Peeling enzimático

Peeling Enzimático – O Que é, Como Funciona, Cuidados e Dicas

A pele é o maior órgão do corpo humano, possuindo uma grande importância para organismo. Ela tem a função de proteger, de regular a temperatura corporal, ajudando também na reserva de nutrientes e contendo inúmeras terminações nervosas. A pele está totalmente exposta a muitos tipos de agentes externos, sofrendo bastante em função disso e precisando de cuidados diários para que se mantenha saudável.

Existem muitos tipos de cuidados necessários para garantir uma pele saudável e, quando esta fica danificada, é importante que sejam realizados tratamentos que possam ajudar a restaurar a saúde da pele, deixando-a renovada, hidratada e com aparência mais jovem e natural.

Vamos conhecer o peeling enzimático, entender o que é este tratamento e como funciona, além de algumas dicas e cuidados fundamentais para manter sua pele sempre com saúde.

Qual a importância de cuidar da pele?

A pele é formada, basicamente, por duas camadas: a epiderme e a derme. A epiderme é a camada mais externa da pele, responsável principalmente pela proteção e afetada por muitos fatores ambientais. Com o tempo e com a falta de cuidados, a pele pode ficar com aspecto envelhecido, sem brilho e sem vida.

Entre os muitos cuidados, a esfoliação, por exemplo, é um procedimento que ajuda na renovação celular da pele, pois ajuda na retirada das células da superfície que estão sem vitalidade. A remoção desta camada ajuda a eliminar impurezas, além de trazer um aspecto saudável. Os mecanismos de ação deste tipo de esfoliação podem ser físicos, químicos ou enzimáticos.

Existem muitos tratamentos disponíveis no mercado atualmente e que são recomendados por profissionais de estética e por dermatologistas. Entre os muitos tratamentos indicados, estão a radiofrequência, o laser de CO2 fracionado, o preenchimento com ácido hialurônico e com glicerol, o tratamento com microrroller, além dos diversos tipos de peeling.

O peeling é um procedimento indicado para amenizar marcas e manchas na pele. Ele estimula a remoção das células mortas, melhorando a aparência. Este é um procedimento abrasivo e que ajuda na regeneração da camada mais externa da pele.

Existem diversos tipos de peeling: os químicos, que utilizam substâncias como o ácido salicílico, o ácido glicólico e o ácido tricloroacético, o peeling físico, que utiliza produtos abrasivos, e o peeling enzimático, que conheceremos melhor abaixo. 

O que é o peeling enzimático?

Entre as diversas técnicas disponíveis no mercado, o peeling enzimático é um dos mais procurados e que também tem feito bastante sucesso. Diferentemente de outros tipos de peeling que utilizam produtos químicos e que podem causar efeitos adversos, este peeling é mais natural e utiliza produtos com ativos à base de enzimas biológicas encontradas em frutas ou que sejam produzidos de forma controlada por micro-organismos não patogênicos.

Entre os muitos ativos presentes nos produtos usados nesta técnica, estão a bromelina, que é retirada do abacaxi, a papaína, que é retirada do mamão, ou as enzimas obtidas através da fermentação dos lactobacilos. As enzimas retiradas da romã e da abóbora também são bastante utilizadas nos produtos deste tipo de peeling.

Estas enzimas, por sua vez, entram em contato com a pele, reduzindo a queratina, que é responsável por deixar a pele com aspecto mais opaco e cansado, além de estimular a produção de colágeno que irá auxiliar na renovação da pele que está danificada e ajudar a diminuir as linhas de expressão.

O peeling enzimático pode ser realizado em qualquer tipo de pele, seja oleosa, seca ou mista, podendo também ser feito em peles sensíveis. Este tratamento é natural e ajuda a promover o rejuvenescimento da pele, melhorando a textura e a maciez, deixando a pele mais saudável.

As enzimas presentes nos produtos utilizados renovam as células, reduzindo assim a aparência cansada e sem brilho da pele. Além disso, os produtos contêm substâncias antioxidantes que ajudam a neutralizar os radicais livres que promovem o envelhecimento precoce.

O peeling enzimático é indicado para qualquer parte do corpo e do rosto que precise melhorar a textura e a aparência. Ele promove a renovação celular, a hidratação, aumentando o brilho, maciez e também o clareamento da região de forma natural e menos agressiva. Desta forma, este tratamento pode ser utilizado, inclusive, em peles mais sensíveis, ajudando também a potencializar os efeitos de outros tratamentos.

Como funciona o peeling enzimático?

As enzimas presentes nos produtos utilizados neste tratamento causam um efeito positivo na camada mais externa da pele, ajudando a remover as células mortas, estimulando a produção de novas células, diminuindo sua espessura, melhorando de forma considerável a textura e também a aparência da pele.

Primeiramente, deve-se sempre buscar um profissional médico ou da área de estética que seja devidamente habilitado para que se possa realizar o tratamento. O peeling enzimático é dividido em algumas etapas:

1. Higienização, limpeza e esfoliação da pele

Esta é a primeira parte do tratamento. O profissional deverá realizar uma limpeza e higienização da pele antes a aplicação do peeling. Esta parte deve ser feita de forma adequada com a utilização de espuma ou de sabonete específico para cada tipo de pele, realizando-se a remoção completa do produto antes da próxima etapa.

Após a limpeza, deve-se fazer uma leve esfoliação com produtos naturais de forma a reduzir parte das células mortas e também ajudar a remover o restante das impurezas superficiais da região onde será aplicado o peeling. Retire o esfoliante e deixe a pele limpa e pronta para a aplicação dos outros produtos.

2. Aplicação da máscara enzimática

Após a limpeza e a esfoliação da pele, faz-se a aplicação dos produtos à base de enzimas. A aplicação e o tempo de ação do produto à base de enzimas irão variar conforme o fabricante e também conforme o tipo de pele, podendo durar cinco minutos ou podendo ser aplicado em forma de máscara, durante 20 minutos, por exemplo.

As enzimas presentes na máscara irão deixar a pele macia, hidratada, mais nutrida e também com mais brilho. Além disso, a máscara também contém substâncias antioxidantes que ajudam a renovar a pele, evitando o envelhecimento precoce e prevenindo o aparecimento de manchas. O profissional deve ser a recomendação de cada fabricante para realizar a adequada aplicação do produto.

Após o período determinado, deve-se fazer a completa retirada do mesmo com gaze umedecida em água ou soro.

3. Finalização da aplicação

Após a retirada da máscara de enzimas, é importante que seja realizada a finalização do tratamento da pele. Pode-se fazer a aplicação de outros produtos, tais como a utilização de uma máscara nutritiva para aumentar a saúde da pele, assim como a aplicação de vitamina C, que irá evitar o processo de oxidação.

Outro produto que é bastante importante é o filtro solar, que deve ser utilizado no final do tratamento, ajudando a manter a pele protegida.

Cuidados e dicas sobre o peeling enzimático

A recuperação após o tratamento e também os possíveis efeitos irão depender da forma como foi realizado o procedimento. Em alguns casos, pode haver vermelhidão e descamação na região onde foi realizado o peeling, com recuperação rápida quando ele é mais superficial, num prazo de 2 a 10 dias, em geral.

Dependendo da profundidade do tratamento, podem surgir outros sintomas. Inchaço, dor, secreção e até um aspecto de queimadura podem permanecer por mais de 10 dias. Os cuidados que devem ser realizados pelo paciente irão depender bastante da profundidade do procedimento realizado.

Após as sessões de aplicação do produto, deve-se sempre fazer uso de filtro solar, pois a pele estará mais sensível e com a camada protetora mais fina. Recomenda-se o filtro solar com proteção maior do que 30. Evite também, ao máximo, a exposição ao sol e procure utilizar acessórios como roupas e chapéus que possam proteger a área onde foi realizado o peeling.

As complicações deste tipo de tratamento são raras, mas podem acontecer casos de escurecimento da pele e até mesmo alguns tipos de infecções causadas por vírus e bactérias. Nestes casos, procure imediatamente o médico responsável e faça uma avaliação do problema. Muitas vezes é necessário o uso de medicamentos antifúngicos, antibióticos, antivirais, de cremes cicatrizantes e calmantes, entre outros.

Conclusão

O peeling enzimático é um dos procedimentos estéticos mais procurados, pois este auxilia na melhoria da pele, rejuvenescendo a aparência e trazendo resultados melhores com a aplicação de produtos naturais. Como qualquer procedimento estético, este deve ser sempre realizado por profissionais adequados e em casos de complicações, deve-se buscar a orientação de um profissional médico.

Você conhece alguém que tenha feito peeling enzimático e apresentado bons resultados? Tem vontade de experimentar essa técnica e ver como funciona? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)




ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*