5 Doenças na Língua – Maiores Problemas e o Que Significa

Especialista:
atualizado em 02/06/2020

Confira quais são as 6 doenças na língua que podem ocorrer em detrimento de diversos fatores, o que significa e como tratar cada uma delas.

A língua é um músculo necessário para a digestão dos alimentos e a fala. Embora os cuidados necessários e a saúde referente a essa parte do corpo nem sempre sejam lembrados, é necessário estar atento aos sinais que ela pode manifestar quando há algo de errado.

A inflamação é uma das respostas mais comuns quando a língua é afetada por alguma complicação. Dessa maneira, o músculo fica inchado e avermelhado. Para conhecer a causa desencadeante, pode ser necessária a submissão a exames físicos ou laboratoriais.

Alguns dos sintomas mais comuns que podem ser percebidos são a língua branca, as chamadas bolinhas na língua e, entre outros, o formigamento na língua.

No entanto, confira abaixo em detalhes as 5 doenças da língua mais comuns, como evitá-las e como tratar essas complicações, bem como os problemas que elas podem representar:

1. Glossite

Glossite é o nome que se dá a uma complicação que causa inflamação na língua, fazendo-a inchar e desencadeando alteração na sua cor e textura na superfície. Popularmente conhecida como língua geográfica, essa complicação pode ter origens diversas e normalmente se manifesta como sintoma de outras doenças ou complicações de saúde.

A glossite pode causar o desaparecimento das papilas, que, por sua vez, contêm milhares de pequenos sensores chamados papilas gustativas que funcionam proporcionando a percepção sensorial dos sabores.

Quando a inflamação é grave, a língua fica mais avermelhada do que o comum, o paciente pode sentir dor e seu paladar ser prejudicado.

Atualmente são catalogados três tipos de glossite, sendo elas:

– Glossite aguda

Quando o paciente passa por um quadro de glossite aguda, significa que a inflamação aparece de repente como sintoma subjacente a uma outra causa. Normalmente os casos de glossite aguda são associados a reações alérgicas.

– Glossite crônica

A glossite crônica, por sua vez, corresponde a quadros de inflamação na língua que se manifestam de maneira recorrente.

Assim como o quadro agudo, a versão crônica possivelmente será um sintoma subjacente de outras doenças que resulta nesse quadro inflamatório.

– Glossite atrófica

A glossite atrófica, também conhecida como glossite de Hunter, ocorre quando muitas papilas são perdidas, prejudicando o paladar do paciente, resultando em alterações na cor e na textura da língua. Esse tipo de glossite geralmente dá à língua uma aparência brilhante.

Ao contrário das versões aguda e crônica, a glossite atrófica se manifesta em decorrência de carência de certos nutrientes, sobretudo vitaminas e minerais. Esse é um quadro comum em pessoas que possuem anemia.

Quantidades insuficientes de ferro no organismo podem desencadear essa complicação, pois esse mineral é responsável pelo crescimento celular, ajudando seu corpo a produzir glóbulos vermelhos, que transportam oxigênio para seus órgãos, tecidos e músculos.

Dessa maneira, baixos níveis de ferro no sangue podem resultar em baixos níveis de mioglobina que, por sua vez, é uma proteína encontrada nos glóbulos vermelhos, que exerce particular importante à saúde muscular, incluindo o tecido lingual.

A deficiência crônica de vitamina A, assim como as faltas de vitaminas E e B12, também são fatores desencadeantes dessa complicação.

Pessoas com herpes, alergias alimentares, problemas no sistema imunológico, portadores de aparelhos ortodônticos que prejudicam a língua e pessoas com deficiência de ferro e vitaminas no organismo, são identificadas dentro da faixa de risco.

Como tratar?

O tratamento de glossite consiste, a princípio, em reduzir a inflamação da língua. Esse não é um quadro emergencial e geralmente não requer internamento, a não ser quando o processo inflamatório se dá em decorrência de crises alérgicas. Nesses casos, o paciente deve ser encaminhado em caráter de urgência a um pronto socorro para que as vias aéreas não inchem, prejudicando ou até mesmo impossibilitando a respiração.

Nos casos da glossite atrófica, após a administração de medicação para conter e reverter a inflamação, provavelmente você será prescrito a iniciar um tratamento de reposição de vitaminas ou nutrientes deficitários em seu organismo por meio de suplementação ou alteração em hábitos alimentares.

Dentre os medicamentos possíveis, após o diagnóstico o médico responsável poderá prescrever tratamentos com remédios anti-inflamatórios ou antibióticos, bem como orientações quanto a uma adequada higiene bucal.

Exames de sangue como o hemograma podem ser solicitados para um diagnóstico mais preciso.

2. Reações alérgicas

Essa é uma das causas mais preocupantes e emergenciais quando se trata de doenças na língua.

Consumir produtos e alimentos cujo paciente é alérgico requer um tratamento imediato para que o quadro não avance. Uma pessoa pode desenvolver uma crise alérgica ao ter contato por vias respiratórias, gastrointestinais ou pela pele com o agente em questão, que podem ser alimentos ou produtos como pasta de dente e enxaguante bucal.

Frutos do mar estão entre os principais agentes alérgenos.

Como tratar?

Nesses casos, a administração de um anti-histamínico recomendado por seu médico pode ser ideal para conter o quadro.

Quando a língua começa a inchar em decorrência de uma crise alérgica, significa que as vias aéreas podem estar sendo comprometidas, dificultando a respiração. Dessa forma, quando isso ocorre, o paciente deve ser encaminhado emergencialmente a um pronto socorro.

3. Síndrome de Sjögren

Síndrome de Sjögren é uma doença considerada comum. Só no Brasil, mais de 150 mil casos são reportados anualmente. Quando esse quadro se instala em um paciente, o sistema imunológico atinge as células saudáveis das glândulas salivares e do canal lacrimal, diminuindo a produção de lágrimas e saliva.

Os principais sintomas da Síndrome de Sjögren são olhos e boca seca. Além disso, não é raro encontrar pacientes que reportam sintomas como dor ou inchaço nas articulações, erupções cutâneas, tosse seca recorrente, fadiga e inchaço nas glândulas salivares.

As causas desencadeantes dessa síndrome ainda não são exatas. A principal razão aceita pelas evidências clínicas é de ordem genética. Além disso, estão dentro dos grupos de risco mulheres acima de 40 anos e que possuem problemas reumatológicos.

Como tratar?

Por se tratar de uma das doenças na língua crônicas, a síndrome de Sjögren não possui cura, mas seu tratamento assegura melhor qualidade de vida em face dos sintomas.

Dentre os principais tratamentos estão a administração de colírios para lubrificação ocular – de preferência sem conservantes – e para o desconforto da secura bucal, inclui-se certas medidas paliativas, como ingestão de pequenos goles de água ao longo do dia, bem como o uso pastilhas e de gomas de mascar sem açúcar.

Embora os efeitos dessas medidas não perdurem por um longo tempo, são acessíveis e podem ser recorridas sem efeitos colaterais. Ademais, tratamentos com pilocarpina podem ser prescritos pelos médicos. Trata-se de um remédio que tem como função principal estimular a produção de secreção salivar e ocular, mas que oferecem certos efeitos colaterais desagradáveis.

4. Xerostomia

Xerostomia é nome associado a uma condição popularmente conhecida como boca seca.

Essa complicação não é, por si só, uma doença, mas pode ser indicativo de alguns outros quadros que podem ser diversos, como desidratação, efeito colateral de ingestão de certos remédios – como antidepressivos, antialérgicos e diuréticos, bebidas alcoólicas, certas drogas e má higiene bucal. Tratamentos de radioterapia também costumam causar xerostomia.

Em decorrência de certos quadros, há a baixa produção salivar – hipossalivação. Quando esse quadro ocorre de maneira recorrente, pode ser indicativo de doenças nas glândulas salivares ou de diabetes mellitus.

Uma pessoa considerada saudável excreta, por meio das glândulas salivares, cerca de 1 a 1,5 litro de saliva diariamente. Trata-se de uma secreção fundamental à digestão alimentar pois contém enzimas e demais substâncias que auxiliam na prevenção da proliferação de certas bactérias, que podem causar cáries e infecções.

Como tratar?

O tratamento de xerostomia deverá ser determinado a partir do diagnóstico da causa matriz. No entanto, alguns protocolos são recomendados em qualquer situação, como aumentar a ingestão de água, que resultará em aumento no quadro de hidratação e, consequentemente, na produção salivar.

Evitar o consumo de bebidas alcoólicas e o tabagismo também influenciará no aumento de saliva, contribuindo positivamente ao quadro.

5. Candidíase oral

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a candidíase não atinge apenas os órgãos genitais. Ela também pode ser uma das doenças na língua.

A candidíase oral pode acometer homens e mulheres. O fungo Candida albicans provoca infecção e um aspecto esbranquiçado na língua. Essa doença também pode acometer bebês, devido à baixa imunidade que seus organismos ainda apresentam. Adultos com a imunidade enfraquecida também podem apresentar essa complicação, sobretudo quem é portador de HIV/AIDS ou quem possui câncer.

O contágio da candidíase oral se dá por meio do contato de mucosas, e os principais sintomas são aparecimento de caroços, aftas e placas brancas na superfície da língua, da bochecha e garganta.

Como tratar?

O tratamento em adultos deve ser prescrito por um médico, geralmente clínico geral, ou por dentistas, que poderá consistir na administração de antifúngicos em forma de gel ou em enxaguantes bucais.

Outros cuidados devem ser redobrados durante o tratamento, como a higiene bucal, além de ser necessário evitar o consumo de alimentos gordurosos ou com açúcar e carboidratos refinados. Spray nasal e xaropes também podem ser recomendados para atenuar os sintomas.

Fontes e Referências adicionais:

Você já conhecia essas 5 doenças na língua? Já passou por isso alguma vez? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Além disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário