Exame HbA1c – O Que é, Resultado Normal e Valores de Referência

Especialista:
atualizado em 22/01/2020

Realizar exames é uma forma de cuidar da saúde, pois através deles é possível descobrir se existem doenças ou chances delas se desenvolverem. O exame HbA1c é um deles, recomendado geralmente para investigar uma suspeita de diabetes tipo 2 ou para trazer informações concretas e acompanhar se a doença está sob controle, para aqueles que já foram diagnosticados.

A diabetes é uma doença grave e crônica que pode causar muitas complicações. Mas descobrir essa condição precocemente pode permitir um tratamento menos invasivo e capaz de evitar o seu desenvolvimento ou agravamento.

Você já fez ou foi orientado a fazer o exame HbA1c? Sabe o que é, o que significa um resultado normal e os valores de referência desse exame? Abordaremos aqui todos esses aspectos para trazer todas essas informações.

Exame HbA1c – O que é?

O exame HbA1c também é conhecido como hemoglobina A1c ou teste de hemoglobina glicada. Ele é considerado um exame de sangue importante e capaz de indicar se existe a probabilidade de desenvolver diabetes, diagnosticar a diabetes tipo 2 e trazer informações concretas para indicar se a diabetes está controlada, para aqueles que já foram diagnosticados.

O exame consegue rastrear os níveis médios de açúcar no sangue dos últimos dois ou três meses. Ele mede a quantidade de glicose que está ligada à hemoglobina, que é uma proteína transportadora de oxigênio nos glóbulos vermelhos.

Quando a glicose se liga à hemoglobina, ela cria uma espécie registro. Suponhamos que sua glicose no sangue estava alta na semana passada ou no mês passado, mas atualmente está normal. Sua hemoglobina irá carregar uma “fotografia” da glicose alta daquele período na forma de mais A1c no sangue.

Se houver muito, você terá um resultado alto HbA1c, mas se estiver normal, os níveis deverão ser mais baixos.

Como é feito o exame de HbA1c?

Para medir o nível de HbA1c de uma pessoa, é coletada uma amostra de sangue do braço do paciente e ela segue para uma análise que produz uma leitura. O exame realizado em crianças pode ser feito com uma única gota de sangue para descobrir a quantidade de hemoglobina A1c presente.

Diferente de outros exames, o HbA1c não requer jejum, oferece períodos longos para que uma análise mais precisa seja feita, e pode ser feito a qualquer hora do dia, tornando o diagnóstico mais fácil e também mais preciso.

Quais são os valores de referência?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda os seguintes valores de referência para o diagnóstico:

  1. HbA1c abaixo de 42 mmol / mol (6,0%): Valores de referência normais.
  2. HbA1c entre 42 e 47 mmol / mol (6,0-6,4%): Pré-diabetes.
  3. HbA1c de 48 mmol / mol (6,5%) ou mais: Diabetes tipo 2.

Resultado

  1. Normal: Ter um resultado normal neste exame significa que não existe uma elevação nos níveis de  HbA1c e é descartada a possibilidade de diabetes. Você está saudável e sem dúvida esse é o melhor resultado de todos.
  2. Pré-diabetes: Um diagnóstico de pré-diabetes significa que existe um risco da condição evoluir para diabetes tipo 2 em aproximadamente 10 anos, caso as medidas para prevenir ou retardar o desenvolvimento não sejam tomadas.
  3. Diabetes tipo 2: Quando é evidenciado um quadro de diabetes tipo 2, antes de confirmar o médico provavelmente irá repetir os testes e até solicitar outros. Se for confirmado, as medidas e intervenções já devem ser imediatas para controlar a doença e impedir que problemas subjacentes se desenvolvam.

Esse exame também é indicado para as pessoas que já fazem o gerenciamento do diabetes tipo 2. Através dos resultados é possível observar se a doença está controlada. O nível “alvo” deve ser decidido junto com o médico, que especificará o mais adequado para cada caso.

Por exemplo, algumas pessoas com diabetes devem manter os níveis inferiores a 7%, porque quanto maior for à hemoglobina A1c, maior o risco de ter complicações relacionadas ao diabetes. Porém, para aqueles com risco de hipoglicemia, pode não ser seguro manter o nível abaixo de 7%, sendo necessário outro percentual mais seguro.

Alguma variável pode interferir no resultado do exame HbA1c?

Ele é considerado um exame confiável, mas algumas variáveis podem interferir nos resultados.

Por exemplo, a gravidez, sangramento excessivo durante um período menstrual e a presença de uma forma incomum de hemoglobina, conhecida como variante da hemoglobina, pode condicionar um resultado impreciso. Além disso, algumas doenças costumam provocar um aumento temporário da glicose no sangue, e as pessoas com anemia podem não ter hemoglobina suficiente para que os resultados do exame sejam precisos.

Outra consideração é ter níveis de açúcar no sangue maiores nas semanas anteriores ao exame de HbA1c por outro motivo, pois como ele analisa um período anterior bem extenso, isso terá um impacto no resultado.

E se o resultado de HbA1c for alto?

Geralmente esses resultados indicam que algo não está normal. Os altos níveis de A1c foram associados a um risco aumentado de alguns problemas de saúde, por exemplo:

  • Doenças cardiovasculares, como acidente vascular cerebral e ataque cardíaco;
  • Doença renal;
  • Dano nos nervos, que podem provocar dormência, formigamento e falta de sensibilidade nos pés;
  • Lesão ocular, que pode progredir para cegueira;
  • Cicatrização mais lenta e maior risco de infecção.

Para os casos em que o diagnóstico apontou a pré-diabetes ou a diabetes tipo 2 recente, saiba que é possível gerenciar adequadamente através de mudanças no estilo de vida, que podem fazer uma grande diferença e até mesmo colocar a doença em remissão, que acontece quando ela não apresenta mais sintomas.

Para aqueles que já têm diabetes há um longo período, e apresentaram resultados de A1c altos, pode ser a hora de começar a tomar uma medicação, ajustar as doses ou mudar a que já está tomando.

Como diminuir os níveis de HbA1c?

O tratamento para diminuir os níveis de HbA1c envolve alterações na alimentação (inclusive essa condição é indiscutível em todos os tipos de diabetes), prática frequente de atividades físicas e em alguns casos a medicação. Confira algumas dicas para colocar cada um desses passos em prática:

– Faça um planejamento

Diante do seu diagnóstico e também das metas que foram estabelecidas pelo seu médico, faça um planejamento. Liste quais os desafios precisa superar, por exemplo, se precisa perder peso, incorporar uma prática de atividades na rotina, melhorar a alimentação e diminuir os níveis de estresse. Liste todos os tópicos e volte com frequência às suas anotações para entender quais foram os seus avanços, assim como as principais dificuldades encontradas.

– Relacione e compartilhe todas as condições e detalhes ligados ao seu estado de saúde

Se você tem diabetes, é importante ter algumas informações acessíveis, como alguns contatos de emergência, relação de medicamentos que toma, todas as instruções médicas que deve seguir, níveis adequados de açúcar no sangue e instruções sobre como e quantas vezes deve testar.

Divida todas essas informações com familiares, amigos e colegas de trabalho, e vá além, diga como eles podem te ajudar se surgir alguma complicação. Manter todos na mesma página sem dúvida será importante para gerenciar situações de emergência, quando necessário.

– Cuide da alimentação

Não tem segredo e nem outra saída, ter uma boa saúde depende muito da alimentação. Existe até uma frase muito popular que diz “você é o que você come” e é a mais pura verdade.

Quando o assunto é pré-diabetes ou diabetes, esse tópico tem uma proporção ainda maior, porque não existe alternativa, se não a de melhorar a alimentação.

Atitudes simples como ingerir menos calorias do que você queima, diminuir a gordura saturada e reduzir a quantidade de alimentos processados no cardápio já ajudam muito. Porém, para gerenciar a diabetes e reduzir os níveis de A1c é preciso monitorar a ingestão de carboidratos.

Aqui as boas escolhas farão toda a diferença, então optar por aqueles ricos em nutrientes, como os grãos integrais, frutas ou batata-doce é o caminho.

Outro detalhe importante é não esquecer de contabilizar a quantidade que está comendo em cada refeição. Para ter uma ideia, a maioria das pessoas precisa de aproximadamente 45 a 60 gramas de carboidratos por refeição principal e cerca de 15 a 30 gramas para cada lanche.

Como esse controle é importante, crie o hábito de anotar tudo o que você come, pois dessa maneira será possível entender onde está errando ou acertando. Isso também pode ajudá-lo a monitorar a ingestão de carboidratos, o que é importante para controlar o açúcar no sangue.

Atualmente muitos aplicativos podem te ajudar, isso torna essa tarefa muito mais fácil, pois você pode fazer os registros em qualquer horário e lugar.

– Defina uma meta de perda de peso

Se você tem pré ou diabetes e está com sobrepeso, perder alguns quilos é essencial para impedir ou controlar a doença. Mas esqueça as dietas da moda, a sua alternativa deve ser a de comer alimentos saudáveis ​​e integrais com baixo teor de gordura e calorias, pois entenda que essa é uma condição permanente e não temporária.

Não tenha pressa, defina sua meta e trabalhe para alcançar e quando atingir estipule outra. Uma mudança de 5 a 10% no peso corporal já diminui as chances de desenvolver problemas e até evitar a diabetes, se seus níveis estão elevados.

– Movimente-se

Aumente seu nível de atividade para baixar seu nível A1c para sempre. Comece com uma caminhada de 20 minutos depois do almoço. Vá aumentando até alcançar 150 minutos de atividade por semana.

Se possível estipule um horário e uma rotina, pois assim será mais fácil incorporar na sua agenda, mas se não conseguir realizar o treino que programou, não deixe de fazer alguma coisa. Tenha em mente que qualquer exercício é melhor que nenhum e até mesmo se levantar por dois minutos a cada hora foi mostrado como eficaz para ajudar a reduzir o risco de diabetes.

Conclusão

Se os seus níveis de HbA1c estão normais significa que a sua saúde está preservada, mas se você recebeu o diagnóstico de pré-diabetes e diabetes tipo 2, utilize todas as ferramentas disponíveis para evitar que a condição evolua ou se agrave.

A alimentação e a prática de atividade física são essenciais para gerenciar os níveis de açúcar no sangue, além de ajudar a emagrecer, o que é benéfico se você está com sobrepeso ou obesidade. Simples atitudes como essas são tão importantes que podem impedir o avanço da doença e até possibilitar uma remissão, em alguns casos. Assuma o controle da situação e não deixe um diagnóstico de diabetes te dominar, sem dúvida esse é o caminho para que você tenha mais saúde e qualidade de vida.

Fontes e Referências Adicionais:

Você teve alguma condição como a diabetes ou pré-diabetes diagnosticada durante um exame HbA1c? O que seu médico receitou? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Dr. Lucio Pacheco

Dr. Lucio Pacheco se formou em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1994. Em 1996 fez um curso de aperfeiçoamento no Hospital Paul Brousse, da Universidade de Paris-Sud, um dos mais especializados na área de transplantes na Europa. Concluiu o mestrado em Medicina (Cirurgia Geral) em 2000 e o Doutorado em Medicina (Clinica Médica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2010. Dr Lucio Pacheco é um profundo estudioso na área de doença hepática e escreveu dezenas de livros e artigos sobre transplante de fígado. Atualmente é médico - cirurgião, chefe da equipe de transplante hepático do Hospital Copa Star, Hospital Quinta D´Or e do Hospital Copa D´Or. É diretor médico do Instituto de Transplantes. Tem vasta experiência na área de Medicina, com ênfase em Transplante hepático, atuando principalmente nos seguintes temas: cirurgia geral, oncologia cirúrgica, hepatologia,e transplante de fígado. Dr. Lucio é uma referência profissional em sua área e autor de artigos científicos e diversos. Para mais informações, entre em contato com ele.

Deixe um comentário