O Perigoso Dano que o Novo Coronavírus Pode Causar aos Pulmões

Especialista:
atualizado em 20/05/2020

Foi no dia 11 de março que a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o novo coronavírus como uma pandemia. Desde então, os Jogos Olímpicos foram adiados devido à pandemia de COVID-19 (nome dado à doença provocada pelo vírus), cientistas e pesquisadores de todo o mundo procuram vacinas e medicamentos contra o novo coronavírus e diversas dúvidas acerca da doença ainda persistem.

Devido ao número expressivo de óbitos em decorrência da COVID-19, um dos questionamentos que pode pairar na mente é o que especificamente o novo coronavírus pode causar no organismo, especialmente nos pulmões, uma vez que se trata de um problema respiratório.

Em um vídeo publicado no YouTube, o patologista pulmonar Sanjay Mukhopadhyay detalhou como os pulmões podem ser afetados pela COVID-19 nos casos severos da doença e apontou que o novo coronavírus pode provocar uma condição perigosa e potencialmente fatal chamada de síndrome do desconforto respiratório agudo ou síndrome de angústia respiratória do adulto. Trata-se do acúmulo de fluidos nos sacos de ar dos pulmões, privando o fornecimento de oxigênio aos órgãos.

De acordo com o patologista pulmonar, foram pesquisadores chineses que associaram a COVID-19 à síndrome do desconforto respiratório agudo. Em seus estudos, os chineses examinaram os fatores de risco de 191 pacientes com diagnóstico confirmado para o novo coronavírus que foram tratados em dois hospitais de Wuhan, na China, onde surgiu a COVID-19.

Os pesquisadores identificaram que 50 dos 54 pacientes que morreram tinham desenvolvido a síndrome do desconforto respiratório agudo, ao passo que somente 9 entre os 137 pacientes que sobreviveram tiveram o problema. Segundo Mukhopadhyay, a síndrome tem uma contribuição significativa para a morte dos pacientes.

O que a síndrome do desconforto respiratório agudo causa aos pulmões?

A síndrome do desconforto respiratório agudo provoca danos nas paredes dos sacos de ar dos pulmões – justamente quem auxilia o oxigênio a passar para os glóbulos vermelhos. Daí a privação de fornecimento de oxigênio aos órgãos associada à síndrome, conforme mencionado previamente.

Em pulmões saudáveis, o oxigênio presente dentro desses sacos de ar (também conhecidos como alvéolos) viaja até pequenos vasos sanguíneos (chamados ainda de capilares), que entregam o oxigênio aos glóbulos vermelhos.

O patologista pulmonar explicou que em uma pessoa normal as paredes dos alvéolos são muito finas, de modo que o oxigênio consegue chegar facilmente até os glóbulos vermelhos.

O problema com o coronavírus é que ele danifica a parede e as células de revestimento dos alvéolos bem como os capilares.

Mukhopadhyay esclareceu ainda que todo esse dano provoca um acúmulo de resíduos que reveste a parede dos alvéolos da mesma maneira que uma tinta revestiria a parede de uma casa. Os danos provocados pela COVID-19 aos capilares também fazem com que eles gotejem proteínas plasmáticas que deixam a parede ainda mais grossa.

“Eventualmente, a parede dos alvéolos fica mais grossa do que deveria. Quanto mais grossa essa parede ficar, mais difícil será para transferir oxigênio, mais falta de ar você sentirá e mais você será movido em direção a uma doença severa e possivelmente à morte”, advertiu o patologista pulmonar.

Como é feito o diagnóstico da síndrome do desconforto respiratório agudo?

A síndrome do desconforto respiratório agudo está associada a sintomas como: falta de ar repentina, respiração rápida, tontura, ritmo cardíaco acelerado e transpiração excessiva. Entretanto, não é somente isso que os médicos avaliam para identificar se o paciente desenvolveu o problema.

Eles também levam em consideração se o paciente tem uma condição aguda, com sintomas que começaram dentro de uma semana após surgimento de um problema de saúde, sintomas que se agravaram ou novos sintomas; se a falta de ar não pode ser explicada por uma insuficiência cardíaca ou sobrecarga de fluido (hipervolemia); se os níveis de oxigênio no sangue estão baixos (hipóxia severa) e se os pulmões aparecem brancos e opacos no lugar de escuros em uma exame de raio-x de peito.

A urgência de entender o que o novo coronavírus pode provocar no organismo

Para o patologista pulmonar, o objetivo é enfatizar os estragos que o novo coronavírus pode causar ao organismo, principalmente nos pacientes de alto risco, que podem ser mais vulneráveis à infecção. Mukhopadhyay espera que isso faça com que as pessoas levem o surto de COVID-19 mais a sério.

“Por favor, não descarte isso como ‘apenas outra infecção viral que vai passar’. Por favor, tome todas as precauções. Por favor, proteja a si mesmo, sua família e os outros”, pediu o patologista pulmonar.

A íntegra do vídeo (em inglês) do patologista pulmonar Sanjay Mukhopadhyay a respeito do que o novo coronavírus pode fazer nos pulmões pode ser conferida a seguir:

As informações são do centro médico acadêmico americano Cleveland Clinic, do Ministério da Saúde e da Universidade John Hopkins nos Estados Unidos.

Fontes e referências adicionais:

Você já sabia o que o novo coronavírus pode provocar no seu pulmão? Já foi contagiado pelo vírus ou conhece alguém com COVID-19? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Além disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário