A Dieta do PH – Como Funciona, Cardápio e Dicas

Especialista:
atualizado em 16/04/2020

A dieta do PH virou moda entre astros de cinema como Victoria Beckham, Robbie Williams, Gwyneth Paltrow e Jennifer Aniston. Os defensores desta dieta, também denominada alcalina, argumentam que comer alimentos ácidos – como a carne vermelha – desequilibra o pH do organismo e prepara o terreno para uma saúde debilitada.

Equilibrar o seu pH através de uma dieta é o objetivo dos que aderem a esta estratégia, indicada tanto para a perda de peso como para a prevenção de doenças e retardar o envelhecimento.

Mas o que significa o termo pH?

O potencial de hidrogênio, denominado pH, é uma medida de ácidos e alcalinos através do corpo em uma escala de 0 a 14. As substâncias ácidas variam de 0 a 7; vinagre, por exemplo, tem um pH de cerca de 2,0, o que significa que é ácida. Substâncias alcalinas, enquanto isso, situam-se entre 7 e 14 na escala. O cálcio, que é altamente alcalino, tem um pH de cerca de 10.

No seu estado natural, o corpo é ligeiramente alcalino, oscilando entre 7,35 e 7,45. Isto significa o potencial de hidrogênio e representa a concentração de íons de um elemento nos fluidos corporais, como o sangue.

Para que o organismo funcione de maneira equilibrada, segundo os defensores da dieta, é importante que o corpo esteja alcalino, para poder neutralizar os ácidos provenientes das reações. Caso contrário, podem ocorrer interferências no metabolismo, desregulação do apetite, produção de radicais livres, retenção de líquidos, depósito de gorduras, em especial no abdômen, e redução da liberação do hormônio da saciedade.

Como funciona a dieta do PH?

Como regra geral, se você quiser se ater a uma rigorosa dieta alcalina, cerca de 80% do que você come deve ser de alimentos alcalinizantes, com 20% de ácido. Você deve aplicar a regra a todas as refeições, bebidas e lanches. Para tal, faça escolhas alimentares mais alcalinizantes no centro do seu prato. Estes incluem vegetais, frutas naturais, grãos germinados, amêndoas, lentilhas, tofu e produtos de soja.

Portanto, a dieta do pH não elimina grupos alimentares inteiros de sua dieta. Em vez disso, seguindo o plano proposto, ela induz a escolhas melhores para o seu pH geral. Você ainda pode comer alimentos formadores de ácido, mas você precisa prestar atenção a quantos deles está consumindo.

Para tal é vital saber diferenciá-los:

  • Alimentos alcalinos: legumes, milho verde, óleo de peixe, os peixes de água gelada (salmão e atum), raízes, grãos integrais, figo, mamão, kiwi, amoras, pera, vegetais, amêndoas, inhame, lentilha, melão, brócolis, repolho, maçã, mamão, frutas cítricas e secas, folhas verdes, azeite de oliva, abobrinha, quiabo, chuchu cru, bebidas saudáveis que não contenham cafeína ou açúcar, como suco de vegetal fresco, água destilada, água de limão e chá de ervas;
  • Alimentos ácidos: compostos por alimentos processados, lácteos, chocolate,carnes, álcool, açúcar, café, chá preto, refrigerantes(incluindo água com gás e água tônica), adoçantes, amendoim, grãos e vegetais ricos em amido (trigo, massas e feijão) e farinhas brancas.

tabela-alcalina

A dieta do pH é realmente eficaz para a perda de peso?

Provavelmente. Apesar da dieta do PH carecer de estudos clínicos robustos que examinem o seu potencial de perda de peso, a proibição de alimentos processados e a ênfase em comer grãos integrais, legumes e produtos de soja pode resultar na perda de peso.

Basta contabilizar o “déficit calórico” – comer menos calorias do que o habitual, ou a queima adicional pelo exercício. Esta abordagem também compartilha princípios com o vegetarianismo, no qual os adeptos tendem a comer menos calorias e pesar menos do que os que comem carne.

Enfim, os especialistas em nutrição enfatizam a importância de saciedade, ou o sentimento de satisfação que você já teve o suficiente. Com tantos grãos repletos de fibras integrais e legumes (e sem uma tampa de calorias), você não deve passar fome, se alimentando a cada 3 horas.

A dieta do pH tem benefícios cardiovasculares?

Não está claro porque a pesquisa sobre os benefícios desta dieta é limitada. No entanto, ela incentiva refeições à base de plantas que enfatizam frutas, legumes e grãos integrais. Desde que você elimine – ou pelo menos reduza – alimentos processados e carne vermelha, você pode colher benefícios para o coração. E estudos demonstram que dietas à base de plantas ajudam a manter o colesterol e a pressão arterial sob controle. Isso ocorre em grande parte porque a proteína vegetal é mais rica em fibras do que a proteína animal, com menos gordura e sem colesterol.

Existem riscos para a saúde?

Pessoas com insuficiência renal aguda ou crônica não devem adotar a dieta do pH, a menos que sob a supervisão de um médico. O mesmo vale para as pessoas com problemas cardíacos ou que estão em uso de medicações que afetam os níveis de potássio. O fato dela minimizar o consumo de carnes, ovos e produtos lácteos tem efeito ácido pode comprometer a ingestão de nutrientes essenciais acarretando deficiências nutricionais para seu organismo.

O grupo de carnes e ovos é a principal fonte de proteínas e minerais como ferro, zinco e vitaminas do complexo B. Da mesma forma, ao limitar o consumo de leite e derivados, a dieta prejudica a ingestão de cálcio, mineral fundamental para a saúde dos ossos. Portanto, sempre converse com seu médico antes de fazer grandes mudanças na dieta para uma análise precisa de suas necessidades.

Com exceção destes casos, e considerando percentuais de nutrientes diversos, a dieta é coerente com as recomendações de estudiosos da saúde, a exemplo da recomendação do governo de 20 a 35% das calorias diárias provenientes de gordura, com a qual não haverá problemas para o organismo dos adeptos.

Ainda vale frisar que a dieta do pH está dentro do intervalo aceitável para o consumo de proteína de 17%, em comparação com a percentagem de 10 a 35% que os especialistas recomendam. Já o índice de carboidratos, de 61%, indicado para este plano alimentar, também está entre os 45% e 65% do total das calorias diárias indicados nas pesquisas.

Outros nutrientes essenciais como o sal, recomendado através de 2.300 miligramas de sódio, ou um limite de 1.500 mg, em caso de pessoas mais velhas por exemplo, oferece no menu diário da dieta do pH cerca de 1.440 mg. Fibras, potássio e vitamina D também apresentam índices satisfatórios se comparados entre a dieta do PH e uma refeição habitual saudável.

Qual é o papel do exercício?

A dieta do pH é apenas um padrão alimentar, mas isso não significa que você não deve se exercitar. A atividade física diminui o risco de doenças cardíacas e diabetes, ajuda a manter o peso e aumenta seu nível de energia. A maioria dos especialistas sugere começar com pelo menos 30 minutos de exercício de intensidade moderada – como caminhada rápida – a maioria ou todos os dias da semana.

Sugestão de cardápio

– Café da manhã

  • Opção 1: 300 ml de leite de soja batido com 1/2 mamão, 10 morangos e 2 colheres (sopa) de farinha de linhaça / 1 torrada integral com geléia de frutas sem açúcar;
  • Opção 2: 1 copo de suco verde poderoso (2 maçãs, 1 pepino, 1 folha de couve e 1 pedaço pequeno de gengibre batidos no liquidificador) / Tapioca recheada com geléia sem açúcar e pouca manteiga / 2 ameixas;
  • Opção 3: Suco de maçã com aipo (2 maçãs, 3 aipos e 1 pepino batidos no liqüidificador) / 5 biscoitos integrais / 1 xícara (chá) de chá verde;
  • Opção 4: Mingau de aveia feito com 1 xícara (chá) de leite, 4 uvas passas e 1 maçã / 1 xícara (chá) de chá de camomila.

– Lanche da manhã

  • Opção 1: 1 fruta / 1 xícara (chá) de chá de hortelã gelado;
  • Opção 2: 1 punhado de castanhas de caju sem sal / 2 damascos secos;
  • Opção 3: 1/2 xícara (chá) de salada de frutas com 1 colher (sopa) de farinha de linhaça;
  • Opção 4: 1 copo de suco de melão / 2 fatias de melão batido com as sementes e 1 colher (sopa) de farelo de aveia.

– Almoço

  • Opção 1: 1 peito de frango grelhado / 2 colheres (sopa) de arroz com couve-flor e açafrão / Legumes grelhados (berinjela, pimentão, tomate e cebola) à vontade / Salada de alface, agrião e pepino à vontade temperada com 1 colher (chá) de azeite e ervas desidratadas;
  • Opção 2: 1 filé de peixe cozido / 1 mandioquinha cozida / Couve refogada à vontade / Salada de alface, tomate e couve-de-bruxelas à vontade temperada com 1 colher (chá) de azeite e ervas;
  • Opção 3: 3 almôndegas de frango / 2 colheres (sopa) de arroz com brócolis / Repolho roxo refogado à vontade / Salada de folhas verdes e broto de alfafa à vontade com 3 morangos cortados ao meio e 1 colher (chá) de azeite e ervas;
  • Opção 4: 1 pimentão recheado / 2 colheres (sopa) de salada de lentilha / Salada de folhas verdes, pepino, cenoura ralada, cebola e cogumelos à vontade temperada com 1 colher (chá) de azeite e ervas.

– Lanche da tarde

  • Opção 1: 2 ameixas secas / 1 damasco seco / 3 amêndoas / 1 castanha de caju;
  • Opção 2: 200 ml de leite de soja batido com 1 banana e 1 colher (sopa) de aveia;
  • Opção 3: 8 ovinhos de codorna temperados com azeite e orégano / 1 copo de suco de melancia com gengibre e 1 colher (sopa) de linhaça;
  • Opção 4: 8 azeitonas verdes / 1 xícara (chá) de salada de frutas com 1 colher (sopa) de linhaça.

– Jantar

  • Opção 1: Até 3 pratos (sopa) de creme de brócolis com mandioquinha;
  • Opção 2: Até 3 pratos (sopa) de creme de abóbora com gengibre e alecrim – coloque 2 colheres (sopa) de arroz dentro do caldo;
  • Opção 3: Até 3 pratos (sopa) de sopa de abobrinha / 1 fatia de pão integral com um pouco de azeite e orégano;
  • Opção 4: Até 3 pratos (sopa) de sopa de legumes.

– Ceia

  • Opção 1: 1 copo (200 ml) de limonada adoçada com mel;
  • Opção 2: 1/2 mamão / 1 xícara (chá) de chá de camomila;
  • Opção 3: 1 cacho de uva vermelha / 2 castanhas-do-pará;
  • Opção 4: 2 maçãs aquecidas no forno com um pouco de canela por cima.

Cinco dicas valiosas

1. Hidratação

Muitas pessoas são cronicamente desidratadas e isto traz um enorme impacto sobre a sua qualidade de vida. É fundamental filtrar a água e torná-la alcalina com um pH entre 8 e 9,5. Com base nestas dados recomenda-se:

  • Beber 6 a 18 copos de água por dia.
  • Beber água de limão. Para tal, prepare 2 xícaras de água morna, filtrada com o suco espremido na hora de 1/4 limão. Ele ajuda a limpar o sistema digestivo, inflamar o seu metabolismo e tamponar os ácidos em excesso. Apesar dos limões serem ácidos na sua forma natural, a água de limão, para o corpo, uma vez consumida, torna-se alcalino.
  • Desfrute de chás de ervas orgânicas, tais como Rooibos, hortelã-pimenta e urtiga.

2. Siga o percentual indicado

Consuma os alimentos alcalinos dentro dos 80% de sua alimentação diária e os ácidos em 20%. Se estiver dúvidas de quem é quem, lembre-se que 90% dos alimentos são alcalinos e que estes geralmente são os que fazem bem. A turma dos malvados está nas farinhas brancas, carnes vermelhas, doces, álcool, frituras e gorduras trans.

3. Transição

Leve-a lentamente! Muitas pessoas desistem da dieta do pH dentro de uma semana e, geralmente, após 24 horas. A dieta alcalina não é restritiva em tudo, não é difícil e é muito simples, uma vez que você se acostume com isso.

As pessoas que tentam ser perfeitas desde o primeiro dia perdem a chance de aprender, experimentar e encontrar refeições que funcionam para eles e suas famílias. Eles acabam sentindo fome, fartos e restritos. É muito melhor fazer a transição e chegar lá devagar, aderindo a dieta a longo prazo, em vez de ser perfeito para um dia ou dois e depois cair.

4. Respire

Ao fazer um exercício de respiração simples, uma vez ou duas vezes por dia, você dá ao seu corpo uma enorme ajuda na remoção dos ácidos. Além disso, ele permite que você pare, foque na sua mente, visualize e relaxe, o que também é bem alcalinizante.

Sente-se confortavelmente, feche os olhos e siga este padrão de respiração simples:

  • Respire contando até dois;
  • Mantenha a posição em uma contagem até oito;
  • Respire até quatro;
  • Repita 10 vezes.

5. Suplementos

Esta é uma das partes mais avassaladoras e confusas da dieta do pH para a maioria dos iniciantes. Há tantos suplementos por aí, com promessas diferentes, alegando que uns são melhores do que os outros. Mas sugere-se restringir a:

  • Pó verde: Esta é uma combinação de ervas em pó, frutas, legumes e brotos com foco na grama de trigo e cevada;
  • Água alcalina: Você pode fazer a água alcalina por uma série de maneiras, incluindo através de um ionizador de água ou a adição de limão espremido na hora;
  • Minerais alcalinos: A principal maneira que seu corpo extrai os ácidos é através dos minerais alcalinos como sódio, magnésio, potássio e cálcio;
  • Óleos Ômega: tomar um suplemento de ômega 3 ou de uma mistura de óleos ômega incluindo ômega 3, 6 e 9 é realmente benéfico.

Você já tinha ouvido falar na dieta do pH? Acredita que ela funciona para você? Conhece alguém que é adepto e tenha bons resultados? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (9 votos, média: 4,11 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário