Óleo de coco

Óleo de Coco – Para Que Serve, Como Funciona, Benefícios e Como Usar

Alimento da moda que está presente nas dietas de muita gente famosa, o óleo de coco tem atraído cada vez mais adeptos e parece ter vindo para ficar. Mas ao contrário do que parece, o óleo de coco não é um produto recente em nossa civilização: acredita-se que povos asiáticos já faziam uso do óleo há milhares de anos, tanto na alimentação como para manter a beleza.

Conheça um pouco mais sobre esse produto tão falado e aproveite para saber como funciona o óleo de coco no organismo e também como usar o produto para cuidar da boa forma e da saúde.

Para que Serve o Óleo de Coco?

O óleo de coco pode ajudar a emagrecer e pode também trazer uma série de benefícios à saúde, que vão desde a melhora dos níveis de colesterol até a diminuição dos estoques de gordura abdominal.

Diversos estudos têm demonstrado que o uso moderado de óleo de coco pode contribuir com a perda de peso através do aumento do metabolismo e da diminuição do apetite. Assim, quando associado a uma dieta balanceada e modificações no estilo de vida, o óleo de coco traz inúmeros benefícios para quem está precisando cuidar tanto da boa forma como da saúde.

Como Funciona?

Assim como todo óleo de origem vegetal, o óleo de coco é formado quase que totalmente por lipídios, o que torna seu valor energético muito alto. Uma única colher do óleo contém 110 calorias – o que pode ser equivalente, por exemplo, a quase 10% das calorias diárias totais de quem está fazendo dieta. Mas então como o óleo de coco pode emagrecer?

– Através de uma conversão rápida em energia

Embora seja de fato uma gordura vegetal do tipo saturada, o óleo de coco não tem a mesma composição de boa parte dos demais óleos. Enquanto o óleo de soja, o óleo de girassol e até mesmo o azeite são formados por ácidos graxos de cadeia longa, o óleo de coco tem em sua composição lipídica 60% de ácidos graxos de cadeia média (também conhecidos como TCM – triglicérides de cadeia média).

E quanto mais longa a cadeia de carbonos, mais energia ela fornece. O que isso significa? Significa que um ácido graxo de cadeia longa fornece uma grande quantidade de energia que, se não for utilizada pelo corpo para realizar suas funções, vai ser estocada na região abdominal.

Assim, enquanto os ácidos graxos de cadeia longa têm digestão mais lenta e demoram mais para serem quebrados (pense na cadeia como uma grande corrente, onde cada elo tem que ser desfeito para que se possa aproveitar toda a energia), os TCM possuem digestão rápida, quase semelhante à de um carboidrato.

Além disso, os ácidos graxos de cadeia média são metabolizados diretamente no fígado, que utiliza a energia fornecida pelo óleo de coco para realizar suas próprias funções metabólicas. Com isso, não sobra energia para ser estocada na forma de gordura. Estudos recentes sugerem que os triglicérides de cadeia média não são estocados pelo corpo com a mesma eficiência que os triglicérides de cadeia longa.

– Devido às propriedades termogênicas

Outra propriedade do óleo de coco que o torna um ótimo alimento para quem precisa emagrecer é a sua capacidade termogênica. Como a gordura do óleo de coco não é estocada tão facilmente, ela vai para o fígado e acaba assim por acelerar o metabolismo, aumentando o gasto energético do organismo. Ou seja, além de ser mais difícil sua própria conversão em gordura, o óleo de coco ainda acelera a queima de gorduras já estocadas no corpo.

Em uma pesquisa realizada na Universidade McGill, no Canadá, pesquisadores observaram que os triglicérides de cadeia média foram capazes de aumentar o metabolismo de pacientes obesos em 48-65%. E o mais interessante é que esse efeito termogênico continuou por 24 horas após a ingestão de triglicérides de cadeia média.

– Redução no apetite

Outro mecanismo de funcionamento do óleo de coco se dá através da redução do apetite, já que diversos estudos têm demonstrado que os TCM (quando consumidos na mesma quantidade que outros tipos de gordura) têm um poder maior de saciedade. Isso significa que você acabará sentindo menos fome após consumir o óleo de coco, o que poderá levar a uma redução das calorias consumidas na próxima refeição.

Então o Óleo de Coco Emagrece Mesmo?

Como já vimos, o óleo de coco emagrece desde que seja parte integrante de um programa que inclua a prática regular de atividade física e mudanças nos hábitos alimentares. Continuar se alimentando da mesma maneira de sempre e simplesmente acrescentar duas colheres de óleo de coco à dieta não fará você emagrecer. Em alguns casos, poderá haver inclusive um efeito contrário: o ganho de peso.

Sim, é possível engordar com o óleo de coco caso seu consumo seja feito da maneira inadequada. E qual é a forma correta de usar óleo de coco? Fazer alterações na dieta (trocar carboidratos refinados por grãos integrais, restringir o consumo de açúcar, refrigerante e frituras, dar preferência aos legumes, frutas e verduras), se exercitar pelo menos três vezes por semana e lembrar-se de chegar ao final do dia com um saldo negativo de calorias.

Ou seja, após ter feito sua última refeição do dia você deverá somar todas as calorias consumidas desde a hora em que quebrou o jejum. Para que haja perda de peso, você deverá ter consumido menos do que gastou para manter seu metabolismo e com a prática de exercícios.

Associando-se esses três fatores com o óleo de coco é possível obter ótimos resultados e mandar as gordurinhas embora de uma vez por todas. Portanto, o óleo de coco emagrece, mas não se esqueça de que não existem situações milagrosas, mas sim complementares. Faça do óleo de coco um grande aliado da sua dieta, mas não deposite exclusivamente nele todas as suas expectativas.

Benefícios

Apesar de grande parte dos benefícios do óleo de coco estarem relacionados ao controle de peso, certamente não é só para isso que ele serve.

O óleo de coco extra virgem contém gorduras saturadas, monoinsaturadas e pol-iinsaturadas, como o ácido oleico, ácido linoleico e ácido láurico, que além de auxiliarem na perda de peso também são conhecidos por suas inúmeras propriedades medicinais. Conheça algumas delas:

  • Possível efeito anticatabólico: ainda que não totalmente comprovado, acredita-se que o fato do óleo de coco ser rapidamente convertido em energia faria com que a massa muscular fosse poupada e não utilizada como fonte de combustível para o metabolismo. Para quem malha, isso significaria uma menor perda de massa muscular e uma aceleração do crescimento da musculatura;
  • Controle do açúcar no sangue: o óleo de coco controla a quebra dos carboidratos em glicose, permitindo que o açúcar seja liberado de maneira gradual, ajudando assim a controlar o efeito glicêmico dos alimentos. Para quem está preocupado com a boa forma, essa propriedade é fundamental, já que variações bruscas na glicemia sanguínea alteram o mecanismo de liberação de insulina e podem causar desde aumento no apetite e no acúmulo de gordura abdominal até pré-disposição ao diabetes;
  • Melhora nos níveis de colesterol: graças à atuação do ácido láurico, o óleo de coco eleva os níveis de HDL, o bom colesterol. Essa propriedade aumenta a proteção do coração e dificulta o entupimento das artérias, condição que pode levar ao infarto;
  • Aumenta a imunidade: o óleo de coco contém ácido cáprico, um tipo de TCM que, em conjunto com o ácido láurico, pode contribuir para o fortalecimento do sistema imunológico. Por esse motivo, diz-se que o óleo de coco possui ação antibacteriana, antiviral, antiprotozoária e antifúngica;
  • Aliado da beleza: o óleo de coco é um excelente hidratante natural para a pele, podendo também ser utilizado para a hidratação dos cabelos.

Refinado x Extra-virgem

Assim como ocorre com o popular azeite, o óleo de coco pode ser encontrado com mais frequência em duas versões: refinado e extra-virgem. Enquanto este último é extraído a frio, sem o auxílio de produtos químicos, o óleo de coco refinado é extraído a partir da utilização de altas temperaturas e solventes químicos.

Como o processo químico remove grande parte das impurezas e demais materiais em suspensão, o óleo de coco refinado praticamente não mantém o odor nem o sabor da fruta. Já no óleo extra-virgem é possível sentir o aroma mais adocicado característico do coco.

Apresentação 

Além do óleo para uso culinário, já é possível encontrá-lo na forma de cápsulas, comercializadas geralmente na concentração de 1000 mg. Qual das duas apresentações é melhor?

Vejamos: as cápsulas possuem a óbvia vantagem da praticidade. Você toma a qualquer hora e onde quer que esteja. Já o óleo vendido em embalagens de vidro exige um pouco mais de planejamento antes do consumo, podendo eventualmente necessitar de um pouco de aquecimento para sair do estado sólido.

Por outro lado, o óleo na versão líquida pode ser uma ótima opção para a sua salada, frango grelhado, pão e até mesmo shake proteico. O óleo de coco neste caso pode substituir óleos menos saudáveis, como o óleo de soja, a gordura animal e o óleo de canola. Outra vantagem do óleo nesta apresentação é a sua rápida absorção, o que o torna uma boa opção para aumentar a saciedade antes da refeição – como já vimos, o óleo de coco antes de uma refeição principal pode diminuir a fome e fazer com que o consumo de calorias seja menor logo em seguida.

Como Usar

A recomendação dos nutricionistas é para utilizar no máximo 30 g do óleo de coco por dia – ou o equivalente a três colheres de sopa bem rasas. Para quem ainda não está habituado ao alimento, o ideal é que se comece com quantidades menores – de 10 a 20 g ao dia.

O óleo de coco pode ser utilizado da mesma maneira que os demais óleos vegetais: em saladas, carnes, para refogar legumes, massas, tortas, pães, bolos (você pode utilizá-lo para substituir a manteiga no bolo integral), etc. Como este óleo é sólido em temperatura ambiente, ele pode ser levemente aquecido em banho maria para voltar à forma líquida. Ou, se preferir, você pode utilizá-lo em substituição à manteiga, em pães ou na tapioca, por exemplo (respeitando a quantidade máxima de 1 colher por refeição).

Para quem está de olho na balança, uma colher de sopa (rasa) de óleo de coco de 30 a 60 minutos antes das principais refeições poderá diminuir seu apetite e fazer com que você se sinta saciado com uma quantidade menor de comida. Apenas não se esqueça de fazer uma substituição – se já usou o óleo de coco antes do almoço, não coloque azeite na salada, por exemplo. Caso sua preferência seja por tomar o óleo de coco em jejum, pule a manteiga do café da manhã – e lembre-se de não exceder 3 colheres ao dia.

Já quem malha pode acrescentar uma colher de óleo de coco ao shake de proteínas e consumi-lo antes do treino. Neste caso específico, o óleo de coco irá não só acelerar a queima de gordura como também disponibilizará mais energia para suas séries.

Uma característica do óleo do coco, que é exatamente a de suportar temperaturas mais altas sem perder suas propriedades nutritivas nem formar compostos tóxicos, o torna uma excelente opção ao azeite – que não deve ser aquecido acima de 100o C. Assim, você pode usar o óleo de coco para grelhar o frango, o bife ou mesmo para refogar o arroz e o feijão.

Onde Encontrar

Você pode encontrar o óleo de coco nas grandes redes de supermercado e também em lojas de produtos naturais. Já o óleo de coco em cápsulas pode ser adquirido em farmácias ou através de sites específicos na internet.

Quanto Custa

O preço do óleo de coco é um dos fatores que podem tornar seu consumo um pouco menos atraente, já que um pote de 200 g chega a custar, em média, R$23,00. Já as cápsulas podem sair, em média, a R$33,00 por embalagem com 60 comprimidos (de 1000 mg cada).

Dicas

Quando em excesso, o óleo de coco pode sobrecarregar o fígado, causando desde desconforto gástrico até problemas mais sérios, como cálculos na vesícula biliar. Para que isso não ocorra com você, a dica é não passar de uma ou no máximo duas colheres do óleo por dia, sempre lembrando que ele deverá ser utilizado em substituição a outro óleo vegetal – e não simplesmente ser adicionado à sua dieta habitual.

Algumas pessoas podem ser intolerantes ao óleo de coco, ainda que não o saibam. Para saber se você é uma delas, comece a fazer uso do óleo em pequenas quantidades (uma colher de café por dia, por exemplo) até certificar-se de que não tem intolerância ao alimento. Caso sinta-se enjoado ou com a cabeça pesada logo após o consumo do óleo de coco, suspenda imediatamente o uso do produto.

Referências adicionais: 

Você já utilizou o óleo de coco como substituto de algum outro óleo vegetal em sua dieta? Como você o utilizou nas refeições? Prefere tomá-lo como um suplemento? Comente abaixo seus resultados!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (29 votos, média: 4,10 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)




ARTIGOS RELACIONADOS

8 comentários

  1. Sigo a dieta do Dr. Jose Carlos Solto
    sou paleo-lowcarb
    uso óleo de côco e me sinto muito, bem
    uso azeite extra virgem
    faço restrição de glúten, açúcar, óleo de soja,óleo de canóla, óleo de milho,
    meus exames estão excelentes
    fico triste com os nutricionistas brasileiros, eles não querem promover a saúde
    eles querem é vender suplementos e remédios.

  2. Uso óleo de coco extra virgem no rosto,de seguida uso o hidratante habitual. Não dx a pele oleosa, mas sim, hidratada e com ótimo áspeto. No cabelo, uso tb puro, aplicado por madeixas, ficando a atuar durante a noite e sempre na véspera de lava. Até me perguntam se fui á cabeleireira!! Tenho uma dúvida: faço coloração. Posso aplicar á noite o óleo de coco e fazer no dia seguinte a coloração? Ou nessa noite não uso o óleo de coco? Obrigada.

  3. Depois de pesquisar muito sobre o oleo de coco na internet, resolvi comprar. Nunca precisei fazer dieta, sempre tive o mesmo peso. Mas depois dos quarenta anos, meu corpo mudou bastante, e eu passei a desejar emagrecer um pouco. Comecei a tomar conforme sugestões né internet, 1 colher de sopa ao dia, e pra garantir diminui também a quantidade de alimentos no dia, e parei com os doces. Bom, depois de cinco dias, a minha barriga estava enorme e meu estômago bastante alto. Me senti gorda pela primeira vez na minha vida. Fiquei assustada e parei de tomar!

    • AdautoJorgede SouzaBastos

      Eu achou que não foi o óleo de Coco, todos nós temos o costume de se alimenta junto com a frutas ,isso não é bom.a frutas tem q ser primeiro vc da um tempo de uma hora ,depois almoçar .Faça uma pesquisa sobre isso. Um grande abraço.

  4. O que acontece se eu tomar o oleo de coco em cápsula depois do almoço??

  5. eu passei oleo de côco no rego e saiu bastante coco, sem fazer esforço

  6. Ok.gostei muito .quero mais informações sobre o o óleo de Coco.alguns fala q não é isso tudo Qatar o óleo de Coco tem.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*