Sintomas e causas da estomatite

Especialista da área:
atualizado em 12/01/2021

Aftas frequentes e irritação na boca podem ser sintomas da estomatite. Conheça aqui quais são os sintomas e as causas dessa inflamação.

  Continua Depois da Publicidade  

A estomatite é uma inflamação que afeta as membranas mucosas da boca. Em muitos casos, ela é a causa de úlceras na boca que podem ocorrer nos lábios, na língua, na garganta e na gengiva, por exemplo.

Aliás, veja também os tipos de úlceras mais comuns e como tratar.

Estomatite

Existem 2 tipos principais de inflamação na mucosa oral.

1. Aftas

As úlceras ou aftas na boca, língua ou garganta são a principal causa de estomatite. Ela pode aparecer sozinha ou se desenvolver em pequenos grupos de lesões. 

As aftas geralmente são brancas ou amareladas e têm um anel avermelhado ao redor. Em geral, elas causam uma dor temporária e cicatrizam em 1 ou 2 semanas.

2. Herpes labial

A herpes labial é uma ferida que lembra muito uma afta, mas existem algumas diferenças entre elas. A principal característica da herpes é que ela começa com uma sensação de formigamento e coceira na boca antes mesmo da ferida.

Além disso, a herpes é contagiosa porque é causada pelo vírus da herpes simples (HSV-1). Por isso, ela também é chamada de gengivoestomatite herpética.

Aliás, outro vírus que também pode causar esse tipo de lesão é o vírus coxsackie, mas ele é menos comum.

Por fim, a cicatrização se dá em cerca de 7 dias quando a ferida começa a secar e formar uma crosta que logo depois de desprende da boca. 

  Continua Depois da Publicidade  

Sintomas da estomatite

boca com estomatite

Os sintomas mais notáveis da estomatite são:

  • Dor;
  • Ardência;
  • Irritabilidade.

Outros sintomas que também podem ocorrer incluem:

  • Inchaço;
  • Manchas vermelhas;
  • Úlceras na boca com pus;
  • Bolhas;
  • Dor ao engolir;
  • Salivação excessiva;
  • Queimação na boca;
  • Febre.

Causas da estomatite

No caso da herpes labial, a causa é uma infecção viral. Mas também há outros fatores que podem contribuir para a estomatite, como por exemplo:

  • Traumas causados por uso de aparelhos ortodônticos ou dentaduras;
  • Mordida na parte interna da bochecha, língua ou lábio;
  • Infecção por fungos ou bactérias;
  • Boca seca;
  • Doenças bucais como a cárie e a gengivite, por exemplo;
  • Tabagismo;
  • Abuso de álcool;
  • Alergias;
  • Desnutrição ou desidratação;
  • Doenças de pele;
  • Uso de remédios como os antibióticos ou quimioterápicos, por exemplo;
  • Sistema imunológico baixo;
  • Estresse;
  • Lesões ou queimaduras.

O que fazer

Antes de mais nada, é importante descobrir a causa da estomatite. 

Às vezes, não é preciso tratar, pois o próprio sistema imune dá conta. No entanto, algumas alergias e infecções precisam de tratamento.

A depender da causa da estomatite, as opções mais comuns de tratamento tópico incluem:

  • Corticosteroides que reduzem a inflamação e aliviam a dor;
  • Antibióticos que tratam infecções bacterianas;
  • Antissépticos para manter a higiene local;
  • Anestésicos na forma de pomadas que controlam a dor.

Manter-se bem hidratado também é importante para evitar a boca seca, já que a salivação é essencial para proteger a mucosa oral de novas inflamações.

Portanto, a estomatite é um problema bem fácil de resolver. Mas se a sua inflamação não melhorar em 2 semanas ou for muito recorrente, procure um médico ou dentista para entender o que está acontecendo e tratar da melhor maneira possível.

  Continua Depois da Publicidade  

Fontes e Referências Adicionais

Você já teve estomatite? Quais foram os sintomas? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Marcos Marinho

Dr. Marcos Marinho é especialista em Gastroenterologia, Endoscopia Digestiva e Ultrassonografia - CRM 52.104130-4. Formou-se em Medicina pela Universidade do Grande Rio (Unigranrio) e é pós-graduado em Gastroenterologia pelo IPEMED. Realizou cursos de ultrassonografia geral e intervencionista pela Unisom, ultrassonografia musculoesquelética e Doppler pelo CETRUS. Atualmente, é pós-graduando de Endoscopia Digestiva pela Faculdade Suprema de Juiz de Fora-MG. No momento, atua em vários municípios do estado do Rio de Janeiro como na capital, Niterói, Magé e Araruama. Dr. Marcos Marinho tem experiência em setores variados de sua especialização e continua em constante aprendizado e evolução para ser uma referência da área. Para mais informações, entre em contato através de seu Instagram oficial @drmarcosmarinho

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário