Está com o estômago alto? Saiba o que fazer

Especialista:
atualizado em 03/12/2020

Às vezes, ao nos olharmos no espelho, notamos algumas coisas na nossa aparência que não nos agradam muito. Por exemplo, manchas de acne no rosto, inchaço nas pernas ou um estômago alto.

Hoje, vamos falar mais a respeito desse último e aprender o que podemos fazer para reduzi-lo.

  Continua Depois da Publicidade  

Para começar, precisamos saber que o estômago alto é diferente da barriga grande ou com inchaço. Geralmente, o chamado estômago alto gera uma barriga mais saliente na parte de cima do abdômen.

Além disso, o estômago alto tem muita relação com consumir uma quantidade grande de comida em um curto espaço de tempo. Assim, a parte mais superior do estômago ganha mais volume porque o órgão está cheio demais.

Em muitos casos, o estômago alto afeta pessoas que comem quantias muito altas de alimentos mais gordurosos e mais pesados, que demoram mais para sair do estômago.

Adicionalmente, o problema atinge quem ingere muito líquido durante as refeições, já que o líquido ajuda a encher muito o estômago.

Tudo isso porque o estômago é uma espécie de saco muscular, que tem a função de dar início ao processo digestivo. Entretanto, ele tem uma capacidade limitada. Assim, ao encher o estômago além de sua capacidade, o órgão vai estufar e projetar-se para a frente.

Outras possíveis causas

Por outro lado, também há os casos de pessoas que desenvolvem o estômago alto devido à má digestão e ao acúmulo de gases. Existem ainda questões genéticas que podem causar o problema.

Além disso, algumas mulheres que tiveram bebê podem ter o estômago alto devido à diástase. Trata-se de uma separação dos músculos da parede abdominal, que resulta em uma projeção para a frente nessa área do corpo.

No entanto, não são só as mamães que podem sofrer com a diástase. Um ganho de peso muito grande também pode gerar a condição.

  Continua Depois da Publicidade  

É possível tratar a diástase por meio de uma cirurgia ou através de sessões com acompanhamento do treinador físico, para tonificar a região e tentar juntar novamente os músculos que se separaram.

E então, o que fazer?

Para os casos de estômago alto sem relação com a diástase, dá para tentar algumas estratégias associadas à alimentação para amenizar o problema:

1. Colocar as leguminosas de molho

Os alimentos que fermentam mais no corpo podem causar mais gases e deixar o estômago mais volumoso. As leguminosas fazem parte desse grupo de alimentos e, por isso, é preciso tomar cuidado com elas.

Por exemplo, fazem parte do grupo das leguminosas a soja, o feijão, a ervilha, o grão-de-bico e a lentilha. Todos esses têm um tipo de carboidrato de pode favorecer a formação de gases. Mas, como as leguminosas são muito saudáveis, não dá para tirá-las da dieta.

A solução que se recomenda para evitar os gases ao comê-las é deixar as leguminosas de molho por no mínimo 30 minutos antes de usar. Cozinhar as leguminosas com uma folha de louro ou um pedaço de gengibre também pode ajudar.

2. Não beber água durante as refeições

Água

Ou seja, hidratar-se em vários momentos do dia, para não precisar tomar água ou ingerir bem pouco líquido enquanto faz as refeições.

Durante uma refeição, o estômago já recebe uma série de alimentos. Assim, ao juntar muito líquido com todo o volume de comida que o estômago já recebeu, o órgão ficará muito cheio e mais saliente.

3. Fazer mais refeições menores ao longo do dia

Para quem tende a sofrer com o estômago alto, outra dica que pode ajudar é procurar fazer um número maior de refeições distribuídas ao longo do dia. Mas, com porções menores de alimento em cada uma delas. Como vimos, comer muito de uma vez estimula o estômago alto.

  Continua Depois da Publicidade  

Portanto, neste caso, o ideal é comer pequenos volumes de alimento várias vezes ao dia. Por exemplo: tomar um café da manhã pequeno e um tempo depois fazer um lanche da manhã pequeno.

E assim sucessivamente com as outras refeições do dia, para não dilatar tanto o estômago com grandes refeições.

4. Moderar bem a ingestão de álcool

A bebida alcoólica piora a permeabilidade intestinal e estimula o crescimento de bactérias ruins no intestino. Isso pode provocar uma produção maior de gases, que como também vimos, tem relação com o estômago alto.

5. Aumentar o consumo de probióticos

Kefir
O kefir é uma excelente fonte de probióticos

Por outro lado, consumir mais probióticos pode ajudar neste sentido. Os probióticos são bactérias do bem que podem melhorar a permeabilidade intestinal e a digestão correta dos alimentos. A saber, um bom exemplo de alimento probiótico é o kefir.

6. Tomar chás digestivos

Consumir um chá digestivo para tentar acalmar e/ou melhorar a digestão e diminuir a fermentação também pode ajudar. O chá de gengibre é um bom exemplo de chá digestivo, assim como o chá de erva-cidreira e o chá de boldo.

7. Consultar o médico

Se nada disso funcionar ou se você nunca teve estômago alto e do nada o problema surgiu, é muito importante que consulte o médico.

O acompanhamento profissional é essencial para verificar se a causa do problema não é alguma condição que exige um tratamento mais profundo e específico.

No vídeo a seguir, a nossa nutricionista também traz esclarecimentos sobre o estômago alto e dicas de como diminuí-lo:

Você já teve estômago alto? O que fez para resolver o problema? Conte para nós nos comentários!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 3,00 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário