Mulher Mais Gorda da Inglaterra Precisou de Guindaste Para Ser Levada Até o Hospital

Especialista:
atualizado em 30/01/2020

“Ela é apenas uma garota lutando contra um vício.” É assim que Lesley Davis, de 60 anos de idade, se refere a sua filha, Georgia Davis, que com apenas 22 anos pesa mais de 349 kg e é considerada a mulher mais gorda da Grã-Bretanha.

No final de abril, Georgia sofreu uma queda e precisou ser levada para o hospital. Entretanto, por conta de seu grande tamanho, foram necessários dois guindastes, sete carros de polícia, dois carros de bombeiros e 11 médicos para retirar a jovem de sua casa e encaminhá-la ao local apropriado para receber cuidados médicos.

A operação que demorou sete horas para ser realizada e que teve o custo de 10 mil euros – que corresponde a aproximadamente R$ 34,2 mil – deverá ser realizada mais uma vez, assim que a moça for liberada do hospital, dessa vez para trazê-la de volta para sua casa.

Em defesa da filha, que chegou aos 349 kg e ficou impedida de se locomover por conta própria devido a uma alimentação de 13 mil calorias diárias baseada em comidas fast-food e abuso de refeições encomendadas da rua, Lesley afirmou que atualmente a jovem tem consumido basicamente saladas, para conseguir emagrecer.

1A mulher mais gorda da Grã-Bretanha ao lado de sua mãe

Mesmo assim, a mãe admite que de vez em quando Georgia sai da dieta e come as refeições de entrega, salgadinhos e salsicha.

Por conta do costume de pedir comidas em domicílio, os vizinhos apelidaram a jovem de “Princesa do Delivery”. De acordo com eles, a britânica come muitas pizzas, kebabs – espécie de espeto de carne, prato típico da culinária árabe – e lanches do McDonald’s.

No entanto, Leslie nega os comentários maldosos feitos pelos vizinhos em relação a sua filha: “A maioria do que tem sido dito é bobagem. Georgia nem mesmo gosta de kebabs. Como sempre, muitas coisas dolorosas e maldosas estão sendo faladas, mas ela é apenas uma jovem garota esforçando-se para lutar contra um vício terrível”, explicou a mãe em conversa com o tabloide The Sun.

5

Essa não foi a primeira vez em que Georgia precisou sair de casa com a ajuda de um guindaste. Isso já havia acontecido três anos atrás e deixou marcas negativas na vida da jovem. Desde então ela tem tomado antidepressivos e sofre com ataques de pânico e noites sem dormir.

De acordo com sua mãe, ela diz coisas como: “Não, eu não posso lidar com isso. Não posso mais fazer isso”.

Além disso, Leslie também revelou que já ficou no telefone com a filha por mais de uma hora, até que a crise de Georgia passasse. “É de partir o coração”, definiu a mãe.

Leslie divide a casa com a filha e é quem cuida dela. Ela ainda contou que a jovem não anda muito satisfeita com a sua aparência, em parte porque as únicas empresas que produzem roupas que cabem nela ficam nos Estados Unidos.

A trajetória de Georgia

4

Leslie admitiu que quando sua filha ainda era um bebê, ela dava leite condensado para a menina tomar em vez de comida apropriada para um neném. Além disso, conforme Georgia ia crescendo, sua mãe não lhe negava os bolos, biscoitos e salgadinhos que ela pedia, por achar que isso estava saciando a menina. Hoje consciente de que o hábito não é nada saudável, ela alerta outros pais para que não cometam o mesmo erro.

A busca por conforto na comida começou na vida da moça quando ela era bem pequena, logo após a morte de seu pai, vítima de um efisema. Com apenas sete anos de idade, a britânica já pesava em torno de 70 kg.

Na adolescência, aos 15 anos de idade, no ano de 2005, a jovem chamou a atenção pela primeira vez em seu país por estar pesando quase 210 kg, ter 162,5 cm de cintura e já ter desenvolvido diabetes do tipo 2.

100_0690.jpg

Georgia admitiu ter culpa pela situação, mas se justificou explicando que sofre de um vício: “É tão difícil parar de comer. É como uma droga. Algumas pessoas escolhem heroína, mas eu escolhi comida e isso está me matando”, disse.

Em 2009, a moça participou de um acampamento focado em perda de peso nos Estados Unidos, onde ouviu médicos dizerem que se não perdesse 127 kg ela poderia morrer. Sua estadia no local foi bem-sucedida, já que eliminou aproximadamente 92 kg em nove meses.

Entretanto, Georgia não conseguiu manter longe todo o peso que tinha perdido. Ao chegar em casa, ela foi recepcionada com o famoso fish and chips, peixes e batatas fritas, e em 20 meses já estava com 254 kg.

Três anos mais tarde, quando estava com 19 anos, foi que a situação atingiu o seu ponto mais grave: ela chegou a pesar 400 kg e era capaz de consumir sete kebabs de uma vez só.

Agora, tudo o que a mãe de Georgia quer é ver a filha emagrecer e realizando o seu sonho, que é o de trabalhar com crianças.

A previsão é que Georgia fique durante várias semanas no hospital, recuperando-se também de uma infecção causa por retenção de líquido. Segundo uma amiga da britânica, ela passa bem, mas os médicos estão verificando todos os seus problemas de saúde e querem que ela comece a seguir uma dieta especial.

Leslie espera que quando sair do hospital, sua filha possa receber toda a ajuda que necessita para superar o seu vício por comida. “Eu não poderia suportar perdê-la”, desabafou.

Você consegue imaginar como seria viver como essa menina, tão jovem, sem poder se locomover devido ao seu peso? O que você faria se fosse um familiar ou a própria garota agora? Comente abaixo.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Além disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário