Tipos de Dermatite e Como Tratar

Especialista:
atualizado em 05/09/2019

A dermatite, algumas vezes chamada de eczema, é uma inflamação que afeta a pele e que pode causar grande desconforto visual, além de sintomas desagradáveis que podem incluir coceira, vermelhidão e até dor.

Alguns tipos de dermatite afetam regiões específicas, outros surgem devido a gatilhos específicos como o contato com substâncias alérgenas ou o ressecamento da pele. Independentemente do tipo, nenhum deles tem cura, mas o tratamento pode proporcionar grande alívio e prevenir a ocorrência de surtos inflamatórios.

Aqui, vamos mostrar quais são os tipos de dermatite que existem e dar dicas de como tratar esse tipo de inflamação.

Dermatite

A dermatite é o nome dado a qualquer problema que deixe a pele inflamada. É uma condição de pele não contagiosa bastante comum e que afeta pessoas de todas as idades.

Existem vários tipos de dermatite, mas os sintomas são muito parecidos. Dentre os principais, podemos mencionar:

  • Coceira: a coceira pode ser leve ou intensa, causando até arranhões na pele.
  • Vermelhidão: a vermelhidão pode deixar a pele com aparência de como se estivesse manchada. Em alguns casos, a pele pode até sangrar.
  • Bolhas cheias de fluidos: as bolhas podem ser formadas até que ocorra o vazamento do fluido, que pode formar crostas sobre a pele.
  • Rachaduras ou fissuras na pele: a pele pode desenvolver rachaduras profundas que podem doer.
  • Descamação: a superfície da pele pode sofrer descamação, o que deixa a pele áspera e escamosa.

Se não tratada, a dermatite pode inflamar cada vez mais e resultar em sintomas cada vez mais intensos e graves. Também pode ser que o problema apresente sintomas menos intensos, mas que se torne crônico.

Tipos de dermatite

Como já mencionado, existem vários tipos de dermatite e isso pode gerar um pouco de confusão para diferenciar o problema. Para te ajudar, listamos os principais tipos de dermatite para que você seja capaz de identificar ou ao menos ter uma noção do tipo de inflamação que está afetando a sua pele.

1. Dermatite atópica

A dermatite atópica é a forma mais comum de dermatite. Ela geralmente afeta pessoas que apresentam:

  • Asma ou rinite;
  • Defeitos na barreira natural da pele que permite a saída de umidade e a entrada de germes;
  • Histórico familiar de dermatite, asma ou rinite.

Geralmente, a dermatite atópica começa na infância ou na adolescência, mas a condição também pode afetar pessoas mais velhas.

Os locais da pele mais afetados são o rosto, os pés, as mãos, a parte de trás dos joelhos e a parte interna dos cotovelos.

Coçar a pele ou passar muito a mão sobre a inflamação pode deixar a pele mais grossa e vermelha do que o normal, além de criar feridas que são facilmente infectadas. Alguns agentes irritantes também podem piorar a situação, como o uso de roupas ásperas sobre o local e a utilização de certos sabonetes ou o uso de produtos de limpeza sem proteção adequada na região afetada.

Alguns alimentos e a presença de ácaros ou outros alérgenos também podem piorar os sintomas.

A dermatite atópica pode e deve ser tratada. Algumas opções de tratamento incluem:

  • Uso de produtos para lubrificar e hidratar a pele;
  • Cremes e pomadas esteroides para a inflamação.
  • Antibióticos em casos de infecções;
  • Tratamento com luz ultravioleta;
  • Remédios que interferem no funcionamento do sistema imunológico.

– Dermatite de contato

A dermatite de contato pode afetar a pele de 2 formas: por meio da dermatite de contato irritativa e da dermatite alérgica. Ambos os tipos se desenvolvem depois que uma substância que entra em contato com a pele danifica a mesma.

A lavagem frequente das mãos ou o uso de produtos químicos pode causar dermatite de contato. Outras possíveis causas incluem o contato com uma substância irritante ou que cause alergia como alguns cosméticos, perfumes ou acessórios feitos com níquel, por exemplo.

As mãos são a parte do corpo mais vulnerável à dermatite de contato.

O tratamento pode consistir em:

  • Aplicação de hidratantes para a pele;
  • Medicamentos esteroides;
  • Uso de luvas quando em contato com irritantes como produtos de limpeza, por exemplo;
  • Antialérgicos;
  • Antibióticos quando há infecção.

O melhor tratamento é a prevenção. Uma vez identificada a substância que causa dermatite de contato, o ideal é manter distância e evitar o contato direto com ela.

– Dermatite disidrótica

Esse tipo de dermatite afeta as mãos e os pés e sua causa ainda é desconhecida.

O primeiro sintoma é a coceira intensa e, em seguida, podem aparecer outros sintomas como o surgimento de bolhas e manchas escamosas na pele. Fissuras profundas também podem ser observadas.

A dermatite disidrótica é um problema crônico e doloroso que pode ser tratado com:

  • Esteroides aplicados sobre a pele ou administrados por via oral;
  • Aplicação de compressas frias e úmidas;
  • Terapia ultravioleta combinada com psoraleno sobre a pele.

– Dermatite numular

A dermatite numular ou discoide é um tipo de dermatite que afeta homens com mais frequência do que mulheres. Geralmente, o primeiro surto da condição ocorre antes dos 50 anos de idade nos homens, enquanto que as mulheres que apresentam o problema tendem a desenvolvê-lo ainda na adolescência ou no início da idade adulta.

Essa dermatite pode ser identificada através do aparecimento de marcas vermelhas na pele no formato de moedas. Os locais mais afetados são as pernas, os quadris, as costas das mãos, a parte inferior das costas e os antebraços.

A causa é desconhecida, mas aos seguintes fatores podem aumentar o risco de a dermatite numular se desenvolver:

  • Exposição a metais como o níquel;
  • Ar frio e seco;
  • Exposição a produtos químicos como o formaldeído.

O tratamento pode incluir:

  • Proteger a pele contra arranhões e outros ferimentos que podem se tornar graves;
  • Aplicar uma pomada para dermatite contendo esteroides em sua composição;
  • Tomar um remédio esteroide por via oral ou por meio intravenoso;
  • Usar antibióticos em casos de infecções;
  • Tomar um banho morno e aplicar um hidratante sobre a pele logo em seguida.

– Neurodermatite

Pessoas com neurodermatite desenvolvem irritação na pele em locais que arranham ou coçam com frequência. Esse tipo de dermatite geralmente afeta os pulsos, os tornozelos, o couro cabeludo, os tornozelos, o pescoço, os órgãos genitais, as costas e as orelhas.

A pele irritada pode ficar mais grossa do que o normal e enrugada. Em alguns casos, infecções podem surgir dependendo do grau da irritação.

Em geral, o uso de medicamentos esteroides tópicos e parar de coçar o local melhoram a condição. No couro cabeludo, ela é mais difícil de tratar, sendo necessário o uso de esteroides de uso oral.

– Dermatite seborreica

A dermatite seborreica, conhecida popularmente como caspa, é um tipo de dermatite que afeta o couro cabeludo. Também pode afetar outros locais como as sobrancelhas, as laterais do nariz, a virilha, o centro do peito e a região atrás das orelhas.

Essa dermatite faz com que a pele se descame com facilidade e caia na forma de pequenos flocos. Ela pode ser causada por um crescimento excessivo de um tipo de levedura que não vive nessas regiões ou devido a um crescimento excessivo de células no couro cabeludo.

O tratamento pode ser dificultado em pessoas que têm o sistema imunológico comprometido. Mas geralmente, o tratamento funciona com o uso de:

  • Loções esteroides;
  • Shampoos contendo ingredientes como sulfeto de selênio, ácido salicílico, alcatrão de hulha e piritionato de zinco;
  • Remédios antifúngicos de uso tópico.

– Dermatite de estase

Esse tipo de dermatite se desenvolve quando as veias da parte inferior das pernas não enviam sangue para o coração da forma como deveriam.

O surgimento desse tipo de dermatite causa crostas na pele que podem deixar a pele manchada com o passar do tempo.

Geralmente, o tratamento inclui:

  • Uso de cremes ou pomadas esteroides;
  • Aplicação de compressas úmidas;
  • Antibióticos quando há infecção;
  • Uso de meias de compressão;
  • Elevação das pernas;
  • Cremes ou loções que deixam a pele lubrificada.

– Dermatite asteatótica

A dermatite asteatótica, também conhecida como dermatite craquele, é uma condição que afeta idosos com mais de 60 anos de idade.

Acredita-se que ela surge como resultado do ressecamento da pele ao longo dos anos. Além disso, alguns gatilhos podem incluir o tempo seco e frio, os banhos quentes que ressecam a pele, o uso de certos sabonetes, a limpeza excessiva ou o hábito de esfregar muito a pele ou o uso de toalhas ásperas para se secar.

Geralmente, ele aparece na parte inferior das pernas, mas nada impede que a dermatite surja em outros locais do corpo.

Dentre os sintomas, podemos citar a dor, a coceira, a presença de rachaduras, o ressecamento e a vermelhidão da pele.

O tratamento inclui o uso de hidratantes para reduzir o ressecamento.

– Dermatite perioral

A dermatite perioral é uma dermatite no rosto que afeta principalmente as regiões da boca e do nariz, mas que também pode afetar a região ao redor dos olhos. Nesse último caso, a dermatite pode ser chamada de dermatite periocular.

A inflamação pode afetar pessoas de qualquer idade e sexo, mas geralmente afeta mulheres entre 15 e 45 anos.

A causa não é bem conhecida, mas a doença parece surgir devido a alterações na barreira da pele, a mudanças na microflora cutânea e ao sistema imunológico da pele.

Os principais sintomas são erupção cutânea na região da face, manchas avermelhadas na pele, descamação e ressecamento. Também pode ocorrer coceira, sensação de queimação e irritação na pele. É bastante comum ao redor da boca e por isso é chamada de dermatite perioral.

O tratamento pode ser feito por meio da aplicação de compressas frias e de remédios imunomoduladores. Em casos de infecção antibióticos também podem ser utilizados sob prescrição médica.

– Dermatite herpetiforme

A dermatite herpetiforme, conhecida também como dermatite de Duhring-Brocq, é um tipo de inflamação que gera uma erupção pruriginosa. Também há presença de bolhas e inchaço na pele. Outros sintomas são coceira, formação de crostas e feridas.

É muito comum de aparecer nos cotovelos, nos joelhos, nas nádegas e nas costas. Não se sabe a causa exata da doença, mas trata-se de uma condição crônica que tem a ver com uma reação do sistema imunológico contra uma região específica da pele. Pessoas com doença celíaca – um distúrbio autoimune que resulta em inflamação intestinal quando o indivíduo ingere algum alimento que contém glúten – geralmente podem sofrer lesões na pele quando consomem glúten devido a essa reação imunológica.

Desta forma, a ingestão de glúten por pessoas com doença celíaca provoca erupções cutâneas, fazendo com que a pessoa precise restringir o consumo de glúten para evitar a dermatite.

Assim, o tratamento basicamente consiste em parar de consumir glúten através da alimentação.

Como tratar

Como foi possível observar, os tratamentos dos diversos tipos de dermatite parecem ser muito parecidos. De fato, é possível tratar qualquer tipo de dermatite com praticamente os mesmos medicamentos e soluções caseiras.

Em geral, o tratamento da dermatite pode ser feito por meio de:

  • Hidratantes e emolientes para deixar a pele hidratada, reduzindo sintomas como coceira e fissuras na pele;
  • Fototerapia, em que a luz ultravioleta que sai de um dispositivo é usada para combater a inflamação;
  • Antibióticos para tratar a dermatite quando bactérias infeccionam a pele inflamada;
  • Cremes e pomadas para dermatite que incluem o uso de pomadas esteroides que reduzem a dor, a vermelhidão e o inchaço;
  • Cremes contendo hidrocortisona podem ser prescritos para tratar dermatites leves;
  • Anti-histamínicos que podem diminuir a coceira e tratar a dermatite alérgica;
  • Medicamentos que atuam no sistema imunológico como a azatioprina, o metotrexato e a ciclosporina;
  • Inibidores tópicos da calcineurina que auxiliam na diminuição do processo inflamatório.

Se você sofre de surtos frequentes de dermatite, é possível adotar algumas medidas para prevenir os surtos da condição, como:

  • Usar roupas feitas de fibras naturais e evitar vestir roupas apertadas ou com tecidos que gerem atrito com a pele;
  • Hidratar a pele com regularidade e com produtos suaves;
  • Aplicar hidratantes após banhos quentes para preservar a hidratação da pele e, se possível, optar por banhos frios ou mornos;
  • Secar a pele suavemente, de preferência com uma toalha macia após o banho;
  • Evitar usar perfumes que possam ser irritantes para a pele;
  • Usar um umidificador no ambiente em estações secas do ano para evitar o ressecamento da pele;
  • Utilizar sabonetes e detergentes suaves no dia a dia;
  • Praticar exercícios físicos e atividades físicas, pois alguns casos de dermatite podem ser desencadeados por estresse;
  • Evitar coçar a pele quando houver um surto de dermatite.

O uso de medicamentos citados neste artigo deve ser orientado por um dermatologista de sua confiança. Não deixe de consultar um médico para avaliar a condição da sua pele, principalmente se você suspeita que a dermatite evoluiu para uma infecção. Só assim o tratamento mais eficaz e rápido será adotado.

Em alguns casos mais sérios, pode ser necessário injetar um medicamento para que a resposta inflamatória do organismo seja controlada, mas somente um médico especializado será capaz de dizer quando isso é necessário.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já foi diagnosticado com algum tipo de dermatite? Quais foram as recomendações do seu médico? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Felipe Santos e Dra. Patrícia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário