Implante de Retina Conectado ao Cérebro Faz Mulher Voltar a Enxergar Após 15 Anos

Especialista:
atualizado em 14/02/2020

A espanhola Bernadeta Gómez, de 57 anos, voltou a enxergar imagens, mesmo que em baixa resolução, após 15 anos de cegueira, devido a uma tecnologia que ainda está em seus primeiros passos.

A espécie de “óculos” é um implante desenvolvido na Espanha pelo Dr. Eduardo Fernandez, diretor de neuroengenharia da Universidade Miguel Hernandez, em Madri, e dribla as deficiências óticas da retina enviando informações diretamente ao córtex, parte traseira do cérebro ligada à visão.

Bernadeta é a única pessoa que experimentou o implante até agora. A espanhola é cega desde os 42 anos, quando uma neuropatia óptica tóxica destruiu os feixes de nervos que conectam os olhos ao cérebro.

A equipe pretende trabalhar com mais cinco pacientes nos próximos anos. Fernandez espera que seus esforços possam ajudar a recuperar a visão de muitas outras pessoas cegas do mundo.

Veja também por que o seu smartphone pode estar acelerando a cegueira.

Como funciona o implante?

Uma câmera embutida em um par de óculos grossos de aro preto registra o campo de visão de Bernadeta e o envia para um computador. O computador converte os dados em impulsos elétricos que o cérebro pode ler e os encaminha para um implante cerebral por meio de um cabo conectado a uma porta no crânio de Bernadeta.

O implante estimula os neurônios no córtex visual dela, e seu cérebro interpreta como informação sensorial recebida. Bernadeta percebe uma representação em baixa resolução de seus arredores na forma de pontos amarelos e formas chamadas fosfenos, que ela aprendeu a interpretar como objetos no mundo ao seu redor.

Apesar de ter sido uma cirurgia arriscada em Bernadeta, o procedimento do implante deu certo e só teve de ser removido seis meses depois por ainda não ser aprovado para uso a longo prazo. “O sistema imunológico do corpo começa a quebrar os eletrodos e cercá-los com tecido cicatricial, o que acaba enfraquecendo o sinal”, disse Fernandez.

De qualquer forma, é uma das melhores chances que cegos afetados por problemas no sistema nervoso têm para poder sair por aí enxergando letras, portas e calçadas sem maiores preocupações. Veja também uma opção de chip que cientistas estão desenvolvendo que pode reverter cegueira e surdez.

Fontes e Referências Adicionais:

Você tem algum parente ou pessoa conhecida que enfrenta a cegueira? Por que motivo essa pessoa perdeu a visão? O que achou do experimento? comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 4,67 de 5)
Loading...
Sobre Dr. Haroldo Vieira de Moraes Junior

Dr Haroldo se formou em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1981. Em seguida concluiu Mestrado em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1986 e Doutorado em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1994. Pos-Doutorado no National Eye Institute do National Institutes of Health (NIH/NEI) durante 1998/1999 e Livre Docente em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP (2001), atualmente é Professor Titular de Oftalmologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Oftalmologia clinica e cirúrgica, atuando como Coordenador de Pos-Graduacao em Oftalmologia com área de atuação em inflamação ocular (uveites, sarcoidose e toxoplasmose). Dr. Haroldo é uma referência profissional em sua área e autor de artigos científicos. Para mais informações, entre em contato com ele.

Deixe um comentário