Ubiquinona

Ubiquinona – O Que é, Para Que Serve, Como Usar e Efeitos Colaterais

A ubiquinona é uma substância importante para o nosso corpo que está envolvida principalmente em processos de geração de energia. Apesar de ser naturalmente produzida pelo nosso corpo, nem sempre a ubiquinona está presente em quantidades suficientes para as nossas necessidades metabólicas.

Vamos esclarecer o que é a ubiquinona, para que serve e dar dicas de como usar essa substância na forma de suplementos. Além disso, os efeitos colaterais serão discutidos para garantir que, se você optar por usar esse suplemento, o use com segurança.

Ubiquinona – O que é? 

A ubiquinona é um tipo de benzoquinona lipossolúvel que está envolvida no transporte de elétrons nas mitocôndrias do nosso organismo. Isso significa que ela é uma substância solúvel em gorduras relacionada com processos energéticos que ocorrem nos compartimentos mitocondriais dentro das nossas células.

É comum ver referências à ubiquinona por outros nomes como coenzima Q10 e ubiquinol, mas na verdade elas não são a mesma coisa.

A coenzima Q10 é um suplemento nutricional que atua na produção de energia das células que estão disponíveis em duas formas: ubiquinona ou ubiquinol.

A ubiquinona e o ubiquinol são praticamente a mesma substância e desempenham a mesma função, porém a ubiquinona se concentra no nosso organismo em organelas celulares como o complexo de Golgi, o lisossomo e a mitocôndria. Na mitocôndria, a ubiquinona participa de diversos processos bioquímicos onde pode ser transformada em ubiquinol.

Qual tipo de coenzima Q10 é melhor: ubiquinona ou ubiquinol?

Apesar de desempenharem a mesma função relacionada com a geração de energia, a ubiquinona é menos solúvel em gorduras do que o ubiquinol. Isso faz com que a ubiquinona tenha um efeito mais efetivo em tecidos como músculos e coração, enquanto que o ubiquinol apresenta melhores resultados no sistema nervoso central, principalmente para órgãos como o cérebro, que é composto por gorduras saudáveis.

Assim, se seu objetivo é gerar energia para os músculos, deve optar por suplementos de coenzima Q10 que contêm ubiquinona. Se sua intenção é melhorar funções cognitivas e prevenir ou tratar doenças degenerativas, escolha o ubiquinol.

Tendo esclarecido essa diferença, vamos continuar dando mais detalhes sobre a ubiquinona.

Para que serve 

A principal função da ubiquinona é realmente na geração de energia nas células. Ela está envolvida na produção de trifosfato de adenosina (ATP) que participa ativamente da transferência de energia dentro das nossas células.

De forma natural no organismo, a ubiquinona é produzida e armazenada nas mitocôndrias das células, que são os compartimentos do corpo responsáveis pela produção de energia. As mitocôndrias também atuam protegendo as células de danos oxidativos e de bactérias causadoras de doenças.

Apesar de estar presente em praticamente todo o organismo, a ubiquinona se concentra em órgãos com maiores demandas energéticas como coração, rins, pulmões e fígado.

A medida que envelhecemos, a produção de ubiquinona diminui, deixando o corpo deficiente nessa substância, o que pode prejudicar funções relacionados com os órgãos citados acima. Algumas pessoas mais jovens também podem apresentar baixos níveis de ubiquinona devido a condições como deficiências nutricionais de vitamina B6, defeitos genéticos na síntese ou uso da ubiquinona, doenças mitocondriais, estresse oxidativo ou efeitos colaterais de tratamentos com uso de estatinas.

Quando os níveis de ubiquinona estão baixos, é recomendado que você busque a substância na forma de suplementos. Como ela participa ativamente da produção de energia e também reduz danos oxidativos que resultam em doenças, é interessante fornecer às células níveis adequados de ubiquinona para preservar a saúde e o bem estar.

Existem muitas condições de saúde como doenças cardíacas, diabetes, distúrbios cerebrais e câncer que tem sido associados a baixos níveis de ubiquinona no organismo. Porém, ainda não se sabe ao certo se esses níveis baixos são o que causam a doença ou um resultado dessas condições.

Ainda assim, relatos indicam que mais de 12 milhões de japoneses preferem usar ubiquinonas como tratamento único para cuidar de doenças cardiovasculares. Diversas pesquisas realizadas em países como Japão, Estados Unidos e alguns países europeus como a Rússia sugerem que a ubiquinona é um tratamento eficaz e seguro para tratamento de insuficiência cardíaca, irregularidades no ritmo cardíaco, hipertensão arterial e lesões no músculo cardíaco causados por falta de oxigênio.

Além desses estudos, diversas outras pesquisas mostram que a ubiquinona traz vários benefícios para a saúde, que incluem:

1. Prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares

A ubiquinona parece melhorar os sintomas de insuficiência cardíaca congestiva e auxiliar na redução da pressão arterial elevada. Além disso, estudos indicam que, quando combinada com outros nutrientes, a ubiquinona é capaz de ajudar na recuperação de pacientes que passaram por cirurgias cardíacas como substituição de válvula cardíaca, por exemplo.

A ubiquinona também ajuda a reduzir os níveis de colesterol e de açúcar no sangue, o que ajuda na prevenção contra doenças cardíacas e diabetes.

2. Prevenção de alguns tipos de câncer

Devido ao efeito antioxidante da ubiquinona, o corpo combate de maneira mais efetiva os radicais livres presentes no organismo, protegendo as células de danos e o corpo de doenças.

3. Fortalecimento do sistema imunológico

A presença de antioxidantes em conjunto com o fornecimento de energia são ingredientes ótimos para melhorar o sistema imunológico e prevenir o desenvolvimento de infecções e doenças.

4. Energia

Como já explicado acima, a ubiquinona está diretamente envolvida na produção de energia pelas células. Dessa forma, o uso dessa substância pode melhorar o seu desempenho físico e aumentar sua disposição em geral.

5. Diminuição da fadiga muscular

Alguns estudos mostram que a ubiquinona pode ajudar no alívio de desconfortos gerados por fraqueza muscular.

6. Prevenção e tratamento de doenças neurodegenerativas como o mal de Parkinson

Pesquisas em andamento indicam que altas doses de coenzima Q10 na forma de ubiquinol ou ubiquinona podem ser benéficas para pessoas que são diagnosticadas no estágio inicial de distúrbios que afetam o sistema nervoso e os movimentos, como ocorre no mal de Parkinson, por exemplo.

Como Usar

A ubiquinona pode ser encontrada como um medicamento usado em tratamentos complementares de doenças cardíacas e também como suplemento alimentar.

Mesmo com alguns estudos na área que indicam os benefícios da ubiquinona para tratar condições de saúde, alguns países não permitem o uso da substância como medicamento, apenas como suplemento.

A ubiquinona quando ingerida na forma de suplemento é pouco absorvida pelo organismo, necessitando de doses altas para um absorção adequada. Para se ter uma ideia, em relação ao ubiquinol, que é facilmente absorvido pelo nosso corpo, a ubiquinona precisa ser ingerida em uma dose até 10 vezes maior para que o organismo possa absorver a mesma quantidade de substância.

Dados científicos indicam que a dose diária adequada de ubiquinona pode variar de 10 a 200 miligramas, o que vai depender da sua deficiência nutricional ou da sua condição de saúde. Em suplementos, é comum encontrar comprimidos que contêm 100 miligramas de ubiquinona. Ensaios clínicos cardiovasculares e neurológicos com o composto indicam que a dose máxima diária não deve ultrapassar 300 miligramas por dia.

O indicado é sempre ler as instruções da bula ou as informações presentes no rótulo do fabricante para não usar uma dose muito alta, além de, claro, seguir as orientações do médico.

Efeitos colaterais

Os principais efeitos colaterais e mais comuns relacionados ao uso de ubiquinona incluem desconfortos como náuseas, diminuição de apetite, diarreia e desconforto abdominal ou gástrico. Outros efeitos adversos menos observados incluem insônia e problemas no fígado. Porém, tais efeitos não são tão recorrentes e só costumam ser observados em casos de dosagens muito altas e sem supervisão médica.

A redução dos níveis de açúcar e de colesterol no sangue pode representar um risco para pessoas que usam medicamentos para reduzir o colesterol e para diabetes. O uso de ubiquinona também pode interferir com medicamento anticoagulantes. Por isso, é sempre importante consultar um médico antes de tomar qualquer tipo de suplemento para evitar interações medicamentosas indesejadas.

Dicas

Por fortalecer o sistema imunológico, existem alguns relatos científicos de que o uso de ubiquinona pode diminuir a liberação de histamina em resposta a uma reação alérgica. Assim, a ubiquinona pode ser um tratamento alternativo para quem sofre de alergias como a rinite alérgica, por exemplo.

Além do suplemento, é possível encontrar a ubiquinona em alguns tipos de alimentos, geralmente não em grandes concentrações, mas a substância está presente em alimentos como peixes gordurosos (salmão, atum e sardinha, principalmente), carnes, grãos, óleos de soja e de girassol, azeite de oliva, nozes, abacate e verduras verdes escuras como o espinafre, couve e brócolis.

Após os 30 anos de idade, é bastante comum que o corpo diminua a produção de diversos compostos, incluindo a ubiquinona. Além de buscar a suplementação, é importante manter hábitos saudáveis de alimentação para garantir nutrientes que o corpo necessita. Não hesite em procurar um nutricionista para te ajudar a definir suas reais necessidades nutricionais e realizar a suplementação adequada.

Referências Adicionais:

Você já foi recomendado a tomar algum suplemento com ubiquinona para tratar alguma condição? Como foram os resultados com esta substância? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)



ARTIGOS RELACIONADOS

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*