Deficiência de Carnitina na Nutrição Pode Estar Ligada ao Autismo

Especialista:
atualizado em 04/02/2020

Um pesquisador do Baylor College of Medicine encontrou uma ligação entre a deficiência de carnitina e formas leves de autismo.

A carnitina é um aminoácido naturalmente produzido em seres humanos que é fundamental para o desenvolvimento do cérebro, coração, fígado e músculos. Os pesquisadores da Baylor dizem que a falta do nutriente pode desencadear casos leves de autismo.

O estudo, publicado na BioEssays, enfatiza que é necessária uma pesquisa mais aprofundada. Os pesquisadores especulam ainda que a genética e o meio ambiente podem contribuir também para essas formas de autismo.

Os cientistas da Baylor, em 2009, descobriram que cerca de 1 em 350 homens não consegue produzir a carnitina naturalmente. Cerca de 3% desses que não podem produzir o nutriente desenvolvem algum tipo de autismo, de acordo com o estudo.

A carnitina é encontrada em quantidades substanciais no leite materno, leite de vaca, ovos, produtos lácteos e carnes, principalmente a vermelha. No entanto, frutas, sucos, vegetais e cereais têm pouco ou nada de carnitina.

Dr. Arthur Beaudet, que liderou o estudo, afirma que os especialistas devem considerar a adoção de uma Ingestão Diária Recomendada (IDR) do nutriente, que teve uma proposta rejeitada na década de 1980.

Você acredita que deveria aumentar a ingestão diária dos alimentos ricos em carnitina na de seu filho? Conhece alguém que tenha desenvolvido autismo? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 4,00 de 5)
Loading...
Sobre Dr. Alexandre Seraphim

Dr. Alexandre Seraphim formou-se médico pela Universidade do Grande Rio e é pós-graduado em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia. Possui diversos cursos na área de emagrecimento, hipertrofia e medicina ortomolecular que o qualificam ainda mais como um grande especialista da área. Atualmente, exerce sua especialidade em uma clínica localizada na Barra da Tijuca e também em Bangu, ambas no Rio de Janeiro. Para mais informações, entre em contato com ele em sua conta oficial no Instagram (@dr.alexandre.seraphim).

Deixe um comentário