Ibuprofeno

Estudos Ligam Ibuprofeno e Outros Analgésicos a Parada Cardíaca

Ibuprofeno e outros analgésicos comuns estão ligados a um risco aumentado de parada cardíaca, de acordo com um novo estudo dinamarquês publicado no European Heart Journal—Cardiovascular Pharmacotherapy.

Os autores dizem que estes medicamentos devem ser usados com precaução e que as pessoas com problemas cardíacos podem querer evitá-los.

Os anti-inflamatórios não esteroides, ou AINEs, estão entre os medicamentos mais comumente usados em todo o mundo. Estudos prévios têm vinculado estes ao aumento do risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e pressão arterial elevada.

Os especialistas temem que as pessoas os percebam como seguro e livre de efeitos colaterais pelo fato de serem vendidos livremente em farmácias, sem necessidade de receitas.

O novo estudo analisou somente aqueles AINEs vendidos sob prescrição médica, mas na Dinamarca, isso inclui o ibuprofeno e o naproxeno: dois fármacos que estão disponíveis em balcão em muitos países do mundo, como o Brasil, sob as marcas Advil, Alivium, Flanax, entre outros.

Os pesquisadores revisaram todas as prescrições de AINEs preenchidas em farmácias dinamarquesas desde 1995, bem como os registros médicos de quase 30.000 pessoas que tiveram paradas cardíacas que ocorreram entre 2001 e 2010.

Eles descobriram que 3.376 pessoas com parada cardíaca tinham tomado um AINE pelo menos 30 dias antes do problema cardiovascular. Quando compararam isso aos meses anteriores sem problemas do coração, encontraram o risco de parada cardíaca aumentou em 31% após a ingestão desses medicamentos.

Quando analisaram separadamente seus resultados por medicamentos específicos, o diclofenaco – que é vendido sob a prescrição de Voltaren e Cataflam – foi associado com um risco aumentado de 50%, e o Ibuprofeno com um risco aumentado de 31%.

Os medicamentos naproxeno, celecoxibe e rofecoxibe não foram associadas a parada cardíaca, embora os autores afirmem que isso pode ter ocorrido devido ao fato de não serem amplamente prescritos na Dinamarca e estarem sub-representados no estudo. No Brasil, o celecoxibe é vendido sob receita médica e com a marca comercial Celebra, e o rofecoxib foi retirado do mercado em ambos os países.

O estudo não foi capaz de dizer exatamente quanto tempo as pessoas tomaram a medicação, mas o tratamento médio dura de 13-29 dias, observam os autores do estudo. “Estudos anteriores observaram risco cardiovascular aumentado associado com menos de 30 dias de tratamento com AINEs”, escrevem.

Os resultados enfatizam que essas drogas não são inofensivas, disse o autor do estudo, Dr. Gunnar Gislason, professor de cardiologia do Copenhagen University Hospital, em um comunicado de imprensa.

“Os AINEs devem ser usados com cautela e para uma indicação válida”, disse ele. “Eles provavelmente devem ser evitados em pacientes com doença cardiovascular ou muitos fatores de risco cardiovascular”. Gislason também disse que as pessoas não devem tomar mais de 500 mg de naproxeno ou 1,200 mg de ibuprofeno por dia, e até argumentou que esses medicamentos não devem ser vendidos em supermercados ou lojas de conveniência onde não há farmacêuticos para aconselhar sobre o uso adequado.

Dr. Christopher O’Connor, editor-chefe da jornal da American College of Cardiology, JACC – Heart Failure, acredita que a última sugestão Gislason vai longe demais. Ele aponta que a maioria dos casos de parada cardíaca no estudo ocorreram em pessoas idosas com fatores de risco existentes, e não pessoas que eram jovens e saudáveis.

“Eu não quero que meu filho de 20 anos, que torce seu tornozelo jogando futebol, ande com dor porque tem medo de tomar ibuprofeno”, diz O’Connor. Afinal, ele aponta, dor aguda ou crônica pode constringir vasos sanguíneos e afetar a saúde cardiovascular, também.

Os resultados do estudo acompanham o que já se sabe sobre os AINEs: que eles podem causar retenção de sódio, tornar o sangue mais denso e mais pegajoso e criar um “risco pequeno, mas finito” para problemas cardiovasculares, diz O’Connor.

“Seja cuidadoso tomando os AINEs, principalmente em doses elevadas, e particularmente se você tiver uma doença cardiovascular já-existente”, diz ele. E se você tiver alguma dúvida sobre sua saúde cardíaca ou seus fatores de risco individuais, fale com o seu médico.

Você tem o costume de tomar estes medicamentos quando sente dores comuns, como a dor de cabeça? Tem histórico de problemas cardiovasculares? Comente abaixo.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)




ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*