11 Mentiras da Indústria de Alimentos Que Atrapalham sua Dieta

Especialista:
atualizado em 11/12/2019

Não há decência na forma como companhias de alimentos fazem suas propagandas.

Tudo o que importa para eles é lucro e eles parecem dispostos a sacrificar até a saúde de crianças para seu ganho.

Aqui estão as 11 maiores mentiras da indústria de alimentos.

1. Pouco ou Sem Gordura

Um dos efeitos colaterais da “guerra” contra a gordura foi uma variedade de produtos processados com pouca gordura.

Esses produtos tipicamente tem embalagens que dizem “redução de gordura” ou “sem gordura”.

O problema é que esses produtos não são nem um pouco saudáveis.

Alimentos que tiveram a gordura removida têm gosto de papelão, ninguém iria querer comer.

Por isso, esses alimentos geralmente são cheios de açúcar, adoçantes artificiais ou outros químicos que não são naturais.

Agora nós sabemos que a gordura é inofensiva e o açúcar é ruim. O que isso quer dizer é que os alimentos com “redução de gordura” são geralmente muito piores que seus similares “regulares”.

Em Resumo: Se um produto tem as palavras “redução de gordura” ou qualquer coisa similar na embalagem, provavelmente é ruim pra você.

2. Livre de Gorduras Trans

Alimentos processados frequentemente têm “livre de gorduras trans” na embalagem.

Isso não tem que ser necessariamente verdade.

Desde que um produto tenha menos do que 0,5 gramas de gordura trans por porção, ele pode por isso na embalagem.

Certifique-se de checar a lista de ingredientes… se a palavra “hidrogenada” aparecer em qualquer lugar, o produto contém gorduras trans.

Não é incomum encontrar gorduras hidrogenadas em produtos que são embalados como livres de gorduras trans.

Mas mesmo que um alimento processado realmente não contenha gorduras trans, ele ainda pode conter óleos vegetais como de milho e de soja, que também podem ser prejudiciais.

Em Resumo: Evite tudo o que contém a palavra “hidrogenada” ou qualquer tipo de óleo vegetal na lista de ingredientes.

3. Inclui Grãos Inteiros

Nas últimas décadas, fomos levados a acreditar que grãos inteiros estão entre os alimentos mais saudáveis que podemos comer.

Grãos inteiros são melhores que grãos refinados, embora não haja evidência de que comer grãos inteiros seja mais saudável do que não comer grão nenhum.

Dito isso, alimentos processados como cereais frequentemente afirmam conterem grãos inteiros.

O problema com isso é que grãos inteiros nem sempre são inteiros. Os grãos foram pulverizados em uma farinha muito fina.

Eles podem conter os ingredientes do grão, mas a resistência a digestão rápida fica perdida e esses grãos podem causar picos de açúcar no sangue tão rápidos quando seus similares refinados.

Além disso, se um produto contém pequenas quantidades de grãos inteiros, as chances são de que ele contenha muitos outros ingredientes prejudiciais como açúcar e xarope de milho.

Em Resumo: A maioria dos grãos inteiros não são “inteiros” — eles são pulverizados em uma farinha muito fina que causa picos de açúcar no sangue tão rápido quando os produtos refinados.

4. Sem Glúten

Fazer uma dieta sem glúten é moda hoje em dia.

Um relatório diz que quase um terço dos Americanos atualmente estão fazendo uma dieta sem glúten ou estão ativamente tentando restringir glúten.

Só para deixar claro, não há motivos para não fazer uma dieta sem glúten. Há evidência de que uma porção significante da população pode ser sensível a glúten, não apenas aqueles com doença celíaca.

Entretanto, produtos anunciados como “sem glúten” feitos para substituir alimentos que contém glúten não são saudáveis.

Esses alimentos para essas dietas geralmente são feitos de amidos altamente refinados e glicêmicos, como amido de milho, de batata, tapioca, etc, e também podem estar cheios de açúcar.

Uma dieta sem glúten deve ser eliminar o pão e as porcarias e substitui-los por alimentos reais.

Em Resumo: Produtos chamados de “sem glúten” são frequentemente cheios de ingredientes não saudáveis. Evite-os e coma alimentos de verdade.

5. Nem Tanto Açúcar Assim

Infelizmente, a maioria das pessoas nem lê a lista de ingredientes antes de comprar uma coisa para fazer dieta.

Mas mesmo para aqueles que o fazem, os fabricantes de alimentos ainda têm formas de disfarçar os verdadeiros ingredientes de seus produtos.

Na lista de ingredientes, o ingrediente mais presente é listado primeiro. O segundo mais presente é listado em segundo, etc.

Se você vê o açúcar nos primeiros lugares, você sabe que o produto está lotado de açúcar.

Entretanto, fabricantes de alimentos frequentemente colocam “tipos” diferentes de açúcar nos seus produtos. Um alimento pode conter “açúcar”, “xarope de milho” e “caldo de cana evaporado” — todos nomes diferentes para exatamente a mesma coisa… açúcar.

Assim, eles podem ter algum outro ingrediente que pareça mais saudável liderando a lista, mas se você somar as quantidades desses três tipos de açúcar, ele deveria estar no topo.

Essa é uma forma inteligente de mascarar a verdadeira quantidade de açúcar refinado em alimentos processados.

Em Resumo: Antes da sua dieta, certifique-se de checar se um produto contém mais de um tipo de açúcar, nesse caso o açúcar pode estar na verdade entre os primeiros ingredientes.

6. Calorias Por Porção

O real conteúdo de calorias e açúcar dos produtos é frequentemente escondido ao dizer que o produto é mais de uma porção.

Por exemplo, uma barra de chocolate ou uma garrafinha de refrigerante que contem duas porções.

A maioria das pessoas não para quando termina a metade, elas bebem a garrafa toda e comem a barra inteira.

Entretanto, fabricantes de alimentos podem usar isso para sua vantagem e dizer que seus produtos contém apenas tantas calorias por porção.

Quando estiver lendo rótulos para estarem de acordo com sua dieta, cheque o número de porções que o produto contém. Se ele contém duas porções e há 200 calorias por porção, então ele inteiro tem 400 calorias.

Por exemplo, essa garrafa de 710 ml de coca. Nela diz que há 100 calorias e 27 gramas de açúcar por porção, mas a garrafa toda tem 3 porções… o que dá um total de 300 calorias, com 81 gramas de açúcar.

Em Resumo: Certifique-se de checar o número de porções em um rótulo. Multiplique o total de açúcar e de calorias pelo número de porções para encontrar a quantidade total.

7. Sabor de Fruta

Muitos alimentos processados têm um sabor que parece natural.

Por exemplo, água saborisada com sabor de laranja tem sabor de laranja.

Entretanto, não há laranjas de verdade ali.

O sabor doce vem do açúcar e o sabor de laranja está vindo de químicos altamente refinados que estimulam os mesmos sensores no paladar que as laranjas.

Só porque um produto tem sabor de um alimento real não quer dizer que esse alimento esteja realmente ali. Mirtilo, morango, laranja, etc… eles são frequentemente apenas químicos feitos para ter um sabor como o do alimento real.

Em Resumo: Só porque um produto tem sabor de um alimento natural não quer dizer que esse alimento esteja realmente ali.

8. Pequenas Quantidades Saudáveis Disso e Daquilo

Frequentemente, produtos processados simulam incluir pequenas quantidades de ingredientes que são comumente considerados saudáveis.

Isso é um truque de marketing, geralmente as quantidades desses nutrientes são insignificantes e não fazem nada para compensar os efeitos danosos dos outros ingredientes.

Assim, os publicitários espertos podem enganar os pais para que eles pensem que estão fazendo escolhas saudáveis para si mesmos e seus filhos.

Alguns exemplos de ingredientes frequentemente adicionados em pequenas quantidades e então mostrados nas embalagens estão Ômega 3, antioxidantes e grãos inteiros.

Em Resumo: Fabricantes de alimentos frequentemente colocam pequenas quantidades de ingredientes saudáveis em seus produtos para fazer as pessoas que estão em uma dieta pensarem que os produtos são saudáveis.

9. Chamar Ingredientes Prejudiciais de Outra Coisa

Muitas pessoas dizem ter reações adversas a certos ingredientes de alimentos e escolhem evitá-los na sua dieta.

Entretanto, os fabricantes de alimentos frequentemente escondem esses ingredientes controversos ao se referirem a eles por seus nomes técnicos que as pessoas não conhecem.

Por exemplo, na Europa, o glutamato monossódico pode ser chamado de E621 e Carragenina pode ser chamada de E407.

O mesmo pode ser dito de muitos tipos de açúcar… como “caldo de cana evaporado” — soa natural, mas é só açúcar.

Em Resumo: Fabricantes de alimentos frequentemente escondem o fato de seus produtos conterem ingredientes controversos ao chamá-los de outra coisa.

10. Besteiras com Poucos Carboidratos

Dietas com poucos carboidratos tem sido muito populares nas últimas décadas.

Fabricantes de alimentos alcançaram a moda e começaram a oferecer uma variedade de produtos com poucos carboidratos.

O problema com esses alimentos é o mesmo que com os alimentos “com pouca gordura”… eles não são saudáveis.

Eles geralmente são alimentos processados com ingredientes muito prejudiciais.

Olhe a lista de ingredientes dessa barra de cereais.

Isso parece um alimento real para você: Acho que não.

Também há exemplos de pães com poucos carboidratos e outros produtos que contém muito mais carboidratos do que o rótulo anuncia.

Em Resumo: Produtos “com poucos carboidratos” são frequentemente altamente processados e feitos com ingredientes que não são saudáveis.

11. Bebidas com Zero Calorias

Fabricantes de bebidas oferecem bebidas com zero calorias como alternativas saudáveis para pessoas que querem perder peso.

Esses produtos frequentemente são anunciados como se funcionassem de verdade.

Entretanto, essas bebidas geralmente são adoçadas com adoçantes artificiais ao invés de açúcar.

Pesquisas geralmente NÃO apoiam a ideia de que substituir bebidas adoçadas com açúcar por bebidas adoçadas por adoçantes artificiais realmente leve a perda de peso.

O relacionamento entre adoçantes artificiais e peso é complexo, mas esses adoçantes podem subconscientemente afetar a ingestão de alimentos e fazer pessoas comerem mais.

Mensagem Para Levar Pra Casa

É claro, é melhor evitar completamente alimentos processados e comer alimentos reais, assim você não tem que se preocupar com rótulos e listas de ingredientes.

Alimentos reais nem têm uma lista de ingredientes… alimentos reais SÃO os ingredientes.

Você conhece outras mentiras da indústria de alimentos? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (11 votos, média: 4,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário