Nódulo no fígado: quando pode ser câncer e o que pode ser

Especialista da área:
atualizado em 26/05/2022

Nódulo no fígado é um problema que se tornou mais comum com o acesso aos exames de imagens, que levaram muitas pessoas a descobrirem acidentalmente que tinham essa massa no fígado. A boa notícia é que, na grande maioria dos casos, o nódulo no fígado não provoca nenhum sintoma e nem se trata de um câncer. 

Há casos, porém, que o nódulo no fígado pode ser metástase de um outro tumor ou ser um tumor que se desenvolveu no próprio fígado. 

  Continua Depois da Publicidade  

Para saber se o nódulo no fígado é benigno ou maligno, deve-se procurar um médico ou médica especialista em fígado, para essa investigação. 

Veja como é feito o diagnóstico de nódulo no fígado, o que pode ser e também os sinais que indicam quando pode ser um câncer. 

Nódulo no fígado: quando pode ser um câncer

Diagnóstico no fígado
O médico solicitará exames de imagem para o correto diagnóstico

O diagnóstico de nódulo no fígado é feito com base na história clínica da pessoa, que são os sinais e sintomas que ela apresenta. Neste sentido, o médico ou médica busca saber se a pessoa já tem alguma doença no fígado ou não. 

A partir disso, são feitos exames de imagem, como tomografia e ressonância magnética, e exames laboratoriais

Com os exames de imagem, é possível concluir ou chegar próximo à conclusão sobre a malignidade do nódulo, ou seja, se é ou não um câncer. 

  Continua Depois da Publicidade  

Os tumores malignos costumam ter uma circulação arterial abundante, enquanto os nódulos benignos não são tão vascularizados. No exame de ressonância magnética, pode ser utilizado um contraste específico para o fígado, o ácido gadoxético ou Primovist®, para auxiliar nessa diferenciação. 

Se o nódulo for suspeito, se faz uma biópsia para confirmação do diagnóstico. 

Normalmente, quando a pessoa não tem nenhum histórico de problema no fígado, o nódulo no fígado é benigno, devendo ser apenas observado ao longo do tempo, para verificar se ele cresce ou apresenta outras mudanças em suas características. 

Quando a pessoa já tem uma doença no fígado, por exemplo a cirrose, as chances do nódulo no fígado ser um câncer são maiores. 

O que pode ser o nódulo no fígado

Nódulo no fígado
O aparecimento de um nódulo no fígado pode ter diversas causas

As causas mais comuns de nódulos no fígado são: 

Cisto simples 

Os cistos hepáticos simples são pequenas bolhas cheias de líquido, que surgem no fígado e não interferem no sistema de produção da bile. 

  Continua Depois da Publicidade  

São lesões benignas, ou seja, não apresentam o risco de evoluírem para um câncer. O diagnóstico é quase sempre acidental, feito em exames de rotina, como uma ecografia. Geralmente, não causam nenhum tipo de sintoma. 

Os sintomas e as complicações podem surgir por cistos maiores do que 4 cm, que podem sangrar, romper ou comprimir as estruturas vizinhas, mas são extremamente raros. Nesses casos, se faz uma cirurgia para a retirada do nódulo no fígado. 

Na maioria dos casos, nenhum tratamento é necessário, apenas monitoramento com ecografia a cada 4-5 meses e, depois, a cada 6-12 meses. Se não houver nenhuma modificação em 2 ou 3 anos, não é necessário continuar monitorando o cisto. 

Hemangioma

Um hemangioma é um tumor benigno constituído por uma aglomeração desorganizada de vasos sanguíneos e não requer nenhum tratamento, apenas observação.  

Também são diagnosticados em exames de imagens realizados para outros fins, pois não provocam sintomas que levem a pessoa a procurar ajuda médica. 

Os sintomas podem surgir quando os hemangiomas são muito grandes, maiores do que 4 cm, mas ainda assim são raros. A pessoa pode sentir um desconforto e distensão abdominal. 

  Continua Depois da Publicidade  

Hiperplasia nodular focal

A hiperplasia nodular focal é o segundo tipo mais comum de nódulo benigno no fígado, depois do hemangioma. Esse nódulo é tem a estrutura semelhante ao tecido do fígado normal, porém desorganizado, como se fosse uma cicatriz. 

Geralmente, aparece como um nódulo solitário com menos de 5 cm, não causa sintomas e é descoberto acidentalmente em exames de imagem. 

Este tipo de nódulo também não precisa de tratamento e nem de cirurgia, apenas observação.

Adenoma hepático

O adenoma hepático também é um tumor benigno do fígado, que tem origem nas células do próprio fígado, os hepatócitos. 

Este tipo de nódulo, apesar de benigno, tem chances de sangramento, de ruptura e pode evoluir para um câncer

O adenoma hepático afeta especialmente as mulheres, entre 30 e 50 anos de idade, e alguns estudos sugerem uma associação com o uso de pílulas anticoncepcionais

O uso de esteroides androgênicos, formados a partir da testosterona e seus derivados, diabetes e esteatose hepática (gordura no fígado) também têm sido sugeridos como fatores de risco para o adenoma hepático.  

Na maior parte dos casos, esse nódulo no fígado não causa sintomas e são descobertos por acaso em exames de rotina. Mas, se o nódulo aumentar e atingir um diâmetro maior do que 5 cm, pode causar dor intensa na região superior lateral direita do abdômen, e sangrar.

Nódulos menores do que 5 cm não requerem tratamento, apenas observação. Se a mulher fizer uso de hormônios estrogênicos, é necessário suspender a medicação. 

O tratamento para nódulos maiores do que 5 cm é cirúrgico e consiste na ressecção do nódulo, por via aberta ou laparoscópica, que é menos invasiva. 

O transplante de fígado só é indicado quando a pessoa apresenta muitos nódulos impossíveis de serem removidos com cirurgia.  

Hepatocarcinoma

O hepatocarcinoma ou carcinoma hepatocelular é um câncer primário do fígado, o que significa que tem origem nas próprias células do órgão. 

A cirrose, doença grave no fígado associada ao consumo excessivo de álcool, é um importante fator de risco para o hepatocarcinoma. Cerca de 50% das pessoas que desenvolvem o câncer, são portadoras de cirrose hepática.  

A hepatite crônica também é um fator de risco para o câncer, sendo desencadeada pelos vírus da hepatite B ou C. 

Os sintomas mais comuns do hepatocarcinoma são dor, massa e distensão abdominal, perda de peso não intencional, perda do apetite, mal-estar generalizado, icterícia (pele e mucosas amareladas) e ascite, que é o acúmulo de líquido no abdômen.  

Esse tipo de câncer é bastante agressivo e evolui rapidamente em um curto espaço de tempo. O tratamento é cirúrgico, com a remoção do tumor por videolaparoscopia, ou transplante de fígado. 

Câncer metastático do fígado

O câncer metastático do fígado consiste em um tumor que se originou em outro local do corpo e se espalhou, atingindo o fígado. 

Geralmente, o câncer metastático do fígado se origina do pulmão, da mama, do intestino grosso, do pâncreas ou do estômago. 

Isso acontece porque o fígado participa do sistema de filtragem do sangue e, por isso, pode ter contato com células tumorais que se desprenderam de seus tumores de origem e atingiram a corrente sanguínea. 

O tratamento depende do local de origem do tumor, sendo diferente em cada caso. Há muitas possibilidades de diagnóstico e, portanto, de tratamento, sendo imprescindível o diagnóstico preciso e o acompanhamento do nódulo por um cirurgião do aparelho digestivo ou um hepatologista. 

Fontes e referências adicionais

Você costuma fazer exames de imagem de rotina? Já sabia que nem todo nódulo no fígado era sinal de um câncer? Quais causas de nódulo no fígado eram desconhecidas para você? Comente abaixo! 

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Lucio Pacheco

Dr. Lucio Pacheco é Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral - CRM 597798 RJ/ CBCD. Formou-se em Medicina pela UFRJ em 1994. Em 1996 fez um curso de aperfeiçoamento em transplantes no Hospital Paul Brousse, da Universidade de Paris-Sud, um dos mais especializados na Europa. Concluiu o mestrado em Medicina (Cirurgia Geral) em 2000 e o Doutorado em Medicina (Clinica Médica) pela UFRJ em 2010. Dr. Lucio Pacheco é autor de diversos livros e artigos sobre transplante de fígado. Atualmente é médico-cirurgião, chefe da equipe de transplante hepático do Hospital Copa Star, Hospital Quinta D'Or e do Hospital Copa D'Or. Além disso é diretor médico do Instituto de Transplantes. Suas áreas de atuação principais são: cirurgia geral, oncologia cirúrgica, hepatologia, e transplante de fígado. Para mais informações, entre em contato.

Deixe um comentário