Grávida Pode Comer Gengibre? Faz Mal na Gravidez?

Especialista:
atualizado em 27/12/2019

Uma gestação costuma ser um período especial, porém, também delicado na vida de uma mulher. A gravidez exige uma série de cuidados em prol da saúde da futura mamãe e do desenvolvimento saudável do neném em seu ventre.

Esses cuidados incluem contar com o acompanhamento médico para saber o que pode e o que não pode comer e beber durante os nove meses da gravidez. Até porque é normal que apareçam dúvidas neste sentido ao longo do período.

Por exemplo, você saberia dizer grávida pode comer gengibre? Continue lendo, porque é justamente a respeito disso que vamos conversar mais abaixo!

Será que o gengibre faz mal na gravidez?

Você já ouviu falar do uso do gengibre para lidar com sintomas da gestação? Conforme encontramos, a ingestão oral do alimento aparenta diminuir a náusea e o vômito em algumas mulheres gestantes, e por isso muitas se interessam em saber se grávida pode comer gengibre.

Entretanto, além do gengibre possivelmente trabalhar mais lentamente ou não tão bem quanto medicamentos utilizados para o tratamento da náusea, utilizar qualquer medicação, mesmo natural, durante a gestação é uma grande decisão.

O uso do gengibre na gestação é controverso e, antes de utilizá-lo para lidar com a náusea e o vômito ou para qualquer outra finalidade, a grávida deve discutir os possíveis riscos com o seu médico. Até porque a consulta ao médico é a melhor forma de verificar se o gengibre faz mal na gravidez.

As preocupações a respeito do uso do gengibre durante a gestação

Existe alguma preocupação de que o gengibre possa afetar os hormônios sexuais ou aumentar o risco de ter um neném nascido morto. Também houve um relato sobre um aborto na 12ª semana de gravidez de uma mulher que utilizou o gengibre para lidar com os enjoos matinais.

Por outro lado, a maior parte dos estudos conduzidos em gestantes sugere que uma mulher grávida pode comer gengibre com segurança para lidar com o enjoo matinal sem fazer mal ao bebê.

Além disso, acredita-se que o risco de malformações nos bebês de mulheres que ingerem gengibre não aparenta ser maior do que 1% a 3%. Também não parece existir um risco aumentado de parto prematuro ou baixo peso de nascimento para esses bebês.

No entanto, existe uma preocupação a respeito da possibilidade do gengibre aumentar o risco de sangramento, portanto, alguns especialistas aconselham a não consumir o alimento próximo à data do parto.

Com a existência de alguns riscos, preocupações e relatos de que o gengibre faz mal para gestante, fica ainda mais evidente a necessidade da mulher grávida não utilizar o alimento sem consultar o médico e fazer uso do gengibre sob o acompanhamento do profissional, seguindo as suas orientações em relação ao modo e a frequência de consumo.

Cuidado com os produtos e suplementos à base de gengibre

A respeito do uso de tratamentos alternativos para dor e inflamação, como o gengibre, ao longo de uma gestação, em estudos científicos, as doses de gengibre seco usadas para reprimir a náusea do enjoo matinal eram de 1 mil a 1,5 mil por dia, ingeridas em duas a quatro doses divididas. Não recomenda-se usar doses mais elevadas de gengibre durante a gravidez, particularmente durante os primeiros estágios.

Muitos produtos à base de gengibre se tratam de extratos de gengibre altamente concentrados. Com esses produtos, quando a embalagem diz ‘250 mg’, isso significa 250 mg do extrato. O equivalente à raiz de gengibre seca seria algo entre 2,5 mil mg a 5 mil mg.

Portanto, antes de utilizar qualquer produto ou suplemento à base de gengibre ou de qualquer outra substância, para tratar o seu enjoo matinal ou qualquer outro sintoma da gravidez, consulte o seu médico e confirme com o profissional se você realmente pode usar o produto em questão e em que dosagem e frequência ele pode ser utilizado.

Outros cuidados com o gengibre

Além de saber se o gengibre faz mal na gravidez, é importante que se conheça quais outros cuidados o consumo do alimento exige.

A mestra em bioquímica Naomi Parks alertou que o chá de gengibre não pode ser consumido por pessoas que sofrem com a diabetes e por mulheres que se encontrem no processo de amamentação de seus bebês.

A Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos alerta que pessoas que fazem uso de medicamentos diluidores do sangue (anticoagulantes) devem evitar os suplementos de gengibre e ainda destaca que mulheres que estejam amamentando e pessoas com distúrbios hemorrágicos, condições cardíacas e diabetes também devem evitar os suplementos de gengibre.

Por sua vez, quem tem histórico de problemas na vesícula biliar deve consultar o médico antes de tomar o chá de gengibre.

Com isso, para as mulheres que estiverem amamentando, crianças, adolescentes, idosos e pessoas que têm qualquer doença e condição de saúde, também vale a pena consultar o médico antes de utilizar qualquer forma do gengibre. Para os outros, é importante não exagerar no consumo de qualquer forma da raiz.

De acordo com o que encontramos, a regra geral consiste em não consumir mais do que 4 gramas de gengibre diariamente.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já se perguntou se grávida pode comer gengibre? Tem receio de utilizá-lo durante a gestação por acreditar que faz mal? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (4 votos, média: 4,75 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário