Metotrexato Engorda ou Emagrece? Para Que Serve e Efeitos Colaterais

Especialista:
atualizado em 04/12/2019

Metotrexato, também conhecido como Miantrex CS, é um medicamento conhecido como um agente citotóxico, ou seja, que causa a destruição celular e inibe a multiplicação das células e o crescimento das neoplasias – tumores que se dão pelo crescimento do número de células, como informou o Instituto Nacional do Câncer (INCA). As informações são da bula do remédio disponibilizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Para que serve Metotrexato?

Miantrex CS/Metotrexato é indicado para o tratamento de alguns tipos de tumores como:

  • Neoplasias trofoblásticas gestacionais – coriocarcinoma uterino, corioadenoma destruens e mola hidatiforme, que são tumores relacionados à gestação;
  • Leucemias linfocíticas agudas – câncer das células brancas (leucócitos do sangue);
  • Câncer pulmonar de células pequenas;
  • Câncer de cabeça e pescoço – carcinoma de células escamosas;
  • Câncer de mama;
  • Osteossarcoma – tumor maligno dos ossos;
  • Linfoma (câncer no sistema linfático) ou leucemia meníngea, usado no tratamento e na profilaxia (medidas de prevenção);
  • Linfomas não-Hodgkin e linfoma de Burkitt;
  • Tumores sólidos inoperáveis, utilizado na terapia paliativa.

Além disso, o medicamento também pode ser usado nos casos de psoríase grave, que é uma doença inflamatória descamativa da pele, em que a condição for severa, resistente e incapacitante. As informações são da bula disponibilizada pela Anvisa.

Metotrexato engorda ou emagrece?

Para descobrirmos se Metotrexato engorda ou se a substância está associada ao emagrecimento, o que devemos ver primeiramente é verificar o que consta na bula do medicamento Miantrex CS/Metotrexato, que foi disponibilizada pela Anvisa.

E, de acordo com as informações contidas no documento, não temos como afirmar que o remédio provoca a elevação do peso porque a lista de efeitos colaterais não menciona nenhuma reação que possa causar isso de maneira direta.

Então, se não dá para dizer que o Metotrexato engorda com base na bula, será que isso significa que o Metotrexato emagrece, então? Pois bem, conforme os dados da bula de Miantrex CS/Metotrexato, isso é sim uma possibilidade.

Isso porque a lista de efeitos colaterais do remédio apresenta o apetite reduzido, que pode levar ao emagrecimento, como um dos distúrbios gastrintestinais que podem aparecer como uma reação adversa em decorrência do uso do medicamento.

No entanto, o efeito é classificado na categoria dos incomuns, que ocorrem entre 0,1% a 1% dos pacientes que seguem um tratamento com o remédio. Portanto, o medicamento pode até emagrecer, porém, não é esperado que o efeito seja observado com uma frequência tão alta.

Caso você venha engordar ou emagrecer no decorrer do tratamento, informe o seu médico a respeito do problema para que ele saiba a melhor maneira de como proceder. Lembrando que especialmente por estarmos falando de um remédio usado no tratamento de doenças graves, é essencial que o médico saiba integralmente como o corpo reage.

E nada de querer usar Miantrex CS/Metotrexato para emagrecer, ok? As chances de ter sucesso neste sentido são baixas e o medicamento traz uma série de efeitos colaterais que podem ser perigosos para a saúde, como você verá no tópico a seguir.

Se já existem os riscos quando há o acompanhamento do médico, imagina só como eles podem ser graves sem a orientação do profissional?

Efeitos colaterais 

Agora que já analisamos se o Metotrexato engorda ou emagrece, podemos ver, de acordo com a bula disponibilizada pela Anvisa, que ele pode provocar os seguintes efeitos colaterais:

  • Síndrome de lise tumoral – sintomas causados pela destruição das células do câncer em pacientes com rápido crescimento de tumores;
  • Reações de pele severas, ocasionalmente fatais, como a síndrome de Stevens-Johnson (reação alérgica grave com bolhas na pele e mucosas), a necrólise epidérmica tóxica (também chamada de síndrome de Lyell, descamação grave da camada superior da pele) e o eritema multiforme (manchas vermelhas, bolhas e ulcerações em todo o corpo);
  • Hepatotoxicidade (toxicidade no fígado), fibrose hepática e cirrose, geralmente somente após o uso prolongado;
  • Doença pulmonar;
  • Derrame pleural – acúmulo excessivo de líquido na cavidade pleural;
  • Pneumonia intersticial aguda ou crônica – pneumonia que afeta o tecido do pulmão;
  • Agravamento de doença pulmonar subjacente;
  • Diarreia;
  • Estomatite ulcerativa – inflamação da mucosa da boca;
  • Aumento do risco de necrose (morte) dos tecidos moles e dos ossos (osteonecrose) quando utilizado de maneira concomitante à radioterapia;
  • Linfomas malignos em pacientes recebendo baixas doses do remédio;
  • Infecções sérias ou fatais;
  • Sinais e sintomas pulmonares como tosse seca não produtiva, febre, dor torácica, tosse, falta de ar, hipoxemia (insuficiência de oxigênio no sangue), infiltrado na radiografia torácica e pneumonite (infecção pulmonar) como indicadores de lesão potencialmente perigosa no pulmão;
  • Leucoencefalopatia – um tipo de infecção cerebral cuja incidência é aumentada pela combinação de radiação craniana com o metotrexato intratecal (região situada no interior das medulas ou meninges que envolvem a medula);
  • Calcificações microangiopáticas;
  • Síndrome neurológica aguda temporária com manifestações como anormalidades comportamentais e sinais de foco motossensoriais como cegueira temporária e reflexos anormais;
  • Toxicidade do sistema nervoso central, que pode ser progressiva e fatal – aracnoidite (inflamação da membrana que recobre o sistema nervoso central) química aguda caracterizada por cefaleia (dor de cabeça), dor nas costas, rigidez da nuca e febre ou; mielopatia subaguda caracterizada por paraparesia (dificuldade de movimentação dos membros inferiores, conforme o CCM Saúde)/paraplegia associada com o envolvimento de uma ou mais raízes do nervo espinhal ou; leucoencefalopatia crônica manifestada por convulsão, irritabilidade, sonolência, ataxia (perda de controle muscular em movimentos voluntários), demência, convulsões e coma;
  • Encefalite aguda (inflamação ou infecção no cérebro) e encefalopatia aguda (doença cerebral, segundo o medwob.com) com desfecho fatal pela administração intravenosa e intratecal de Miantrex CS/Metotrexato;
  • Herniação cerebral em pacientes com linfoma periventricular de sistema nervoso central pela administração intratecal do remédio;
  • Reações adversas neurológicas severas que variam de cefaleia à paralisia, coma e episódios similares ao acidente vascular cerebral (AVC) principalmente em jovens e adolescentes que receberam Miantrex CS/Metotrexato intratecal em combinação com a citarabina intravenosa;
  • Reincidência da dermatite de contato ou queimadura solar;
  • Dano renal;
  • Leucopenia – redução das células de defesa do sangue;
  • Náusea;
  • Desconforto abdominal;
  • Fadiga indevida;
  • Calafrios;
  • Febre;
  • Tonturas;
  • Diminuição da resistência à infecção;
  • Ulcerações da mucosa oral como sinais precoces de toxicidade;
  • Sepse – infecção generalizada no organismo;
  • Pneumonia, inclusive a pneumonia por Pneumocystis carinii;
  • Nocardiose – doença infecciosa provocada por bactérias;
  • Histoplasmose – infecção provocada por um fungo, que atinge principalmente os pulmões, ainda que possa se espalhar pelo corpo, em alguns casos;
  • Criptococose – doença infecciosa causada por um fungo, cujo sintoma mais grave é a meningite;
  • Herpes-zóster;
  • Hepatite por Herpes simplex (o vírus causador da herpes, de acordo com o site Health Line);
  • Herpes simplex disseminada;
  • Infecção por citomegalovírus, incluindo a pneumonia citomegaloviral;
  • Reativação da infecção por hepatite B;
  • Piora da infecção por hepatite C;
  • Linfoma, incluindo linfoma reversível;
  • Insuficiência da medula óssea;
  • Anemia, como a anemia aplástica, caracterizada pela diminuição a produção de glóbulos vermelhos do sangue e a anemia megaloblástica, em que ocorre a produção de glóbulos vermelhos gigantes e imaturos por parte da medula óssea;
  • Trombocitopenia – diminuição das plaquetas, que são as células de coagulação sanguínea;
  • Agranulocitose – ausência de neutrófilos, basófilos e eosinófilos, que são células de defesa;
  • Pancitopenia – redução de todas as células do sangue;
  • Neutropenia – diminuição dos neutrófilos do sangue;
  • Linfadenopatia – ínguas;
  • Distúrbios linfoproliferativos – aumento anormal das células do sistema linfático;
  • Eosinofilia – elevação da concentração de eosinófilos no sangue;
  • Reações anafiláticas (reações alérgicas graves);
  • Hipogamaglobulinemia – alteração na produção de anticorpos;
  • Diabetes;
  • Humor alterado;
  • Disfunção cognitiva temporária;
  • Parestesia – formigamento e dormência;
  • Hemiparesia – paralisia parcial de um lado do corpo;
  • Convulsões;
  • Paresia – perda parcial da motricidade;
  • Disartria – dificuldade para articular as palavras;
  • Afasia – distúrbio na formulação e compreensão da linguagem falada e escrita;
  • Sonolência;
  • Distúrbio dos nervos cranianos;
  • Pressão do líquido cefalorraquidiano (LCR) aumentada;
  • Estupor – alteração do nível de consciência;
  • Visão turva;
  • Alterações visuais graves;
  • Cegueira/perda temporária de visão;
  • Conjuntivite;
  • Pressão baixa;
  • Efusão pericardial – excesso de fluídos no pericárdio;
  • Pericardite – inflamação da membrana que recobre o coração externamente;
  • Eventos tromboembólicos como a trombose cerebral (coágulos sanguíneos no cérebro), a trombose arterial, a embolia pulmonar (entupimento de uma veia no pulmão por conta de um coágulo), a tromboflebite (inflamação da veia com formação de coágulos) e a trombose de veia da retina;
  • Vasculite – inflamação da parede de um vaso sanguíneo;
  • Efusão pleural – acúmulo de líquido na membrana que recobre o pulmão;
  • Fibrose respiratória;
  • Faringe;
  • Doença pulmonar intersticial crônica – inflamação crônica no pulmão;
  • Alveolite – inflamação dos alvéolos pulmonares;
  • Hipóxia – baixo teor de oxigênio no sangue;
  • Pancreatite;
  • Vômito;
  • Ulceração e sangramento intestinal;
  • Melena – fezes escuras em decorrência da presença de sangue;
  • Enterite – inflamação dos intestinos;
  • Gengivite – inflamação da gengiva;
  • Hematemese – vômito acompanhado de sangue;
  • Perfuração intestinal;
  • Peritonite não infecciosa – inflamação da membrana que cobre o abdômen, não causada por agente infecioso;
  • Glossite – inflamação da mucosa da língua;
  • Elevações das enzimas hepáticas;
  • Fibrose crônica;
  • Cirrose;
  • Hepatite aguda;
  • Toxicidade do fígado;
  • Diminuição da albumina sérica, que é uma proteína do sangue;
  • Insuficiência hepática;
  • Perda de cabelo;
  • Erupções eritematosas – pequenas manchas ou elevações avermelhadas na pele;
  • Erosão dolorosa de placas psoriáticas – doença de pele manifestada por manchas e placas;
  • Fotossensibilidade – aumento da sensibilidade em relação à luz;
  • Ulceração cutânea – erosão na pele;
  • Urticária – alergia na pele;
  • Acne;
  • Equimose – manchas arroxeadas na pele;
  • Distúrbios pigmentares – alterações na coloração da pele;
  • Prurido – coceira;
  • Furunculose – aparecimento recorrente de furúnculos;
  • Telangiectasia – dilatação de pequenos vasos;
  • Dermatite – reação alérgica da pele;
  • Petéquias – hematomas no formato de um ponto na pele;
  • Artralgia – dor nas articulações;
  • Mialgia – dor muscular;
  • Osteoporose;
  • Fraturas por estresse;
  • Osteonecrose – morte do osso;
  • Insuficiência renal;
  • Nefropatia – doença do rim;
  • Disúria – dor e dificuldade para urinar;
  • Hematúria – sangue na urina;
  • Azotemia – aumento da quantidade de nitrogênio no sangue;
  • Cistite – inflamação na bexiga;
  • Proteinúria – eliminação de proteínas por meio da urina;
  • Defeitos fetais, aborto e morte do feto;
  • Disfunção menstrual;
  • Comprometimento da oogênese – produção e liberação do óvulo;
  • Comprometimento da espermatogênese – produção e liberação do espermatozoide;
  • Impotência;
  • Infertilidade;
  • Perda da libido;
  • Oligospermia temporária – diminuição do número de espermatozoides no ejaculado;
  • Corrimento vaginal;
  • Disfunção urogenital – nos sistemas urinário e reprodutivo;
  • Nódulo;
  • Morte súbita;
  • Indisposição.

Ao experimentar qualquer efeito colateral em decorrência do uso de Miantrex CS/Metotrexato, esteja a reação contida na lista acima ou não, busque imediatamente o auxílio do médico responsável pelo seu tratamento para saber como proceder.

Isso é fundamental porque, conforme indica a bula do medicamento, se um efeito colateral não for tratado, ele pode evoluir para uma complicação mais grave, prejudicando a saúde do paciente. E isso não é nada desejável, tendo em vista que o remédio é indicado para doenças severas, como já vimos acima.

Contraindicações e cuidados com Metotrexato 

O remédio Miantrex CS/Metotrexato não deve ser utilizado por pessoas que sofrem com hipersensibilidade a qualquer um dos componentes de sua fórmula, mulheres que estejam em processo de aleitamento de seus bebês e em casos de insuficiência renal grave.

Além disso, formulações de metotrexato e diluentes que contenham conservantes não devem ser utilizados em terapia intratecal ou em alta dose de metotrexato. O medicamento também não é indicado para o tratamento de doenças neoplásicas em mulheres que tenham idade fértil.

Exclusivamente em casos de pacientes com psoríase, o remédio é contraindicado em casos de alcoolismo, doença hepática alcoólica ou outra doença crônica do fígado, evidência ostensiva ou laboratorial de síndrome de imunodeficiência e discrasias (alterações) sanguíneas preexistentes, como:

  • Hipoplasia da medula óssea – diminuição da atividade de formação da medula óssea;
  • Leucopenia;
  • Trombocitopenia;
  • Anemia significativa – redução das hemácias, que são as células vermelhas do sangue.

O medicamento também não deve ser utilizado por mulheres que se encontrem grávidas. O tratamento com o remédio deve contar com a supervisão constante e rigorosa de um médico.

Para os pacientes com infecções anteriores de hepatite B ou hepatite C, é necessária a realização de avaliação clínica e laboratorial para a verificação de doença hepática preexistente, de modo que o médico identifique quando o uso do remédio não for apropriado nesses casos.

O uso de Metotrexato exige em pacientes com úlcera péptica (ferida no estômago e/ou parte inicial do intestino) ou colite ulcerativa (inflamação do intestino grosso ou cólon) requer extrema cautela. O tratamento de pessoas com a função renal comprometida também exige extremo cuidado e deve ser realizado com doses em doses reduzidas.

A utilização do remédio com extrema cautela deve acontecer ainda em pacientes com infecções ativas. O médico ainda deve monitorar sinas de neurotoxicidade como irritação da meninge, paresia temporário ou permanente e encefalopatia logo após a administração intratecal do medicamento.

Além disso, a dosagem alta de metotrexato recomendada para indivíduos com osteossarcoma requer cuidados meticulosos e a deficiência de folato (vitamina B9) pode aumentar a toxicidade do medicamento.

Os pacientes que são tratados com metotrexato devem evitar a exposição excessiva sem proteção ao sol ou a lâmpadas solares. Durante o tratamento, as lesões de psoríase podem ser agravadas pela exposição concomitante à radiação ultravioleta.

Informe o médico caso esteja usando qualquer tipo de medicamento ou suplemento antes de iniciar o tratamento para que ele identifique se não existem chances de interação entre os dois remédios. Avise-o a respeito das vacinas que for tomar para que ele identifique se não existe alguma contraindicação ou risco nesse caso. Deve-se ainda obedecer a todas as recomendações do médico em relação ao tratamento para não prejudicar ainda mais a saúde que já sofre com doenças graves, como aquelas para as quais Miantrex CS/Metotrexato pode ser indicado.

Os efeitos colaterais do medicamento também podem prejudicar a capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas, fazendo com que a execução dessas atividades torne-se perigosa. As informações são da bula de Miantrex CS/Metotrexato, que foi disponibilizada pela Anvisa.

Você conhece alguém que tenha feito o tratamento e afirme que o uso de metotrexato engorda? Tem receio dos possíveis efeitos colaterais deste medicamento? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (26 votos, média: 3,58 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário