Fosfatase alcalina alta ou baixa – O que pode ser

Especialista da área:
atualizado em 06/07/2021

Você sabia que a fosfatase alcalina é um marcador importante para doenças? Saiba então o que pode ser a fosfatase alcalina alta ou baixa em um exame em detalhes.

  Continua Depois da Publicidade  

A fosfatase alcalina (FAL ou ALP) é uma enzima presente no sangue que tem várias funções importantes.

Fora dos níveis normais, a fosfatase alcalina pode ser um sinal de doenças como por exemplo:

Dessa forma, um exame de sangue que verifica o nível de FAL pode ser útil para ajudar no diagnóstico de certas doenças.

O que é

A enzima fosfatase alcalina é uma proteína que possibilita a ocorrência de diversas reações químicas no nosso corpo. Ela é produzida principalmente pelo fígado e pelos ossos, mas também pode ser encontrada nos rins, intestinos, ductos biliares e vesícula biliar.

Aliás, mulheres grávidas produzem mais fosfatase alcalina porque a placenta também libera essa enzima para garantir o desenvolvimento saudável do feto.

De fato, a fosfatase alcalina participa de processos essenciais para a vida, como:

  1. Transporte de nutrientes para dentro e fora do fígado;
  2. Crescimento e manutenção dos ossos;
  3. Transporte de cálcio e fosfato do intestino para os ossos, músculos e células nervosas;
  4. Regulação do crescimento celular dos fetos em mulheres grávidas;
  5. Envio de ácidos graxos para armazenamento de energia no tecido adiposo.

Qualquer mudança nos níveis ideais de FAL no sangue pode causar falhas nos processos acima. Além disso, é provável que a fosfatase alcalina alta ou baixa seja resultado de uma doença.

O que pode ser

problema no fígado

Um exame de fosfatase alcalina pode ser feito quando há suspeita de problemas em órgãos como o fígado, o rim, o intestino, a vesícula biliar ou os ossos. Na maioria das vezes, medir os níveis de fosfatase alcalina serve para identificar problemas no fígado ou na vesícula biliar.

Além de avaliar o resultado do exame, é importante informar ao seu médico sobre a presença de sintomas que você vem sentindo que podem ajudar no diagnóstico.

  Continua Depois da Publicidade  

Os intervalos de referência de fosfatase alcalina (FAL) no sangue podem variar dependendo da idade. Mas, no caso das grávidas, os níveis normais dependem da idade gestacional – já que a enzima é liberada em quantidades mais altas durante a gestação.

Idade ou etapa da gravidezUnidades de FAL por litro de sangue (U/L)
Adultos33 a 96 U/L
Criançasmenor que 350 U/L
1º trimestre da gravidez17 a 88 U/L
2º trimestre da gravidez25 a 126 U/L
3º trimestre da gravidez38 a 229 U/L

Ainda que o seu teste apresente resultados anormais, é preciso considerar também o resultado de outros exames e fazer uma avaliação dos seus sintomas antes de chegar em um diagnóstico clínico.

Fosfatase alcalina alta

Na maioria das vezes, a fosfatase alcalina alta indica problemas de saúde como, por exemplo:

  • Infecção por bactérias;
  • Cálculos biliares;
  • Obstrução biliar;
  • Colecistite, uma inflamação da vesícula biliar;
  • Cirrose;
  • Insuficiência renal;
  • Hepatite;
  • Doenças do fígado;
  • Hipertireoidismo;
  • Mononucleose;
  • Doença de Paget.

Fosfatase alcalina baixa

Por outro lado, níveis baixos de fosfatase alcalina podem ser um indicativo de:

  • Hipotireoidismo;
  • Anemia grave;
  • Doença celíaca;
  • Desnutrição;
  • Doença inflamatória intestinal;
  • Problema ósseo;
  • Acondroplasia, um tipo de nanismo.

Como interpretar os resultados

Normalmente, um exame de FAL não é suficiente para um diagnóstico. Por isso, outros exames complementares também devem fazer parte da análise médica.

Por exemplo, se a suspeita é de uma doença hepática, os exames que podem complementar os níveis de fosfatase alcalina incluem:

Assim, é possível saber com base nesses outros marcadores do fígado se o órgão tem ou não um problema.

Além disso, é sempre bom dizer ao seu médico sobre os remédios que você usa ou que tomou recentemente, pois isso também pode afetar a função de órgãos como o fígado – causando alterações significativas nas suas enzimas.

  Continua Depois da Publicidade  

Se necessário, faça também os exames de imagem recomendados pelo médico, pois eles podem ajudar a identificar problemas nos ossos ou na tireoide que são difíceis de identificar sem o ultrassom.

Além disso, também vale lembrar que flutuações pouco significativas nos níveis de fosfatase alcalina são normais e não representam um perigo à sua saúde.

Vídeo

Por fim, além de manter seus exames em dia, siga as dicas da nossa nutricionista sobre os melhores alimentos para o seu fígado:

Fontes e referências adicionais

Você já fez um teste de função hepática completo? Avaliou os níveis de fosfatase alcalina também? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Lucio Pacheco

Dr. Lucio Pacheco é Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral - CRM 597798 RJ/ CBCD. Formou-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1994. Em 1996 fez um curso de aperfeiçoamento no Hospital Paul Brousse, da Universidade de Paris-Sud, um dos mais especializados na área de transplantes na Europa. Concluiu o mestrado em Medicina (Cirurgia Geral) em 2000 e o Doutorado em Medicina (Clinica Médica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2010. Dr. Lucio Pacheco é um profundo estudioso na área de doença hepática e escreveu dezenas de livros e artigos sobre transplante de fígado. Atualmente é médico-cirurgião, chefe da equipe de transplante hepático do Hospital Copa Star, Hospital Quinta D´Or e do Hospital Copa D´Or. Além disso é diretor médico do Instituto de Transplantes. Suas áreas de atuação principais são: cirurgia geral, oncologia cirúrgica, hepatologia, e transplante de fígado. Dr. Lucio é uma referência profissional em sua área e autor de artigos científicos e diversos. Para mais informações, entre em contato com ele.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário