BCAA Faz Mal? Efeitos Colaterais e Cuidados

Especialista:
atualizado em 05/07/2020

O aminoácido de cadeia ramificada, ou BCAA é um dos suplementos alimentares mais utilizados em todo mundo e o mais popular depois do Whey Protein. Você descobrirá a seguir o que é o BCAA, para que ele serve, se ele é uma substância sintética ou natural, os maiores mitos sobre essa substância, as interações que ele pode sofrer com algumas medicações e principalmente se o BCAA faz mal.

O BCAA é um dos cinco suplementos esportivos mais utilizados em todo o mundo. Ele é quase uma unanimidade entre os frequentadores de academia. Não deixe de conferir os inúmeros benefícios do BCAA para o ganho de massa muscular. Você entenderá por que ele ficou tão famoso assim.

É sabido que quando você treina com alta intensidade, as reservas de glicogênio são consumidas rapidamente fazendo seu corpo recorrer ao tecido muscular como reserva de energia. Este efeito é exatamente o que você não quer ter quando está em um treino de hipertrofia. O BCAA é indicado para que o seu corpo não precise utilizar os aminoácidos do músculo. Mas, para obter um melhor benefício deste suplemento, você precisa saber qual é a melhor forma de tomá-lo. Descubra qual o melhor bcaa, cápsula, pó ou líquido.

Outro suplemento muito popular e largamente utilizado nas academias é a creatina. Ela é um ácido natural produzido em poucas quantidades pelo corpo e está ligado à produção de ATP ou Adenosina Trifosfato. Esta informação pode confundir sobre qual suplemento tomar para crescer, mas se você está em um treino de hipertrofia é muito importante descobrir se é melhor tomar creatina ou bcaa.

Fonte de aminoácidos que reduzem a fadiga durante os exercícios e aceleram a recuperação no pós treino, o BCAA tem sido utilizado sem maiores preocupações por quem procura definição muscular e desempenho esportivo.

Outro motivo pelo qual o BCAA é considerado um ótimo suplemento é a segurança do produto, já que pouco se fala sobre os efeitos colaterais do BCAA. Mas será que eles realmente não existem? Será que o BCAA faz mal ou é totalmente seguro?

O que é BCAA

Abreviação de branched-chain amino acids, ou aminoácidos de cadeia ramificada, o BCAA é na verdade a combinação de três diferentes aminoácidos essenciais: valina, leucina e isoleucina.

Por não serem sintetizados pelo organismo, os três precisam ser obtidos através da dieta ou pela suplementação – daí o nome de “essenciais”.

Para que serve BCAA

Em conjunto, os três aminoácidos que compõem o BCAA atuam para melhorar o desempenho durante os treinos, diminuir a degradação das proteínas (catabolismo), estimular a síntese de proteínas e reduzir a fadiga.

De fato, eles são tão importantes para o organismo que um estudo publicado em 2003 no Journal of Nutrition mostra que juntos os três aminoácidos representam de 35 a 40% de todos os aminoácidos essenciais encontrados no corpo e que de 14 a 18% deles estão presentes nos músculos.

Segundo uma série de estudo publicados nesse mesmo periódico em 2006, o BCAA é usado como bloco de construção para proteínas e músculos. A leucina parece ser a mais eficaz para a síntese de proteínas enquanto outros aminoácidos como a isoleucina e a valina desempenham papéis muito importantes na produção de energia e no controle dos níveis de açúcar no sangue.

Estudos como os publicados em 2008 no European Journal of Applied Physiology e em 2010 no Journal of Sports Medicine and Physical Fitness indicam que o uso de BCCA durante a prática de atividade física resulta em uma diminuição de até 15% na fadiga muscular quando comparado com quem usou um placebo no lugar do suplemento.

Também é possível consumir o BCAA para melhorar o foco e diminuir a confusão mental e estudos indicam ainda que o BCAA pode ser utilizado para tratar algumas condições específicas, como anorexia e cirrose. Um estudo de revisão do The British Journal of Nutrition publicado em 2012 sugere que doenças que afetam a síntese de proteínas podem ser amenizadas com o BCCA. Isso porque uma dieta rica em aminoácidos como a leucina podem ajudar a preservar a massa muscular, o que pode ser muito útil no tratamento de condições de saúde como a anorexia e o câncer.

Já no caso da cirrose, um estudo publicado em 2017 na revista científica Medicine mostrou que o consumo diário de BCAA durante um período de 6 meses foi capaz de retardar a progressão da doença. 

BCAA é natural

Antes de analisarmos se o BCAA faz mal e também seus possíveis efeitos colaterais, é fundamental ressaltar que o nutriente já é encontrado naturalmente em nossa dieta. Através do consumo de carne vermelha, peixes e ovos, nós já estamos obtendo regularmente uma boa concentração dos aminoácidos de cadeia ramificada.

Isso significa que o BCAA é um composto natural, e não um suplemento totalmente sintetizado em laboratório para aumentar a performance. O que isso quer dizer? Que é impossível afirmar que o BCAA faz mal?

Na prática, quer dizer que o corpo não só está adaptado a esses aminoácidos como necessita deles diariamente para realizar suas funções e promover o crescimento muscular. Esse fato aumenta significativamente a segurança do BCAA, já que os aminoácidos são naturalmente reconhecidos e assimilados pelo corpo. 

BCAA faz Mal?

A literatura cientifica é bastante escassa quanto aos possíveis efeitos colaterais do BCAA. Os estudos realizados com o suplemento parecem confirmar que o suplemento é de fato bastante seguro e não traz riscos para os praticantes de atividade física.

Conforme dados publicados em 2003 no Journal of Nutrition e em 2012 no American Journal of Clinical Nutrition, o BCAA pode ser consumido com segurança e sem risco de efeitos colaterais em doses de 15 a 35 gramas diárias.

Pouco comuns, alguns dos possíveis efeitos colaterais do BCAA incluem:

  • Alterações na glicose sanguínea – o suplemento pode causar queda nos níveis de açúcar no sangue;
  • Perda da coordenação motora;
  • Possível sobrecarga dos rins em pessoas que já apresentam comprometimento das funções renais.
  • Náuseas;
  • Dores de cabeça;
  • Agravamento da Esclerose Lateral Amiotrófica – Há evidências de que o uso de aminoácidos de cadeia ramificada por pacientes portadores da condição (também conhecida como doença de Lou Gehrig) pode causar falência pulmonar e elevar o risco de morte.

Outro efeito comumente associado à ingestão de BCAA é a aparição de espinhas. As espinhas surgem quando as secreções oleosas das glândulas sebáceas entopem as pequenas aberturas dos folículos capilares. Descubra se o BCAA promove o aparecimento das espinhas.

Marcas e Suplementos de BCAA

Não importa se você optou pelo BCAA líquido, em pó ou em cápsulas, é importante saber quais são as melhores marcas na hora da compra. Vamos mostrar a seguir algumas das marcas líderes de suplementos de BCAA e indicar o preço médio de cada produto.

  • Max Titanium: marca brasileira de excelente qualidade e ótimo custo-benefício. Um frasco contendo 60 capsulas sai por uma média de R$ 25,00. Se você preferir a versão em pó, uma embalagem com 280 gramas do produto rende aproximadamente 40 doses e sai por cerca de R$ 50,00.

  • Optimum Nutrition: uma das marcas importadas mais consumidas no Brasil, a Optimum Nutrition oferece um BCCA de ótima qualidade. Cada frasco com 60 cápsulas custa em média R$ 40,00. Ao optar pela versão em pó, um frasco com 300 gramas de BCAA é encontrado por R$ 80,00 e rende até 100 doses.

  • Integral Medica: marca brasileira bem reconhecida no mercado e muito utilizada por quem usa suplementos com frequência devido ao ótimo preço quando se compra em grandes quantidades. Um kit com 3 frascos de BCAA contendo 120 cápsulas cada sai por aproximadamente R$ 160,00, o que gera uma economia e tanto.

Outras marcas bem renomadas incluem: Amino- X, Black Skull, Growth Supplements, Universal Nutrition, Midway, Probiotica e Rakkau – uma das poucas marcas de BCCA vegano para quem opta por esse tipo de dieta e de estilo de vida.

Outros Ingredientes

A análise do rótulo de algumas das principais marcas de BCAA revela a presença de ingredientes como a lactose e a maltodextrina na fórmula do suplemento.

Embora sejam ambos seguros, a lactose pode causar complicações em pessoas com sensibilidade ao açúcar do leite. Portanto, caso você tenha intolerância à lactose, esse tipo BCAA faz mal a você. Analise atentamente os rótulos e considere a opção de tomar o BCAA em pó, que não costuma apresentar a lactose entre seus ingredientes.

Interações

O BCAA pode interferir com algumas medicações. São elas:

  • Corticosteroides: a eficácia do BCAA pode ser reduzida na presença desses medicamentos;
  • Medicamentos para controle do diabetes: a combinação desses remédios com o BCAA pode diminuir de maneira perigosa as taxas de açúcar do sangue;
  • Hormônio da tireoide: alguns medicamentos para tireoide podem diminuir a velocidade de absorção dos aminoácidos de cadeia ramificada;
  • Remédios para tratar o Parkinson: o BCAA pode diminuir a coordenação motora, exatamente um dos piores sintomas da doença de Parkinson.

Não há estudos científicos suficientes para comprovar essas possíveis interações medicamentosas. O que se sabe é que, de acordo com o que mostra um estudo de 2007 do American Journal of Physiology, aminoácidos como a isoleucina presente no BCAA pode reduzir os níveis de glicose no sangue, o que representa um risco para pessoas que usam remédios antidiabéticos.

Os Maiores Mitos

Apesar da baixa incidência de efeitos colaterais associados ao BCAA, alguns mitos ainda cercam o suplemento, como a crença de que o BCAA pode provocar queda de cabelo ou então prejudicar as funções hepáticas.

Vamos fazer então uma rápida análise desses possíveis riscos do BCAA e a verdade científica por trás de cada um deles:

– BCAA prejudica os rins e o fígado?

A relação entre o alto consumo de proteínas (que são degradadas em aminoácidos) e problemas renais se daria pelo fato dos rins serem os responsáveis pela eliminação dos subprodutos do metabolismo proteico – a amônia e a ureia.

Em pessoas saudáveis (ou seja, sem histórico de complicações renais), no entanto, não há qualquer comprovação científica de que o alto consumo de proteínas prejudique os rins.

E de maneira semelhante, não há estudos relacionando a suplementação de BCAA com problemas hepáticos. Neste caso, na verdade, a situação parece ser inversa, pois um estudo publicado em 2013 na revista especializada Nutrition afirma que os aminoácidos de cadeia ramificada podem ser benéficos a pacientes portadores de cirrose.

– BCAA causa queda de cabelo?

Sendo os homens os principais usuários do suplemento, nada mais natural do que a afirmação de que BCAA faz cair cabelo causar uma certa apreensão dentro das academias. Felizmente essa parece ser mais uma crença infundada sobre o BCAA.

A queda de cabelo – seja em homens ou mulheres – está na realidade ligada a dois outros fatores. Um deles é a deficiência de ferro, mineral essencial para o transporte de oxigênio e outros nutrientes até os folículos pilosos.

Outro seria uma deficiência nos canais de potássio do folículo piloso, problema que pode ser causado tanto pelo baixo consumo do mineral como pela ingestão excessiva de sódio, que tende a se acumular ao redor da estrutura capilar.

Uma pesquisa publicada em 2002 na Clinical and Experimental Dermatology sugere que a suplementação com ferro e lisina possa levar a uma diminuição da queda de cabelo. E como a lisina é exatamente um dos aminoácidos que compõem o BCAA, podemos supor que o suplemento pode ter efeito positivo na luta contra a calvície.

Estudos preliminares sugerem ainda que o BCAA pode estimular a síntese de novos canais de potássio, efeito que também pode ser fundamental para a prevenção da queda de cabelo.

E, por último, vamos lembrar que os fios de cabelo são produzidos a partir de proteínas – muitas das quais formadas por aminoácidos de cadeia ramificada -, o que também contribui para concluirmos que o BCAA é na verdade um aliado contra a queda de cabelo, e não o contrário como se tem propagado.

– BCAA faz mal ao estômago? 

Novamente aqui não há qualquer comprovação de que o BCAA possa causar problemas estomacais. Podemos imaginar, portanto, que os relatos de complicações gastrointestinais causadas pelo suplemento na verdade possuem outra explicação.

Como já mencionamos anteriormente, algumas marcas de BCAA acrescentam lactose ao suplemento, para facilitar a compactação do produto em cápsulas.

Quando levamos em consideração que cerca de 70% da população sofre com intolerância à lactose, não é difícil imaginar que parte dos problemas do BCAA na digestão podem estar relacionados ao açúcar do leite.

Outra explicação bastante provável seria o consumo do suplemento com carboidratos, nutrientes que podem sofrer fermentação e causar gases, cólicas e distensão abdominal.

– BCAA causa acne?

Aqui existem duas explicações plausíveis, sendo ambas igualmente prováveis.

Quem está procurando hipertrofia muscular tende a aumentar significativamente a quantidade de proteínas na dieta, certo? E quais são as principais fontes de proteína na nossa alimentação?

Exatamente as carne vermelha e laticínios. Em comum, além de serem de origem animal, essas duas fontes proteicas também apresentam um alto teor de gordura saturada. E já se sabe que uma grande quantidade de ácidos graxos na alimentação pode causar acne.

Por outro lado, também se conhece que a leucina ativa o metabolismo dos lipídios, o que explicaria um possível efeito do BCAA no surgimento de acnes.

Caso você note um surgimento anormal de acne e cravos, substitua os laticínios integrais pelos light e reduza o consumo de gordura na dieta.

– BCAA causa depressão?

Esse efeito colateral do BCAA é de fato verdadeiro, embora as pesquisas não sejam totalmente claras sobre o assunto.

O que ocorre é que os aminoácidos de cadeia ramificada competem com o triptofano para serem absorvidos pelo cérebro. E o triptofano é um dos precursores da serotonina, um neurotransmissor associado ao prazer e bem estar. Uma diminuição dos níveis de serotonina pode causar depressão, mau humor e até mesmo aumentar o apetite.

Portanto, de maneira indireta, o BCAA dificulta a produção de serotonina, o que por sua vez pode causar uma alteração no bem estar e no humor.

Uma maneira de evitar que isso ocorra é através do aumento no consumo de alimentos ricos em triptofano. Outra possibilidade é consumir o BCAA com uma fonte de carboidrato, nutriente que também facilita a captação de triptofano pelo cérebro.

Cuidados

São poucos os cuidados que você deve tomar com o BCAA:

  • Quem é intolerante à lactose deve ficar atento à presença do açúcar do leite nos rótulos de BCAA;
  • Prestar atenção às já citadas interações medicamentosas;
  • Evitar o uso do suplemento caso apresente quadro de depressão ou instabilidade de humor;
  • Quem já consome muita proteína na dieta e tem problemas renais deve redobrar os cuidados com o BCAA;
  • Por último, para quem já faz uso de outros suplementos alimentares, a dica é conversar com um nutricionista para evitar possíveis interações e maximizar os efeitos positivos do BCAA.

Para concluir

Até o presente momento, a análise de inúmeros estudos sobre o suplemento não nos permite afirmar que o BCAA faz mal. O suplemento pode ser consumido sem colocar a saúde em risco.

Portanto, a menos que esteja tomando algum medicamento que possa interagir com os aminoácidos ou então seja portador de alguma das condições citadas anteriormente (como o diabetes), você pode tomar o BCAA sem maiores problemas.

Vídeo:

Gostou das dicas?

Fontes e Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido alguém falar que o consumo de BCAA faz mal à saúde? Já evitou tomar o suplemento por isso? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (69 votos, média: 4,16 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário

67 comentários em “BCAA Faz Mal? Efeitos Colaterais e Cuidados”

  1. Eu já tomei bca ficou irei tomar novamente não faço academia apenas corro e faço exercício regularmente
    O que acontecerá comigo

  2. fiz exame de sangue e deu que estou com triglicérides muito alto, faco academia a 1 ano e queria saber se tem problema tomar bcaa, whey e creatina

  3. Eu tomei BCAA injetável tem 7 dias no glúteo e um lado não houve reação mas o outro lado está um caroço duro vermelho e muito doido. O que pode ter acontecido?
    Será que aplicou fora do músculo???
    Tem algum risco de infecção?

    • Olá, tomo o puran t4 37.5mg e comecei recentemente a fazer uso do bcaa, mas me disseram que ele corta o efeito do medicamento. Isso confere? Estou amando o bcaa e não gostaria de de parar de tomá-lo, mas tenho muito medo de problemas maiores por uso indevido. Por favor, sane minhas dúvidas. Obrigada.

  4. Me alimento bem todos os dias, eu nunca havia tomado e aí decidi comprar pra começar a tomar BCAA em pó, tomei 30 minutos antes do treino como diz a orientação os resultados não foram satisfatórios acredito q alterou os níveis de açúcar do meu sangue. Tive náuseas e perda de coordenação motora eu caí no exercício passada não consegui fazer meu treino.
    Não consigo entender pq isso aconteceu se dizem q é saudável.

  5. Eu tomei muito BCAA liquido, apesar de pagar mais caro eu gostava e em capsulas (não senti nenhum resultado). Resolvi comprar um BCAA 5:1:1 . A dose era minúscula. Era só um pitada mesmo. E toda vez que tomava eu sentia fortes dores na região do fígado/rim e joguei o troço fora. BCAA de cápsulas não dá efeito colateral porque não faz nem cócegas se você tomar a dose recomendada.

  6. Tomo 2 cápsulas BCAA 2horas antes do treino. Nunca senti nenhum efeito colateral. Percebi aumento da massa magra e obtive mais energia. Mais tenho medo do que pode causar no meu fígado.

  7. Eu tomei BCAA injetável, e na penúltima e última aplicação sentir muita dor e nessa última a sensação foi como se estivesse rasgado o músculo. Já se passaram três dias e estou sentindo queimação no local, quando deito de lado doi como se tivesse alguma agulha rasgando o músculo. Isso é normal?

    O que pode ter acontecido?

  8. O Bca deu um up de sucesso no meu shape só vi benéficios. Essa parada ai de dar desânimo e efeito rebote eu senti também no 1° dia que tomei guaraná em pó. Tomei duas colheres misturada na água, me deu aquele desânimo, vontade de ir embora. Mas foi aí que eu fiquei e treinei fodamente.

    Não sei o que aconteceu. Talvez exagerei na dose. Hoje eu continuo tomando guaraná em pó e estou de boa. Meia colher 3x ao dia. Abraços

    • Tomo BCAA antes e depois do treino e realmente ele só faz bem, quando associei Bcaa, cafeína eWhey Isolado, meu treino ficou muito melhor. Pois sinto uma energia que até mesmo eu duvido e o meu corpo chega a um limite que jamais antes eu achei que chegaria.
      Recomendo muito!!!

  9. Eu tomo whey concentrado que já tem algumas gramas de BCAA por dose, e mesmo assim coloco uma dose separada somente de BCAA. Isso faz mal?

  10. Tenho lúpus e minhas plaquetas são muito baixa posso tomar o bcaa ?
    Ainda não tomei
    Mais já comprei
    gostaria também de saber qual a quantidade que devo tomar?