Leptina alta ou baixa: o que preciso saber?

Especialista da área:
atualizado em 20/07/2022

A leptina é um hormônio responsável por enviar um sinal ao cérebro passando uma sensação de saciedade, por isso, é conhecida como “hormônio da saciedade”. A maior parte desse hormônio é produzida pelas células de gordura do corpo, mas quantidades menores já foram identificadas em outros tecidos, como placenta, estômago, músculos, medula óssea e cérebro.

Uma boa regulação dos níveis de leptina no metabolismo ajuda a manter um peso saudável e um melhor aproveitamento energético dos alimentos, visto que ela atua transformando a gordura corporal, obtida através da alimentação, em energia.

  Continua Depois da Publicidade  

Sendo assim, a quantidade de leptina é proporcional à quantidade de tecido adiposo (gordura) no corpo, portanto, ter uma taxa ideal desse hormônio é importante para indicar que há uma boa reserva de energia e, assim, enviar um sinal ao cérebro de que o apetite deve ser inibido.

Mas aí você pode estar pensando… então porque pessoas obesas, com excesso de leptina, continuam com fome frequentemente? Isso ocorre por conta do quadro de resistência à leptina, que é desenvolvido por muitas pessoas obesas. Com isso, apesar de estar presente em boa concentração, ela não é capaz de exercer suas funções corretamente. É o que veremos mais adiante.

Com relação à variação dos níveis de leptina ao longo do dia, sabe-se que eles atingem o ápice enquanto dormimos durante a noite, fazendo com que não sintamos fome por longas horas. Por isso, a boa qualidade do sono se torna muito importante para regular os níveis de leptina.

Quais as funções da leptina?

Gestante
O hormônio também tem relação com a fertilidade e gravidez

Além da sua função relacionada à saciedade, ela é importante em vários aspectos para a saúde. 

Quando se trata de quebrar gordura para produzir energia, cada sistema do corpo precisa verificar os níveis de leptina antes de desempenhar o seu papel. É como se a leptina desse um “sinal verde” para os demais sistemas desenvolverem suas funções.

  Continua Depois da Publicidade  

Isso é nítido quando sentimos fome e qualquer movimento ou atividade física fica muito difícil de ser realizada. Nosso sistema imunológico, ósseo, humoral e outros são afetados pela baixa taxa de leptina presente no organismo.

Um nível saudável desse hormônio também é importante para a fertilidade. Nas mulheres, ela sinaliza ao cérebro para que aconteça a ovulação. Durante a gravidez, a leptina ajuda na preparação do útero para sustentar o bebê e transportar os nutrientes necessários. Por outro lado, em mulheres com obesidade, a atuação ineficiente da leptina (resistência) pode prejudicar esses processos.

Em relação ao sistema imune, pessoas com problemas na regulação da leptina podem apresentar inflamações crônicas devido ao mau funcionamento das respostas de defesa do organismo e, consequentemente, tem um risco maior de desenvolver doenças cardiovasculares.

Valores normais da leptina

Os valores normais ou intervalos de referência podem variar de acordo com cada laboratório, mas, geralmente, ficam entre 0,5 – 15,2 ng/mL.

Aumento da leptina (hiperleptinemia)

Já que a quantidade de leptina é proporcional ao nível de gordura corporal, pessoas com quadro de obesidade têm taxas muito elevadas desse hormônio. 

Além da obesidade, outras condições podem gerar hiperleptinemia, como:

  Continua Depois da Publicidade  

A insulina é um regulador primário da secreção de leptina, por isso, quando há um aumento da insulina no sangue (hiperinsulinemia), a concentração de leptina também é aumentada.

Além disso, a hiperleptinemia associada à obesidade tem sido considerada como fator de risco para o câncer de mama. Estudos sugerem essa relação com diferentes estágios do processo de desenvolvimento e progressão desse tipo de câncer.

Resistência à leptina

Obesidade
Quem tem obesidade pode apresentar resistência à leptina

Em algumas situações, é possível comer bem, estar com uma alta taxa de leptina e ainda sentir fome. Porém, ao contrário do que é esperado, a leptina elevada não limita a ingestão de alimentos, ou seja, essas pessoas adquirem resistência a esse hormônio, inibindo o efeito de saciedade. Isso é o que chamamos de “resistência à leptina” e é muito comum em pessoas com obesidade.

No caso de o cérebro não receber a sinalização da leptina, o corpo pensa erroneamente que está com uma baixa reserva de energia e gera impressões exageradas de fome.

Junto à fome intensa, há uma redução na utilização das calorias para gerar energia, o que vai contribuir para um acúmulo de gordura corporal. Por esse motivo, os sintomas da resistência à leptina incluem o aumento de apetite, saciedade reduzida e aumento da massa corporal gorda.

Leptina baixa

Uma taxa baixa de leptina (hipoleptinemia) é algo muito raro. A principal causa é a deficiência congênita de leptina, uma doença genética em que a pessoa já nasce sem a capacidade de transformar a gordura em leptina.

  Continua Depois da Publicidade  

Sem esse hormônio, o corpo entende que não há reserva de energia e, constantemente, emite sinais de fome intensa. Devido a isso, as crianças que nascem com essa deficiência apresentam obesidade classe III e puberdade tardia.

A leptina baixa também pode ser adquirida em quadros de anorexia nervosa, amenorreia hipotalâmica funcional, provocada por atividade física excessiva, e lipodistrofia. Todas essas condições envolvem perda ou distribuição atípica de gordura corporal.

Portanto, os sinais mais comuns da leptina baixa podem ser obesidade grave, infecções recorrentes, saciedade prejudicada, hiperinsulinemia, dislipidemia (nível elevado de gordura no sangue) e hipogonadismo (mau funcionamento de ovários e testículos).

Exame para saber o nível de leptina

Um exame de sangue pode ser realizado para medir esse hormônio. Não é comum os profissionais solicitarem o exame de dosagem da leptina, mas o teste pode ser solicitado em casos de obesidade ou fome persistente.

Leptina x Grelina

A leptina e a grelina são dois hormônios que regulam o apetite, no entanto, têm funções contrárias: enquanto a leptina inibe o apetite, a grelina tem como finalidade estimular o apetite. 

Elas são secretadas sempre de forma rítmica e compensatória, sendo assim, variam conforme a reserva de energia do corpo.

A principal ação específica da grelina é reduzir as taxas de glicose no sangue a partir da diminuição da secreção de insulina, regulando os processos de quebra de glicose e glicogênio. Essa ação é útil para poupar energia.

Tratamentos

Inicialmente, a reposição de leptina só reverteu a obesidade em condições de deficiência de leptina e, ainda, com uma eficácia limitada. Esse tratamento de reposição é aprovado apenas para tratar lipodistrofia generalizada congênita ou adquirida.

Então, como a leptina é uma descoberta um tanto nova pelos pesquisadores, muitos estudos ainda estão sendo feitos para descrever melhor seu papel e como regular esse hormônio através de tratamentos alternativos que poderão contribuir para redução dos casos de obesidade.

O que fazer para regular a leptina?

Para regular seu nível de leptina, recomendamos que siga essas orientações:

  • Priorize consumir mais proteínas na sua alimentação.
  • Evite alimentos industrializados e processados.
  • Diminua sua taxa de triglicerídeos através da redução do consumo de carboidratos.
  • Consuma fibras solúveis, como cereais, frutas e legumes.
  • Cuide da qualidade do seu sono.
  • Escolha um tipo de atividade física para praticar diariamente.

Ainda que não seja tão simples tratar os problemas com a leptina, essas mudanças de hábito podem lhe ajudar bastante a longo prazo.

Fontes e referências adicionais

Você acredita que já teve problemas com leptina alta ou baixa? Quais foram os sintomas? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Alexandre Seraphim

Dr. Alexandre Seraphim é Nutrologista - CRM 52.978779. Formou-se médico pela Universidade do Grande Rio e é pós-graduado em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia. Possui diversos cursos na área de emagrecimento, hipertrofia e medicina ortomolecular que o qualificam ainda mais como um grande especialista da área. Para mais informações, entre em contato com ele em sua conta oficial no Instagram (@dr.alexandre.seraphim).

Deixe um comentário