Estudo Encontra Relação entre Países com Obrigatoriedade de Vacinação BCG e Redução da Mortalidade para COVID-19

Especialista:
atualizado em 07/04/2020

A pandemia da COVID-19 se espalhou para a maioria dos países do mundo, e curiosamente, o impacto da doença é diferente em diferentes países. Por que países tão próximos, literalmente colados, e com costumes tão parecidos como Portugal e Espanha têm números tão díspares de casos e mortes de COVID-19?

A Espanha, mesmo sendo considerado o país mais saudável do mundo por conta da sua dieta, é o segundo país mais afetado atualmente pelo novo coronavírus, enquanto Portugal segue como um dos menos afetados da Europa Ocidental. Essa foi a pergunta que um grupo de cientistas pode ter feito antes de encontrar uma resposta através de um estudo publicado recentemente na Medrxiv.

  Continua Depois da Publicidade  

Muitas dessas diferenças são atribuídas a diferenças culturais, esforços de mitigação e infraestrutura de saúde. No entanto, os pesquisadores descobriram que as diferenças no impacto do COVID-19 podem ser parcialmente explicadas pelas diferentes políticas nacionais relacionadas à obrigatoriedade ou não da vacinação infantil Bacillus Calmette-Guerin (BCG).

“Há relatos de que a vacinação com BCG oferece ampla proteção às infecções respiratórias”, lembrou Gonzalo Otazu, pesquisador do Instituto de Tecnologia de Nova York e um dos autores do estudo.

“Analisamos os dados: os países que nunca implementaram uma vacina universal para o BCG estavam sendo duramente atingidos pelo COVID-19, com um alto número de mortes per capita”.

Os pesquisadores compararam um grande número de políticas de vacinação BCG de países com a mortalidade do COVID-19 e descobriram que aqueles sem políticas universais de vacinação BCG (como Itália, Holanda e EUA) foram mais severamente afetados em comparação com países com políticas universais e mais antigas de BCG. 

Isso porque aqueles que iniciaram tardiamente a política universal do BCG (como o Irã, que o fez em 1984) também apresentaram uma alta mortalidade, o que coincide com a ideia de que o BCG protege a população idosa vacinada.

A Itália, o país com o maior número de mortes por COVID-19, nunca aplicou universalmente a vacinação contra tuberculose (BCG). Já o Japão, que registrou apenas 80 mortes por coronavírus e adotou medidas de contenção menos rigorosas, possui uma política universal de vacinação contra a tuberculose.

A pesquisa também poderia explicar a diferença entre o impacto do coronavírus na Europa Ocidental e Oriental, porque as políticas universais de vacinação contra a tuberculose eram amplamente disseminadas nos países da antiga União Soviética (URSS).

Também foi descoberto que a vacinação com BCG reduziu o número de casos relatados de COVID-19 em um país. Essa evidência, juntamente com a mortalidade reduzida, faz da vacinação BCG uma nova ferramenta potencial na luta contra o COVID-19, segundo os pesquisadores.

  Continua Depois da Publicidade  

“Embora tenha sido originalmente desenvolvida para tuberculose e ainda seja administrada a mais de 130 milhões de bebês a cada ano, a BCG também aumenta a capacidade imunológica básica do corpo, ajudando-o a responder mais fortemente aos germes”, disseram os pesquisadores em comunicado.

Enquanto vacinas contra o novo coronavírus estão sendo desenvolvidas no Brasil e no mundo, se os médicos puderem provar que o ensaio clínico foi bem-sucedido, os idosos e outras pessoas vulneráveis ​​ao COVID-19 devido a condições de saúde pré-existentes que podem dificultar o tratamento contra o novo coronavírus podem receber a vacina contra a tuberculose para lidar com futuros surtos da doença.

Os pesquisadores, no entanto, lembram que novas pesquisas médicas ainda precisam ser desenvolvidas e avaliadas e, portanto, os resultados da pesquisa não devem ser usados para orientar a prática clínica.

Fontes e Referências Adicionais:

Você tem a marca da vacina BCG, tomada nos primeiros dias de vida, no braço ainda até hoje? Acredita nessa relação citada pelos cientistas? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (6 votos, média: 4,50 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Além disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário