Testes da vacina de Oxford são suspensos devido a efeito adverso em participante

Especialista:
atualizado em 09/09/2020

A farmacêutica AstraZeneca avisou na terça-feira, 8 de setembro, que interrompeu os testes mundiais da vacina de Oxford. O motivo é a suspeita de uma reação adversa séria em um dos voluntários no Reino Unido.

A AstraZeneca produz a vacina para o novo coronavírus em parceria com a Universidade de Oxford. A suspensão nos testes é uma precaução padrão em testes com vacinas, para garantir que não causem reações sérias nos participantes.

Em um comunicado, a farmacêutica explicou que em grandes testes, efeitos adversos surgem por acaso, porém, devem ser analisados independentemente para que a checagem seja cuidadosa.

Não se sabe quanto tempo a suspensão nos testes da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford durará. Porém, a expectativa é que o participante que apresentou a reação adversa se recupere.

A farmacêutica não divulgou detalhes do problema que afetou o voluntário. Entretanto, conforme explicou o The New York Times, seria um caso de mielite transversa, uma síndrome inflamatória que afeta a medula espinhal.

A pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Margareth Dalcolmo confirmou que obteve a informação de que seria mesmo uma mielite transversa. Conforme Dalcolmo, a condição é uma manifestação neurológica atribuível a várias doenças e pode ou não ter relação com a vacina.

Além disso, o porta-voz da AstraZeneca disse que a empresa trabalha para acelerar a análise sobre a reação, para minimizar os impactos no cronograma dos testes.

E quanto ao Brasil?

Vacina

Conforme o G1, a suspensão também vale para o Brasil. Uma das responsáveis pelos testes com a vacina de Oxford no país é a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

De acordo com a instituição, 5 mil voluntários brasileiros receberam a vacina, mas não houve registro de problemas graves de saúde.

A vacina de Oxford é, até então, a grande aposta do Ministério da Saúde. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou que recebeu o aviso da suspensão e que espera mais dados sobre os motivos, para analisá-los e se pronunciar oficialmente.

As fases dos testes de uma vacina

A vacina de Oxford é a primeira vacina contra a COVID-19 na fase 3 de testes a sofrer uma interrupção. Ela iniciou a sua fase 3 em agosto nos Estados Unidos, enquanto as fases 2 e 3 de testes já tinha começado no Reino Unido, Brasil e África do Sul.

Na fase 1 dos testes de uma vacina, há uma avaliação preliminar da sua segurança e são feitos testes com um número pequeno (dezenas) de adultos saudáveis. É feito um monitoramento de perto nos voluntários e é nesta etapa que se entende a resposta que a vacina gera no organismo.

Na fase 2, há uma ampliação e os testes ocorrem em centenas de pessoas. Voluntários com características semelhantes às pessoas para quem a vacina se destina recebem a imunização. Aqui, avalia-se a segurança, capacidade de proteção, dosagem e modo de administração.

Na fase 3, os testes ocorrem em larga escala, em milhares de pessoas. O objetivo é ter uma avaliação definitiva da eficácia e segurança da vacina em maiores números de pessoas. Esta etapa serve para prevenir eventos adversos e garantir a duração da proteção da vacina.

É apenas depois da terceira fase de testes que se pode fazer um registro sanitário da vacina em questão.

Enquanto esperamos por uma vacina com comprovação contra a COVID-19, cabe a nós continuar a usar máscaras, lavar as mãos com frequência e tomar todos os outros cuidados recomendados contra a propagação do novo coronavírus.

Enquanto aguarda por uma vacina para a COVID-19, você continua seguindo os cuidados para evitar a contaminação? No entanto, já pegou a nova doença? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Além disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário