Remédio para Cistite – 5 Mais Usados

Especialista:
atualizado em 16/09/2019

Além de falar brevemente sobre a cistite para que você entenda o que é essa condição, vamos mostrar como é feito o tratamento e citar os tipos de remédio para cistite mais usados.

A cistite é uma das infecções mais comuns que afeta o trato urinário inferior. Apesar de não se tratar de uma infecção grave na maioria dos casos, ela deve ser tratada para aliviar os desconfortos associados a ela e para evitar complicações de saúde.

Tal infecção é muito comum em mulheres e estima-se que a maioria delas tem cistite pelo menos uma vez na vida e muitas podem apresentar o problema mais de uma vez. Já os homens tendem a ter menor risco de ter cistite, mas quando sofrem da condição, o problema pode ser mais grave do que geralmente é para as mulheres, principalmente quando o tratamento é negligenciado.

Cistite

A cistite é uma inflamação que afeta principalmente a parede da bexiga. Normalmente, essa infecção é causada por bactérias e acaba sendo resolvida em poucos dias na grande maioria dos casos.

Em geral, a cistite ocorre por meio de uma infecção do trato urinário que acontece quando a uretra e a bexiga são infectadas por bactérias que se fixam no revestimento da bexiga e que começam a se multiplicar, resultando em inflamação e irritação no local.

Nem sempre a cistite ocorre devido a uma infecção. Há casos em que o uso de certos medicamentos ou a aplicação de produtos cosméticos ou de higiene na região íntima também resulta em infecção e inflamação no local.

Outras possíveis causas de uma cistite são a exposição a quantidades excessivas de radiação e o uso contínuo de um cateter para coleta de urina devido a alguma doença ou cirurgia.

Principal causa de cistite

Ainda que outras causas além de infecções bacterianas possam causar cistite, de acordo com dados, aproximadamente 80% dos casos de infecções no trato urinário são causados por bactérias do intestino que acabam entrando no trato urinário.

Tais bactérias são saudáveis, desde que estejam na flora intestinal. Uma vez que elas entram na uretra e alcançam a bexiga, uma infecção pode surgir porque, naquele local, sua presença é nociva à saúde.

População mais afetada

A infecção pode afetar pessoas de qualquer idade e de qualquer sexo, mas é mais comum entre as mulheres porque elas têm a uretra mais curta, o que torna o caminho que a bactéria deve percorrer até o revestimento da bexiga bem menor do que nos homens.

Mulheres podem apresentar um risco ainda maior de desenvolver cistite se:

  • Estão grávidas;
  • São sexualmente ativas;
  • Utilizam produtos de higiene pessoal irritantes à pele;
  • Usam diafragmas com espermicida para controle de natalidade;
  • Estão na menopausa.

A cistite nos homens é mais comum quando há uma outra causa adjacente que resultam na retenção de urina na bexiga como uma infecção, uma obstrução na próstata, um aumento na próstata ou em casos de câncer. Além disso, homens que têm relações sexuais com outros homens são mais propensos a ter cistite.

Alguns fatores de risco que aumentam as chances de homens e mulheres sofrerem de cistite podem incluir:

  • Diabetes;
  • Quimioterapia;
  • Terapia com radiação;
  • Pedras nos rins;
  • AIDS;
  • Uso de catéter;
  • Infecção do trato urinário atual ou recente;
  • Algum tipo de interferência no fluxo normal de urina;
  • Lesões na coluna.

Quando procurar apoio médico

Independentemente de a vítima da cistite ser um homem ou uma mulher, quando o problema persiste por mais de 4 dias, é importante discutir e avaliar a condição com o suporte de um médico, pois pode ser um tipo de cistite mais severo como a cistite intersticial, por exemplo, que é um tipo de cistite crônica que pode ser mais grave e merece mais atenção e cuidado redobrado.

Tipos de cistite

Como já mencionado, há vários tipos de cistite. Ela pode ser classificada em cistite aguda ou cistite intersticial.

A cistite aguda é aquela que acontece de repente sem aviso prévio. Já a cistite intersticial é um caso crônico de cistite que perdura por longo prazo e que pode afetar várias camadas do tecido da bexiga e, por isso, é considerada mais grave.

Além dessa classificação, a cistite pode ser classificada de acordo com as suas causas. Vamos explicar um pouco melhor cada um deles abaixo.

– Cistite bacteriana

A cistite bacteriana acontece quando bactérias encontram um jeito de entrar na uretra ou na bexiga causando uma infecção. Um crescimento anormal de bactérias no próprio organismo também pode causar a cistite.

– Cistite devido à presença de um corpo estranho

Um exemplo de corpo estranho no organismo é um catéter. O uso contínuo de um catéter – uma espécie de tubo usado para facilitar a eliminação de urina da bexiga – pode aumentar o risco de o paciente contrair uma infecção bacteriana que prejudica os tecidos do trato urinário, causando a cistite.

– Cistite causada por radiação

Pacientes que realizam tratamento envolvendo radioterapia podem ter um risco de desenvolver cistite. Durante a radioterapia – que é uma técnica utilizada para eliminar células cancerosas e assim reduzir o tamanho dos tumores – algumas células e tecidos saudáveis também podem ser afetados.

Assim, se o tratamento de radioterapia for realizado na região pélvica, são grandes as chances de que ocorra uma inflamação na bexiga por causa de danos não intencionais causados nas células saudáveis.

– Cistite induzida por medicamentos

Alguns medicamentos podem causar inflamação na bexiga. Isso acontece porque quando tomamos qualquer medicamento, ele é metabolizado e seus resíduos passam pelo sistema urinário para serem excretados pela urina. Alguns desses resíduos podem irritar a bexiga e causar uma inflamação.

Exemplos de medicamentos que podem resultar em cistite são remédios quimioterápicos como a ifosfamida e a ciclofosfamida, por exemplo.

– Cistite química

Alguns produtos de higiene ou cosméticos usados na região pélvica podem causar cistite devido à irritação que causam no local. Alguns exemplos incluem sabonetes ou produtos usados em banhos de espuma ou banhos com sais, sprays ou cremes de higiene feminina, géis ou diafragmas.

– Cistite associada a outras condições de saúde

Por fim, a cistite também pode ocorre como um sintoma de outra condição médica, como por exemplo a diabetes, a AIDS, as pedras nos rins, a próstata aumentada ou a presença de lesões na coluna.

Sintomas comuns

Alguns dos sintomas mais comumente relacionados à cistite são:

  • Sensação de ardor ao urinar;
  • Sangue na urina;
  • Febre baixa;
  • Sensação de pressão ou de que sua bexiga está constantemente cheia;
  • Micção frequente ou sensação de necessidade de urinar com frequência, mesmo não saindo nada ou muito pouca urina;
  • Cólicas abdominais ou dor nas costas;
  • Dor abdominal, na região lombar ou acima do osso púbico;
  • Urina escura ou turva;
  • Odor forte na urina.

As crianças podem apresentar também fraqueza e vômitos enquanto que os idosos podem ficar fracos e ter febre.

Pessoas com o sistema imunológico debilitado por algum motivo apresentam um risco maior de a infecção se espalhar para os rins e de ter outras complicações de saúde. Assim, indivíduos vulneráveis devido ao sistema imune fraco ou mulheres que estão grávidas devem iniciar o tratamento imediatamente após o diagnóstico.

Quando a infecção se espalha para os rins, podem ser observados sintomas adicionais como:

  • Febre alta;
  • Náusea;
  • Vômito;
  • Arrepios ou calafrios;
  • Dor nas costas ou nas laterais do tronco.

Como diagnosticar a cistite

Para confirmar se seus sintomas ocorrem devido a uma cistite, o médico deve solicitar um exame de urina para verificar a presença de bactérias.

Uma vez que as bactérias sejam detectadas, o profissional pode indicar medicamentos para que os sintomas sejam amenizados e a cistite seja tratada. Em alguns casos, outros exames como uma cistoscopia para analisar a bexiga mais detalhadamente ou testes de imagem como uma ultrassonografia ou um raio X podem ser solicitados.

A seguir, listamos os remédios para cistite mais usados para que você saiba o que pode ser prescrito no caso de uma infecção.

Tipo de remédios para cistite mais usados

Apesar de a cistite geralmente desaparecer por conta própria em alguns dias, pode ser preciso tomar alguns medicamentos em casos de sintomas intensos, quando a infecção persiste por muitos dias ou quando o sistema imune não está dando conta de combater a infecção sozinho.

Dentre os principais remédios para cistite, estão:

1. Antibióticos

A forma principal de tratar uma cistite é por meio do uso de antibióticos, já que se trata de uma infecção bacteriana na maioria dos casos.

Os antibióticos geralmente são prescritos para uso por 3 a 7 dias, dependendo do caso infeccioso. Em alguns casos, o tratamento com antibiótico pode ser necessário por até 10 dias na dosagem indicada por um médico.

Apenas 1 dia após a ingestão do primeiro comprimido, os sintomas já começam a melhorar. Do contrário, é recomendado que o paciente retorne ao médico.

Os remédios mais indicados são a amoxicilina, a nitrofurantoína, a cefalosporina, o sulfametoxazol com trimetoprima, a levoflaxacina e a ciprofloxacina. Embora eles ajudem muito a reduzir os sintomas da cistite rapidamente, alguns deles podem causar efeitos colaterais como erupção cutânea, coceira, diarreia e sensação de estar doente.

Além disso, não é indicado usar antibióticos com frequência ou por tempo prolongado devido ao risco de superbactérias resistentes se desenvolverem, o que acaba fazendo com que as bactérias patógenas se tornem resistente ao antibiótico usado e não respondam mais ao tratamento se ocorrer uma nova infecção.

É por isso que os antibióticos nunca devem ser tomados sem orientação médica adequada e só são vendidos sob prescrição médica e sob a condição de a receita ser retida na farmácia onde os remédios são comprados.

2. Analgésicos

O analgésico é um remédio para cistite que não atua contra a infecção em si, mas que é capaz de aliviar sintomas da condição como a dor e o desconforto.

Os mais comumente recomendados pelo médico são o ibuprofeno (Advil) ou o paracetamol (Tylenol).

3. Antissépticos

Alguns antissépticos utilizados no tratamento da cistite que ajudam a remover as bactérias nocivas ao trato urinário, além de aliviar alguns sintomas da condição, são a metenamina e o cloreto de metiltionínio.

4. Antiespasmódicos

Os antiespasmódicos podem ser indicados como remédio para cistite por aliviar sintomas específicos como a ardência ao urinar, as dores e a micção frequente.

Exemplos de antiespasmódicos usados para o tratamento sintomático da cistite são o flavoxato (Urispás), a hiosciamina (Tropinal) e a escopolamina (Buscopan).

5. Anti-inflamatórios

Anti-inflamatórios não esteroides com ou sem ação analgésica podem ser recomendados para reduzir a inflamação e a dor causada pela cistite. Alguns deles incluem o ibuprofeno e o naproxeno sódico, por exemplo.

Outras Dicas

– Hidratar-se

Beber água e fluidos em geral é muito importante para estimular a formação de mais urina, o que ajuda a eliminar bactérias nocivas e outros resíduos por meio do xixi.

Os pacientes em tratamento não devem tomar bebidas alcoólicas para evitar a desidratação e para não influenciar no efeito de alguns medicamentos como os antibióticos, por exemplo, que têm seu efeito cortado quando o paciente ingere álcool durante o tratamento.

– Evitar relações sexuais durante a recuperação

Ao ser diagnosticado com cistite, pode ser importante se abster de fazer sexo por alguns dias para evitar que as bactérias presentes no corpo da mulher migrem para o organismo do homem ou vice-versa.

Além disso, ao evitar ter relações sexuais, o indivíduo reduz também o risco de complicações e as chances de contrair novas bactérias por meio do ato sexual enquanto o sistema imunológico ainda está ocupado combatendo a cistite.

– Tomar suco de cranberry

O cranberry é um fruto com propriedades bactericidas que impedem que bactérias nocivas fiquem aderidas na parede da bexiga.

De acordo com uma revisão publicada no periódico científico Clinics em 2012, o suco de cranberry contém compostos que podem evitar que bactérias do tipo Escherichia coli se liguem as paredes as células encontradas no trato urinário. Além disso, o cranberry apresenta antioxidantes que apresentam propriedades anti-inflamatórias e bactericidas.

No entanto, nem o fruto, nem seu suco e nem cápsulas de cranberry podem ser ingeridos em quantidades suficientes para evitar totalmente os sintomas da cistite. Ainda assim, vale a pena ingerir cranberry para obter uma proteção extra contra as bactérias sem deixar de seguir o tratamento indicado pelo médico.

– Consumir vitamina C

Alguns estudos indicam que a vitamina C pode reduzir o pH da urina, reduzindo as chances de sobrevivência e de proliferação de bactérias, além de reagir com os nitratos presentes na urina formando óxidos de nitrogênio, que são compostos capazes de matar bactérias.

Não há ainda dados conclusivos sobre o uso de vitamina C na prevenção e no tratamento da cistite, mas vale a pena a tentativa.

– Usar suplementos como o bicarbonato de sódio

Além do cranberry, algumas pessoas relatam que usar outros compostos que reduzem a acidez da urina – como o bicarbonato de sódio ou o citrato de potássio – pode auxiliar na redução dos sintomas da cistite, mas ainda não existem evidências científicas para suportar esse fato.

– Aplicar compressas

O uso de compressas quentes ou de almofadas de aquecimento na região abdominal ou nas costas é útil para aliviar a dor.

– Tomar probióticos

Probióticos são bactérias benéficas que ajudam a preservar a saúde do trato urinário e a evitar a presença de bactérias nocivas no local.

Eles fazem isso prevenindo a aderência de bactérias prejudiciais as células do trato urinário, produzindo peróxido de hidrogênio na urina que é um composto antibacteriano e reduzindo o pH da urina, tornando o ambiente menos favorável à proliferação de bactérias.

Exemplos de probióticos que podem ser ingeridos através da dieta são o iogurte, alguns tipos de queijo, o kefir e o chucrute.

É possível evitar a cistite?

Nem sempre é possível evitar uma infecção, mas as dicas abaixo parecem ajudar a prevenir:

  1. Esvaziar a bexiga por completo ao urinar;
  2. Não segurar o xixi por muito tempo para evitar o acúmulo de bactérias no trato urinário;
  3. Limpar o bumbum após as evacuações sempre de frente para trás;
  4. Evitar usar roupas íntimas e roupas apertadas e optar por roupas íntimas de algodão que não causam irritação;
  5. Praticar uma boa higiene depois do sexo;
  6. Usar lubrificante durante a relação sexual;
  7. Utilizar sabonetes neutros e sem perfumes na região genital.

Ter uma boa higiene íntima em geral é a melhor medida preventiva, já que a maioria dos casos de cistite são resultantes da entrada de bactérias nocivas na uretra e na bexiga.

Não há necessidade de usar sabonetes bactericidas na região genital, pois isso pode alterar a microflora natural do local. Basta limpar bem a região depois de ir ao banheiro e lavar com água e sabonete durante o banho e sempre deixar o local bem seco e arejado.

Ao observar os sintomas aqui mencionados por tempo prolongado, é indispensável procurar um médico para diagnosticar a condição e recomendar medicamentos para tratar a condição e evitar complicações de saúde.

Desde que tratada com seriedade, a cistite é bem simples e de tratar e as dicas encontradas nesse artigo podem te ajudar no tratamento e na prevenção de novas infecções.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já foi diagnosticado com a condição e precisou utilizar algum remédio para cistite? Teve bom resultado com algum desses citados? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (4 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Felipe Santos e Dra. Patrícia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário