Especialista da Área:

Derrame Articular no Joelho – O Que é e Como Tratar

O derrame articular no joelho é uma condição em que fluidos se acumulam nas articulações do joelho, causando desconforto, dor e outras complicações de saúde. Ele pode ocorrer por diversos problemas de saúde já existentes como uma artrite ou um inchaço decorrente de uma lesão.

Além de explicar o que é um derrame articular no joelho, vamos mostrar quais são os principais sintomas e causas e indicar as melhores formas de tratamento e dizer se há alguma maneira de prevenir o problema.

Derrame articular no joelho – O que é?

Conhecido também como água no joelho, fluido no joelho ou efusão no joelho, o derrame articular no joelho acontece quando existe um excesso de líquido acumulado dentro ou ao redor da articulação do joelho.

Todas as articulações apresentam uma pequena quantidade de fluidos que servem como lubrificantes. Porém, quando uma articulação é afetada por algum problema como uma inflamação, por exemplo, o organismo estimula a produção e liberação de mais fluidos para proteger o local lesionado e, assim, quantidades anormais de fluidos podem se acumular na região. Quando isso acontece nas articulações do joelho, o membro fica inchado.

Um derrame articular também pode afetar outras articulações como as do tornozelo, do ombro, do quadril e do cotovelo, mas a articulação do joelho é a mais comumente afetada.

Principais causas

O derrame articular no joelho pode ser classificado em 2 tipos: o séptico e o asséptico. O derrame articular séptico é aquele causado por uma infecção enquanto que o asséptico tem origem em outras causas. As causas infecciosas são conhecidas como artrite séptica. Já as causas assépticas podem ser uma lesão ou uma artrite.

– Artrite séptica

A artrite séptica ou infecciosa é geralmente causada por bactérias. Nesse caso de infecção, os sintomas tendem a aparecer rapidamente e de modo intenso, o que significa que há grandes chances de que o indivíduo vai sentir muita dor e dificuldade para movimentar a articulação do joelho.

Essa infecção pode ser causada por uma infecção sistêmica que passou por toda a corrente sanguínea ou por uma bactéria que entrou no corpo por meio de uma ferida ou através de um procedimento médico.

O risco de artrite séptica é maior nos seguintes casos ou grupos de risco:

  • Diabetes;
  • Ser idoso;
  • Artrite;
  • Cirurgia conjunta recente;
  • AIDS;
  • Substituição da articulação;
  • Uso de drogas por via intravenosa.

A infecção por fungos, vírus ou parasitas também pode acontecer, mas são mais comuns em pessoas que apresentam o sistema imunológico enfraquecido como em casos de diagnóstico de AIDS, tratamento quimioterápico ou transplante de órgãos.

– Lesão articular

Lesões durante a prática de esportes estão entre as causas mais comuns de derrame articular no joelho. Outras lesões traumáticas decorrentes de acidentes de carro ou quedas de alto impacto também podem resultar em um derrame. Normalmente, esse tipo de lesão afeta também outras estruturas do organismo como os ossos, as cartilagens, os tendões e os ligamentos. Os sintomas observados incluem dor, rigidez, inchaço e dificuldade ou incapacidade de esticar ou girar a articulação do joelho.

Lesões por esforço repetitivo também podem causar um derrame articular. Elas costumam ocorrer em atletas ou pessoas que executam movimentos repetitivos e são mais observadas no ombro, condição conhecida como bursite, ou nos tendões das mãos e dos dedos, inflamação chamada de tenossinovite.

– Artrite

A artrite é uma inflamação crônica nas articulações. Essa inflamação causa edemas e resulta na dilatação dos vasos sanguíneos. Tal mecanismo é importante para que mais células imunes possam alcançar o local da lesão. No entanto, a inflamação grave ou persistente pode resultar no acúmulo de mais fluido do que o corpo é capaz de absorver, causando a água no joelho quando a articulação do membro é afetada.

Os 2 tipos principais de artrite são a osteoartrite, em que há um desgaste das articulações, e a artrite reumatoide, em que o próprio sistema imune agride os tecidos articulares.

– Outras causas

Outras possíveis causas de derrame articular no joelho incluem:

  • Ligamentos rompidos;
  • Gota;
  • Cistos;
  • Tumores;
  • Ossos quebrados.

Fatores de risco

Todas as condições mencionadas acima costumam causar inchaço no joelho, que consiste em uma reação natural do corpo para proteger o joelho com um fluido protetor que evita danos mais graves. No entanto, a água no joelho acontece quando esse fluido se acumula em excesso, o que faz com que ele perca seu papel protetor e cause danos no local.

1. Obesidade

Pessoas com excesso de peso acabam colocando mais peso sobre os joelhos e isso desgasta mais facilmente as articulações, podendo resultar em uma produção de fluidos em excesso que se acumula nas articulações.

Além disso, a obesidade aumenta o risco de desenvolvimento de osteoartrite, que é uma das causas mais frequentes de inchaço no joelho.

2. Esportes

A prática de esportes de alto risco de impacto ou com risco de torção de joelho como o futebol ou o basquete, por exemplo, aumenta o risco de um atleta desenvolver derrame articular no joelho.

3. Idade

Com o passar dos anos, é normal que as articulações se desgastem naturalmente, o que também aumenta o risco de condições como a artrite e água no joelho.

4. Ocupação profissional

Trabalhadores que passam muito tempo em pé realizando atividades físicas pesadas como na jardinagem e na carpintaria, por exemplo, apresentam um risco mais alto de acumular líquidos nas articulações dos joelhos e dos ombros.

Sintomas comuns

Dentre os sintomas mais observados em um derrame articular no joelho, destacam-se:

  • Dor, que pode ser pulsante e leve ou mais aguda;
  • Inchaço, que pode variar de leve a grave;
  • Rigidez, que pode prejudicar a amplitude de movimento da articulação afetada;
  • Vermelhidão;
  • Sensibilidade;
  • Sensação de calor no local.

Tais sintomas de derrame articular no joelho podem variar dependendo da causa do acúmulo de fluidos e do volume acumulado.

Se o problema for causado por osteoartrite, por exemplo, o paciente sente dor ao carregar peso ou realizar esforço físico. Geralmente, a dor desaparece quando a pessoa descansa.

Quando o derrame articular no joelho é decorrente de uma lesão, podem ser observados hematomas na parte da frente, na parte posterior ou nas laterais do joelho, além de sangramento nas articulações.

Já o inchaço pode afetar o joelho e as áreas ao redor, fazendo com que um joelho pareça maior do que o outro. Mais um sinal de água no joelho é a dificuldade de dobrar ou esticar o joelho afetado devido ao acúmulo de fluidos.

No caso de infecção na articulação, o paciente pode sentir sintomas como febre, mal-estar, calafrios e fraqueza.

Possíveis complicações

  • Perda de músculo: Pessoas que sofreram um derrame articular e têm artrite podem apresentar uma perda muscular progressiva conhecida como inibição muscular artrogênica.
  • Cisto de Baker:Outra complicação de um derrame articular é o cisto de Baker, condição em que ocorre a formação de um nódulo repleto de líquido no espaço da articulação. Isso acontece quando o acúmulo de fluido é tão grande que o corpo não é capaz de reabsorver esse líquido. Um cisto de Baker pequeno não costuma causar sintomas físicos e passa despercebido, mas um cisto grande pode causar dor durante certos movimentos.

Diagnóstico

Para descobrir a causa do problema, os médicos podem solicitar exames de imagem e uma análise laboratorial dos fluidos articulares, além de uma avaliação do histórico médico e dos sintomas.

O fluido do joelho é removido por meio de uma aspiração articular em que uma agulha longa e fina é inserida no local. Esse fluido pode ser testado para observar a presença de bactérias, de células sanguíneas que indicam uma infecção ou inflamação ou a presença de proteínas específicas, que pode indicar doenças como a gota, por exemplo. Durante esse exame, também é possível drenar parte do fluido para aliviar a dor no local.

Alguns dos testes de imagem que podem ser requisitados incluem o raio X, a ressonância magnética, o ultrassom e a tomografia computadorizada, que ajudam o médico a visualizar as condições das articulações.

Como tratar

O tratamento adequado depende diretamente da causa da água no joelho. Assim, o tratamento pode variar de paciente para paciente.

A abordagem terapêutica mais comum inclui a prática regular de alongamentos e de exercícios suaves e regulares. Consultar um fisioterapeuta pode ser interessante para que ele oriente o paciente a realizar atividades físicas para fortalecer o joelho.

Também pode ser preciso tratar a condição com medicamentos específicos que podem abranger:

  • Corticosteroides;
  • Anti-inflamatórios não esteroidais;
  • Antibióticos em casos de infecção;
  • Analgésicos como o paracetamol, o ibuprofeno ou o naproxeno sódico para aliviar a dor.

Para o tratamento da artrite, podem ser utilizados medicamentos imunossupressores como o metotrexato para reduzir os ataques das células imunes contra as articulações do corpo.

Devido aos efeitos colaterais graves a longo prazo, os corticosteroides só devem ser usados como medidas de emergência para aliviar crises de dor e inflamação severa.

Em casos mais graves, pode ser preciso realizar reparos cirúrgicos, nos quais o excesso de fluido é drenado e a articulação pode ser reparada:

  • Aspiração articular: procedimento que remove fluidos e alivia a pressão na região do joelho.
  • Artroscopia: método em que um tubo é inserido nas articulações do joelho para ajudar a reparar danos locais.

Existe também a possibilidade – em casos extremamente graves – de substituição do joelho ou de suas articulações.

Algumas medidas caseiras que podem ser incorporadas à rotina para aliviar os sintomas incluem:

  • Repouso com imobilização dos joelhos;
  • Elevação das pernas;
  • Gelo envolto em pano limpo ou toalha por 15 a 20 minutos.

A recuperação tende a ser bem rápida e tranquila. Se submetido a um procedimento cirúrgico para remover o excesso de fluidos, basta manter o local sempre seco e limpo e usar um pequeno curativo no local por tempo determinado pelo médico. Durante os primeiros 2 dias após o procedimento, é importante evitar a prática de atividades físicas pesadas e de alto impacto para as articulações do joelho.

Prevenindo o derrame articular no joelho

Para evitar sofrer desse problema, é indicado:

  1. Perder peso em caso de obesidade, já que o excesso de peso pode aumentar a pressão sobre as articulações do joelho;
  2. Evitar movimentos bruscos ou andar sobre superfícies irregulares, o que pode contribuir com quedas;
  3. Fortalecer as articulações e os músculos ao redor do joelho por meio de exercícios específicos como as flexões de joelhos ou as extensões de pernas, por exemplo;
  4. Praticar atividades físicas que não forcem tanto as articulações como caminhadas, ciclismo e natação;
  5. Praticar alongamentos suaves nos joelhos antes de qualquer atividade física e até no escritório quando estiver sentado por muito tempo;
  6. Usar uma joelheira elástica durante a prática de atividades físicas de alto impacto para preservar as articulações do joelho.

Dentre todas essas dicas, a mais importante é respeitar os limites do seu corpo. Não exceda o seu limite por vaidade. Respeite seu corpo quando ele pede para parar e não force além do que é capaz.

Referências Adicionais:     

Você já sofreu um derrame articular do joelho? Como foi que ocorreu essa lesão e como foi o tratamento liderado pelo médico? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 4,67 de 5)
Loading...

Deixe um comentário