Má digestão

Má Digestão – Causas, Sintomas e o Que Fazer

Publicidade

Também conhecida como indigestão ou dispepsia, a má digestão não é uma doença, mas sim um termo utilizado para descrever uma série de distúrbios gástricos.

Sensação de estômago cheio, dores abdominais, enjôo, eructações (arrotos) e flatulências costumam acompanhar a dispepsia, que pode afetar a maioria da população em algum momento da vida.

A má digestão pode ser causada por hábitos alimentares incorretos ou pelo consumo de substâncias que irritam a parede do estômago, como gorduras, álcool e determinados medicamentos. Também é possível que a dispepsia seja um sintoma de outras complicações gástricas, ou ainda o resultado do acúmulo de tensão e estresse no dia a dia.

Saiba mais

A definição exata da má digestão é de um desconforto na porção superior do abdômen (próximo à região conhecida como boca do estômago) que ocorre durante ou imediatamente após a refeição.

Milhões de brasileiros sofrem regularmente com a condição que costuma apresentar sintomas semelhantes aos da azia e gastrite.

A diferença entre a má digestão e a azia é que, enquanto a primeira permanece confinada no estômago, a azia causa dores devido à subida dos ácidos gástricos em direção ao esôfago.

Já a gastrite ocorre quando há uma inflamação da mucosa estomacal, que pode ser causada por bactérias ou outros agentes agressores da parede do estômago, como pimenta, álcool e cafeína.

Sintomas

A má digestão pode causar dores e sensação de empachamento (a popular “barriga cheia”).

Outros sintomas da má digestão incluem:

  • Sensação de estômago cheio antes do término da refeição: você ainda nem acabou de comer mas já começa a sentir que há uma “bola” no estômago, dificultando a ingestão de mais alimentos;
  • Desconforto na porção superior do abdômen: pode vir acompanhado de uma leve (ou às vezes intensa) dor, e uma sensação de incômodo, como se algo estivesse “parado” no local;
  • Azia e queimação: sobretudo após a ingestão de alimentos picantes ou gordura; a pessoa pode sentir um calor na região próxima ao esterno (osso situado no meio do peito);
  • Gases: flatulência e arrotos durante e após a refeição;
  • Náusea: o incômodo pode ser tanto que o próprio corpo estimula o vômito para aliviar o estômago;
  • Sonolência: a refeição mal terminou e já surge uma vontade de deitar e dormir.

Na grande maioria das vezes a má digestão não traz maiores complicações e costuma desaparecer em pouco tempo.

Já sintomas mais severos, como perda de peso repentina, sangue nas fezes, dificuldade para engolir os alimentos e vômitos intensos exigem uma rápida visita ao médico.

Causas

A má digestão está diretamente associada aos maus hábitos à mesa e ao consumo de substâncias que irritam o sensível tecido da parede do estômago.

Principais causas da má digestão:

  • Comer muito de uma só vez;
  • Beber líquido durante a refeição;
  • Consumir frituras e outros alimentos ricos em gordura;
  • Álcool, cafeína, chocolate e refrigerantes em excesso;
  • Incluir muitos alimentos ricos em fibra em uma mesma refeição;
  • Obesidade (os quilos a mais aumentam a pressão no estômago);
  • Comer rápido demais, não mastigando bem os alimentos;
  • Estresse;
  • Exagerar nos alimentos picantes (pimenta, molho de mostarda, açafrão, pimentão);
  • Cigarro;
  • Medicamentos (como antibióticos, anti-inflamatórios não esteroides e o nitrato utilizado para dilatar os vasos sanguíneos);
  • Suplementos de ferro.

Outros fatores

Causas menos comuns da indigestão: câncer de estômago, úlceras estomacais, refluxo gastroesofágico, pedras na vesícula, gastrite, pancreatite, prisão de ventre e infecção pela bactéria H. pylori.

O que fazer

O tratamento para a má digestão irá depender da severidade dos sintomas. Caso desapareçam com uma simples mudança nos hábitos, não é necessário tomar maiores providências.

Em situações onde a indigestão é diária e permanece por mais de uma semana, a recomendação é procurar assistência médica para fazer testes clínicos e possivelmente laboratoriais para descartar outras complicações mais graves.

– Mudança de Hábitos Alimentares

A maioria dos casos de má digestão pode ser tratada com uma simples alteração no cardápio. Para evitar os sintomas da dispepsia é importante que você:

  • Faça as refeições sem pressa, sentado em local calmo (o estresse altera a produção de ácido gástrico, favorecendo o surgimento não só da má digestão mas também da gastrite e do refluxo esofágico);
  • Mastigue bem os alimentos e não tome líquidos (inclusive água) imediatamente antes, durante e após as refeições;
  • Evite por completo ou pelo menos reduza o consumo de frituras, derivados do leite, cafeína, álcool e alimentos muito condimentados ou apimentados;
  • Preste atenção ao consumo de alimentos cítricos ou ácidos (limão, abacaxi, vinagre);
  • Fracione suas refeições: opte por comer mais vezes ao dia, sempre em pouca quantidade;
  • Cuide do peso, evitando ultrapassar sua faixa de IMC ideal;
  • Não fique sem se alimentar por mais de três horas (o acúmulo de ácido gástrico pode forçar a abertura do esfíncter esofágico inferior, causando azia e queimação);
  • Abandone o cigarro: a nicotina reduz as contrações do estômago, prejudicando a digestão;
  • Não deite após as refeições (tirar um cochilo algum tempo após sair da mesa pode ser uma boa opção para elevar a quantidade de sangue disponível para a digestão, mas é importante repousar com a cabeça inclinada para cima). Pelo mesmo motivo é recomendável esperar pelo menos três horas após a última refeição antes de ir para a cama (e optar por alimentos leves e de fácil digestão);
  • Tente não falar muito enquanto come, para evitar engolir ar e causar distensão no abdômen;
  • Espere pelo menos duas horas antes de praticar atividade física (os exercícios direcionam parte do fluxo sanguíneo para os músculos, retardando ainda mais a digestão);
  • Já uma caminhada leve cerca de 15-30 minutos após sair da mesa pode facilitar o trabalho do estômago e reduzir os sintomas da má digestão.

– Medicamentos

Antiácidos ajudam a reduzir a produção de ácido clorídrico e melhoram a sensação ocasional de estômago cheio. No caso dos sintomas que não desaparecem com alterações na dieta, o médico poderá receitar medicamentos como Digeplus, Omeprazol, cimetidina, ranitidina ou domperidona.

É importante ressaltar que os remédios para má digestão citados acima apenas melhoram os sintomas, mas não tratam as verdadeiras causas da dispepsia.

Os medicamentos só deverão ser utilizados sob supervisão médica, e ainda assim preferencialmente após terem se esgotado outras alternativas mais conservadoras de tratamento.

Tratamentos caseiros para má digestão

Antes de recorrer aos medicamentos alopáticos, pode ser uma boa ideia tentar algumas soluções caseiras para melhorar os sintomas da indigestão:

  1. Mastigar folhas de hortelã, sementes de cardamomo ou erva doce após a refeição.
  2. Tomar chá de boldo, erva doce, carqueja, verônica ou dente de leão 20 minutos após se levantar da mesa.
  3. Beber um copo de suco de jiló 30 minutos após a refeição;
  4. Utilizar extrato de alcachofra, silimarina e dente de leão;
  5. Fazer sessões de acupuntura para aliviar a tensão e reduzir as dores estomacais;
  6. Tomar 1 copo de água com uma colher de chá de bicarbonato de sódio logo após terminar de se alimentar.

Antes de iniciar qualquer tratamento para a má digestão é importante conversar com seu médico a fim de afastar um diagnóstico positivo para outras doenças ou mesmo evitar possíveis interações medicamentosas.

Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)

Referências adicionais:

Publicidade

Você é uma pessoa que sofre frequentemente de má digestão? Acredita que quais são as principais causas para você? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Publicidade
RECOMENDADOS PARA VOCÊ

ARTIGOS RELACIONADOS

Um comentário

  1. sofro constantemente de ma digestao ja fui ao gastro e me passou remedio melhorou mas voltou esse texto me ajudou bastante vou rever minha alimentação e evitar alguns alimentos que gosto mas nao e apropriado..obrigada pelo esclarecimento

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*