Mais uma vacina para COVID-19 apresenta eficácia – Qual é a mais promissora?

Especialista:
atualizado em 16/11/2020

Após a Pfizer anunciar que sua vacina contra a COVID-19 teve 90% de eficácia em testes iniciais, a empresa americana de biotecnologia Moderna divulgou que os primeiros resultados dos testes da sua vacina apontaram 94,5% de eficácia.

  Continua Depois da Publicidade  

Os testes do imunizante da Moderna ocorreram em 30 mil pessoas nos Estados Unidos. Enquanto metade tomou doses da vacina, o restante recebeu placebo (uma substância neutra, sem efeitos).

Essa análise inicial da vacina baseou-se nos primeiros 95 voluntários que apresentam sintomas da COVID-19. Entre eles, apenas cinco receberam a vacina, ao passo que os outros 90 tomaram o placebo.

A partir disso, a Moderna afirmou que sua vacina protegeu 94,5% das pessoas. Os dados do estudo também indicaram que houve 11 casos severos de COVID-19 nos testes. No entanto, nenhum deles ocorreu em pessoas que receberam a vacina.

A Moderna pretende pedir a autorização aos órgãos reguladores nos Estados Unidos nas próximas semanas e espera disponibilizar 20 milhões de doses da sua vacina no país.

Além disso, a empresa planeja buscar a aprovação para sua vacina em outros países e a expectativa é de que a empresa tenha até um bilhão de doses disponíveis para uso no mundo durante o ano que vem.

A vacina da Moderna é segura?

Vacinar

Não houve o relato de grandes problemas de segurança relacionados à vacina da Moderna. No entanto, alguns pacientes tiveram dor de cabeça, fadiga de curta duração e dor após receberam a injeção.

De acordo com o professor da universidade Imperial College London, Peter Openshaw, esses efeitos são de se esperar em vacinas que funcionam e que contam com uma boa resposta imunológica.

Vamos com calma

No entanto, de acordo com o que a neurocientista Mellanie Fontes-Dutra disse no Twitter, os dados da vacina da Moderna ainda não foram divulgados na forma de estudo científico.

É necessário aguardar os resultados de até 151 eventos. Isso para que se tenha um índice adequado sobre a eficácia da vacina e, só então, enviar às agências de fiscalização e análise, completou ela, que trabalha na análise e divulgação científica sobre a pandemia de COVID-19.

  Continua Depois da Publicidade  

Qual vacina é a mais promissora?

Bem, as vacinas da Pfizer e da Moderna apresentaram uma porcentagem similar de eficácia – 90% e 94%. Além disso, as duas não demonstraram problemas graves de segurança em suas análises iniciais.

Ambas usam a mesma abordagem de imunização, que é injetar parte do código genético do vírus para provocar uma resposta imunológica.

No entanto, as duas vacinas ainda estão em testes. Isso significa que, conforme houver a divulgação dos dados dos efeitos da vacina, os índices de eficácia poderão se alterar.

De qualquer modo, algo que já se sabe é que a vacina da Moderna aparenta ser mais fácil de armazenar. Ela permanece estável em uma temperatura de -20º C por até seis meses e pode ficar em um refrigerador padrão por até um mês.

Por sua vez, a vacina da Pfizer precisa de um armazenamento super gelado de -75º C e pode permanecer na refrigeração por cinco dias.

Outras vacinas e seus resultados

Vacina de Oxford

A vacina da Universidade de Oxford em parceira com a farmacêutica AstraZeneca teve os seus testes suspensos em setembro para a investigação de um efeito colateral grave. Mas os testes da vacina de Oxford já retornaram.

Aliás, essa foi a primeira vacina a iniciar a fase de testes clínicos. Esses estudos contam com 57 mil pessoas no Brasil, Estados Unidos, África do Sul e Inglaterra.

Em fases anteriores de testes com menos voluntários, 100% dos vacinados apresentaram resposta celular e produziram anticorpos com duas doses da vacina de Oxford. Nos testes com uma dose, a resposta celular foi de 100%, mas a produção de anticorpos foi de 91%.

  Continua Depois da Publicidade  

Agora que os testes da vacina de Oxford foram retomados, resta aguardar que os responsáveis apresentem os primeiros dados de eficácia dos estudos da fase 3.

Mas, mesmo antes disso, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) vai entregar já em novembro à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) documentos para a avaliação das etapas de produção da vacina, como forma de agilizar o processo.

Coronavac

Outra vacina muito falada no Brasil é a Coronavac, da biofarmacêutica chinesa Sinovac e que tem uma parceria com o governo de São Paulo.

Em setembro, o governador João Dória anunciou que 94,7% entre 50 mil voluntários que participaram dos testes da vacina não tiveram efeitos colaterais.

Na época, a expectativa do Instituto Butantan, que produz a vacina em parceira com a Sinovac, era de ter dados de eficácia sobre o imunizante a partir de 15 de outubro. Entretanto, os testes da Coronavac foram suspensos em 9 de novembro após a morte de um voluntário.

Dois dias depois, após a divulgação de notícias sobre a natureza da morte do voluntário e da direção do Instituto Butantan declarar que o óbito não teria relação com a vacina, a Anvisa permitiu o retorno dos testes.

“A Anvisa entende que tem subsídios suficientes para permitir a retomada da vacinação e segue acompanhando a investigação do desfecho do caso para que seja definida a possível relação de causalidade entre o evento adverso grave inesperado e a vacina”.

Com a autorização para a retomada dos testes, o Instituto Butantan avisou que os estudos retornariam imediatamente à liberação. Portanto, também precisamos esperar pelos primeiros resultados dos dados de eficácia da Coronavac.

Você está ansioso por uma vacina contra a COVID-19? Qual a sua expectativa? Conte para nós nos comentários!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando o assunto é saúde, você tem que saber em quem confiar. Sua qualidade de vida e bem-estar devem ser uma prioridade para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada e altamente qualificada, composta por médicos, nutricionistas, educadores físicos. Nosso objetivo é garantir a qualidade do conteúdo que publicamos, que é também baseado nas mais confiáveis fontes de informação. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados à saúde, boa forma e qualidade de vida.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário