Componente da Casca da Maçã Pode ser Segredo para Perder Peso

Um novo estudo em ratos descobriu que o ácido ursólico, um composto naturalmente presente na casca de maçã, protegeu parcialmente os animais contra a obesidade e alguns dos seus efeitos prejudiciais, como a pré-diabetes e a doença hepática gordurosa.

O pesquisador principal Christopher Adams, da Universidade de Iowa (UI), nos Estados Unidos, e seus colegas disseram que, apesar de descobrirem que ácido ursólico aumentou o músculo esquelético e a gordura marrom nos ratos, o que, por sua vez, aumentou a queima de calorias, não se pode dizer ainda que o mesmo aconteceria nos seres humanos.

A equipe escreveu sobre as descobertas em um artigo publicado online na PLoS ONE em 20 de junho.

Eles descrevem como descobriram recentemente que “o ácido ursólico aumenta a atividade da proteína Akt do músculo esquelético e estimula o crescimento muscular em camundongos não obesos”.

A Akt é uma proteína que desempenha um papel importante em vários processos celulares, incluindo a queima de glicose para produzir energia.

O músculo é um queimador eficiente de calorias, então isso pode explicar a obesidade reduzida nos ratos tratados com ácido ursólico, sugerem os pesquisadores.

Em declaração à imprensa, Christopher Adams, que é professor associado de medicina interna e docente no Centro de Pesquisa de Fraternidade do Centro de Pesquisa de Diabetes na Universidade de Iowa, disse que esse tipo de pesquisa é importante porque ajuda a desenvolver maneiras de tratar o desperdício de músculos.

“Neste estudo, testávamos o ácido ursólico em camundongos em uma dieta rica em gordura – um modelo obeso e com síndrome metabólica dos ratos. Mais uma vez, o ácido ursólico aumentou o músculo esquelético”, disse Adams, acrescentando que “Curiosamente, também reduziu a obesidade, pré-diabetes e doença hepática gordurosa”.

Adams disse que os pesquisadores ficaram surpresos ao descobrir que o composto também aumentou a gordura marrom, outro tipo de tecido que é muito útil para a queima de calorias. Isso sugere outra razão pela qual o ácido ursólico pode ter ajudado a proteger os ratos da obesidade.

Para o estudo, a equipe alimentou dois grupos de ratos com a mesma dieta rica em gordura por várias semanas, sendo que um deles também foi alimentado com suplementos de ácido ursólico.

Eles descobriram que os ratos cuja dieta incluía ácido ursólico realmente comiam mais, mas ganharam menos peso e seu açúcar no sangue permaneceu em níveis quase normais, mesmo que eles não fossem mais fisicamente ativos do que o grupo não suplementado.

Também não havia sinais de doença hepática gordurosa no grupo que consumia ácido ursólico. O fígado gorduroso, comumente associado à obesidade, é uma condição intratável que atualmente afeta aproximadamente 1 em cada 5 adultos nos Estados Unidos.

Quando examinaram os ratos, os pesquisadores descobriram que os que consumiam ácidos ursolico tinham mais músculo esquelético, o que aumentou sua força e resistência, e eles também tinham mais gordura marrom do que os ratos do grupo não suplementado.

E quando pesquisaram a energia que os ratos haviam usado, eles descobriram que o grupo de ácido ursólico queimava mais calorias do que o grupo não suplementado.

Os pesquisadores concluíram:

“Estes dados suportam um modelo em que o ácido ursólico reduz a obesidade, a intolerância à glicose e a doença hepática gordurosa, aumentando o músculo esquelético e a gordura marrom, e sugerem que o ácido ursólico tem uma abordagem terapêutica potencial para obesidade e doenças relacionadas a ela”.

Foi apenas recentemente, devido aos avanços na tecnologia de imagem, que os cientistas descobriram que os adultos humanos têm gordura marrom, depositada em pequenas quantidades no pescoço e entre as omoplatas.

Estudos recentes ligaram níveis mais elevados de gordura marrom a níveis reduzidos de obesidade e níveis mais saudáveis de gordura e açúcar no sangue, o que levou alguns a sugerirem que ela talvez também possa prevenir obesidade e diabetes.

Anteriormente, pensava-se que apenas os bebês tinham gordura marrom e que ela desaparecia gradualmente durante a infância.

Para Adams, “a gordura marrom é benéfica e as pessoas estão tentando descobrir maneiras de aumentá-la”.

“Neste ponto, não sabemos como o ácido ursólico aumenta a gordura marrom, ou se ele aumenta a gordura marrom em ratos saudáveis e, o mais importante, não sabemos se o ácido ursólico irá beneficiar as pessoas. Nosso próximo passo é determinar isso”, acrescentou.

Você costuma consumir bastante maçã? Acredita que esse componente presente em sua casca pode mesmo combater a obesidade em humanos? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 4,50 de 5)
Loading...

Deixe um comentário