Músculo Agonista e Antagonista – Qual a Diferença?

Especialista:
atualizado em 16/01/2020

Em cada movimento executado durante nossos exercícios físicos, os músculos desempenham funções diferentes. E as principais responsáveis pela completa execução do movimento são as funções dos músculos agonistas e antagonistas.

De maneira bem simples, a diferença entre o músculo agonista e antagonista é que eles trabalham em direções opostas durante um exercício. Enquanto um contrai, o outro estica.

Em cada movimento executado durante nossos exercícios físicos, os músculos desempenham funções diferentes. E as principais responsáveis pela completa execução do movimento são as funções dos músculos agonistas e antagonistas. De maneira bem simples, a diferença entre eles é a de que trabalham em direções opostas durante um exercício. Enquanto um contrai, o outro estica.

Embora a definição pareça simples, existem muitas confusões acerca da nomenclatura. Muitos acabam por entender que o músculo agonista é aquele que possui um papel na produção de um movimento, quando na realidade o músculo agonista é somente aquele que pode produzir uma força que acelera um membro em torno do seu conjunto, em uma determinada direção.

Além do agonista e antagonista, outros músculos auxiliares assumem papel importante durante um exercício, garantindo que os músculos agentes do movimento trabalhem mais eficientemente. Estes auxiliares são conhecidos como sinergistas e subdivididos em fixadores e neutralizadores.

Diferenças entre músculo agonista e antagonista

Os músculos agonistas e antagonistas trabalham em conjunto para realizar uma ampla variedade de movimentos e ações. Os músculos agonistas reagem para responder a estímulos voluntários ou involuntários e criar o movimento necessário para completar uma tarefa. O antagonista, por sua vez, atua contrário ao músculo agonista e ajuda a levar o membro exercitado de volta à sua posição de origem após o término do movimento. O músculo agonista sempre contrai para iniciar o movimento e o antagonista estica e alonga permitindo a circulação.

No entanto, só é possível definir o papel desempenhado por cada músculo se for avaliada cada ação, pois um mesmo músculo pode ser agonista em um movimento, e antagonista em outro. Para movimentar de volta a parte do corpo à sua posição normal, o músculo agonista, que iniciou o movimento, se torna o antagonista. As funções então se invertem.

O músculo agonista é também chamado de agente motor, por iniciar a contração necessária para mover um membro. E o antagonista é reacionário. Age alongando e esticando para que o agonista possa completar a ação.

Exemplos

Um exemplo comum de pares agonistas e antagonistas são bíceps e tríceps, que trabalham juntos para completar os exercícios relacionados ao movimento dos braços. Em um exercício de bíceps, como a rosca direta, por exemplo, a ação executada trabalha o bíceps, que nesse caso é o músculo agonista. Por outro lado, o músculo contrário à ação, que faz com que a parte do corpo trabalhada volte ao local inicial, é o tríceps, que nesse caso é o músculo antagonista.

Já no exercício de tríceps, os músculos agonistas e antagonistas invertem, fazendo com que o tríceps seja o músculo agonista e o bíceps o músculo antagonista.

Outro exemplo é o do quadríceps e do grupo muscular isquiotibial, que trabalham em sintonia e em sentido contrário para movimentar a articulação do joelho, assim como executar agachamentos e extensões de perna.

Músculos auxiliares: sinergistas

No entanto, para que o movimento seja perfeito e completo, existem outros músculos que auxiliam principalmente a função do agonista. É o caso dos músculos sinergistas, que participam estabilizando as articulações para que não ocorram movimentos indesejáveis durante a ação principal. Participam de forma ativa do movimento, auxiliando o músculo agonista na execução do movimento. Por isso são ainda conhecidos como “agonistas secundários”. Eles não são responsáveis principais pelo movimento, mas dão o suporte.

Dentro deste grupo de músculos auxiliares, existem ainda subcategorias, que classifica os músculos fixadores ou estabilizadores e os neutralizadores.

Os fixadores agem estabilizando as estruturas vizinhas durante o movimento de ambos os tipos de músculos. Ao fazer flexões no solo, por exemplo, enquanto os agonistas são os músculos extensores do cotovelo, os músculos abdominais atuam como estabilizadores, mantendo o tronco reto, enquanto os braços movem o tronco para cima e para baixo. Eles estabilizam a origem do músculo agonista de modo que ele possa agir mais eficientemente.

Já os músculos neutralizadores, como os fixadores, ajudam a prevenir movimentos indesejáveis. Muitos músculos podem produzir uma força de tração em mais de uma direção, de modo que uma ação indesejada possa ocorrer simultaneamente à desejada. E o papel do neutralizador é de prevenir que isto aconteça.

Em que exercício ou movimento fica mais claro para você a diferença entre o músculo agonista e antagonista? Comente abaixo o seu exemplo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (6 votos, média: 4,83 de 5)
Loading...
Sobre Francisco Santana

Francisco José Santana é personal trainer, formado pela Univer Cidade RJ 2007, com certificação CORE360º treinamento funcional, Certificação Internacional FNS I e II em avaliação funcional, especializações em suplementação nutricional esportiva, Crosstraining - Scientific Sport, Cineantropometria aplicada, Primeiras ações em emergência, Prevenção de Doenças Laborais, Musculação, Ginástica Corretiva, Spinning (Johnny G), Técnica de Tecidos Moles - Miofacial, e Inteligência Emocional - ASICC

Deixe um comentário

1 comentário em “Músculo Agonista e Antagonista – Qual a Diferença?”

  1. O movimento que fica mais claro a explicação sobre os musculos agonistas e antagonistas são o biceps e triceps.