investigando se uma mudança na dieta poderia ajudar pacientes com tumores mamários após estudos em ratos mostrarem que a asparagina, um composto encontrado principalmente em aspargos, mas presente em muitos outros alimentos, impulsiona a disseminação da doença para outros órgãos.

Quando os cientistas do estudo reduziram a asparagina nos animais com câncer de mama, eles descobriram que o número de tumores secundários em outros tecidos caiu drasticamente. A disseminação de células malignas, muitas vezes para os ossos, pulmões e cérebro, é a principal causa de morte entre as pacientes que são diagnosticadas com câncer de mama.

“Este é um resultado muito promissor e um dos poucos casos em que existe uma lógica científica para uma modificação da dieta que influencia o câncer”, disse o cientista principal, Professor Greg Hannon, diretor do Cancer Research UK Cancer Institute, em Cambridge.

A asparagina é um aminoácido que é produzido naturalmente no corpo humano como um bloco de construção de proteínas, mas também é encontrado na dieta, e em níveis elevados em certas carnes, vegetais e laticínios.

A equipe internacional de especialistas em câncer da Grã-Bretanha, dos EUA e do Canadá estudou ratos com uma forma agressiva de câncer de mama. Os ratos desenvolvem tumores secundários em questão de semanas e tendem a morrer da doença em meses.

Para a revista Nature, os pesquisadores descreveram como eles reduziram a capacidade de câncer de mama se espalhar nos animais bloqueando a asparagina com um medicamento chamado L-asparaginase. Em menor medida, colocar os animais em uma dieta de baixa asparagina também funcionou.

Inspirados pelos resultados, os cientistas examinaram os registros de câncer humano e descobriram que os tumores mamários que produziam mais asparagina provavelmente se espalhariam, levando as pacientes a morrer mais cedo. O mesmo foi observado nos cânceres da cabeça, pescoço e rim.

A asparagina parece ajudar as células cancerosas a se transformar em uma forma que se espalha facilmente, através da corrente sangiínea, para outros órgãos onde crescem tumores secundários, disse Hannon. Mas apesar da supressão de níveis de asparagina reduzir a propagação do câncer de mama para o resto do corpo, não fez nada para evitar a formação de tumores mamários em primeiro lugar.

Se as descobertas se mantiverem em seres humanos, pacientes com câncer de mama podem ser colocados em dietas de baixa asparagina, enquanto passam por tratamentos convencionais, como a quimioterapia, para a doença. Mas como a asparagina é tão onipresente nos alimentos, as drogas que bloqueiam o aminoácido podem ser mais eficazes. A L-asparagina quebra o aminoácido na corrente sanguínea, mas drogas mais direcionadas podem bloquear sua produção por completo.

“Este é um caso em que podemos mostrar em um nível bioquímico profundo como uma mudança na dieta pode afetar as propriedades das células que são relevantes para a progressão da doença letal”, disse Hannon. “Mas é claro, até que os estudos em humanos estejam feitos, este não é um método ‘faça você mesmo’ para prevenir o câncer”.

Prof. Keqiang Ye, um pesquisador de câncer na Universidade Emory, em Atlanta, disse que baixar os níveis de asparagina, com drogas ou restrição dietética, ajudaria a prevenir a propagação de células cancerosas. Mas para os pacientes, ele disse que os tratamentos medicamentosos eram mais promissores do que as mudanças em suas dietas.

“A asparagina é freqüentemente encontrada em várias fontes de animais, incluindo carne bovina, aves, ovos, peixes e frutos do mar. Também é encontrado em muitos vegetais, incluindo aspargos, batatas, nozes, legumes e soja. Como esses alimentos são tão comuns, parece que a restrição da dieta pode não ser a abordagem ideal”, disse Ye.

A baronesa Delyth Morgan, presidente-executiva da Breast Cancer Now, disse: “Esta descoberta inicial poderia oferecer uma nova e aguardada maneira de ajudar a reduzir a disseminação do câncer de mama, mas primeiro precisamos entender o verdadeiro papel desse nutriente nos pacientes. Com quase 11.500 mulheres ainda morrendo de câncer de mama a cada ano no Reino Unido, precisamos urgentemente parar a propagação da doença ao redor do corpo, onde fica incurável.”

“Na evidência atual, não recomendamos que as pacientes excluam totalmente qualquer grupo de alimentos específicos de sua dieta sem falar com seus médicos. Também incentivamos todss a seguir uma dieta saudável e variada – rica em frutas, vegetais e legumes, e limitada em carne processada e alimentos ricos em gordura ou açúcar – para ajudar a dar-lhes as melhores chances de sobrevivência”.

Você tem costume de consumir aspargos em sua dieta? Conhece alguém que tenha câncer de mama? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)




ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*