Velija

Velija Engorda ou Emagrece? Efeitos Colaterais e Para Que Serve

Para quem deseja e/ou necessita perder peso ou simplesmente não quer perder a boa forma, receber a indicação de um medicamento às vezes pode ser um pouco preocupante. Isso porque existe o medo de que o remédio em questão possa causar o aumento do peso.

A mesma preocupação pode estender-se para as pessoas que sofrem com o baixo peso e têm dificuldade para engordar – elas podem ficar temerosas de que o medicamento prescrito possa causar o emagrecimento e prejudicar ainda mais a sua condição.

Uma das formas de lidar com isso é conhecendo de antemão como funciona o medicamento, assim como as reações que ele pode causar para se preparar para enfrentá-las e já prevenir-se contra o aumento ou a diminuição do peso.

Sendo assim, vamos conhecer e entender se o Velija engorda, assim como conferir outros efeitos colaterais que ele pode causar e para que serve esse medicamento.

Para que serve Velija? 

Antes de vermos se Velija engorda ou emagrece, vamos verificar quais as são as suas indicações de uso?

Pois bem, de acordo com informações da sua bula disponibilizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, o remédio é indicado para casos de transtorno depressivo maior (TDM), dor neuropática periférica diabética, estados de dor crônica associados à dor lombar crônica, estados de dor crônica relativos à dor decorrente à osteoartrite do joelho (doença articular degenerativa) em pessoas com mais de 40 anos, transtorno de ansiedade generalizada e fibromialgia em pacientes com ou sem TDM.

A neuropatia periférica diabética trata-se de um distúrbio nervoso causado pela diabetes, que afeta as extremidades do corpo como os pés, as pernas, as mãos e os braços.

A bula de Velija também alertou que o transtorno de ansiedade generalizada é caracterizado como uma ansiedade e preocupação excessiva que são presentes na maior parte dos dias ao longo de seis meses, sendo elas difíceis de controlar e provocando o prejuízo das funções diárias.

O documento afirma ainda que para se tratar de um quadro da condição, o paciente deve apresentar três dos seis sintomas a seguir: inquietação/sensação de estar com os nervos à flor da pele, cansar-se facilmente, dificuldade de concentrar/sensação de brancos na mente, irritabilidade, tensão muscular e perturbação do sono.

Velija engorda?

Segundo informações da bula da Anvisa, é possível dizer que Velija engorda, assim como também podemos dizer que o Velija emagrece em alguns casos. Como isso acontece? Vamos entender agora.

A parte do documento que apresenta os efeitos colaterais menciona em diversos casos reações que o remédio pode trazer que estão diretamente associadas ao aumento ou à diminuição do peso.

Por exemplo, para os casos de TDM, o medicamento pode trazer os efeitos de diminuição do apetite e diminuição do peso, que aparecem na categoria das reações comuns, ou seja, que afetam entre 1% e 10% dos pacientes.

Porém, o aumento de peso também é listado como um possível efeito colateral do remédio para os casos de TDM, ainda que apareça como uma categoria incomum, que ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes.

Já se estivermos falando da dor neuropática periférica diabética, o que a bula nos informa é que uma reação muito comum (que ocorre em 10% dos pacientes) de ser observada com o uso de Velija é a diminuição do apetite.

A diminuição do apetite também é listada como um dos efeitos colaterais para quem sofre com a condição, porém, é mencionada como uma reação comum. Por outro lado, o aumento do peso é outro efeito que está associado ao uso do medicamento por quem tem a condição, apesar de ser apresentado como uma reação incomum.

Para os quadros de fibromialgia, a lista de reações comuns em decorrência do uso de Velija mostra que a diminuição do apetite e tanto a redução ou o aumento do peso podem ser experimentados por alguns pacientes.

Se o caso for de estados de dor crônica associados à dor lombar crônica e dor por osteoartrite do joelho, a bula indica que uma reação comum de ser observada é a diminuição do apetite. Porém, ela também informa que o aumento ou a diminuição do peso pode ocorrer, ainda que esses efeitos sejam incomuns.

Finalmente, temos os quadros de ansiedade generalizada, em que a diminuição do apetite é classificada como um efeito comum e que o aumento ou a redução do peso aparecem como reações incomuns.

Ou seja, para as diversas indicações do uso do medicamento, é possível que o paciente perceba tanto que o Velija emagrece, quanto que ele engorda. Entretanto, o fato de isso ser possível não faz com que isso necessariamente ocorra com todos.

Caso você veja que para você o Velija engorda ou emagrece ao tomá-lo, converse imediatamente com o seu médico para saber como proceder para reverter a perda ou o aumento de peso e entender como isso pode afetar a sua saúde.

E nada de tomar o remédio sem precisar somente porque quer e/ou precisa engordar ou emagrecer. Não existem garantias que esses efeitos realmente acontecerão e você correrá o risco de sofrer com os outros efeitos colaterais que Velija pode causar.

Isso sem contar que ao tomar o medicamento por conta própria, você corre o risco de errar a dosagem prejudicando o organismo, ou sofrer uma reação alérgica caso tenha alergia a algum componente do remédio e nem saiba disso.

Em outras palavras: nada de se automedicar! Precisa emagrecer ou engordar? Busque a ajuda de um nutricionista e corra atrás disso por meio de uma dieta saudável, controlada, equilibrada e nutritiva. A sua saúde certamente agradecerá.

Outros efeitos colaterais de Velija

Na lista a seguir, você confere alguns dos efeitos colaterais associados ao uso do remédio, conforme dados contidos na bula disponibilizada pela Anvisa.

Para casos de TDM

Reações muito comuns – em mais de 10% dos pacientes: 

  • Boca seca;
  • Náusea;
  • Dor de cabeça.

Reações comuns – entre 1% e 10% dos pacientes: 

  • Palpitação;
  • Zumbido no ouvido;
  • Visão borrada;
  • Prisão de ventre;
  • Diarreia;
  • Vômito;
  • Indigestão;
  • Dor abdominal;
  • Gases;
  • Cansaço;
  • Queda;
  • Aumento da pressão sanguínea;
  • Rigidez muscular;
  • Dor musculoesquelética;
  • Espasmo muscular;
  • Tontura;
  • Sonolência – com sedação e excesso de sono;
  • Tremor;
  • Adormecimento/formigamento de partes do corpo;
  • Insônia;
  • Alteração do orgasmo;
  • Diminuição da libido;
  • Ansiedade;
  • Agitação;
  • Sonhos anormais;
  • Alteração da frequência urinária;
  • Distúrbio da ejaculação;
  • Disfunção erétil;
  • Dor de garganta;
  • Bocejo;
  • Suor em excesso;
  • Suores noturnos;
  • Coceira;
  • Vermelhidão da pele.

Reações incomuns – entre 0,1% e 1% dos pacientes:

  • Taquicardia;
  • Vertigem;
  • Dor de ouvido;
  • Dilatação da pupila;
  • Distúrbio visual;
  • Ressecamento dos olhos;
  • Arroto;
  • Inflamação das paredes do estômago e do intestino;
  • Gastrite;
  • Hemorragia gastrointestinal;
  • Dificuldade para engolir;
  • Sensação de anormalidade;
  • Sensação de frio;
  • Sensação de calor;
  • Mal-estar;
  • Sede;
  • Calafrio;
  • Laringite;
  • Achados laboratoriais referentes a alterações de enzimas no fígado;
  • Contração muscular;
  • Distúrbio de atenção;
  • Letargia;
  • Alteração do paladar;
  • Movimentos involuntários muito bruscos das pernas ou dos braços durante o sono;
  • Baixa qualidade do sono;
  • Distúrbios do sono;
  • Bruxismo;
  • Desorientação;
  • Apatia;
  • Aumento da frequência urinária noturna;
  • Hesitação urinária;
  • Retenção urinária;
  • Dor urinária;
  • Diminuição do fluxo urinário;
  • Dor testicular;
  • Disfunção sexual;
  • Distúrbio menstrual;
  • Reação de fotossensibilidade;
  • Suor frio;
  • Dermatite de contato – inflamação na pele por meio do contato com substâncias externas;
  • Aumento da tendência à contusão;
  • Extremidades frias;
  • Diminuição da pressão arterial ao levantar-se.

Reações raras – entre 0,01% e 0,1% dos pacientes: 

  • Hipotireoidismo;
  • Feridas na boca;
  • Mau hálito;
  • Dificuldade para andar;
  • Aumento do colesterol;
  • Desidratação;
  • Movimentos involuntários;
  • Odor urinário anormal;
  • Aumento do volume urinário;
  • Sintomas da menopausa;
  • Constrição da orofaringe – dificuldade para engolir/engasgar.

Para casos de dor neuropática periférica diabética 

Reações muito comuns – em 10% dos pacientes:

  • Náusea;
  • Fadiga;
  • Tontura;
  • Dor de cabeça;
  • Sonolência.

Reações comuns – entre 1% e 10% dos pacientes:

  • Palpitação;
  • Vertigem;
  • Visão borrada;
  • Prisão de ventre;
  • Boca seca;
  • Vômito;
  • Diarreia;
  • Indigestão;
  • Dor abdominal;
  • Quedas;
  • Aumento da pressão sanguínea;
  • Achados laboratoriais apontando alterações nas enzimas do fígado;
  • Dor musculoesquelética;
  • Espasmo muscular;
  • Letargia;
  • Tremor;
  • Alteração do paladar;
  • Adormecimento/formigamento em partes do corpo;
  • Insônia;
  • Agitação;
  • Dor ao urinar;
  • Alteração da frequência urinária;
  • Distúrbios da ejaculação;
  • Disfunção erétil;
  • Dor de garganta;
  • Suor em excesso;
  • Coceira;
  • Rubor.

Reações incomuns – entre 0,1% e 1% dos pacientes 

  • Taquicardia;
  • Dor de ouvido;
  • Zumbido no ouvido;
  • Distúrbio visual;
  • Gases;
  • Arroto;
  • Inflamação das paredes do estômago e do intestino;
  • Gastrite;
  • Hemorragia gastrointestinal;
  • Estomatite (feridas na boca);
  • Dificuldade para engolir;
  • Sensação de anormalidade;
  • Sensação de calor;
  • Sensação de frio;
  • Mal-estar;
  • Sede;
  • Calafrio;
  • Distúrbio da marcha (dificuldade para andar);
  • Laringite;
  • Elevação do colesterol no sangue;
  • Desidratação;
  • Rigidez muscular;
  • Contração muscular;
  • Distúrbio da atenção;
  • Movimentos involuntários;
  • Baixa qualidade do sono;
  • Desorientação;
  • Sonhos anormais;
  • Alteração do orgasmo;
  • Redução da libido;
  • Ansiedade;
  • Aumento da frequência urinária no período da noite;
  • Hesitação urinária;
  • Retenção urinária;
  • Crescimento do volume urinário;
  • Diminuição no fluxo urinário;
  • Retardo na ejaculação;
  • Dor testicular;
  • Disfunção sexual;
  • Bocejo;
  • Constrição da orofaringe;
  • Reação de fotossensibilidade;
  • Suor frio;
  • Maior tendência a contusões;
  • Extremidades frias.

Para casos de fibromialgia 

Reações muito comuns – em 10% dos pacientes:

  • Prisão de ventre;
  • Náusea;
  • Diarreia;
  • Cansaço;
  • Tontura;
  • Dor de cabeça;
  • Sonolência;
  • Insônia.

Reações comuns – entre 1% a 10% dos pacientes: 

  • Palpitação;
  • Visão borrada;
  • Indigestão;
  • Dor abdominal;
  • Gases;
  • Queda;
  • Sede;
  • Calafrios;
  • Elevação da pressão sanguínea;
  • Rigidez muscular;
  • Espasmos musculares;
  • Dor musculoesquelética;
  • Distúrbio de atenção;
  • Letargia;
  • Tremor;
  • Alteração do paladar;
  • Adormecimento/formigamento de partes do corpo;
  • Alteração do orgasmo;
  • Diminuição da libido;
  • Ansiedade;
  • Distúrbio do sono;
  • Bruxismo;
  • Sonhos anormais;
  • Alteração da frequência urinária;
  • Distúrbios da ejaculação;
  • Disfunção erétil;
  • Dor de garganta;
  • Bocejo;
  • Suor excessivo;
  • Suores noturnos;
  • Coceira;
  • Vermelhidão na pele.

Reações incomuns – entre 0,1% e 1% dos pacientes:

  • Taquicardia;
  • Vertigem;
  • Visão borrada;
  • Dor de ouvido.
  • Zumbido no ouvido;
  • Hipotireoidismo;
  • Dilatação da pupila;
  • Distúrbio visual;
  • Ressecamento dos olhos;
  • Arroto;
  • Inflamação das paredes do estômago e do intestino;
  • Gastrite;
  • Hemorragia gastrointestinal;
  • Ferida na boca;
  • Dificuldade para engolir;
  • Sensação de anormalidade;
  • Sensação de frio;
  • Sensação de calor;
  • Laringite;
  • Achados laboratoriais relacionadas a alterações das enzimas do fígado;
  • Contração muscular;
  • Movimentos involuntários;
  • Baixa qualidade do sono;
  • Desorientação;
  • Apatia;
  • Problemas urinários;
  • Disfunção sexual;
  • Distúrbios menstruais;
  • Constrição da orofaringe;
  • Reação de fotossensibilidade;
  • Suor frio;
  • Dermatite de contato;
  • Maior tendência a contusão;
  • Frieza nas extremidades.

Reações raras – entre 0,01% a 0,1% dos pacientes:

  • Mau hálito;
  • Distúrbio da marcha;
  • Desidratação;
  • Odor anormal na urina.

Para casos de estados de dor crônica associados à dor lombar crônica e à dor em decorrência da osteoartrite do joelho

Reação muito comum – em 10% dos pacientes:

  • Náusea.

Reações comuns – em 1% e 10% dos pacientes:

  • Vertigem;
  • Visão borrada;
  • Prisão de ventre;
  • Boca seca;
  • Diarreia;
  • Vômito;
  • Indigestão;
  • Dor abdominal;
  • Gases;
  • Fadiga;
  • Aumento da pressão sanguínea;
  • Alteração das enzimas do fígado em achados laboratoriais;
  • Dor musculoesquelética;
  • Tontura;
  • Dor de cabeça;
  • Sonolência;
  • Alteração do paladar;
  • Formigamento/adormecimento de partes do corpo;
  • Insônia;
  • Redução da libido;
  • Ansiedade;
  • Distúrbio da ejaculação;
  • Disfunção erétil;
  • Retardo na ejaculação;
  • Suor em excesso;
  • Rubor.

Reações incomuns – entre 0,1% e 1% dos pacientes:

  • Palpitação;
  • Taquicardia;
  • Zumbido no ouvido;
  • Dilatação da pupila;
  • Distúrbio visual;
  • Arroto;
  • Inflamação das paredes do estômago e do intestino;
  • Gastrite;
  • Hemorragia gastrointestinal;
  • Mau hálito;
  • Quedas;
  • Sensação de anormalidade;
  • Sede;
  • Calafrio;
  • Rigidez muscular;
  • Espasmo muscular;
  • Contração muscular;
  • Distúrbio da atenção;
  • Letargia;
  • Tremor;
  • Baixa qualidade do sono;
  • Alteração do orgasmo;
  • Distúrbios do sono;
  • Agitação;
  • Desorientação;
  • Apatia;
  • Sonhos anormais;
  • Problemas urinários;
  • Dor testicular;
  • Dor de garganta;
  • Disfunção sexual;
  • Suores noturnos;
  • Dermatite de contato;
  • Coceira;
  • Maior tendência a contusões.

Reações raras – entre 0,01% e 0,1% dos pacientes: 

  • Dor de ouvido;
  • Feridas na boca;
  • Dificuldade para engolir;
  • Mal-estar;
  • Aumento do colesterol no sangue;
  • Desidratação;
  • Movimentos involuntários;
  • Bruxismo;
  • Odor anormal na urina;
  • Aumento do volume urinário;
  • Reação de fotossensibilidade;
  • Suor frio;
  • Extremidades frias;
  • Queda de pressão ao levantar.

Para casos de ansiedade generalizada

Reações muito comuns – em 10% dos pacientes: 

  • Boca seca;
  • Náusea;
  • Cansaço;
  • Tontura;
  • Dor de cabeça;
  • Sonolência.

Reações comuns – entre 1% e 10% dos pacientes:

  • Palpitação;
  • Zumbido no ouvido;
  • Visão borrada;
  • Dilatação da pupila
  • Prisão de ventre;
  • Diarreia;
  • Vômito;
  • Indigestão;
  • Dor abdominal;
  • Alteração das enzimas do fígado em achados laboratoriais;
  • Dor musculoesquelética;
  • Tremor;
  • Adormecimento/formigamento de partes do corpo;
  • Insônia;
  • Alteração do orgasmo;
  • Diminuição da libido;
  • Ansiedade;
  • Agitação;
  • Bruxismo;
  • Sonhos anormais;
  • Problemas urinários;
  • Distúrbios da ejaculação;
  • Disfunção erétil;
  • Retardo na ejaculação;
  • Bocejo;
  • Suor em excesso;
  • Rubor.

Reações incomuns – entre 0,1% e 1% dos pacientes:

  • Taquicardia;
  • Vertigem;
  • Distúrbio visual;
  • Ressecamento dos olhos;
  • Gases;
  • Inflamação das paredes do estômago e do intestino;
  • Dificuldade para engolir;
  • Sensação de anormalidade;
  • Sensação de frio;
  • Mal-estar;
  • Aumento da pressão sanguínea;
  • Rigidez muscular;
  • Contração muscular;
  • Espasmo muscular;
  • Distúrbio de atenção;
  • Letargia;
  • Alteração do paladar;
  • Movimentos involuntários;
  • Distúrbio do sono;
  • Apatia;
  • Aumento do volume urinário;
  • Dor testicular;
  • Disfunção sexual;
  • Dor de garganta;
  • Constrição da orofaringe;
  • Suores noturnos;
  • Coceira;
  • Extremidades frias.

Reações raras – entre 0,01% e 0,1% dos pacientes:

  • Dor de ouvido;
  • Gastrite;
  • Mau hálito;
  • Sensação de calor;
  • Sede;
  • Laringite;
  • Desidratação;
  • Movimentos involuntários muito bruscos dos braços ou pernas durante o sono – mioclonia;
  • Desorientação;
  • Odor anormal na urina;
  • Retenção urinária;
  • Suor frio;
  • Queda de pressão ao levantar;
  • Dermatite de contato.

Contraindicações e cuidados com o Velija

Segundo a bula, o remédio não pode ser utilizado por quem sofre com alergia ao cloridrato de duloxetina ou qualquer componente da fórmula de Velija, por pacientes com menos de 18 anos de idade e por pessoas que estejam fazendo uso de algum inibidor da monoaminoxidase (IMAO) ou tenha parado de tomar algum IMAO nos últimos 14 dias antes de dar início ao uso de Velija.

Caso esteja fazendo uso de qualquer outro tipo de remédio, mesmo que não seja um IMAO, informe o médico a respeito para que ele determine a existência ou não da possibilidade de interação entre Velija e o medicamento em questão.

Falando nisso, Velija só pode ser comercializado mediante a apresentação da receita médica, ou seja, somente se o médico prescrever a sua utilização.

Para mulheres grávidas, a bula indica que o medicamento só deve ser usado se o benefício potencial justificar o risco para o feto e que mulheres que estejam amamentando não podem utilizar o remédio.

Além disso, o documento alerta que o remédio deve ser usado com cautela e requer monitoramento no caso de pacientes que sofrem com a elevação das enzimas do fígado, especialmente associadas ao abuso do álcool e doença hepática preexistente, hipertensão conhecida, doenças cardíacas, que fazem uso de anticoagulantes ou substâncias que afetam a coagulação e têm tendência a sangramentos.

A bula também alerta que o paciente deve tomar cuidado ao dirigir veículos ou operar máquinas até certificar-se de que sua habilidade não foi prejudica porque Velija pode causar reações como sedação e tontura.

Você conhece alguém que tenha tomado e afirme que o Velija engorda ou emagrece? Foi receitado esse remédio e tem receio de tomá-lo por conta dos efeitos colaterais? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (16 votos, média: 4,19 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)




ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*