Ocitocina – O Que é, Para Que Serve, Função e Efeitos Colaterais

A ocitocina, hormônio envolvido no parto e na amamentação, também tem relação com a empatia, a confiança, a construção de relacionamentos e com a atividade sexual. Por esses motivos, é conhecido popularmente como o hormônio do amor.

Apesar de ser produzido naturalmente pelo hipotálamo do nosso cérebro, algumas pessoas usam a ocitocina como um remédio ou suplemento para auxiliar mulheres durante o parto ou para tratar problemas de saúde como a depressão e a ansiedade, por exemplo.

Mas como a ocitocina realmente atua no nosso organismo e para que serve? Aqui, vamos mostrar a função desse hormônio, além de mencionar os efeitos colaterais relacionados ao uso da ocitocina na forma de suplementos.

Ocitocina – O que é?

A ocitocina é um hormônio neurotransmissor envolvido em funções importantes no parto e na amamentação. Não é à toa que se trata de um hormônio muito mais abundante em mulheres do que em homens.

Os níveis de ocitocina geralmente aumentam com o contato físico quando recebemos um abraço ou durante os orgasmos nas relações sexuais, por exemplo. Isso acontece porque o hormônio é liberado pelo hipotálamo para auxiliar nas funções reprodutivas. Assim, o cérebro recebe o abraço, o sexo, o momento do parto ou a amamentação como sinais para liberação de ocitocina, já que todos esses acontecimentos podem propiciar e favorecer a reprodução.

A ocitocina produz vários efeitos físicos e psicológicos que podem afetar o comportamento social e emocional do indivíduo, tendo um papel muito importante na gravidez, na atividade sexual, no parto, no vínculo materno, na vida social e no estresse.

Para que serve?

Naturalmente, a ocitocina é muito importante para garantir que a função reprodutiva humana funcione adequadamente.

Como medicamento, além de ajudar no parto de algumas mulheres e poder ser usada no tratamento da ansiedade e da depressão, pesquisas têm mostrado que a ocitocina também pode auxiliar no tratamento de pessoas no espectro autista e de pacientes que sofrem de síndrome do intestino irritável.

O principal uso da ocitocina como medicamento é na indução do parto, no fortalecimento das contrações, no controle do sangramento após o parto ou na indução do aborto espontâneo malsucedido.

Função da ocitocina

Após a produção da ocitocina no hipotálamo, ela é transportada e secretada pela glândula pituitária que fica na base do cérebro e que é responsável pela sensação de bem estar geral do corpo.

– Funções biológicas

A liberação de ocitocina pode ser estimulada pela atividade sexual, bem como pelo trabalho de parto e pelo aleitamento materno, já que todas essas são funções indispensáveis para a reprodução humana. O hormônio é especialmente importante para a regulação das funções reprodutivas associadas ao parto e à amamentação.

  Continua Depois da Publicidade  

Durante o trabalho de parto, a ocitocina aumenta a motilidade uterina, o que causa as contrações nos músculos do útero e também estimula a produção de prostaglandinas. Essas contrações fazem com que o colo do útero e a vagina se alarguem cada vez mais, liberando ainda mais ocitocina e aumentando mais uma vez as contrações. É uma reação em cadeia que gera quantidades maiores de ocitocina o tempo todo. Conforme novas contrações vão ocorrendo, o alargamento vai aumentando até que seja possível a saída do bebê. Nesse momento, a produção de ocitocina cessa.

Na amamentação, a ocitocina auxilia no movimento do leite das glândulas mamárias até o bico da mama em que o alimento pode ser alcançado pela criança.

Nos homens, a ocitocina também desempenham um certo papel. Os especialistas acreditam que o hormônio tem um papel no movimento dos espermatozoides e na produção da testosterona. Além disso, estudos afirmam que a ocitocina desempenha um papel na ereção e na intensidade dos orgasmos tanto para o homem quanto para a mulher.

– Funções comportamentais e emocionais

A ocitocina também afeta o lado emocional do ser humano, já que ela é um hormônio que atua criando vínculos e memórias, o que interfere nas emoções e nas relações sociais.

Além do papel importantíssimo no estímulo às contrações durante o trabalho de parto, a ocitocina também é essencial na formação do vínculo entre a mãe e o bebê.

O hormônio também pode ajudar a regular a resposta feminina ao parto, reprimindo as memórias relacionadas ao estresse ou ao trauma do parto e colocando no lugar sentimentos de felicidade. Isso acontece porque, imediatamente após o nascimento do bebê, ocorre um pico de ocitocina que faz a mãe ter um sentimento extremo de amor à criança que acabou de chegar.

Estudos também indicam que a ocitocina facilita a formação de laços sociais entre amigos, familiares e parceiros sexuais, além de ajudar a aumentar a relação de confiança entre as pessoas e de reduzir sentimentos como medo, baixa estima e ansiedade.

Isso nos permite concluir que níveis altos de ocitocina podem ajudar a afastar sentimentos negativos e atrair sentimentos bons.

Ocitocina como remédio

Quando administrada a alguém como um remédio, a ocitocina pode ter várias outras funções. Uma injeção de ocitocina, por exemplo, pode ser usada para induzir o trabalho de parto ou para auxiliar a mulher em partos difíceis aumentando a quantidade de contrações e para controlar ou reduzir o sangramento após o parto.

Há casos em que ela é usada completar um aborto espontâneo que pode colocar em risco a vida da mulher.

Contraindicações

É importante avisar ao médico sobre problemas de saúde prévios ou alergias a medicamentos antes de tomar ocitocina.

  Continua Depois da Publicidade  

Pessoas que apresentam as seguintes condições ou já passaram por alguma das situações descritas abaixo não devem tomar ocitocina sem acompanhamento médico:

  • Hipertensão arterial;
  • Diabetes;
  • Câncer do colo do útero;
  • Distúrbio no ritmo cardíaco;
  • Herpes genital;
  • Cinco ou mais gestações;
  • Parto difícil devido ao tamanho da pélvis;
  • Menos de 37 semanas de gravidez;
  • Mulheres em fase de amamentação;
  • Cirurgia no colo do útero ou no útero, incluindo cesarianas.

Como usar

A ocitocina injetável só deve ser administrada por uma equipe médica. Geralmente, o hormônio é injetado por via intravenosa em um ambiente hospitalar em mulheres que estão entrando ou que já entraram em trabalho de parto.

As contrações e os sinais vitais devem ser monitorados enquanto a ocitocina é administrada gota a gota. Além disso, é importante verificar a frequência cardíaca do bebê, já que o medicamento também pode afetar o batimento cardíaco dele.

  • Dose para indução ao parto: A dose inicial para induzir o parto costuma ser de 0,5 a 1,0 miliunidades de ocitocina por hora, o equivalente a 3 a 6 mililitros de solução de oxitocina diluída por hora, sendo que em intervalos de 30 ou 60 minutos a dose pode ser ajustada de acordo com ordens médicas em 1 ou 2 miliunidades.
  • Dose para controlar o sangramento após o parto: Para controlar o sangramento após o parto, a dose costuma ser um pouco mais alta, entre 10 a 40 unidades de ocitocina diluída em 1 litro de infusão.
  • Dose em casos de abortos espontâneos incompletos: No caso de abortos espontâneos incompletos, é administrada uma dose de 10 unidades de ocitocina por 500 mililitros de infusão intravenosa.

Existem também suplementos de ocitocina vendidos com a promessa de melhorar a conexão com o parceiro e aumentar a libido. Além disso, algumas pessoas usam o hormônio como um tratamento alternativo para depressão, ansiedade, autismo e síndrome do intestino irritável, entretanto mais estudos precisam ser realizados para atestar a consistência desses possíveis benefícios.

Nesses casos, é interessante buscar uma opinião médica antes de sair tomando qualquer suplemento.

Efeitos colaterais

Embora possa ser útil principalmente para mulheres com dificuldades para dar à luz, a ocitocina pode causar efeitos colaterais.

Alguns dos efeitos adversos mais comuns incluem:

  • Alteração do batimento cardíaco;
  • Dor de estômago;
  • Náusea;
  • Vômito;
  • Cólica;
  • Corrimento nasal;
  • Problemas de memória;
  • Irritação nas vias nasais;
  • Contrações mais intensas ou frequentes;
  • Dor na região da face.

Se a dose não for bem controlada, pode ocorrer uma ruptura do útero. Outros efeitos colaterais mais graves podem incluir:

  • Sangramento incomum especialmente após o parto;
  • Aumento da pressão arterial;
  • Dor de cabeça forte;
  • Ansiedade;
  • Hemorragia nasal;
  • Visão embaçada;
  • Baixos níveis de sódio no corpo;
  • Alucinações;
  • Confusão mental;
  • Perda de coordenação e equilíbrio;
  • Fraqueza extrema;
  • Fala arrastada;
  • Sensação de desmaio;
  • Convulsões.

A ocitocina pode interagir com vários medicamentos e por isso é essencial que o paciente informe o médico sobre qualquer erva, remédio ou suplemento que esteja tomando. Remédios contendo fenilefrina, cafeína ou aqueles usados para tratar o transtorno do déficit de atenção e hiperatividade devem ser evitados quando se está usando ocitocina.

Mais do que um hormônio do amor, a ocitocina é um hormônio essencial para a continuação da vida humana. Sem ele, a atração por um parceiro sexual e situações indispensáveis para a geração de uma vida como o parto seriam muito mais difíceis.

As descobertas sobre o uso de ocitocina como um tratamento para transtornos psicológicos e para auxiliar ainda mais mulheres que passam por situações de risco durante o parto são muito bem-vindas, mas o uso desse hormônio – mesmo na forma de suplemento – deve ser sempre orientado por um profissional da saúde.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já conhecia o que é e para que serve o hormônio ocitocina? Já utilizou a ocitocina como remédio para alguma condição? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Felipe Santos e Dra. Patrícia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário