Alimentos com silício

28 Alimentos Ricos em Silício

Silício é um mineral encontrado naturalmente no ambiente e o segundo elemento mais comum na crosta externa da Terra. Este elemento é importante por desempenhar uma variedade de funções quando se trata da saúde. A maioria do silício existe em uma forma que é absorvível. No entanto, alguns alimentos contêm quantidades significativas de dióxido de silício, que pode ser utilizável no organismo.

O silício é essencial para fortalecer os ossos, melhorar a saúde da pele e tornar as articulações mais flexíveis. Incluir alimentos ricos em silíco em sua dieta pode aumentar a absorção de cálcio e vitamina D. O corpo humano contém aproximadamente 7 gramas de silício, que está presente em vários tecidos e fluidos corporais. O silício nos tecidos é normalmente ligado a glicoproteínas, tais como a cartilagem, enquanto que o silício no sangue é quase inteiramente encontrado como ácido ortosilícico livre ou ligado a pequenos compostos.

A exigência biológica de silício para o corpo foi demonstrada pela primeira vez por Edith Carlisle e Klaus Schwarz em experimentos com ratos e galinhas que foram alimentados com dietas baixas em silício. Estas experiências demonstraram que a deficiência nutricional de silício provoca deformidades esqueléticas, tais como anormalidade do crânio e estrutura de osso longo, bem como juntas mal-formadas com o decréscimo do conteúdo de cartilagem. A análise bioquímica detalhada revelou que o silício é um nutriente essencial para a integridade estrutural e desenvolvimento do tecido conjuntivo. A substância também é utilizada para reforçar cabelos, unhas e pele.

Silício na dieta

A ingestão diária de silício é estimada entre 20 a 50 mg, sendo que os menores consumos estão associados a dietas à base de animais e maiores consumos associados a dietas vegetarianas. As plantas absorvem ácido silicílico do solo e convertem em silício polimerizado. Alimentos ricos em fibras, como cereais, aveia, farelo de trigo e legumes, são também os principais alimentos ricos em silício. Uma dieta desequilibrada com uma oferta limitada de legumes, frutas e cereais trará baixa concentração de silício, levando à sua deficiência e possíveis problemas nos ossos.

Enquanto alimentos integrais são uma boa fonte natural de silício, a maior parte deles são considerados insolúveis e não podem ser diretamente absorvidos no trato gastrointestinal. O silício presente nos alimentos é solubilizado pelo ácido gástrico em ácido silicílico, que é absorvido diretamente através da parede do estômago e do intestino e levado até o sangue.

A baixa acidez do estômago, seja por motivo de doença ou idade, diminui a capacidade do organismo metabolizar o elemento a partir de alimentos ricos em silício. O envelhecimento é associado a um aumento do pH gástrico. Dessa maneira, idosos terão uma diminuição da capacidade de converter silicatos dietéticos em ácido silicílico biodisponível. O refinamento e processamento de alimentos, que remove as fibras contendo silício, contribui para a deficiência de silício. Além disso, muitos dos aditivos utilizados na indústria de alimentos interfere na absorção de silício.

Na verdade, estes aditivos podem aumentar o pH gástrico e, assim, diminuir a taxa de hidrólise de silício dietéticos, promover a polimerização de ácido silicílico e sais minerais quelatos, os quais são, em seguida, eliminados através do trato intestinal, sem absorção pelo organismo. A extensa reutilização dos solos e a aplicação de agrotóxicos diminui o fornecimento de ácido silicílico nas plantas. As culturas resultantes têm uma estrutura menos rígida devido à diminuição da biossíntese de fibras epidérmicas e células específicas que contêm estruturas de silício.

Por conseguinte, estas culturas terão uma concentração de silício inferior e contribuem menos para a ingestão de silício em comparação com culturas que foram cultivadas em um solo natural. Tendo em vista todos esses fatores, sabe-se que a suplementação de silício pode ser útil para uma dieta completa e equilibrada, caso não seja possível obter isso através dos alimentos ricos em silício.

Plantas

Apesar do silício não ser considerado um nutriente essencial e não ter uma dose diária recomendada pelos órgão de saúde, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar recomenda um limite diário de 700 mg. O adulto médio consome entre 20 e 50 mg de silício por dia. Em geral, as plantas contêm silício, uma vez que o mineral se encontra ausente em alimentos de origem animal. Dependendo de onde você vive, sua água potável pode ser uma fonte natural de silício em sua dieta. A cerveja também oferece amplas quantidades de silício, possivelmente derivados dos grãos utilizados durante a fabricação.

Variedade de alimentos

O dióxido de silício ajuda a minimizar os efeitos nocivos do alumínio e combater a doença de Alzheimer. O dióxido de silício também contribui para a formação do osso saudáveis e retarda o envelhecimento. Os níveis de silício diminuem com a idade, fazendo com que as suas necessidades dietéticas de silício aumentem.

Para garantir os níveis ideais, deve-se optar por consumir uma variedade de alimentos ricos em silício, incluindo alfafa, beterraba, arroz integral e aveia. Pimentão, soja e vegetais de folhas verdes também fornecem grandes quantidades deste nutriente. Outras fontes ricas em dióxido de silício incluem aspargos, alcachofra, salsa, sementes de girassol e cascas dos grãos, como de cevada, aveia, milho e trigo.

Bebidas

Bebidas como a cerveja, café e água são as principais fontes alimentares de dióxido de silício para a pessoa média, fornecendo cerca de 55% da ingestão diária. Grãos fornecem 14% e vegetais contribuem com cerca de 8% do consumo de alimentos ricos em silício por pessoa média. O silício beneficia a saúde, mantendo os tecidos saudáveis e prevenindo o envelhecimento da pele e articulações; no entanto, alimentos modernos são deficientes em dióxido de silício, devido ao esgotamento do solo. 

Ervas e algas

Algumas ervas como a cavalinha fornecem uma rica fonte natural de dióxido de silício tradicional e seu uso é indicado para obtenção de uma pele, unhas e cabelos mais saudáveis. Alguns tipos de algas contêm também níveis consideráveis de silício absorvível e são utilizados na preparação de suplementos de silício.

28 Alimentos ricos em silício 

  1. Pimentão;
  2. Soja;
  3. Aveia;
  4. Arroz integral;
  5. Cevada;
  6. Vagem;
  7. Maçã;
  8. Laranja;
  9. Uva passa;
  10. Pepino;
  11. Cânhamo;
  12. Erva cavalinha;
  13. Manjerona;
  14. Espinafre;
  15. Rabanete;
  16. Alface;
  17. Tomate;
  18. Beterraba;
  19. Amendoim;
  20. Amêndoas;
  21. Sementes de girassol;
  22. Abacaxi;
  23. Manga;
  24. Coentro;
  25. Lentilha;
  26. Banana;
  27. Tangerina;
  28. Frutas secas.

Você acredita que tem consumido um nível correto de alimentos ricos em silício para o seu organismo? Quais são os seus preferidos? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (12 votos, média: 4,08 de 5)
Loading...
Publicidade
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)




ARTIGOS RELACIONADOS

Publicidade

3 comentários

  1. Ana leticia silva de souza

    Banana, abacaxi ,manga ,tangerina .abacate

  2. Arroz integral, tomate, pepino, manga, amendoim, abacaxi ,aveia, laranja

  3. Frutas secas,aveia,frutas em geral..
    esqueceram de colocar cenoura aí,ela tem muito silício.

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*