12 causas da incontinência urinária e o que fazer

Especialista da área:
atualizado em 08/12/2020

A incontinência urinária afeta principalmente a população idosa e traz com ela desconfortos e possíveis complicações de saúde. Conheça as suas causas e saiba então o que fazer para retomar o controle da sua bexiga novamente.

  Continua Depois da Publicidade  

A incontinência urinária é caracterizada pela perda do controle da bexiga, que pode ser total ou parcial. O problema pode ser temporário ou crônico, dependendo da causa. Assim, identificar a causa da incontinência é fundamental para encontrar o tratamento mais eficaz.

Embora seja mais comum em pessoas mais velhas, pessoas de todas as idades podem ser afetadas pela incontinência urinária. Mas não importa a sua idade, a incontinência tem solução e é possível ter uma boa qualidade de vida se você tratar esse problema da forma correta.  

Saiba também identificar os sintomas de infecção urinária e cuidar da infecção, evitando ainda mais desconforto.

Causas da incontinência urinária

Mulher com incontinência urinária

De acordo com o Johns Hopkins Medicine (Instituto de Medicina Johns Hopkins, nos EUA), as mulheres com 50 ou 60 anos para cima são as mais afetadas pela incontinência, embora qualquer pessoa possa sofrer com o problema.

Existem outros fatores que interferem no desenvolvimento da condição. Veja então a seguir quais são as possíveis causas de incontinência urinária:

1. Envelhecimento

As pessoas mais velhas são mais suscetíveis porque os músculos responsáveis por sustentar a bexiga vão enfraquecendo conforme o tempo passa, o que pode contribuir para a incontinência urinária.

Não deixe de conferir o melhor exercício para combater o envelhecimento dos músculos e assim se prevenir contra problemas de incontinência no futuro.

2. Traumas físicos

Os músculos que compõem o assoalho pélvico dão suporte para a bexiga. Qualquer tipo de dano ou trauma físico no local pode resultar na incontinência.

Exemplos de traumas incluem acidentes ou submissão a certos tipos de cirurgia, como por exemplo uma histerectomia, que é uma cirurgia de remoção do útero.

  Continua Depois da Publicidade  

3. Aumento da próstata

A hiperplasia benigna prostática, ou aumento da próstata, é uma causa de incontinência que afeta os homens.

É normal que a próstata aumente de tamanho de acordo com a idade, mas em alguns casos o inchaço na próstata gera uma pressão extra na bexiga, resultando na incontinência.

4. Câncer

Alguns tipos de câncer – como o câncer de próstata ou o câncer de bexiga – podem ser a causa por trás da incontinência. Isso acontece porque, dependendo do tamanho do tumor, ele pode bloquear o fluxo de urina ou pressionar a bexiga, causando problemas.

Até mesmo o tratamento do câncer pode dificultar o controle da bexiga em algumas pessoas e a melhora só é observada ao fim do tratamento.

5. Infecção urinária

Além de ser uma possível complicação da incontinência urinária, a infecção do trato urinário também pode ser a causa do problema. Esse tipo de infecção geralmente irrita muito a bexiga, causando a sensação de urgência para urinar. Em alguns casos, pode resultar na incontinência urinária.

Felizmente, basta tratar a infecção que o contratempo é resolvido. Por isso, confira quais são os remédios mais usados para tratar a infecção urinária.

6. Uso de medicamentos

Certos medicamentos podem causar incontinência urinária como um de seus efeitos colaterais. Por exemplo, remédios para controlar a pressão arterial, relaxantes musculares, sedativos e alguns remédios usados para tratar problemas cardíacos.

7. Abuso de álcool

Fatores associados ao estilo de vida, como por exemplo o uso abusivo de álcool, podem afetar o controle da bexiga.

  Continua Depois da Publicidade  

Além disso, o consumo excessivo de bebidas com cafeína ou outros líquidos que geram um efeito diurético pode causar a perda temporária do controle dos músculos da bexiga.

8. Constipação

O reto fica localizado bem próximo à bexiga e ambos compartilham muitos dos mesmos nervos. Em casos de constipação, as fezes muito duras podem tornar os nervos hiperativos para ajudar na evacuação.

No entanto, os mesmos nervos também podem elevar a frequência urinária e desencadear um quadro temporário de incontinência.

9. Cistite intersticial

A cistite intersticial é um problema de saúde crônico que causa irritação e inflamação na bexiga. Tal inflamação pode causar dor e urgência para urinar, que pode ser acompanhada pela incontinência urinária. Por isso, veja quais são os remédios para cistite mais usados.

10. Gravidez, parto ou menopausa

Durante a gravidez ou após o parto, algumas mulheres também podem experimentar problemas de incontinência, mas nesses casos a condição é geralmente temporária.

Isso ocorre por causa das mudanças hormonais e também devido ao peso do feto que pode pressionar a bexiga e causar a incontinência de estresse. Enquanto isso, no trabalho de parto, os músculos e nervos podem ficar temporariamente danificados e dificultar o controle da urina.

Durante e após a menopausa, as mulheres passam a produzir menos estrogênio, hormônio que auxilia na manutenção do revestimento da bexiga e da uretra. Se esses tecidos estão menos saudáveis, é possível que ocorram problemas de incontinência ou que eles sejam agravados.

11. Problemas neurológicos

Doenças neurológicas como esclerose múltipla, doença de Parkinson, derrame cerebral, lesão na medula ou tumor cerebral, por exemplo, podem afetar os sinais nervosos que participam do controle da bexiga.

12. Obstrução no trato urinário

Por fim, a presença de pedras nos rins ou na bexiga pode obstruir o fluxo de urina e causar a incontinência urinária. Além isso, a presença de tumores ou de qualquer outro tipo de bloqueio é muitas vezes responsável pelos vazamentos da incontinência por transbordamento.

Outras causas e fatores de risco

  • Obesidade: o excesso de peso pode exercer uma pressão extra sobre a bexiga e os músculos que ficam ao redor dela. Tal pressão enfraquece o tônus muscular, o que aumenta o risco de vazamento de urina quando a pessoa espirra ou tosse, por exemplo.
  • Fumo: pessoas que fumam muito geralmente sofrem de tosse crônica, que também é um tipo de esforço que pode levar à incontinência urinária.
  • Idade: conforme já mencionamos, quanto maior a idade, maior é o risco de incontinência já que os músculos da bexiga e da uretra ficam mais fracos com o passar dos anos.
  • Condições pré-existentes: problemas de saúde como diabetes, lesão medular, doença renal, doença neurológica ou acidente vascular cerebral podem influenciar no desenvolvimento de problemas de incontinência.
  • Sexo: as mulheres apresentam um risco maior do que os homens de ter incontinência causada por estresse físico, principalmente quando têm filhos – uma vez que a gravidez e o parto podem contribuir para episódios de incontinência urinaria.
  • Doença da próstata: além do aumento da próstata, os homens que passaram por algum tipo de cirurgia na próstata ou por tratamento radioterápico são mais propensos a sofrer incontinência.

O que fazer

É muito importante procurar um médico para descobrir a causa do problema e saber como tratá-lo.

A incontinência urinária pode ser diagnosticada por meio de vários testes que são solicitados pelo médico conforme a necessidade.

Enquanto isso, o tratamento depende diretamente da causa da incontinência e pode incluir o uso de medicamentos, a prática de exercícios indicados pelo médico ou um procedimento cirúrgico, em casos mais sérios.

Consulte um urologista ou ginecologista para te indicar o tratamento mais adequado para o seu quadro.

Exercícios comportamentais

Tratam-se de exercícios que visam treinar a bexiga para recuperar o controle da micção. Os exercícios devem ser feitos diariamente com muita paciência, pois a recuperação do controle da bexiga é gradual. Os exercícios incluem:

  • Atrasar a urina: o objetivo desse exercício é controlar a vontade de urinar. O paciente deve identificar a vontade de urinar e segurar um pouco antes de ir ao banheiro. Aos poucos, o controle sobre a necessidade de urinar é recuperado.
  • Esvaziar a bexiga duas vezes: nesse exercício, é importante urinar, esperar alguns minutos e urinar novamente. O objetivo é esvaziar totalmente a bexiga.
  • Ter horário para ir ao banheiro: ter um intervalo definido para ir ao banheiro ajuda a evitar acidentes e retomar o controle sobre a bexiga. A pessoa pode definir um alarme para ir ao banheiro de 2 em 2 horas, por exemplo.

Exercícios para os músculos do assoalho pélvico

Conhecidos também como exercícios de Kegel, os exercícios do assoalho pélvico são muito úteis para fortalecer o esfíncter urinário e os músculos do assoalho pélvico – que são os músculos que participam do controle da micção.

Trata-se de um conjunto de exercícios que seu médico pode ensinar e que auxiliam bastante a recuperar o controle da bexiga, principalmente em casos de incontinência urinária de esforço.

Eles consistem basicamente em tentar contrair os músculos da área genital como se você estivesse tentando interromper o fluxo de urinar ou evitar a saída de gases.

Para isso, contraia (ou aperte) os músculos por cinco segundos e depois relaxe por mais cinco segundos. Se você não conseguir contrair os músculos por todo esse tempo, comece com dois ou três segundos e vá aumentando aos poucos.

O ideal é fazer pelo menos 3 séries de 10 repetições por dia. Tais exercícios podem ser feitos a qualquer momento, exceto na hora de urinar, pois isso pode enfraquecer os músculos ao invés de fortalecê-los.

Medicamentos

Os remédios podem ser usados em combinação com os exercícios mencionados acima para auxiliar o paciente a controlar a urina com mais facilidade. Alguns deles são, por exemplo:

  • Anticolinérgicos;
  • Bloqueadores alfa;
  • Estrogênio tópico;
  • Mirabegrona;
  • Antidepressivos.

Dispositivos médicos

Existem dispositivos pensados especificamente para as mulheres que sofrem de incontinência. Dentre eles, destacam-se a inserção uretral e o pessário.

Almofadas ou cateteres absorventes

As almofadas absorventes são encontradas em qualquer farmácia e servem para absorver possíveis vazamentos de urina sem causar constrangimento.

Para casos mais delicados, há ainda cateteres urinários em que um médico acopla um tubo no corpo para que uma bolsa colete a urina.

Terapias intervencionistas

  • Injeções de material de volume: é o caso de aplicação de botox e de outros agentes de volume no músculo da bexiga;
  • Estimuladores nervosos: é um tipo de fio implantado sob a pele da nádega que fica conectado a um nervo responsável pela comunicação entre a medula espinhal e a bexiga (chamado de nervo sacral). O fio funciona emitindo um pulso elétrico que estimula o nervo e ajuda a controlar a bexiga.

Intervenções cirúrgicas

Por fim, as cirurgias costumam ser a última alternativa do paciente. Ou seja, quando nenhum outro tipo de terapia funciona.

Fontes e Referências Adicionais

Você sofre com incontinência urinária por alguma das causas citadas acima? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dr. Lucio Pacheco

Dr. Lucio Pacheco é Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral - CRM 597798 RJ/ CBCD. Formou-se em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1994. Em 1996 fez um curso de aperfeiçoamento no Hospital Paul Brousse, da Universidade de Paris-Sud, um dos mais especializados na área de transplantes na Europa. Concluiu o mestrado em Medicina (Cirurgia Geral) em 2000 e o Doutorado em Medicina (Clinica Médica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2010. Dr. Lucio Pacheco é um profundo estudioso na área de doença hepática e escreveu dezenas de livros e artigos sobre transplante de fígado. Atualmente é médico-cirurgião, chefe da equipe de transplante hepático do Hospital Copa Star, Hospital Quinta D´Or e do Hospital Copa D´Or. Além disso é diretor médico do Instituto de Transplantes. Suas áreas de atuação principais são: cirurgia geral, oncologia cirúrgica, hepatologia, e transplante de fígado. Dr. Lucio é uma referência profissional em sua área e autor de artigos científicos e diversos. Para mais informações, entre em contato com ele.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário