Pressão Alta – O Que Fazer de Imediato

Especialista:
atualizado em 21/10/2019

Pessoas diagnosticadas com pressão alta precisam fazer certas adaptações em suas rotinas para controlar o quadro. Mas quando a pressão sobe de repente, você está preparado para lidar com isso? Conhece as dicas importantes para contornar uma crise hipertensiva? Sabe o que fazer até chegar a um hospital?

Confira abaixo algumas orientações que toda pessoa hipertensiva ou seu familiar deve conhecer para assegurar o controle em casos de emergência.

Mas, antes de aprender sobre o que fazer em casos de emergência, é muito importante que você se certifique de que já sabe (e está seguindo) os passos para controlar a pressão alta no seu dia-a-dia.

Quando um cardiologista diagnostica um indivíduo com pressão alta, acompanhado a isso vem uma série de mudanças que devem ser incorporadas no dia a dia – desde a alimentação, passando pelos exercícios e até mesmo medicação para auxiliar na diminuição da pressão. Essas alterações são tão importantes quanto a administração dos remédios, uma vez que interferem diretamente no quadro hipertensivo.

O Que é Hipertensão (Pressão Alta)?

Hipertensão é um quadro delicado e muitas vezes silencioso que quando não tratado pode lesionar diversos órgãos gradual ou subitamente. No entanto, o controle da doença permite que o cidadão viva sua vida de maneira comum, sem grandes complicações.

A hipertensão é diagnosticada quando o indivíduo apresenta pressão arterial igual ou acima de 14/9. Nestas situações, mudanças no estilo de vida e na alimentação são prescritas para garantir que ela se mantenha estável. No entanto, considerar esta medida isoladamente não assegura que uma pessoa seja, de fato, hipertensa. Para isso é preciso que essa medida seja tomada várias vezes em momentos distintos, para garantir que não se trata de uma crise de estresse ou ansiedade, por exemplo.

No país, 20% da população sofre com hipertensão arterial. Para que ocorram grandes lesões cardíacas, cerebrais ou no sangue, por exemplo, são necessários vários anos de negligência aos cuidados hipertensivos. No entanto, a doença é silenciosa na maioria das vezes e até que manifeste seus sintomas alguns danos já podem ter sido causados.

O Que é Crise Hipertensiva

Crise hipertensiva é considerado um quadro com caráter urgente que faz com que a pressão se eleve abruptamente e que, se não controlada, pode causar danos irreversíveis aos vasos sanguíneos ou a alguns órgãos.

Considera-se crise hipertensiva quando a pressão sistólica – o valor mais alto – atinge 180 mmHg, e/ou quando a pressão diastólica – o valor menor – atinge 110 mmHg. Portanto, quando a pressão atinge 170/11 ou 19/9, por exemplo, apresenta um quadro de crise hipertensiva.

Quanto maiores os níveis apontarem, maiores são os riscos e a gravidade da situação.

O Que Leva a uma Crise Hipertensiva?

Alguns fatores são considerados de risco para quem sofre com pressão alta e podem desencadear quadros de crise hipertensiva, tais como:

  • Não administração correta de medicamentos orientados pelo cardiologista;
  • Pacientes que não conhecem sua condição de hipertensão e que, portanto, não tomam os medicamentos indicados e nem ajustam suas rotinas para isso;
  • Doses de medicamento não ajustadas corretamente às necessidades do paciente;
  • Alterações na dieta, sobretudo o aumento no consumo de sal;
  • Aumento relevante de peso;
  • Surgimento de doenças renais;
  • Sujeição a situações altamente estressantes.

Sintomas da Pressão Alta

O quadro de pressão alta pode ser assintomático ou alguns desconfortos podem se manifestar nos indivíduos.

Alguns sintomas comuns que permitem identificar ou, ao menos, apontar a hipertensão como possível diagnóstico são dores de cabeça próximo à região da nuca, tonturas, dores no peito, às vezes até mesmo náusea.

Urgência e Emergência – Saiba Identificar

As pessoas que passam pela crise hipertensiva são divididas em quadros de urgência e de emergência. Embora pareçam a mesma coisa, algumas características distinguem-nos.

Enquanto a urgência é caracterizada ao atingir PA 18/11, mas sem nenhum dano a um órgão-alvo, ou seja, órgãos normalmente lesionados em situações de elevação da pressão arterial, a emergência apresenta a mesma característica, mas apresentando lesão a esses mesmos órgãos.

Nos casos de urgência, compreende-se que o paciente está com a pressão elevada e precisa de acompanhamento médico próximo para ajudar no seu controle.

Ao ocorrer um quadro de hipertensão emergencial, alguns dos riscos que podem ocorrer são:

  • Infarto;
  • Acidente Vascular Cerebral;
  • Edema agudo no pulmão;
  • Insuficiência cardíaca aguda;
  • Encefalopatia – alteração do estado mental;
  • Insuficiência renal aguda;
  • Anemia hemolítica – quando os glóbulos vermelhos no sangue são destruídos.

Estes sintomas podem ser desencadeados por causa de um pico hipertensivo ou podem ser o motivo para a elevação da pressão arterial.

Dor no peito, alterações visuais, convulsões e alteração no estado mental são sintomas que podem aparecer quando uma crise hipertensiva emergencial se instaura no paciente. Até a década de 50, o índice de mortalidade nos casos de hipertensão emergencial atingia 80%, pois não havia tratamento adequado e, por isso, o quadro era chamado de hipertensão maligna.          

Quando um caso de hipertensão leve é diagnosticado, ou seja, com a mínima entre 9 e 10, normalmente, a primeira tentativa de tratamento é de forma não medicamentosa, apenas com alterações na dieta e no cotidiano.

Se estas adaptações não surtirem efeito, os medicamentos adequados serão prescritos para garantir que a pressão se mantenha estável.

O Que Fazer Quando Ocorre Uma Crise Hipertensiva?

Quando um paciente se encontra em um quadro hipertensivo, a situação deve ser revertida, mas não de maneira abrupta. Os vasos sanguíneos e o coração transportam o sangue para todas as partes do corpo. Se a pressão diminuir rapidamente, pode interromper o fluxo sanguíneo e o transporte de oxigênio ao cérebro, podendo causar derrame e danos neurais.

Nos casos de crise hipertensiva, o paciente deve administrar o remédio indicado por seu cardiologista para situações emergenciais, já que esses casos são previstos e o médico é responsável por apresentar um protocolo de urgência e emergência.

Quando os sintomas não apontam a uma emergência, o medicamento indicado pode ser suficiente para controle. Captopril é o medicamento mais comumente utilizado para esta finalidade.

Se em até 1 hora a pressão não diminuir, o paciente deve se dirigir a um pronto-socorro para que as medidas adequadas possam ser tomadas.

O cardiologista também é responsável por passar ao paciente o protocolo nos casos de emergência e, quando há sintomas que se manifestam apontando a um caso de emergência, o paciente deve ser levado ao hospital o mais rapidamente possível, se possível por uma ambulância devidamente equipada para lidar com esses casos, pois os enfermeiros saberão como manusear e efetuar os primeiros socorros em um caso de infarto, por exemplo.

Como Controlar a Pressão Alta no Dia a Dia?

Nem apenas de remédios os protocolos de cuidados hipertensivos se constituem. Quando uma pessoa é diagnosticada com pressão alta, certas alterações e substituições em sua rotina devem ser incorporadas, sobretudo na alimentação. Confira alguns hábitos que devem ser adotados para que os efeitos ocasionados pela pressão alta sejam os mínimos possível ou até mesmo inexistentes.

1. Exercite-se Regularmente

A prática de exercícios físicos é uma das principais atividades recomendas por cardiologistas para controlar a pressão arterial. Em um estudo publicado em 2013, adultos sedentários e hipertensos submetidos a exercícios aeróbicos obtiveram uma redução em 3.9% na pressão sistólica e 4.5% na pressão diastólica.

40 minutos de exercícios leves a moderados, feitos de 3 a 4 vezes na semana são suficientes para suprir essa necessidade. Caminhadas leves, optar por escadas ao invés de elevador, andar ao invés de dirigir, andar de bicicleta ou praticar esportes são excelentes opções que podem ser facilmente incorporadas na rotina de uma pessoa hipertensa.

2. Adapte Sua Alimentação

O sal é um vilão na dieta de quem sofre com pressão alta. O National Institutes of Health (NIH), utilizando as diretrizes do Dietary Approaches to Stop Hypertension aponta que a dieta de pessoas hipertensas deve ser repleta de vegetais e frutas, mas pobre em gorduras, sódio e carne vermelha. Outros alimentos que podem ser consumidos normalmente são grãos integrais, peixes e feijão.

O potássio é um macronutriente aliado da hipertensão, pois além de diminuir os efeitos do sal no organismo, auxilia na tensão dos vasos sanguíneos. Leite e iogurte, bananas, abacates e damascos são alimentos que também podem – e devem – constituir o cardápio de hipertensos.

Alimentos processados como pizzas, chips, alimentos enlatados e embutidos são repletos de sódio e devem ser evitados tanto quanto possível.

3. Pare de Fumar

O tabagismo é um hábito que compromete a saúde de todos, sobretudo de quem sofre com pressão alta. Fumar faz com que o nível da pressão arterial seja mais difícil de ser controlado, além de aumentar a frequência cardíaca.

Os principais danos, no entanto, aparecem a longo prazo, uma vez que os componentes dos cigarros fazem com que a pressão arterial se eleve e as paredes dos vasos sanguíneos sejam danificadas. Isso pode causar inflamações e estreitamento das artérias. Consequentemente, a pressão arterial será elevada.

4. Diminua o Estresse

As demandas atuais fazem com que as pessoas estejam submetidas a situações estressantes constantemente. No entanto, pessoas que enfrentam estas situações frequentemente tendem a elevar a pressão arterial.

Sendo assim, encontrar maneiras de reduzir o estresse é a melhor maneira de garantir que a pressão arterial esteja controlada. Caminhadas, leitura e ouvir músicas, por exemplo, são hábitos que podem contribuir para a redução do estresse.

Cada indivíduo deve reconhecer seus escapes quando um dia estressante se instaurar. Isso ajudará a pressão a se manter equilibrada.

5. Coma Chocolate 70%

Os chocolates ao leite ou chocolates brancos são repletos de gordura e açúcar e não são aliados da dieta de hipertensos. No entanto, ingerir um ou dois tablets pequenos de chocolate com 60 ou 70% de cacau ao dia ajuda a diminuir as chances de doenças cardíacas.

Os benefícios são obtidos por causa dos flavonoides encontrados no cacau e que auxiliam a dilatar os vasos sanguíneos.

6. Ingestão de Proteína

Os alimentos com proteínas devem integrar o cardápio de qualquer pessoa que sofra com pressão alta. Em um estudo divulgado em 2014, constatou-se que as pessoas que consomem proteínas regularmente tinham menos riscos de sofrerem com hipertensão.

No estudo, observou-se que as pessoas que consumiam uma média de 100 gramas de proteínas ao dia tinham 40% menos chances de desenvolver problemas hipertensivos do que aqueles que tinham uma dieta pobre em proteínas.

No entanto, se você sofre com problemas renais, é preciso ter cautela na ingestão desses alimentos. Se este for o caso, é preciso solicitar orientações médicas de como driblar o problema.

Proteínas são encontradas em alimentos como peixes, ovos, aves, feijão, lentilha, grão de bico, nozes, manteiga de amendoim, queijos e soja.

7. Tome os Remédios Regularmente

Se você já passou pelo diagnóstico médico e foi identificado como hipertenso, dependendo da intensidade da doença, medicamentos podem ser prescritos.

A administração desses medicamentos irá diminuir a pressão arterial de maneira efetiva. A prescrição deve ser seguida rigorosamente, tanto quanto à dosagem, e quanto à frequência. A não administração correta desses medicamentos pode resultar em crises hipertensivas e, nos casos mais severos, danos irreversíveis ou até mesmo óbito.

Embora a presença da hipertensão possa representar certa gravidade, se controlada com os hábitos indicados e, em alguns casos com os medicamentos corretos, os pacientes dificilmente terão algum dano ocasionado pela doença. Por isso é importante sempre medir a pressão e visitar seu cardiologista regularmente.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já foi diagnosticado com pressão alta? Já tinha conhecimento sobre o que fazer de imediato? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Felipe Santos e Dra. Patrícia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário