Manitol 20

Manitol – O Que é, Para Que Serve e Efeitos Colaterais

Pouca gente sabe, mas o manitol é uma substância presente naturalmente no organismo. Sua principal função é diurética, ajudando o corpo a eliminar fluidos através da osmose. Vamos discutir para que serve suplementar o corpo com manitol e discutir alguns de seus efeitos colaterais?

Manitol – O que é?

O manitol é uma substância diurética usada principalmente nos hospitais para forçar a produção de urina, principalmente em pessoas com insuficiência renal. O aumento da produção de urina ajuda o organismo a evitar que os rins percam totalmente a sua função e também atua acelerando a eliminação de algumas substâncias tóxicas no corpo. O manitol também pode ter outras funções, que serão relatadas abaixo.

Para que Serve?

O manitol é usado principalmente para:

  • Eliminar excesso de fluidos no organismo;
  • Tratar doenças renais;
  • Diminuir inchaços provocados por condições no coração ou nos rins;
  • Prevenir a falência dos rins durante cirurgias cardiovasculares;
  • Tratar problemas de inchaço no cérebro e reduzir a pressão intracraniana;
  • Diminuir a pressão alta dentro dos olhos, conhecida como glaucoma;
  • Desintoxicar o corpo de substâncias indesejadas através da urina.

O uso de manitol deve ser descartado se você apresentar doença renal gravíssima ou se seus rins pararam de funcionar e você não libera mais urina, se está com inchaço ou congestionamento pulmonar, se há desidratação grave, e se apresenta hemorradia no cérebro não causada por cirurgia.

Para garantir um uso seguro da substância, é importante conversar com seu médico sobre o histórico médico, principalmente se você já teve doença renal ou cardíaca e se já apresentou algum desequilíbrio eletrolítico no sangue como baixos níveis de potássio, por exemplo.

Efeitos Colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns do manitol 20% intravenoso são:

  • Boca seca;
  • Urina em excesso;
  • Sede excessiva;
  • Naúseas;
  • Vômitos;
  • Corrimento nasal;
  • Dor de cabeça;
  • Dor de barriga;

Por ser um diutético poderoso, o manitol pode apresentar um efeito laxante. Por esse motivo, é uma substância utilizada no preparo de exames como colonoscopia, para fazer uma lavagem intestinal antes do exame e facilitar a visualização das paredes intestinais e identificar qualquer alteração com mais facilidade. Tal efeito é observado quando são usadas dosagens mais altas do produto.

Já os efeitos colaterais mais raros e graves incluem:

  • Urticária;
  • Visão embaçada;
  • Tontura;
  • Erupções cutâneas;
  • Pressão arterial sanguínea baixa;
  • Coágulos de sangue;
  • Dificuldade em esvaziar a bexiga por completo;
  • Dor no peito;
  • Calafrios;
  • Dor ao urinar;
  • Febre;
  • Batimento cardíaco acelerado;
  • Desequilíbrio nos níveis de potássio e sódio;
  • Desequilíbrio nos níveis de fluido corporal;
  • Inflamação ou irritação na pele;
  • Problema nos rins;
  • Congestão pulmonar;
  • Rigidez muscular;
  • Dor lombar;
  • Inflamação no nariz;
  • Inchaço nas mãos ou pés;
  • Ansiedade;
  • Tosse com muco espesso

Contraindicações

O uso do composto deve ser descartado por mulheres grávidas ou amamentando, pois não se sabe o risco que a utilização do manitol pode trazer ao feto ou bebê.

Se observar sinais de reação alérgica como coceira, dificuldade para respirar, inchaço no rosto, lábios, garganta ou língua, busque ajuda médica imediatamente e suspenda o uso.

O manitol também não deve ser usado por quem tem doença grave nos rins, inchaço ou congestionamento pulmonar, desidratação grave, hemorragia cerebral que não tenha sido causada por cirurgia ou dificuldade de urinar.

Para ter certeza de que o manitol é seguro para você, conte ao seu médico se tiver algum histórico de doença renal, doença cardíaca ou desequilíbrio eletrolítico como níveis baixos de potássio ou magnésio no sangue, por exemplo.

Interações medicamentosas

O manitol não é recomendado caso você esteja usando:

  • Tobramicina, que é uma espécie de colírio com ação antibacteriana usado contra a conjuntivite, pois ele pode potencializar os efeitos da tobramicina;
  • Medicamentos antidepressivos como desvenlafaxine, escitalopram ou duloxetina;
  • Medicamentos para azia como o dexlansoprazol, pantoprazol e esomeprazol;
  • Remédios para tratar a diabetes como o albiglutida ou o exenatida;
  • Medicamentos para preparação intestinal que contém fosfato ou sulfato de sódio, por exemplo;
  • Álcool.

Como Tomar

A administração do manitol pode ocorrer por via intravenosa, em que um profissional da saúde irá aplicar a dose ou por via oral. O mais comum é encontrar soluções orais de manitol 20% nas drogarias vendidas sobre prescrição médica. Também podem ser encontradas soluções orais com outras concentrações, variando de 5 a 25% de manitol. O manitol tambem é disponibilizado na forma de comprimidos.

Geralmente, o manitol é utilizado no próprio hospital ou recomendado pelo médico para uso em casa por períodos curtos de tempo. A dosagem vai depender de características pessoais como altura e peso e condição a ser tratada. Pessoas com edema cerebral, por exemplo, podem tomar uma dose de 250 miligramas até 2 gramas por quilo de manitol 20, dependendo da gravidade do edema até 3 vezes ao dia. Pessoas que tem problemas renais devem começar com uma dose mais baixa de cerca de 200 miligramas.

É importante fazer testes de sangue frequentes para monitorar se o uso do manitol está causando algum dano ao seu organismo, além disso é preciso verificar a função cardíaca com frequência.

Referências adicionais:

Você já tinha ouvido falar ou já utilizou o manitol alguma vez? Para que tipo de ocasião? Sentiu algum dos efeitos colaterais? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)




ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*