Fluconazol – Para Que Serve, Como Tomar, Efeitos Colaterais e Dicas

Especialista:
atualizado em 01/07/2020

O fluconazol é um medicamento usado para tratar infecções causadas por fungos ou leveduras. O uso correto desse remédio é muito importante para garantir que a infecção seja eliminada de uma vez por todas.

Se o tratamento não for feito de acordo com a orientação médica, é bem provável que os sintomas desapareçam, mas que os micro-organismos continuem se proliferando no corpo, o que deve causar uma nova infecção.

Nesse artigo, trazemos informações sobre como tomar o fluconazol da forma correta, além de mostrar quais são os efeitos colaterais do medicamento.

Fluconazol

Conhecido também como diflucan em sua forma genérica, o fluconazol é um medicamento de uso oral comumente usado no tratamento de infecções causadas por fungos e leveduras.

O remédio pertence a uma classe de medicamentos conhecida como antifúngicos azólicos que impedem o crescimento de certos tipos de fungos.

Além da forma oral, ele também está disponível em forma injetável, que só pode ser aplicada por um profissional da saúde em um ambiente hospitalar.

Trata-se de um medicamento que só deve ser tomado quando prescrito por um médico para tratar infecções fúngicas e que atua bloqueando a capacidade dos fungos dos gêneros Candida e Cryptococcus de se reproduzirem. Eles ajudam não só a tratar, mas também a prevenir a infecção.

Para que serve

O fluconazol é um medicamento utilizado principalmente para prevenir e tratar a candidíase, condição de saúde em que o fungo Candida infecta o organismo. Alguns exemplos de candidíase incluem a infecção por levedura vaginal e a infecção por levedura oral, conhecida também como afta.

A candidíase, quando não tratada, pode infeccionar também outras partes do corpo como a garganta, o esôfago, os pulmões e o sangue.

Além de tratar infecções fúngicas orais, vaginais e esofágicas causadas pelo fungo Candida, o fluconazol também pode ser usada no tratamento de algumas infecções no trato urinário, pneumonia, peritonite e também na prevenção de infecções em pacientes com o sistema imune abalado devido ao tratamento com quimioterapia ou radiação.

Pessoas que passaram por cirurgias sérias como um transplante de medula óssea, por exemplo, podem tomar o fluconazol para prevenir o desenvolvimento de candidíase, já que o sistema imunológico desses pacientes tende a estar mais fragilizado após o transplante.

Ele também pode ser utilizado para tratar a meningite criptocócica, uma infecção causada pelo fungo Cryptococcus que afeta o cérebro ou a medula espinhal ou ambos.

Embora algumas pessoas pensem que o fluconazol é antibiótico, ele na verdade é um antifúngico. Antibióticos são usados para combater bactérias, enquanto antifúngicos servem para combater micro-organismos como fungos e leveduras.

Como tomar

Muitas pessoas têm dúvidas sobre como usar o fluconazol. O medicamento é usado por via oral com ou sem alimentos. Normalmente, ele é utilizado em dose única, sendo administrado uma única vez ao dia pela manhã.

O remédio pode ser usado na forma de comprimidos ou na forma de uma suspensão líquida. É importante medir a dose corretamente quando estiver usando a suspensão para não tomar uma dose menor ou maior do que a indicada na bula ou pelo seu médico.

A dose ideal depende da condição a ser tratada. No caso de crianças, o peso também deve ser levado em consideração. Normalmente, para crianças, a dose única não deve exceder 600 miligramas e em casos de bebês que precisam tomar o remédio, a dose pode ser dada a cada 2 ou 3 dias de acordo com a recomendação do profissional da saúde.

É importante tomar o fluconazol todos os dias no mesmo horário para manter um nível constante do remédio no organismo.

Também é fundamental tomar o remédio pelo tempo total indicado pelo médico, mesmo que os sintomas desapareçam antes. O tratamento por vários dias é importante para combater o fungo e evitar que ele volte a se proliferar.

Os comprimidos de fluconazol são encontrados geralmente em doses de 50, 150 e 200 miligramas. Já na suspensão oral, cada 5 mililitros do medicamento contêm 50 miligramas de fluconazol (10 miligramas por mililitro).

A dosagem do fluconazol costuma ser a seguinte:

  • Adultos devem tomar de 50 a 400 miligramas de fluconazol por dia por cerca de 2 semanas;
  • Crianças entre 6 meses e 13 anos de idade devem tomar de 6 a 12 miligramas de fluconazol por quilo de peso corporal durante 2 ou 3 semanas dependendo da condição a ser tratada;
  • Bebês com menos de 6 meses de vida devem tomar o fluconazol na dose determinada cautelosamente pelo médico.

Em casos de infecções esofágicas, a dose é mantida e o tratamento deve persistir por 3 semanas ou mais.

O tratamento de doenças mais graves como a meningite criptocócica pode precisar ser feito por 10 a 12 semanas.

No caso de candidíase vaginal, que é o problema mais comum, a dose única para adultos é de 150 miligramas por dia.

Existem versões de fluconazol para homem na forma de cremes ou pomadas que podem ser aplicados diretamente no órgão genital em caso de infecção. Nesse caso, é indicado aplicar o creme ou pomada 2 vezes ao dia por cerca de 1 a 3 semanas ou de acordo com orientações encontradas na bula do medicamento.

Efeitos colaterais

Quanto maior a dose de fluconazol, maior a chance de os efeitos colaterais abaixo serem constatados:

  • Diarreia;
  • Dor de cabeça;
  • Tontura;
  • Náusea;
  • Vômito;
  • Dor abdominal;
  • Alteração no paladar;
  • Dor de estômago;
  • Erupção cutânea grave.

Tais efeitos adversos costumam ser leves e desaparecem alguns dias ou poucas semanas após o início do tratamento. Se persistirem ou se tornarem mais graves, é recomendado relatar o problema ao seu médico para que a dose seja ajustada.

Efeitos adversos mais graves que precisam de auxílio médico imediato são mencionados a seguir.

  • Sinais de dano hepático:
  • Urina escura;
  • Fezes claras;
  • Náusea ou vômito intenso;
  • Coceira intensa na pele;
  • Amarelecimento da pele ou do branco dos olhos.
  • Sintomas de erupção cutânea grave que atinge pessoas com o sistema imune comprometido como aqueles que sofrem de AIDS ou câncer:
  • Erupção cutânea intensa;
  • Descamação na pele.
  • Sinais de Torsades de pointes, uma condição de saúde em que o ritmo cardíaco é alterado de forma a colocar a vida do paciente em risco:
  • Tontura;
  • Desmaio;
  • Convulsões;
  • Frequência cardíaca rápida e irregular;
  • Palpitações cardíacas.

Interações medicamentosas

O medicamento pode interagir com outros remédios, ervas medicinais ou vitaminas que o paciente estiver tomando. Tais interações podem prejudicar o tratamento e alterar a forma como os medicamentos, ervas ou vitaminas atuam no organismo.

Para evitar surpresas desagradáveis, avise seu médico sobre qualquer substância que esteja tomando antes de iniciar o tratamento com fluconazol.

Exemplos de remédios que não devem ser usados com o fluconazol são:

  • Terfenadina: usado em conjunto com o fluconazol em doses de 400 miligramas ou mais, a terfenadina pode alterar o ritmo cardíaco e causar a Torsades de pointes;
  • Pimozida, eritromicina, claritromicina, ranolazina, donepezila, voriconazol, lomitapida e quinidina: tais remédios também podem alterar o ritmo cardíaco, resultando em complicações de saúde.

O uso de fluconazol ao mesmo tempo que os medicamentos mencionados abaixo podem aumentar o risco de efeitos colaterais:

  • Antidiabéticos como a glibenclamida e a glipizida: tais medicamentos para o tratamento da diabetes podem ter seu risco de efeitos adversos aumentado, o que inclui redução dos níveis de açúcar no sangue causando sintomas como fraqueza, fome, suor, calafrios, tremores, batimento cardíaco acelerado e tontura.
  • Fenitoína: o uso ao mesmo tempo de ambos medicamentos pode resultar em problemas de coordenação, fala arrastada e confusão mental. É bem provável que o médico opte por reduzir a dose de fenitoína durante o tratamento com fluconazol.
  • Varfarina: o risco de efeitos adversos como a ocorrência de hematomas, hemorragias nasais e presença de sangue na urina ou nas fezes é maior quando o paciente também faz uso de fluconazol.
  • Ciclosporina, sirolimus e tacrolimus: efeitos colaterais como danos nos rins podem ser observados com maior facilidade durante o uso de fluconazol. Geralmente, a dose de tais medicamentos dever ser diminuída ou seu uso deve ser interrompido durante a administração de fluconazol.
  • Zidovudina: efeitos adversos como dor de cabeça, perda de apetite, cansaço, náusea e vômito podem ser exacerbados.
  • Teofilina: o uso ao mesmo tempo com o fluconazol pode resultar em dor de cabeça, cãibras musculares, pressão arterial baixa e convulsões.
  • Carbamazepina: efeitos colaterais como náusea, vômito, baixa contagem de células sanguíneas, instabilidade, insuficiência cardíaca, erupção cutânea grave e insuficiência hepática podem ser observados ao usar ambos medicamentos em um mesmo período de tempo.
  • Medicamentos para a dor: remédios como a metadona e o fentanil que atuam contra a dor podem causar efeitos colaterais mais intenso quando o paciente também toma fluconazol. Tais efeitos podem incluir sonolência, respiração mais lenta e confusão mental.

Outros cuidados e dicas

Crianças com porfiria não devem utilizar esse medicamento. Além disso, o uso de fluconazol na gravidez não é indicado pois ele pode prejudicar o desenvolvimento do feto. Já durante a amamentação, a mulher pode usar o remédio desde que sob acompanhamento médico.

O fluconazol pode resultar em insuficiência hepática. Desta forma, o médico deve solicitar exames de função hepática para verificar se o medicamento está danificando o fígado durante o tratamento. Geralmente, a insuficiência hepática é revertida assim que o paciente para de tomar o remédio.

O remédio pode causar algumas erupções cutâneas. Nesses casos, é indicado interromper o uso imediatamente e procurar um médico, pois isso pode ser um sinal de reação alérgica grave.

O fluconazol também pode afetar o ritmo natural das batidas do coração. Ao notar qualquer alteração na frequência cardíaca, é importante procurar orientação médica, principalmente se você já sofre de algum problema cardíaco ou se faz uso de medicamentos antidepressivos ou antipsicóticos ou se apresenta deficiência em potássio.

O uso de fluconazol deve ser feito com cautela, já que se trata de um medicamento usado no tratamento de infecções fúngicas sérias. Dessa forma, nunca se automedique e sempre procure uma opinião médica para iniciar o tratamento adequado com segurança.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já teve o fluconazol prescrito por conta de alguma infecção fúngica? Como foi o tratamento? Funcionou? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (5 votos, média: 4,20 de 5)
Loading...
Sobre Felipe Santos e Dra. Patrícia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário