Distensão Muscular – O Que é, Como Tratar e Como Prevenir

Especialista:
atualizado em 16/01/2020

A distensão muscular, também conhecida como estiramento, é um mal que afeta muitos praticantes de atividade física, bem como atletas profissionais. Para qualquer praticante de atividade física é importante saber, em primeiro lugar, o que é e como identificar uma distensão muscular. Mais que isso, porém, é preciso saber como tratar e como prevenir as distensões musculares, adequando a atividade física a princípios simples.

O que é uma Distensão Muscular?

A distensão muscular é uma lesão provocada pelo alongamento excessivo das fibras de um músculo. As fibras, alongadas além do seu limite normal, rompem e provocam a distensão. Dessa forma, é uma lesão particularmente normal entre atletas, que eventualmente forçam seus músculos além do limite ou de forma incorreta.

A causa mais comum da distensão muscular é a conduta do atleta. A fadiga, bem como o excesso de peso corporal, estão entre os fatores que aumentam muito o risco de distensão. É o uso impróprio do músculo, porém, que provoca a maior parte das distensões.

Esforços simples em muitos esportes precisam ser praticados em suas posições corretas, conforme a orientação de um profissional de educação física. Mais que isso, porém, é necessário se preparar adequadamente para a atividade física, com condicionamento, aquecimento e alongamento.

Graus de Distensão Muscular e seus Sintomas

Os tipos de distensão muscular variam de acordo com a sua gravidade, que é determinada pela extensão da lesão e pela intensidade dos sintomas verificados.

Para todos os tipos, os sintomas verificados são os mesmos, variando apenas a sua gravidade. No caso mais simples, os sintomas se manifestam de modo moderado; no mais grave, são intensos e mais perigosos. São eles:

  • Dor no músculo afetado (muitas vezes surge subitamente durante algum esforço físico);
  • Hematoma (mancha roxa) na região afetada;
  • Edema (inchaço) na região afetada;
  • Dificuldade para movimentar o músculo.

É possível, porém, diferenciar os graus de distensão muscular. Há três graus:

  • Grau 1: Ocorre quando apenas uma pequena parte (no máximo 5%) das fibras de um músculo são afetadas. A dor é localizada, e o edema pode passar despercebido. A recuperação é rápida e com pequena limitação funcional.
  • Grau 2: Nesse nível, são afetadas até 50% das fibras musculares. A dor é mais intensa, e a inflação local torna o edema mais perceptível. Há uma considerada limitação funcional, e a recuperação é mais lenta.
  • Grau 3: Esse é o nível mais grave. Nele, são afetadas mais de 50% das fibras musculares, podendo ocorrer a ruptura total do músculo. A dor é intensa, assim como o edema. A perda da função é notavelmente grave. Nesse caso, o tratamento pode ser longo e complexo.

Como tratar uma Distensão Muscular?

O tratamento de uma distensão muscular depende da sua gravidade. Os casos mais simples (Grau 1) são autolimitados: o próprio corpo repara as fibras danificadas rapidamente, encarregando-se também de aliviar o inchaço inflamatório.

Lesões mais graves (Graus 2 e 3) exigem em geral algum tipo de acompanhamento médico, que receitará os medicamentos necessários. O repouso é absolutamente necessário, podendo se estender por vários dias.

Há, porém, uma série de medidas que podem ser tomadas em todos os casos. Podemos resumi-las numa pequena lista fácil de memorizar:

  • Proteção: Durante a recuperação, é recomendável envolver a área afetada com um pano macio, para evitar impactos dolorosos.
  • Repouso: Manter o músculo em repouso garante que o corpo tenha o tempo necessário para regenerar as fibras danificadas. A recuperação é, assim, mais rápida e eficaz. Ficar completamente parado, porém, não é recomendável. A dica é saber ouvir o que o corpo diz: se uma atividade causa dor ou inchaço, ela não deve ser feita.
  • Refrigeração: Aplicar gelo sobre a área afetada é uma medida que deve ser tomada assim que possível. O frio diminui a dor, o inchaço, o sangramento interno e a inflamação. Pode-se repetir a aplicação a cada duas horas.
  • Compressão: Comprimir suavemente a região ajuda a reduzir o inchaço, o que facilita a recuperação.
  • Elevação: Se possível, é recomendável manter a região afetada em posição superior à do coração. Isso reduz a pressão no local, aliviando o inchaço e a dor.

O uso de remédios vendidos sem receita médica, como analgésicos e anti-inflamatórios simples, pode ser um excelente recurso para aliviar os sintomas. É preciso, porém, tomar cuidado com os anti-inflamatórios: eles podem esconder os sintomas de uma lesão grave que precisa de atenção médica. Dessa forma, deve-se usá-los apenas por 3 ou 4 dias.

Como prevenir as Distensões Musculares?

As distensões musculares podem ser prevenidas com medidas simples. Como a vasta maioria das lesões se originam da prática incorreta de exercícios físicos sem a preparação adequada, é nesse âmbito que a prevenção deve se concentrar.

Em primeiro lugar, é preciso dosar a atividade física praticada. Mesmo para atletas, devem haver limites. O corpo é uma máquina que pode se desenvolver para suportar cada vez mais esforço, mas levá-lo além dos limites atuais só provocará mais problemas, dentre eles as distensões.

Em seguida, é preciso que a atividade física seja feita do modo correto. Em primeiro lugar, com a devida preparação: qualquer atividade física deve ser precedida pelo devido aquecimento, bem como do alongamento dos músculos. Dessa forma, os músculos ficam preparados para o esforço que será feito em seguida, diminuindo os riscos de lesão e distensão.

Outro importante fator a ser considerado é o peso corporal. O peso não provoca distensões por si só, mas a verdade é que pessoas com peso em excesso podem correr sérios riscos ao praticar determinadas atividades físicas. Sob todas as circunstâncias, é recomendável procurar um profissional de educação física e, paralelamente, procurar reduzir o peso para o nível ideal.

Contratura Muscular x Distensão Muscular

A distensão muscular é muitas vezes confundida com a contratura muscular. Entretanto, a contratura é uma lesão diferente e menos grave, uma vez que não há ruptura das fibras musculares. A contratura é provocada pelo mal funcionamento do mecanismo fundamental de contração e relaxamento muscular, o que provoca uma contração que não passa com o tempo.

A contratura pode se originar de esforços excessivos e/ou repetitivos, bem como da atividade física sem o devido preparo. É possível tratá-la com relaxantes musculares, bem como com repouso associado a massagens e aplicações de calor na região afetada.

Felizmente, a prevenção da contratura muscular pode ser feita com as mesmas medidas tomadas para prevenir a distensão.

Atividade Física: Planejada, Correta e Constante

As medidas tomadas para prevenir as distensões musculares são eficazes para evitar uma série de outros problemas, bem como as mais triviais dores musculares, ou as câimbras, por exemplo. Essas medidas baseiam-se nas normas gerais para qualquer atividade física, que nos ensinam como prevenir a maior parte das lesões.

Em primeiro lugar, ela deve ser planejada. Exercitar-se por impulso não é recomendável, sobretudo se a atividade é intensa. Além disso, é preciso se exercitar de modo correto. A orientação de um profissional de educação física é desejável para garantir que tudo seja feito de modo sadio.

Mais importante, porém, é que a atividade física deve ser constante. Os exercícios devem ser feitos com regularidade, com gradativos aumentos na intensidade. É um erro procurar desempenhar atividades de alto rendimento no começo de qualquer prática esportiva. A atividade física deve respeitar, sobretudo, a saúde do corpo humano. Para isso, deve-se equilibrar o entusiasmo com paciência e persistência.

Fontes adicionais:

Você já teve uma distensão muscular? Como foi o tratamento? E uma contração muscular? Você sabe distinguí-las? Comente abaixo.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (5 votos, média: 4,40 de 5)
Loading...
Sobre Dr. João Hollanda

Dr. João Hollanda é Médico Ortopedista - CRM-SP 113136. Formou-se pela Santa Casa de São Paulo, com especialização em cirurgia do joelho. É também médico da Seleção Brasileira de Futebol Feminino desde 2016 e médico voluntário do Grupo de Traumatologia do Esporte da Santa Casa de São Paulo desde 2010. Tem experiência de trabalho prévio com a Confederação Brasileira de Vela, Cisne Negro Companhia de Dança, Escola de Dança do Teatro Municipal de São Paulo, Equipe de Ginástica Artística de Guarulhos. Já trabalhou como Médico nos Jogos Panamericanos Rio 2007, e foi Médico do Time Brasil para os Jogos Olímpicos Rio 2016. Trabalhou junto a organização Médicos Sem Fronteiras no Afeganistão e no Haiti, e junto a organização Expedicionários da Saúde no Haiti. Dr. João Hollanda é uma referência profissional em sua área e autor de artigos científicos. Você pode entrar em contato com o Dr. João através de seu site.

Deixe um comentário

2 comentários em “Distensão Muscular – O Que é, Como Tratar e Como Prevenir”

  1. Voltei a praticar tênis após 6 anos de sedentarismo. Senti dores mas não ouvi os sinais do corpo. Um dia estava a fachada e levantei subitamente, senti o estalo. Após 50 dias não sinto dores mas a musculatura ainda está inchada e endurecida. Voltarei ao médico, sem tênis por enquanto.

  2. Tive uma distensão na aula experimental de spinning, duas semanas depois continua doendo o local.
    Fui ao médico e ele passou anti-inflamatório, fisioterapia e compressas quentes.
    Professora despreparada, não me liguei que o equipamento possui vários ajustes que devem ser feitos com auxílio dela.