Arritmia cardíaca – Sintomas, causas e como tratar

Especialista da área:
atualizado em 12/03/2021

Palpitações ou sensação de coração acelerado podem ser sinais de arritmia cardíaca. Veja então quais são os sintomas, causas e como tratar essa condição.

  Continua Depois da Publicidade  

A arritmia cardíaca é qualquer irregularidade no batimento cardíaco, como por exemplo:

  • Falta de ritmo;
  • Taquicardia;
  • Ritmo lento;
  • Palpitação.

Problemas no coração merecem atenção especial, já que esse é o órgão responsável por bombear o sangue para todo o resto do corpo. Aliás, quando o coração não é capaz de bombear sangue suficiente para suprir as necessidades do corpo, pode ocorrer um infarto do miocárdio.

Em geral, as arritmias cardíacas não são um problema muito grave. Mas ainda assim é importante reportar ao seu médico qualquer mudança no batimento cardíaco – principalmente se você já sofre de uma condição pré-existente como a pressão alta, por exemplo.

Aliás, se você quer reduzir o risco de doença cardíaca, não deixe de ver a dica da nossa nutricionista no vídeo abaixo:

Sintomas da arritmia cardíaca

dor no peito

Antes de mais nada, é preciso saber que existem vários tipos de arritmia. São elas:

  1. Bradicardia: batimento lento;
  2. Taquicardia: batimento acelerado, geralmente acima de 100 bpm;
  3. Fibrilação e vibração: batimento irregular;
  4. Batimento cardíaco precoce: contração prematura.

Algumas pessoas podem ter um dos tipos de arritmia cardíaca acima e nem perceber. Por isso, o eletrocardiograma de rotina é tão importante, pois ele detecta arritmias que não causam sintomas perceptíveis.

Aliás, vale ressaltar que cada tipo de arritmia causa sintomas diferentes. Além disso, nem sempre a presença de sintomas significa que a situação é grave ou vice-versa.

A saber, os sintomas da taquicardia podem incluir:

  • Tontura;
  • Falta de ar;
  • Fraqueza repentina;
  • Dor no peito;
  • Sensação de desmaio ou desmaio;
  • Vibração no peito.

No caso da bradicardia, os principais sintomas são:

  Continua Depois da Publicidade  

  • Dor no peito;
  • Cansaço;
  • Tontura;
  • Palpitações;
  • Falta de ar;
  • Cansaço maior na prática de atividades físicas;
  • Dificuldade de concentração;
  • Confusão mental;
  • Suor intenso;
  • Sensação de desmaio;
  • Desmaio.

Por fim, outros sintomas que podem ocorrer durante uma arritmia cardíaca são:

Causas

De acordo com a American Heart Association, um coração saudável bate de 60 a 100 vezes por minuto.

Além disso, pessoas que têm uma função cardiovascular excelente podem ter batimentos menores do que 60 batimentos por minuto (bpm) sem ter nenhum problema no coração por conta disso. É o caso de atletas olímpicos, por exemplo.

De fato, mudanças temporárias no batimento do coração podem acontecer sem que isso seja grave ou gere complicações. Mas, em alguns casos, a arritmia pode resultar em um AVC ou em uma parada cardíaca.

Por isso, confira também o que você pode fazer para diminuir o risco de um AVC hemorrágico.

Na verdade, a causa da arritmia cardíaca é uma interrupção de impulsos elétricos que estimulam as contrações do coração. E isso pode acontecer por vários motivos.

Alguns dos fatores que podem contribuir para o funcionamento incorreto dos sinais elétricos do coração são:

  • Consumo excessivo de bebida alcoólica;
  • Uso de substâncias ilícitas;
  • Diabetes;
  • Excesso de cafeína;
  • Apneia do sono;
  • Estresse;
  • Fumo;
  • Hipertensão;
  • Doenças cardíacas;
  • Hipertireoidismo;
  • Ataque cardíaco prévio;
  • Uso de certos suplementos ou ervas;
  • Problemas estruturais no coração;
  • Uso de alguns medicamentos.

Como tratar a arritmia cardíaca

O tratamento de uma arritmia cardíaca nem sempre é necessário, mas a avaliação médica é indispensável. Além disso, é preciso considerar a causa, a gravidade e o tipo de arritmia observado.

  Continua Depois da Publicidade  

Logo depois de considerar tudo isso, o médico vai definir como será o seu tratamento. As suas opções de tratamento incluem:

Remédios

A depender do tipo de arritmia cardíaca, um dos remédios abaixo pode ser prescrito pelo cardiologista. Em geral, eles servem para controlar, prevenir ou interromper uma arritmia cardíaca.

  • Antiarrítmicos: são remédios que tratam a taquicardia e o batimento cardíaco precoce. Exemplos incluem a propafenona e a amiodarona;
  • Bloqueadores dos canais de cálcio: remédios como a amlodipina e diltiazem que controlam a pressão arterial e ajudam a reduzir a frequência cardíaca;
  • Anticoagulantes: ajudam a prevenir os coágulos sanguíneos e reduzir o risco de fibrilação atrial. Exemplos dessa classe de medicamentos incluem varfarina e rivaroxabana;
  • Bloqueadores beta: atuam reduzindo a frequência cardíaca e a taquicardia. Os mais comuns são o acebutolol e o metoprolol.

Procedimentos 

Embora a maioria das arritmias não precise de intervenção, em alguns casos, é preciso intervir com procedimento ou cirurgias para controlar a arritmia.

A saber, os procedimentos mais comuns são:

  • Cardioversão elétrica: implante de um dispositivo que gera um estímulo elétrico que força o coração a voltar ao ritmo normal;
  • Ablação por cateter: procedimento feito sob anestesia em que o médico insere cateteres nos vasos sanguíneos para promover a eliminação do tecido danificado do coração que está causando a arritmia;
  • Implante de marcapasso: cirurgia de implante de marcapasso, que produz sinais elétricos semelhantes ao do coração para que o batimento fique normal.

Certamente, existem muitos outros procedimentos e estratégias terapêuticas para controlar uma arritmia cardíaca.

Em todo caso, é essencial ir ao médico se você notar qualquer mudança no ritmo do seu coração.

Prevenção

Não existe fórmula certa para evitar uma arritmia cardíaca. Mas sem dúvidas ter um estilo de vida saudável melhora a saúde do coração e reduz o risco de doenças.

Sendo assim, invista seu tempo e energia em:

  1. Seguir uma dieta equilibrada e nutritiva;
  2. Estar fisicamente ativo;
  3. Cuidar da pressão arterial e dos níveis de colesterol;
  4. Manter um peso corporal saudável;
  5. Evitar hábitos nocivos como o fumo e o consumo abusivo de álcool;
  6. Diminuir o estresse do dia a dia;
  7. Controlar a ansiedade;
  8. Fazer exercícios físicos regularmente;
  9. Evitar a automedicação;
  10. Limitar a quantidade de café por dia.

Por fim, não se esqueça de manter o check-up cardiológico em dia com exames como ecocardiograma, holter, teste ergométrico e eletrocardiograma.

Com isso, as chances de ter um coração saudável são bem maiores. Além disso, todo o seu corpo vai agradecer por adotar um estilo de vida melhor.

Fontes e referências adicionais

Você já suspeitou de um episódio de arritmia cardíaca? Por isso, já procurou um médico? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Lucio Pacheco

Dr. Lucio Pacheco é Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral - CRM 597798 RJ/ CBCD. Formou-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1994. Em 1996 fez um curso de aperfeiçoamento no Hospital Paul Brousse, da Universidade de Paris-Sud, um dos mais especializados na área de transplantes na Europa. Concluiu o mestrado em Medicina (Cirurgia Geral) em 2000 e o Doutorado em Medicina (Clinica Médica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2010. Dr. Lucio Pacheco é um profundo estudioso na área de doença hepática e escreveu dezenas de livros e artigos sobre transplante de fígado. Atualmente é médico-cirurgião, chefe da equipe de transplante hepático do Hospital Copa Star, Hospital Quinta D´Or e do Hospital Copa D´Or. Além disso é diretor médico do Instituto de Transplantes. Suas áreas de atuação principais são: cirurgia geral, oncologia cirúrgica, hepatologia, e transplante de fígado. Dr. Lucio é uma referência profissional em sua área e autor de artigos científicos e diversos. Para mais informações, entre em contato com ele.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário