Por que vacinas da COVID-19 podem revolucionar tudo que já se viu em imunização

Especialista da área:
atualizado em 25/11/2020

Você provavelmente já ouviu falar que a Pfizer anunciou 95% de eficácia em análise final da sua vacina contra a COVID-19. Certamente, também ficou sabendo que a Moderna divulgou que os primeiros resultados dos testes da sua vacina para a doença apontaram 94,5% de eficácia.

  Continua Depois da Publicidade  

Mas sabe outra coisa que essas duas fortes candidatas à vacina contra o novo coronavírus têm em comum? Ambas usam o RNA mensageiro (mRNA), que é o material genético do vírus, na produção dos seus imunizantes.

A maioria das vacinas que temos atualmente injeta um vírus ou bactéria no organismo para que o sistema imunológico identifique a ameaça e crie defesas contra ele.

No caso dos vírus, as vacinas convencionais podem usar o vírus enfraquecido, com a capacidade de causar doenças reduzida a níveis seguros, ou inativado, ou seja, incapaz de se reproduzir.

Já as vacinas de mRNA, também chamadas de vacinas gênicas, não injetam o vírus ou parte dele no organismo. Em vez disso, elas procuram induzir o corpo a produzir a proteína do vírus.

Os cientistas identificam a parte do código genético do vírus que contém as instruções para a fabricação da proteína em questão. Uma vez que é injetada no corpo e as células a absorvem, ela funciona como uma espécie de manual para a produção da proteína do vírus.

Ao fabricar essa proteína e exibi-la em sua superfície ou liberá-la na corrente sanguínea, a célula alerta o sistema imunológico para produzir uma resposta de combater a sua presença.

Vacinas de mRNA podem representar mudanças no mundo das vacinas

Vacina da COVID

Se essas vacinas conseguirem acabar com a pandemia do novo coronavírus, elas poderão dar início a uma nova era no desenvolvimento das vacinas. Acredita-se que a tecnologia que elas usam poderá melhorar as vacinas já existentes e criar novas vacinas para diversas doenças.

Além disso, a rapidez é outra vantagem das vacinas de mRNA. Enquanto leva uma semana para produzir um lote experimental delas, a vacina convencional pode demorar meses para isso. Tudo porque a última precisa coletar o vírus e adaptá-lo para crescer em laboratório.

A Pfizer, que produz uma vacina com tecnologia mRNA, afirma que outra vantagem é a biossegurança, pois não é necessário ter o vírus para produzir um lote do imunizante. É preciso apenas uma quantia pequena do vírus para o sequenciamento do gene e os testes da vacina.

  Continua Depois da Publicidade  

Como não há a necessidade de cultivar uma grande quantidade de vírus para a produção, as vacinas gênicas exigem uma estrutura menor. Conforme a imunologista Cristina Bonorino disse à BBC, o custo da produção provavelmente também é mais baixo.

O diretor médico executivo do site WebMD John Whyte disse à Fox News que o uso do mRNA é promissor. Para ele, a chave será ver como essa nova tecnologia se comporta em termos de segurança e eficácia em relação às mais antigas.

No entanto, há uma preocupação é em relação à logística desse tipo de vacina. Por exemplo, o imunizante da Pfizer contra a COVID-19 precisa de um armazenamento em uma temperatura de -70º C.

Já a vacina da Moderna permanece estável em uma temperatura de – 20º C por até seis meses.

Já tinha ouvido falar desse tipo de tecnologia na produção de vacinas? Acredita que elas podem funcionar contra a COVID-19? Conte para nós nos comentários!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Equipe MundoBoaForma

Quando o assunto é saúde, você tem que saber em quem confiar. Sua qualidade de vida e bem-estar devem ser uma prioridade para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada e altamente qualificada, composta por médicos, nutricionistas, educadores físicos. Nosso objetivo é garantir a qualidade do conteúdo que publicamos, que é também baseado nas mais confiáveis fontes de informação. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados à saúde, boa forma e qualidade de vida.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário