Publicidade

 

Saúde do coração

Tudo Sobre Colesterol Total Alto ou Baixo Demais

O colesterol já foi encarado como o grande vilão da saúde, mas, nos últimos anos, há mais informações disponíveis que estão desmistificando o assunto. Ele é essencial para o organismo, pois o corpo precisa dele para criar hormônios, vitamina D, substâncias que auxiliam na digestão e para manter o sistema neurológico saudável.

Publicidade

Porém um colesterol total alto causa obstrução das artérias que pode causar ataques cardíacos ou derrames. De acordo com estudos mais recentes, colesterol total alto é responsável por um terço a um quarto das doenças cardíacas. Por isso é importante saber o que é o colesterol, quais são seus reais riscos para a saúde e como controlá-lo.

O colesterol

O colesterol é uma substância produzida pelo nosso corpo como tantas outras e pode causar problemas quando se encontra em excesso ou em falta no nosso organismo. Ele é um esterol – uma das três principais classes de lipídios que as células animais utilizam para construir membranas – produzido pelo nosso fígado que circula no nosso sangue. Ele é essencial para a produção de hormônios esteroides, ácidos biliares (fundamentais na digestão) e vitamina D.

Além de ser produzido pelo corpo humano, o colesterol também pode ser consumido através de alimentos de origem animal como carne, manteiga, queijo, etc. O colesterol é insolúvel em água e é transportado no sangue por lipoproteínas de densidade muito baixa (VLDL), de baixa densidade (LDL), de densidade intermediária (IDL) e de alta densidade (HDL).

Colesterol ruim x colesterol bom

Como dito, ele é transportado pela corrente sanguínea por lipoproteínas. O colesterol transportado por lipoproteínas de baixa densidade (LDL em inglês) é considerado ruim para o corpo porque ele causa placas gordurosas e a obstrução das artérias, o que pode levar a ataques cardíacos e derrames.

O colesterol que é transportado por lipoproteínas de alta densidade (HDL em inglês) ajuda a remover o LDL das artérias, por isso é considerado bom. Ele carrega o colesterol ruim das artérias de volta para o fígado, onde ele é transformado.

Então, não adianta apenas se preocupar em baixar os níveis de colesterol ruim, é preciso aumentar o nível de colesterol bom. Pesquisas apontam que a cada ponto a mais de HDL, a pessoa tem menos chances de morrer em função de um ataque cardíaco.

Publicidade

E os triglicerídeos?

Os triglicerídeos também importam quando se fala em colesterol. Eles são outro tipo de gordura que são usados para armazenar o excesso de energia consumida através dos alimentos e que, em excesso, causam doenças arteriais. O nível de LDL, do HDL e de um quinto do nível de triglicerídeos é o valor de colesterol total do organismo, que pode ser determinado por um exame de sangue.

As principais causas de altos níveis de triglicerídios é a obesidade, o sedentarismo, o excesso de álcool, uma dieta com mais de 60% das calorias de carboidratos e fumar cigarros. Para manter um colesterol total baixo, é preciso evitar comidas processadas, carboidratos e açucares como sucos, batatas brancas, doces e massas brancas. Além de consumir bastante ômega-3.

Colesterol Lp(a)

Este tipo de colesterol é pouco conhecido. É uma variação genética do colesterol ruim, o LDL. Altos níveis deste tipo de colesterol aumentam o risco de doenças arteriais prematuras. Apesar de ainda não haver tantas informações sobre o Lp(a), o que se sabe é que ele interage com substancias encontradas nas paredes das artérias e contribuiu para o acúmulo de gordura.

Colesterol total alto

Como dito antes, o nível de LDL, do HDL e de um quinto do nível de triglicerídios determina o valor de colesterol total do organismo, que pode ser descoberto com um exame de sangue. Um colesterol total alto pode levar a ataque cardíacos, derrames e doenças arteriais em geral.

Além disso, altos níveis de colesterol total também pode causar impotência. Um estudo descobriu que colesterol alto está relacionado à disfunção erétil, falha nos rins e Alzheimer. Outro estudo descobriu que homens com nível de colesterol total acima de 270 mg/dL tem 4,5 vezes mais chance de desenvolver câncer de testículos do que homens com níveis menores que 220 mg/dL.

Publicidade

Uma pesquisa de 2009 ainda aponta que dietas ricas em colesterol também estão associadas a maior risco de cirrose e câncer no fígado.

Sintomas de colesterol total alto

Não é tão fácil perceber os sintomas do colesterol alto, por isso é preciso fazer exames de sangue periodicamente para monitorar os níveis da substância no organismo. Ao contrário do que se pode pensar, colesterol não tem “cara”. Pessoas magras, jovens, homens e mulheres podem sofrer com colesterol alto.

Em alguns casos, é possível enxergar os efeitos dos altos níveis de colesterol na pele. É uma mancha amarelada e avermelhada chamada de xanthoma. Elas podem aparecer em todos os tamanhos e por todo o corpo e é mais comum em pessoas mais velhas que sofrem de diabetes e outros problemas cardíacos.

Causas do colesterol total alto

Como já foi dito, o colesterol é produzido pelo corpo, mas algumas pessoas têm genes herdados dos pais que podem fazer o corpo produzir mais que o normal. Por isso, se você tem histórico de colesterol alto na família, é essencial tomar cuidado extra com os níveis de colesterol.

Uma a cada 500 pessoas que sofrem de hipercolesterolemia familiar que pode elevar os níveis de colesterol para 300mg/dL a 600 mg/dL. Em casos raros, pessoas que herdam a doença dos dois pais podem ter um condição que afeta uma em cada 1 milhão de pessoas e eleva o colesterol total para mais de 1000mg/dL.

Além das causas genéticas, uma dieta rica em gorduras saturadas e trans, o sedentarismo e fumar cigarros são os principais responsáveis por aumentar os níveis do colesterol total.

Tratamento: equilibrando o nível de colesterol

A maneira de manter os níveis de colesterol saudáveis é uma mudança de estilo de vida. Estudos mostram que uma dieta saudável, exercícios regulares, cuidar o peso e não fumar diminuem o risco de doenças cardíacas em 80%. Isso não quer dizer nunca mais comer frituras e fazer exercícios intensos todos os dias, mas equilibrar a sua dieta, reduzindo as gorduras ruins e aumentando o consumo das gorduras boas, e fazer exercício aeróbico regular.

Dieta

Os principais vilões do colesterol são as gorduras saturadas e trans. É preciso evitá-las ao máximo para manter os níveis de LDL saudáveis. Gorduras saturadas são encontradas na manteiga, embutidos, queijos, laticínios, biscoitos recheados e carne vermelha. Já as gorduras trans são encontradas principalmente nas conhecidas “junk foods” como salgadinhos, bolachas recheadas, doces industrializados e frituras. Além de aumentar os níveis de LDL, as gorduras trans diminuem o HDL, acelerando o processo de formação de placas nos vasos sanguíneos. Quando for fazer compras, confira os níveis de gorduras saturadas e trans nas informações nutricionais e as evite.

Consuma mais frutas, vegetais, grãos, produtos lácteos magros, nozes e carnes magras como aves e peixes. Ovos não são vilões – sim, eles são ricos em colesterol, mas o corpo precisa de cerca 213 miligramas de colesterol por dia, e um ovo tem um pouco menos do que isso. Então você pode consumir ovos com parcimônia.

Lembre que gordura em si não é ruim. Para se manter saudável você deve consumir gorduras monossaturadas e poli-insaturadas. Estes tipos de gorduras aumentam o nível de colesterol bom.

Você pode introduzir gorduras monossaturadas na sua dieta através de azeite de oliva extra virgem e amendoim, além de abacate, amêndoas, e sementes como de moranga e gergelim. Já as poli-insaturadas são encontradas em nozes, óleo de girassol e milho, peixes (como salmão), que também são uma boa fonte de ômega 3.

Exercícios regulares

Junto com uma dieta saudável, é preciso fazer atividade física regular e perder peso. Apenas 40 minutos de exercício aeróbico moderado de três a quatro vezes por semana tem a capacidade de baixar os níveis de colesterol total e a pressão sanguínea. Estude começar a caminhar, nadar, andar de bicicleta, ou se inscreva em alguma aula como dança, artes marciais e outros esportes.

Publicidade

Fazer atividade física diminui o LDL entre 3 e 16 mg/dL. Pode parecer pouco, mas um estudo recente mostrou que o principal benefício de fazer exercício regularmente é aumentar o nível de HDL. Além disso, o exercício regular diminui o nível de triglicerídeos, evita a acumulação de placas nas artérias, baixa a pressão sanguínea e melhora a circulação sanguínea como um todo.

Medicamentos

Se você está com níveis preocupantes de colesterol total alto, além da mudança na dieta e de começar a fazer exercício físico e parar de fumar, pode ser necessário o uso de remédios (que sempre devem ser prescritos por um médico). Vários medicamentos diminuem o nível de colesterol.

O medicamento mais famoso são as estatinas, que podem reduzir o colesterol em 50%. Elas são eficazes na diminuição da mortalidade de pessoas que tiverem doença cardiovascular anterior, mas alguns estudos não encontram resultados em pessoas com alto risco que não sofreram doença cardiovascular prévia.

O colesterol total baixo

Apesar do grande vilão ser o nível total de colesterol alto, colesterol total baixo é um problema também. Em função do medo do colesterol alto, algumas pessoas diminuem demais os níveis (abaixo de 160/dL) e passam a ficar suscetíveis a diversas doenças, inclusive câncer, Alzheimer, e doença de Parkinson. O colesterol total baixo pode ser causado pelo uso das estatinas, distúrbios hormonais, desnutrição, doença hepática e câncer.

Estudos apontam que níveis baixos de colesterol total leva a ansiedade, depressão, comportamento agressivo e impulsivo. Uma pesquisa canadense aponta que quanto menor o nível de colesterol, maior o risco de suicídio. Uma pesquisa sul-coreana aponta que pacientes depressivos com nível de colesterol total baixo tinham mais chance de cometer suicídio.

Pesquisas recentes indicam que níveis de colesterol muito baixos também estão relacionados com a perda de memória e Alzheimer. O HDL influencia na formação das placas beta-amilóide que são uma característica no cérebro de quem sofre de Alzheimer. Uma pesquisa concluiu que pessoas com níveis baixos de HDL tem 53% mais chance de sofrer com perda de memória do que quem tem níveis saudáveis e maior chance de desenvolver demência quando mais velho.

Além disso, hormônios produzidos pelas glândulas suprarrenais, dos testículos e dos ovários são feitos a partir do colesterol. Quando os níveis estão baixos, ocorrem piora em desequilíbrios hormonais como menopausa, andropausa, síndrome pré-menstrual, disfunção adrenal e distúrbio de estresse crônico. Outros problemas hormonais, como infertilidade podem ocorrer.

Outros estudos ainda mostram que colesterol baixo demais pode levar ao desenvolvimento de Mal de Parkinson, danos no fígado, incapacidade de absorver vitaminas, osteoporose, problemas de visão e diminuir a capacidade do corpo desenvolver vitamina D, essencial para a circulação, pressão arterial e controle de açúcar no sangue.

Publicidade

Entendendo os níveis de colesterol

Um exame de colesterol feito através da análise sanguínea indica o nível total de colesterol, o nível de LDL, de HDL e de triglicerídeos. Os números por si só não indicam a chance de sofrer de doenças cardíacas, pois há outros fatores envolvidos como idade, pressão sanguínea, etc.

Entenda o que significam os números do exame:

  • Colesterol total: inferior a 200mg/dL (saudável)
  • LDL: menos de 100mg/dL (ótimo), entre 100 e 129 mg/dL (perto do ideal, entre 130 e 159 mg/dL (intermediário alto), entre 160 e 189 mg/dL (alto), acima de 190 mg/dL (muito alto).
  • LDH: menos de 40 mg/dL para mulheres ou 50 mg/dL para homens é muito baixo, acima de 60 mg/dL é considerado saudável
  • Triglicerídeos: inferior a 150 mg/dL (saudável), até 199 mf/dL (médio alto), de 200 a 499 (alto) e acima de 500 (muito alto)

Referências adicionais:

Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)

Publicidade

  1. Trialists, Cholesterol Treatment. “The effects of lowering LDL cholesterol with statin therapy in people at low risk of vascular disease: meta-analysis of individual data from 27 randomised trials.” The Lancet 380.9841 (2012): 581-590.
  2. de Lemos, J., et al. “Efficacy and safety of more intensive lowering of LDL cholesterol: a meta-‐analysis of data from 170,000 participants in 26 randomised trials.” Lancet 376.9753 (2010): 1670-81.
  3. Khera, Amit V., et al. “Cholesterol efflux capacity, high-density lipoprotein function, and atherosclerosis.” New England Journal of Medicine 364.2 (2011): 127-135.
  4. Myant, Nicolas Bruce. The biology of cholesterol and related steroids. Butterworth-Heinemann, 2014.
  5. Niinikoski, Harri, et al. “The STRIP Study: Long-Term Impact of a Low Saturated Fat/Low Cholesterol Diet.” Current Cardiovascular Risk Reports 8.11 (2014): 1-7.
  6. Woo, Daniel, et al. “Hypercholesterolemia, HMG-CoA reductase inhibitors, and risk of intracerebral hemorrhage a case–control study.” Stroke 35.6 (2004): 1360-1364.
  7. Tedders, Stuart H., et al. “Low cholesterol is associated with depression among US household population.” Journal of affective disorders 135.1 (2011): 115-121.
  8. Troisi, Alfonso. “Low cholesterol is a risk factor for attentional impulsivity in patients with mood symptoms.” Psychiatry research 188.1 (2011): 83-87.

Você já foi diagnosticado com colesterol total alto ou baixo demais? Como foi tratar isso, você sentiu alguns sintomas? Quais alimentos você precisou adotar na dieta? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (14 votos, média: 3,86 de 5)
Loading...


RECOMENDADOS PARA VOCÊ

Publicidade

ARTIGOS RELACIONADOS

3 comentários

  1. boa tarde!
    tenho 46 anos!
    meu colesterol ruim LDL ta ótimo, 66
    mas o bom HDL ta baixo, 35.
    quais as medidas devo tomar?

  2. Ola estou com colesterol baixo 34 o que significa

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*

×