12 Remédios para Tendinite Mais Usados

Especialista:
atualizado em 09/04/2018

A tendinite é uma condição caracterizada pela inflamação ou irritação de um tendão, que é descrito como uma espécie de corda grossa que conecta os músculos aos ossos e que auxilia a execução de um movimento repetidamente.

A tendinite causa dor aguda, sensibilidade e faz com que seja difícil movimentar a articulação que foi atingida. Essa dor costuma ficar concentrada em torno da área ou articulação afetada e aumenta quando a região em questão é movimentada.

A dor pode aumentar quando alguém toca a região em questão e é possível experimentar algum inchaço e uma rigidez que faz com que seja difícil mexer a área atingida.

É possível que a condição seja desenvolvida em qualquer tendão do corpo, entretanto, regiões como os ombros, os joelhos, os calcanhares e os pulsos são mais propensas a sofrer com o problema.

A causa principal para o aparecimento da tendinite é o movimento repetitivo, seja no trabalho, seja na prática de uma atividade física, sendo que o risco de desenvolvimento da condição é elevado quando o movimento em questão é feito de maneira incorreta.

Porém, o problema também pode aparecer em decorrência de lesões, do envelhecimento e de doenças específicas como diabetes ou artrite reumatoide.

Pessoas como atletas que praticam esportes como tênis, golfe, basquete ou boliche e profissionais que trabalham em áreas que exigem esforço físico, levantamento de objetos ou movimentos e tarefas repetitivas têm maiores chances de sofrer com a tendinite.

6 opções de remédios para tendinite

Vamos conferir as opções de remédios para tendinite que podem ser receitados por um médico ortopedista ao ser diagnosticada a inflamação ou irritação de um tendão.

1. Acetaminofeno (Paracetamol) 

O Acetaminofeno pode ser utilizado como um remédio para tendinite que serve para aliviar a dor causada pela condição.

Entretanto, vale a pena ressaltar que a bula do medicamento do Paracetamol de 750 mg disponibilizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária alerta que o remédio é contraindicado para menores de 12 anos e pessoas com alergia a algum de seus componentes. Ele também não deve ser usado por gestantes sem a orientação do médico.

2. Naproxeno

O Naproxeno é outro anti-inflamatório que pode ser considerado um dos remédios para tendinite. A bula do medicamento disponibilizada pela Anvisa relata que o remédio possui propriedades analgésicas e confirma que ele é indicado para casos de tendinite.

Seu uso é oral e adulto, porém, o remédio está contraindicado para mulheres que estejam amamentando, pessoas com hipersensibilidade ao Naproxeno ou Naproxeno Sódico, pacientes que apresentam rinite, pólipos nasais ou urticária ao usar ácido acetilsalicílico ou anti-inflamatórios não esteroides, indivíduos com sangramento ativo ou antecedente de sangramento intestinal ou perfuração associado ao uso anterior de anti-inflamatório não esteroide e doença ativa ou antecedente de úlcera péptica recorrente/hemorragia, sendo dois ou mais episódios de úlcera ou sangramentos comprovados.

Quem tem menos de dois anos de idade, pacientes com insuficiência cardíaca grave ou com depuração da creatinina inferior a 30mL/min. Grávidas só devem usar o medicamento mediante orientação médica.

3. Corticosteroides

De acordo com informações do site Mayo Clinic, existem casos em que o médico pode optar por aplicar uma injeção de corticosteroides em torno de um tendão com o intuito de aliviar a tendinite. Segundo a página, esse tipo de injeção diminuem a inflamação e podem ajudar a amenizar a dor.

Entretanto, a Mayo Clinic alerta que os corticosteroides não são indicados como remédios para tendinite crônica – em que a duração é de mais de três meses – devido ao fato de que a repetição das injeções pode enfraquecer um tendão e aumentar as chances de que ele sofra uma ruptura.

4. Aspirina

Ainda segundo a Mayo Clinic, a Aspirina também pode ser um medicamento adotado como forma de amenizar o desconforto associado à tendinite. Porém, vale registrar que segundo a bula do remédio apresentada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Aspirina não pode ser utilizada por pessoas com menos de 12 anos de idade.

Além disso, ela está contraindicada para quem sofre com hipersensibilidade ao ácido acetilsalicílico, a salicilatos ou outro componente do remédio, tem histórico de asma induzida por salicilatos ou substâncias com ação similar (principalmente anti-inflamatório não esteroide), tem úlceras gastrintestinais agudas, diátese hemorrágica, insuficiência renal grave, insuficiência hepática grave, insuficiência cardíaca grave ou mulheres que estejam no último trimestre da gestação.

Já durante os dois primeiros trimestres da gravidez, o medicamento deve ser usado com cautela, somente se for realmente necessário em com orientação médica. O uso contínuo e em altas doses da Aspirina também não é adequado para mulheres que estejam amamentando. Assim, recomenda-se que as lactantes também consultem o seu médico antes de tomar o remédio.

5. Ibuprofeno

Também segundo a Mayo Clinic, o Ibuprofeno também pode ser considerado um dos remédios para tendinite. Conforme a sal bula disponibilizada pela Anvisa, o remédio é um anti-inflamatório não esteroide, porém, não deve ser usado por quem tem hipersensibilidade a qualquer componente de sua fórmula e a outros anti-inflamatórios não esteroides.

Ele também é contraindicado no caso da chamada tríade do ácido acetilsalicílico, em que o paciente apresenta crise de asma, rinite e intolerância ao ácido acetilsalicílico. Quem tem insuficiência renal, hepática ou cardíaca grave e encontra-se em período perioperatório (que engloba todo o período da cirurgia, incluindo o antes, durante e depois da operação) da cirurgia da ponte de veia safena ou da artéria mamária para obstrução da coronária.

O medicamento só pode ser utilizado por gestantes e mulheres que estejam amamentando mediante orientação e acompanhamento médico.

6. Cremes tópicos com medicamento anti-inflamatório

A aplicação de cremes tópicos cuja formulação também traz substâncias anti-inflamatórias para o tratamento da tendinite é popular especialmente na Europa e traz a vantagem de poder ser eficiente para amenizar a dor sem causar os potenciais efeitos colaterais trazidos pelos remédios anti-inflamatórios ingeridos via oral.

7. Dar um tempo dos exercícios e descansar

Isso pode não agradar muito quem vive em uma rotina constante de treinos, mas é melhor dar uma parada e cuidar da lesão e depois retornar inteiro aos treinamentos, não é mesmo?

Continuar a se exercitar de uma maneira que tensiona o tendão fará com que o dano seja mais profundo e fará com que o problema leve mais tempo para ser solucionado.

O tempo necessário para o descanso e a pausa dos exercícios depende de fatores como qual tendão foi afetado e quão severa é a inflamação. O período de descanso não deve ser muito longo para que o tendão não fique muito rígido, porém, recomenda-se dar um tempo necessário para curar de modo que se perceba que a dor e o inchaço diminuíram.

É fundamental que todo esse processo seja feito pelo médico, que definirá quanto deve ser o tempo de descanso para cada pessoa em particular. E durante esse descanso, é preciso evitar qualquer tipo de atividade que possa provocar dor.

Se o médico permitir a continuidade da prática de exercícios, eles precisam ser de intensidade leve e não podem estressar a região afetada.

8. Seguir uma dieta anti-inflamatória

Na maioria das lesões e inclusive nas doenças crônicas, a inflamação pode tornar as coisas mais difíceis. Como os alimentos que colocamos para dentro do nosso organismo podem ter um impacto significativo em relação aos níveis de inflamação – algumas ajudam o processo de cura a ser mais rápido, enquanto outras estimulam o inchaço e atrasam a recuperação -, é preciso tomar cuidado com a dieta durante o tratamento da tendinite.

Alguns exemplos de alimentos anti-inflamatórios que devem ser consumidos regularmente são: todos os tipos de vegetais, principalmente as verdurass, proteínas magras, de alta qualidade e orgânicas, alimentos com vitamina C, frutas vermelhas, abacaxi, alimentos ricos em potássio e magnésio e caldo de ossos.

Por outro lado, existem os itens que podem aumentar a inflamação e piorar a tendinite e, portanto, devem ser evitados, tais como: álcool, cafeína, muito sódio, muito sal, açúcar, grãos refinados, óleos hidrogenados e frituras.

Também é importante evitar fumar tabaco porque as lesões de tendão costumam ser curadas de maneira mais lenta em fumantes do que em não-fumantes: fumar atrasa o processo de cura de feridas e dos tecidos.

9. Compressa de gelo

Aplicar a compressa de gelo no local afetado pode auxiliar a amenizar o inchaço e é importante principalmente de um a dois dias após a lesão ou quando se percebe o desenvolvimento do inchaço. A compressa de gelo para a tendinite deve ser colocada sobre uma toalha e, então, aplicada na área atingida – ela não deve ser posicionada diretamente sobre a pele.

Recomenda-se deixar a toalhinha com a compressa pressionada conta o corpo durante 15 a 20 minutos de cada vez. O procedimento pode ser executado diversas vezes por dia, sempre de acordo com a orientação do médico.

10. Tala, atadura ou bandagem

Utilizar um desses acessórios na área atingida pela tendinite adiciona um suporte a mais aos tendões e pode ajudar que a região afetada não seja muito movimentada. O isolamento do tendão inflamado ajuda a diminuir o inchaço e apoia o processo de cura dos tecidos danificados.

11. Fazer exercícios de amplitude de movimento diariamente 

Isso significa movimentar gentilmente a articulação por toda a sua amplitude de movimento, mesmo durante o período de descanso para prevenir a rigidez da articulação. Conforme a dor for indo embora, continue com os exercícios de amplitude de movimento e acrescente outros exercícios para fortalecer os músculos ao redor da articulação.

Entretanto, converse com o seu médico a respeito de como, quando e em que frequência esses exercícios devem ser executados ao longo do seu tratamento.

12. Retomar a atividade física gradualmente

A recomendação consiste em retomar os exercícios em uma intensidade mais baixa do que aquela que se tinha antes dos sintomas da tendinite aparecerem. Orienta-se ainda a aumentar a atividade lentamente e parar caso comece a doer, além de avisar ao médico a respeito da ocorrência da dor.

Também é necessário aquecer-se e alongar-se antes de começar a se exercitar e aplicar gelo depois que terminar a atividade física como forma de prevenir o inchaço.

Cuidados com os remédios para tendinite

Ao experimentar os sintomas da condição e desconfiar que tem tendinite, antes de aderir a algum dos remédios para tendinite, citados acima, ou quaisquer outros que você conheça, procure antes um médico para saber se realmente tem o problema e como proceder.

Isso porque, para saber o que é melhor para o seu caso, só ouvindo mesmo as recomendações do médico. Ele é quem pode determinar qual remédio e/ou procedimento é o mais indicado para você, tendo em vista não somente a sua recuperação, como também fatores como contraindicações e riscos de interações com outros medicamentos que você esteja fazendo uso.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já utilizou algum destes remédios para tendinite que separamos acima quando sofreu com a condição? Como foram os resultados? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (110 votos, média: 3,75 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário