Especialista da Área:

6 Chás que Tiram o Sono

🕐 27/12/2019

Quantas vezes você já precisou ficar acordado até um pouco mais tarde ou levantar um pouco mais cedo para trabalhar, estudar, cuidar de alguém ou levar as crianças para alguma atividade, porém, viu isso se tornar muito difícil por sentir uma tremenda sonolência?

De fato, mudar a rotina de sono do nosso corpo não vem sem custos. Entretanto, existem algumas estratégias como esses chás que tiram o sono que podem ser utilizadas para ajudar nessas horas.

6 chás que tiram o sono

Vamos conhecer algumas alternativas de chás que tiram o sono, entretanto, antes de chegarmos a elas, precisamos passar alguns alertas:

O primeiro é que você deve checar com o médico para saber se esses chás não podem fazer mal para você. O segundo é que você não deve abusar dessas bebidas ou de qualquer outra estratégia para tirar o sono e ficar sem dormir.

Lembre-se de que o sono é uma necessidade do nosso corpo e se forçar a ficar sem dormir, principalmente com frequência, pode trazer prejuízos à saúde.

1. Chá verde

O chá verde pode ser um dos principais chás que tiram o sono graças ao fato de conter cafeína em sua composição. De acordo com a Universidade de Washington, nos Estados Unidos, a cafeína promove um efeito estimulante no sistema nervoso central do organismo, o que pode interferir com o sono.

“O chá verde contém alguma cafeína. Este estimulante natural promove um estado de excitação, alerta e foco enquanto reduz as sensações de cansaço – todos esses podem fazer com que seja mais difícil pegar no sono”, afirmou a nutricionista Alina Petre, em artigo publicado no site Healthline.

Segundo Petre, uma xícara com 240 ml de chá verde possui 30 mg de cafeína ou aproximadamente 1/3 da cafeína encontrada no café. Os efeitos da substância podem levar aparecer em apenas 20 minutos e levar em torno de uma hora para atingir a sua eficácia total.

“A magnitude dos efeitos da cafeína dependem da sua sensibilidade individual a essa substância. Apesar de alguma evidência sugerir que a teanina no chá verde comata os efeitos estimulantes da cafeína, as pessoas que são sensíveis à cafeína ainda podem experimentar distúrbios do sono, dependendo da quantidade de chá verde que elas consumirem”, acrescentou a nutricionista.

Entretanto, esse chá exige cuidados em seu consumo. Em artigo publicado, a nutricionista e mestra em ciência alimentar Marie Dannie mencionou efeitos colaterais que o consumo excessivo de chá verde, na forma líquida ou na forma de extrato, pode provocar: prisão de ventre, náusea, sensação de inquietação e, em alguns casos, uma reação alérgica, que pode incluir dificuldade para respirar, urticária, aperto no peito, inchaço no rosto, batimento cardíaco rápido e mudanças de humor ou estados mentais inconstantes.

De acordo com informações, o chá verde pode piorar ou afetar condições como anemia, ansiedade, diabetes, diarreia, glaucoma, síndrome do intestino irritável, doença hepática e osteoporose. Converse com o seu médico a respeito do uso da bebida caso tenha qualquer uma dessas doenças.

Também vale a pena controlar a quantidade de chá verde que se consome porque ele é uma grande fonte de oxalatos, que podem provocar cálculos renais.

Alertamos também que mulheres que estejam grávidas ou amamentando não devem consumir uma quantidade excessiva de chá verde, não devendo ultrapassar a dose de mais de duas xícaras do chá diariamente.

Uma dosagem maior do que essa já foi associada ao aumento do risco de aborto e de malformações congênitas, e a cafeína encontrada no chá pode ser passada para o leite materno e afetar o neném.

Além disso, alguns especialistas recomendam que pessoas com idade inferior aos 18 anos não tomem o extrato de chá verde. Assim, se você está grávida, amamentando, é menor de idade ou pensa em dar a bebida para uma criança, converse com o seu médico a respeito de como o uso do chá deve ocorrer.

2. Chá preto

Assim como o chá verde, o chá preto pode ajudar a tirar o sono devido ao fato de possuir a cafeína – o chá preto tem um teor que vai de 2% a 4% da substância.

Tanto que especialistas já mencionaram o chá preto como uma bebida a ser evitada antes de ir dormir, já que ele apresenta uma quantidade de cafeína suficiente para prejudicar o adormecer.

Segundo encontramos, tomar muito chá preto pode causar efeitos colaterais como dor de cabeça, nervosismo, problemas para dormir, vômito, diarreia, irritabilidade, batimento cardíaco irregular, tremor, azia, tontura, zumbido nos ouvidos, convulsão, confusão e dependência psicológica, justamente por conta da presença de cafeína na composição do chá.

Não se deve ingerir doses exageradas de chá preto; a bebida é provavelmente segura em quantias moderadas, não excessivas.

Quem tem condições sensíveis a hormônio como câncer de mama, câncer uterino, câncer ovariano, endometriose e miomas uterinos não pode tomar o chá preto.

Mulheres que estejam grávidas ou amamentando não podem tomar mais do que 3 xícaras de chá preto por dia; beber mais do que isso na gravidez foi associado a um maior risco de aborto, ao aumento de risco da síndrome da morte súbita infantil, ao baixo peso e a sintomas da abstinência de cafeína em recém-nascidos.

Além disso, para as mulheres que amamentam, a cafeína pode deixar o neném mais irritado e fazer com que ele tenha mais movimentos intestinais.

O chá preto pode piorar a anemia em pessoas com deficiência de ferro, os distúrbios de ansiedade, a diarreia (especialmente em doses elevadas) e o sintomas da síndrome do intestino irritável.

Quem tem distúrbios hemorrágicos, problemas cardíacos e diabetes ou sofre com convulsões deve tomar o chá preto com cautela, por conta do seu teor de cafeína, além disso, ele não é indicado para quem tem glaucoma.

Pessoas com osteoporose não podem tomar mais do que 300 mg de cafeína ou 2 a 3 copos de chá preto por dia e que mulheres mais velhas com uma condição genética que afeta o modo do corpo usar a vitamina D devem consumir a cafeína com cautela.

A cafeína no chá preto pode aumentar as chances de desenvolver a bexiga hiperativa e que, como o chá preto pode elevar os sintomas em quem já sofre com a condição, a bebida deve ser usada com cautela por essas pessoas.

3. Chá de gengibre

O chá de gengibre pode ser lembrado como uma opção entre os chás que tiram o sono, porém, a bebida deve ser minimamente utilizada.

No entanto, há controvérsias e alguns especialistas são contra essa ideia de que o gengibre tira o sono, já que ao contrário de outros tipos de chá, o chá de gengibre não contém a cafeína em sua composição, pois é preparado a partir da raiz do gengibre.

Em comparação, os chás feitos da planta Camellia sinensis podem conter até 4% de cafeína por xícara, o que pode aumentar o alerta e, no final das contas, afetar o sono.

De qualquer forma, vale registrar que em um artigo publicado, a mestra em bioquímica Naomi Parks alertou que o chá de gengibre não pode ser consumido por pessoas que sofrem com a diabetes, por mulheres que estejam grávidas ou mulheres que se encontrem no processo de amamentação de seus nenéns.

A Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos alerta que pessoas que fazem uso de medicamentos diluidores do sangue (anticoagulantes) devem evitar os suplementos de gengibre, e ainda destaca que mulheres que estejam amamentando e pessoas com distúrbios hemorrágicos, condições cardíacas e diabetes também devem evitar os suplementos de gengibre.

Ressaltamos que quem tem histórico de problemas na vesícula biliar deve consultar o médico antes de tomar o chá de gengibre.

Com isso, para quem está grávida ou amamentando, crianças, adolescentes, idosos e pessoas que têm qualquer doença e condição de saúde, também vale a pena consultar o médico antes de utilizar qualquer forma do gengibre. Para os outros, é importante não exagerar no consumo de qualquer forma da raiz.

De acordo com informações, a regra geral consiste em não consumir mais do que 4 g de gengibre diariamente.

O consumo exagerado da bebida pode provocar efeitos colaterais como gases e inchaço, azia e perturbação estomacal.

Se a pessoa alérgica ao gengibre tomar o chá preparado à base da raiz, ela pode experimentar sintomas como desconforto na boca ou no estômago ou erupção cutânea.

4. Chá mate

De acordo com estudos, o chá mate é um dos principais alimentos que proporcionam um efeito estimulante em relação ao cérebro.

Graças ao fato de ser rico em cafeína, o consumo excessivo da bebida – leia-se mais de um litro diariamente – pode provocar a insônia.

Tanto que existem alertas de que o chá mate não é recomendado para pessoas que já sofrem com a insônia e aconselha-se a não consumir a bebida perto da hora de ir dormir, justamente para evitar que o chá interfira no sono.

Aconselha-se ainda a limitar o consumo da bebida a dois copos diariamente.

Vale registrar que o chá mate é contraindicado para crianças e para quem sofre com hipertensão, problemas no coração, diabetes, glaucoma, osteoporose, síndrome do intestino irritável e queimação gástrica, pacientes com distúrbios hemorrágicos e que têm dor de cabeça frequente ou enxaqueca também devem ficar longe da bebida.

Ainda segundo encontramos, mulheres que estejam grávidas, na fase de amamentação de seus nenéns ou no período menstrual também não devem consumir o chá mate.

Dependentes de nicotina e álcool não devem consumir o chá mate e alertamos que distúrbios relacionados à ansiedade como a agitação podem ser intensificados pela ingestão da bebida.

Encontramos relatos de que o chá mate não é indicado para quem sofre com o nervosismo e de que a bebida pode ser perigosa para quem tem gastrite, por conta da possibilidade de agravar as crises da doença.

Pessoas que sofrem com maior sensibilidade à cafeína devem evitar a ingestão da bebida.

Recomenda-se não tomar mais de um litro de chá mate por dia – que deve ser preparado com 20 g de folhas da erva-mate ou 15 a 20 saquinhos do chá – dividindo o conteúdo em porções de 330 ml, consumidas antes das principais refeições – café da manhã, almoço e jantar.

A ingestão de mais de um litro de chá mate diariamente pode provocar efeitos colaterais como taquicardia, gastrite e irritabilidade.

Além disso, segundo os nutricionistas, a cafeína (encontrada na composição do chá mate) inibe ou dificulta a absorção de nutrientes importantes como o ferro.

O chá mate também contém a substância chamada oxalato, que pode provocar problemas renais, desenvolvendo cristais nos rins ou pedras no órgão, por conta de sua elevada concentração de cálcio.

5. Chá branco

De acordo com o nutricionista e mestre em nutrição e dietética Ryan Raman, em artigo publicado no site Healthline, o chá branco é outra chá que possui cafeína em sua composição, em uma quantidade que é similar ao teor apresentado pelo chá verde.

Como já vimos acima, a cafeína é uma substância estimulante, que trabalha contra o sono. Com isso, ao menos teoricamente, podemos entender que o chá branco também pode ser um dos chás que tiram o sono.

O chá branco não pode ser consumido por mulheres grávidas, por mulheres que amamentam e por pessoas que têm úlceras gástricas, diabetes, insônia ou problemas de pressão.

O chá branco também pode não ser adequado para quem sofre com batimentos cardíacos irregulares, sendo necessário consultar o médico antes de consumir a bebida.

Em quantidades elevadas, o chá branco pode provocar problemas como aumento da pressão arterial, desordens gástricas e insônia. As dosagens altas da planta Camellia sinensis (que dá origem aos chás verde, branco, preto e matcha) podem resultar em uma toxicidade por excitação do sistema nervoso, resultando em problemas como convulsões, delírio, cefaleia e taquicardia.

6. Chá matcha

Assim como o chá verde, o chá matcha é uma bebida produzida a partir da planta Camellia sinensis, explicou a nutricionista Rachael Link, em artigo publicado no site Healthline. Entretanto, o matcha é cultivado de maneira diferente e resulta em um produto com um perfil nutricional único, afirmou Link.

“O matcha contém os nutrientes de toda a folha do chá, o que resulta em uma quantidade maior de cafeína e antioxidantes do que a tipicamente encontrada no chá verde”, descreveu a nutricionista. Segundo ela, cada ½ colher de chá ou cerca de 1 g de matcha em pó carrega 35 mg de cafeína.

“O matcha também contém um composto chamado L-teanina, que altera os efeitos da cafeína, promovendo alerta e ajudando a evitar a queda nos níveis de energia que podem seguir o consumo de cafeína”, ponderou Link.

O chá matcha também apresenta uma substância conhecida pelo nome de xantina, que é dotada de efeitos parecidos com a cafeína, podendo assim piorar um quadro de insônia.

De acordo com a especialista em nutrição Cathy Wong, em artigo publicado no site Verywell Health, as crianças, as mulheres grávidas e as mulheres que amamenta devem evitar o chá matcha. A bebida também é contraindicada para aqueles que sofrem com anemia, hipertensão e hipertireoidismo, já que pode causar complicações para esses pacientes.

Wong também alertou que não se pode exagerar no consumo da bebida e lembrou que a cafeína pode resultar em sintomas como dores de cabeça, insônia, irritabilidade, azia e diarreia quando ingerida em excesso.

O excesso do matchá também pode provocar problemas como irritação estomacal, elevação da pressão arterial e aceleração do coração.

Dicas

O ideal é tomar esses chás que tiram o sono logo após o seu preparo (não necessariamente tomar todo o conteúdo preparado de uma vez), antes que o oxigênio do ar destrua os seus compostos ativos. Um chá costuma preservar substâncias importantes até 24 horas depois do preparo, porém, depois desse período, as perdas são consideráveis.

Certifique-se ainda de que os ingredientes que você utilizar no preparo do seu chá para tirar o sono sejam de boa qualidade, de boa procedência, estejam bem limpos e higienizados e não tenham a adição de nenhuma substância ou produto que possa prejudicar a sua saúde.

Cuidados com os chás que tiram o sono

Antes de tomar esses chás que tiram o sono, é fundamental que você consulte o médico para assegurar que a bebida não pode te fazer mal e em que dosagem e frequência você pode consumi-la.

Mesmo as bebidas feitas à base de produtos naturais como ervas ou plantas medicinais podem ter contraindicações, efeitos colaterais e interagir com medicamentos, suplementos e outras plantas ou ervas.

Não deixe de checar com o médico para saber se esses chás podem, ou não, fazer mal para você.

Nessa consulta ao médico, também é necessário informar ao profissional a respeito de qualquer remédio, suplemento ou planta/erva que esteja utilizando para que ele verifique se não faz mal tomar um dos chás que tiram o sono ao mesmo tempo em que a substância em questão.

Essa recomendação de consulta ao médico é essencial para todas as pessoas, especialmente para crianças, adolescentes, idosos, mulheres que estejam grávidas ou no processo de amamentação dos seus nenéns e pessoas que sofram com algum tipo de doença ou condição específica de saúde.

Não esqueça que você não deve abusar dessas bebidas ou de qualquer outra estratégia para tirar o sono e ficar sem dormir.

Refências Adicionais:

Você costuma fazer uso de chás que tiram o sono com frequência? Por que motivos precisa aderir a essas bebidas? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Deixe um comentário