Quais são as dietas proteicas mais populares

Especialista da área:
atualizado em 26/01/2021

Dietas de proteína com poucos carboidratos são formas populares de perder peso. No entanto, pode ser difícil segui-las. Além disso, elas nem sempre funcionam a longo prazo e ainda podem não ser saudáveis.

  Continua Depois da Publicidade  

Também é importante consultar um médico antes de começar uma dieta proteica, para não correr o risco de ter algum problema de saúde devido à restrição alimentar.

Além disso, não basta só fazer a dieta para perder peso, deve-se conciliar uma alimentação saudável e equilibrada com a prática regular de exercícios físicos.

Então confira os principais tipos de dietas proteicas, as suas vantagens e se essa é realmente a melhor opção para você.

ovos e bacon
As dietas proteicas privilegiam o consumo de proteínas e gorduras em detrimento dos carboidratos

Dieta Atkins

A Dieta Atkins, criada pelo Dr. Robert Atkins, é uma das mais praticadas por quem quer emagrecer. Quem segue esse plano alimentar deve compor as suas refeições com 27% de proteínas, 5% de carboidratos e 68% de gordura.

No entanto, as diretrizes alimentares tradicionais recomendam uma dieta que tenha de 10 a 15% de proteínas 40 a 60% de carboidratos e 20 a 35% de gordura.

A dieta Atkins permite todos os tipos de proteína e gordura, incluindo carne, peixe, aves, ovos, queijo, manteiga e óleo, e restringe carboidratos como pão, macarrão, frutas, álcool e vegetais com amido como batata, ervilha e milho.

  Continua Depois da Publicidade  

Entretanto, a grande quantidade de gordura presente nessa dieta pode não fazer bem à saúde.

De acordo com o Centro Médico da Universidade de Maryland, riscos associados à dieta Atkins incluem câncer de cólon, perda óssea, danos aos rins e cetoacidose, uma condição que causa tontura, fraqueza e irritabilidade.

Dieta de South Beach

Criada pelo Dr. Arthur Agatston em 2003, a Dieta de South Beach baseia-se no índice glicêmico, um sistema que avalia alimentos de acordo com a velocidade que o organismo absorve seus açúcares.

Segundo a Universidade do Colorado, essa dieta é mais saudável que outras dietas proteicas e, já que permite o consumo de 20 a 90 gramas de carboidratos por refeição e também libera o consumo de grãos inteiros, legumes, vegetais, laticínios com pouca gordura e gorduras insaturadas, como as presentes azeite de oliva, nos peixes e nas castanhas.

No entanto, a desvantagem dessa dieta é a restrição de alimentos saudáveis como frutas e cenouras, porque eles têm um índice glicêmico alto.

Dieta da Zona (Zone Diet)

O Dr. Barry Sears inventou a Dieta da Zona em meados dos anos 1990. As pessoas que fazem dieta estão na “zona” quando a sua alimentação é composta por 40% de carboidratos, 30% de proteína e 30% de gordura.

  Continua Depois da Publicidade  

Muitos alimentos são permitidos na Dieta da Zona, desde que as proporções da dieta sejam mantidas. Entretanto, ela limita o consumo de massas e de certas frutas. Mas, um dos seus benefícios é que ela libera refeições regulares, desde que sejam de baixas calorias.

Dieta Paleolítica

Como no plano alimentar anterior, o cardápio da Dieta Paleolítica foca nos alimentos que os nossos ancestrais pré-históricos comiam, como frutas frescas, vegetais, carnes magras, carboidratos pouco glicêmicos e frutos do mar.

Quem segue essa dieta não deve comer alimentos processados, laticínios, legumes, cereais e doces.

A Dieta Paleolítica recria um plano alimentar imitando o que os caçadores-coletores comiam antes da revolução da agricultura. Além disso, recomenda uma ingestão de cerca de 1400-1500 calorias por dia.

dieta paleolítica
A dieta paleolítica foca no hábito dos nossos ancestrais

Dieta Poder da Proteína

Os médicos Michael e Mary Eades criaram a Dieta Poder da proteína em 1996. Suas refeições são compostas por aproximadamente 26% de proteína, 16% de carboidratos, 54% de gordura e 4% de álcool.

  Continua Depois da Publicidade  

A Dieta Poder da Proteína permite todos os tipos de carne, peixe, aves, ovos, queijo, vegetais sem amido, manteiga, óleo e molhos de salada. Além disso ela também permite o consumo de álcool com moderação. Os alimentos que devem ser evitados nessa dieta são frutas, vegetais com amido, grãos e leite.

Dieta Sugar Busters

A dieta Sugar Busters é composta de 27% proteína, 52% carboidratos e 21% gordura. Nela é permitido o consumo de todas as proteínas, gorduras e de alimentos com baixo índice glicêmico, além do consumo moderado de álcool.

No entanto, essa dieta restringe a ingestão dos seguintes alimentos:

  • Batatas;
  • Arroz branco;
  • Pão;
  • Milho;
  • Cenoura;
  • Beterraba;
  • Alimentos feitos com farinha branca refinada.

Dieta Stillman

A Dieta Stillman é a mais proteica de todas, composta por 64% de proteína, 3% de carboidratos e 33% de gordura. Ela é baseada na teoria de que as proteínas ajudam a queimar gordura, e por outro lado, os carboidratos são armazenados como gordura.

Essa dieta permite o consumo de proteínas magras como carne magra, aves sem pele, frutos do mar, ovos, e queijo com pouca gordura. No entanto, limita a ingestão de gordura, óleos e carboidratos como pão, macarrão, frutas, vegetais e laticínios.

  Continua Depois da Publicidade  

Dieta das Cavernas

O cardápio da Dieta das Cavernas é focado nos alimentos da era paleolítica, que são aqueles que os humanos comiam antes de começar a plantar e a domesticar animais. Dessa maneira, o objetivo dela é treinar seu corpo a comer alimentos saudáveis.

Essa dieta promete ajudar a alcançar o peso ideal do seu corpo, fortalecer a mente e melhorar a conexão do seu corpo com seu ser interior – similar aos instintos de caça de um animal selvagem.

Fontes e referências adicionais

Você já experimentou alguma destas dietas proteicas? Qual delas, e qual o resultado que você obteve? Comente abaixo.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (9 votos, média 4,78)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é Nutricionista - CRN-RJ 0510146-5. Ela é uma das mais conceituadas profissionais do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário