Dieta HCG – Como Funciona, Cardápio, Dicas e Riscos

Especialista:
atualizado em 24/07/2020

Antes de prosseguirmos, cabe ressaltar aqui que o hormônio HCG é autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser utilizado apenas em tratamentos de fertilização. Portanto a sua utilização para outra finalidade que não essa é contra indicada, e se feita sem a prescrição e o acompanhamento médico, se torna bastante arriscada para a saúde.

O conteúdo apresentado a seguir é meramente informativo, sem qualquer recomendação de uso, mesmo porque, como foi mencionado anteriormente, a utilização deste hormônio para uma finalidade diversa da que foi aprovada pelos órgãos competentes, constitui infração sanitária grave passível de punições.

Não há evidências científicas que validem o uso do HCG para emagrecimento, nem aprovação pela Anvisa, nem por agências reguladoras da Europa e dos Estados Unidos.

Então uma vez que esses detalhes tenham sido esclarecidos, vamos agora falar sobre a Dieta HCG.

A dieta HCG é uma daquelas polêmicas e restritivas que prometem emagrecimento mais ligeiro. Surgiu na década de 50, com aplicações de injeções de gonadotrofina coriônica humana (HCG).

Esse hormônio é produzido nas mulheres que são gestantes com a finalidade de ganharem apenas 500kcal por dia, o que é considerado baixíssimo. E esse tipo de dieta tem ganhado espaço no mundo fitness.

Durante a dieta desse hormônio, ocorre uma aplicação de injeções ao longo de 40 dias, sendo uma dose a cada dia, e depois do término das aplicações, a pessoa segue outro determinado cardápio durante 21 dias.

Este método também proíbe o consumo de carboidratos, frituras, doces, gorduras, alimentos processados e não permite a prática de atividades físicas. Descubra como funciona esse hormônio HCG para emagrecer.

O desejo de muitas pessoas atualmente é alcançar o corpo perfeito, uma auto estima elevada e uma boa saúde. Engordar sempre foi o caminho mais fácil e nem todos conseguem se adaptar a levar um estilo de vida saudável. Por isso, algumas pessoas se submetem a procedimentos estéticos perigosos e que podem levar a morte. Conheça os métodos de dieta HCG e bariátrica.

Emagrecer de um jeito rápido e de uma forma que te expõe ao perigo nem sempre é o melhor caminho. Com isso, se você procura esses tipos de procedimentos, a melhor forma de se beneficiar é se consultando com um profissional para atingir o seu objetivo de uma forma saudável. Infelizmente, a mágica não acontece de uma hora para outra, é necessário todo o esforço para o resultado. Para saber como funciona, descubra como emagrecer através das injeções. 

Centrada em um consumo calórico baixíssimo e na utilização de hormônio da gravidez, a dieta HCG é mais uma a prometer uma grande perda de peso em um curto espaço de tempo. Mas será que ela realmente funciona? É o que vamos conferir abaixo.

Saiba mais

Desenvolvida há quase 60 anos, a dieta HCG é um plano para emagrecer que inclui o consumo de poucas calorias – mais especificamente 500 por dia – e a aplicação de uma injeção contendo gonadotrofina coriônica humana (HCG), um hormônio produzido naturalmente pela placenta durante a gestação.

No início da década de 50 o médico inglês Dr. Albert Simeons observou que jovens obesos que recebiam injeções de HCG apresentavam uma redução no apetite e uma diminuição na circunferência abdominal. Ao mesmo tempo em que eliminavam gordura, perdiam pouca massa muscular – embora o peso não se alterasse de maneira significativa.

Com base nessa observação, o Dr. Simeons formulou a teoria de que o HCG foi o responsável por mobilizar a gordura dos quadris e resolveu associar o hormônio a uma dieta altamente restritiva.

O objetivo era obrigar o corpo a utilizar suas próprias reservas de gordura como combustível para as células. O médico obteve o resultado esperado, e seus pacientes começaram a perder peso e reduzir as medidas.

Os defensores da dieta HCG acreditam que a dieta acelera o metabolismo e ajuda a perder grandes quantidades de gordura. Embora existam muitas teorias que tentam explicar o mecanismo por trás da perda de peso em uma dieta como essa, a maioria dos estudos indica que a perda de peso ocorre por causa da baixa ingestão de calorias e não por causa do hormônio em si.

Tratam-se de estudos antigos como por exemplo uma publicação de 1990 do South African Medical Journal que avaliaram que as injeções de HCG e as injeções de um placebo em pessoas que seguiam uma dieta com restrição de calorias surtiram os mesmos efeitos na perda de peso.

Controvérsia

Embora as análises do Dr. Albert Simeons tenham sido publicadas em destacados periódicos científicos, seus colegas de profissão jamais ficaram convencidos da eficácia e segurança da dieta HCG.

Isso porque não existe qualquer comprovação de que o HCG atue no controle do apetite ou então mobilize os estoques de gordura corporal.

Uma meta-análise de 24 estudos desenvolvidos para avaliar a atuação do HCG sobre a perda de peso chegou à conclusão de que:

  • Não há evidência científica de que a gonadotrofina coriônica ajude a emagrecer;
  • O hormônio não causa a redistribuição da gordura;
  • O HCG não reduz o apetite e não aumenta a saciedade.

Como já mencionamos, para os pesquisadores, os efeitos da dieta HCG devem-se à baixíssima ingestão de calorias sugerida pelo Dr. Simeons, e não exatamente pela atuação do hormônio, que teria um efeito placebo.

Segundo uma pesquisa de 2007 do International Journal of Obesity, a perda de peso geralmente resulta em uma redução da massa muscular, principalmente em dietas que restringem muito a ingestão calórica, como é o caso da dieta HCG. 

Ainda assim, os criadores da dieta HCG afirmam que a dieta causa apenas a perda de gordura e não interfere na perda de massa muscular. Eles também acreditam que o HCG aumenta o nível de outros hormônios, acelera o metabolismo e estimula o anabolismo mesmo com a inexistência de evidências científicas que corroborem essas alegações.

Vamos entender melhor o que é o hormônio HCG e se essa dieta traz resultados positivos ou não para a perda de peso. 

Hormônio HCG

A gonadotrofina coriônica é um hormônio encontrado em maiores concentrações no corpo feminino após a fertilização do óvulo.

Pode-se dizer que o HCG serve como estabilizador do meio para que o corpo lúteo (estrutura que auxilia o desenvolvimento fetal) permaneça no ovário nos seis primeiros meses de gravidez e continue a produzir progesterona.

Quando o óvulo é fecundado há um aumento na concentração de HCG no sangue e na urina, parâmetros que são analisados através de kits de farmácia destinados a confirmar uma possível gravidez.

Trata-se de um hormônio à base de proteínas que ajuda a manter a produção de hormônios importantes como a progesterona e o estrogênio que, segundo um estudo de 2008 publicado na revista Human Reproduction, são cruciais para o desenvolvimento do feto durante os primeiros meses da gestação.

Se habitualmente o corpo contém até 5mUI/mL de HCG na circulação, nos primeiros três meses da gestação esse valor pode passar de 300.000 mUI/mL.

Como funciona a dieta HCG

De uma forma geral, os adeptos da dieta HCG alegam que a dieta aumenta o metabolismo e promove a perda de gordura sem aumentar o apetite. Para promover essa perda de peso, a dieta é dividida em basicamente três fases, que incluem:

– Fase de carregamento: essa é a fase em que as injeções de HCG começam e que a pessoa deve focar na ingestão de alimentos ricos em gordura e em calorias por dois dias.

– Fase de perda de peso: as injeções d e HCG continuam e a dieta é restrita para cerca de 500 calorias por dia durante um período de 3 a 6 semanas.

– Fase de manutenção: nessa fase, as injeções de HCG são interrompidas e a ingestão calórica pode ser aumentada de forma lenta e gradual desde que sejam evitados alimentos ricos em açúcar e em amido por pelo menos três semanas.

Podem ser feitas adaptações no consumo calórico diário e também no tempo que deve durar cada uma das etapas. Por exemplo, quem quer perder pouco peso pode ficar três semanas na fase de perda de peso enquanto que quem precisa de uma perda de peso mais significativa pode permanecer por até seis semanas nessa etapa ou até repetir todas as fases do ciclo mais de uma vez.

Geralmente, a dieta funciona bem com duas refeições diárias na fase de perda de peso. Mas nos intervalos é possível beber água a vontade além de café e chá.

Após muitos anos prescrevendo tratamento para obesidade com base na combinação dieta + HCG, o Dr. Simeons criou dois tipos de protocolo de acordo com a meta de perda de peso:

– Para quem precisa perder até 7 kg

  • De 125 a 500 UI/dia de HCG diariamente por 23 dias;
  • Alimentação bastante calórica durante dois primeiros dias da dieta;
  • Iniciar dieta de 500 calorias ao dia no terceiro dia de HCG e continuar por 26 dias;
  • Período de três semanas para readaptação à alimentação normal.

– Para aqueles que desejam perder mais de 7 kg

  • HCG diariamente durante 40 dias (excetuando-se o período menstrual);
  • Alimentação bastante calórica durante dois primeiros dias da dieta;
  • Dieta de 500 kcal/dia após terceiro dia de hormônio;
  • Fazer a dieta hipocalórica por 43 dias consecutivos;
  • Utilizar as três semanas após o final da dieta para reintroduzir mais alimentos ao cardápio; No início dar preferência às proteínas e gorduras saudáveis e limitar o consumo de carboidratos;
  • Caso elimine mais de 17 kg antes dos 40 dias é recomendável interromper a dieta.

De maneira semelhante, quem pretende perder mais de 17 kg deve esperar pelo menos seis semanas antes de reiniciar a dieta HCG.

Um estudo publicado em 2012 no Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism indica que dietas muito restritivas nem sempre são eficazes pois em um certo ponto o corpo pensa que está passando fome e passa a queimar menos calorias para economizar energia, o que reduz o metabolismo. Mas como a restrição na dieta HCG dura apenas algumas semanas, o criador da dieta garante que ela funciona.

Dieta HCG detalhada

Como vimos acima, o Dr. Simeons dividiu a dieta HCG em três ou até quatro fases distintas: fase de carregamento, fase 2, fase de transição e fase de estabilização do peso.

Entenda com mais detalhes como cada uma delas funciona:

– Fase inicial

A primeira etapa da dieta HCG dura dois dias e começa com a aplicação do hormônio e a pesagem inicial. Nestas 48 horas a pessoa irá tomar o hormônio por duas vezes, mas não irá fazer dieta restritiva.

Na realidade, a pessoa deverá fazer o contrário: para preparar o corpo para o período de restrição calórica que se seguirá, ela deve consumir o máximo que puder de alimentos altamente calóricos, como abacate, nozes, ovos, creme de leite, carne, pizza – e evitar os açúcares se possível.

A ideia aqui é preencher as células de gordura com o máximo de ácidos graxos que ela comportar, pois assim (supostamente) o corpo recebe a mensagem de que já tem gordura suficiente e não deve armazenar mais nada.

Ainda na manhã do primeiro dia não se deve esquecer de pesar-se, tirar as medidas e até mesmo fazer fotos para comparação ao final da dieta.

– Fase 2

Após os dois primeiros dias de “engorda” é chegada a hora de cortar as calorias e focar nos objetivos. A pessoa deve continuar com a aplicação do hormônio, mas reduzir sua ingestão calórica para 500 kcal ao dia e continuar assim até conquistar o peso desejado ou então atingir o limite de 40 dias de dieta.

Deve-se subir na balança todos os dias de manhã e consumir apenas os alimentos permitidos sem ultrapassar as 500 calorias.

Para facilitar a eliminação das toxinas originadas a partir da oxidação das gorduras e também para estimular a saciedade, é fundamental ingerir pelo menos 2 litros de água durante esta segunda fase da dieta HCG.

A pouca oferta de energia para o organismo pode dificultar a prática de exercícios físicos nesse período, mas caso a pessoa sinta-se disposta, pode tentar encaixar caminhadas leves na sua rotina.

– Fase 3

Esta fase dura apenas 3 dias e se inicia logo após a pessoa ter atingido o peso desejado; ou então um período mínimo de 23 dias para quem precisa perder até 7 kg.

Tão logo termine a fase 2 ela deverá interromper o uso do HCG, e continuar por mais três dias com a dieta restritiva de 500 calorias.

Esse período sem HCG serve para o corpo “voltar ao normal” e eliminar as altas doses do hormônio presentes na circulação.

– Fase 4

Com duração de 21 dias, esta costuma ser a fase mais importante – e muitas vezes mais difícil – da dieta HCG. E por diversos motivos.

Após tantos dias com pouco alimento, o corpo tende a reter tudo que é consumindo, as células clamam por energia rápida (carboidratos) e depois de um período de sacrifícios o sentimento de recompensa está mais forte do que nunca.

Ou seja: depois de 23 ou mais dias com apenas 500 calorias e quase nada de açúcares, a vontade de comer para se “premiar” por ter conseguido emagrecer pode colocar a perder todo o esforço de semanas.

Para evitar que isso ocorra a pessoa deverá aumentar seu consumo calórico de maneira bastante gradual, e continuar focando nas proteínas e gorduras. Deve-se evitar os vegetais ricos em amido (batata doce, mandioca, etc), massas e doces em geral. Reiterando: nada de açúcar ou carboidrato na fase de estabilização.

Não existe uma quantidade de calorias exata para esta fase, pois o corpo estará tentando restabelecer o equilíbrio e trazer o metabolismo de volta ao normal. Deve-se tentar manter-se na faixa de 1.200 a 1.500 calorias, lembrando que o importante aqui é manter e não perder peso.

Caso o ponteiro da balança comece a subir, deve-se analisar a dieta e fazer modificações no cardápio a fim de não recuperar em poucos dias os quilos que levaram semanas para serem perdidos.

Alimentos permitidos

Antes de conferirmos o cardápio da dieta HCG, confira os alimentos permitidos em cada etapa:

– Fase inicial

Nos dois primeiros dias da dieta HCG para emagrecer deve-se consumir alimentos calóricos e com alto teor de gordura. Exemplo: queijos amarelos, carne vermelha, salmão, óleo de coco, cream cheese, amendoim e azeite.

O mais adequado é focar no consumo de gorduras saudáveis. Nada de fast food ou frituras. O objetivo de consumir bastante gordura é que o corpo precisa estar preparado para aguentar a restrição de calorias que virá nas etapas seguintes.

Isso serve para estocar energia de uma forma saudável para que o corpo suporte a restrição calórica e queime gorduras em uma taxa mais alta do que o normal na etapa de perda de peso da dieta.

– Fases 2 e 3

Deve-se deixar os carboidratos de lado e utilizar vegetais, proteínas e gorduras para atingir a cota de 500 calorias diárias.

Pode-se consumir:

  • Legumes com baixo teor de amido: escarola, couve, espinafre, pepino, acelga, aipo, rabanete, brócolis, repolho, pimentão, palmito, tomate, rúcula, agrião, chuchu, almeirão e outras folhas verdes;
  • Proteína: carne bovina magra, peixes pouco gordurosos (como a tilápia), peito de frango sem pele, ovos, camarão, lula e polvo;
  • Frutas de baixo índice glicêmico: maçã, morango, laranja, amora e framboesa;
  • Pequena quantidade de carboidrato: o equivalente a duas torradas;
  • Líquidos: água com limão em jejum, chá ou café sem açúcar (é permitido o uso de Stevia para adoçar) e muita água;
  • Gorduras: apenas a presente nos alimentos. Não é permitido utilizar óleo para cozinhar.

– Fase 4

Pode-se consumir todos os alimentos da fase 3 + (com muita moderação):

  • Frutas com pouco teor de açúcar (cereja, pera, mirtilos, goiaba, mamão, pêssego) e legumes com pouco amido (abóbora, ervilha, couve-flor, abobrinha, berinjela);
  • Queijos, iogurte (sem açúcar), leite desnatado e manteiga;
  • Nozes, azeite, alguns grãos de soja, maionese, manteiga de amendoim sem açúcar;
  • Bebidas alcóolicas em pequena quantidade (um copo de vinho seco com a refeição, por exemplo);
  • Açúcar e carboidratos continuam proibidos nesta fase de estabilização do peso.

Alimentos proibidos

Além do açúcar, sobremesas em geral, pães, queijos, embutidos, cereais, leguminosas (feijão, grão de bico, lentilha) e refrigerantes (mesmo os lights) não entram no cardápio da dieta HCG.

Na fase de carregamento da dieta HCG não existem muitas limitações sobre o que comer, já que nessa etapa é necessário consumir bastante gordura e calorias. Mas na fase de perda de peso, é preciso evitar laticínios em geral, carboidratos, álcool, gorduras e doces em geral.

Tais alimentos são ricos em calorias e são justamente aquilo que deve-se evitar na fase de restrição calórica.

Cardápio

Agora que já sabemos como funciona a dieta HCG, vamos ver algumas sugestões de cardápio com 500 calorias diárias para as fases 2 e 3:

Café da manhã

  • 1 ovo cozido ou uma torrada;
  • 1 xícara de chá ou café sem açúcar (pode usar Stevia).

– Lanche da manhã

  • 1 maçã pequena ou 5 morangos.

– Almoço

  • 100 gramas de proteína magra (escolher entre filé de frango, frutos do mar, carne vermelha ou peixe);
  • 1 prato raso de salada verde ou 50 gramas de chuchu refogado.

– Lanche da tarde

  • 1 copo de suco de couve com limão ou 1 laranja.

– Jantar

  • 100 gramas de proteína com baixo teor de gordura;
  • 1 pires de couve “refogada” com alho.

Dicas

  • O cardápio completo diário da dieta HCG não deve ultrapassar as 500 calorias, então deve-se ter cuidado para não subestimar o valor calórico dos alimentos;
  • Deve-se reduzir o consumo de sal a fim de evitar a retenção de líquidos;
  • Não se deve fazer substituições para não correr o risco de exagerar nas calorias ou mesmo alterar de maneira exagerada as taxas de açúcar no sangue (o que pode aumentar o apetite);
  • Deve-se ficar atento aos rótulos: muitos alimentos de sabor salgado contêm açúcar na lista de ingredientes. Molho para salada, shoyu, maionese, mostarda e molho de tomate são alguns deles e devem ficar de fora das fases 2 e 3 da dieta HCG;
  • Um copo de suco de couve com água logo ao acordar é uma boa maneira de estabilizar a glicose no sangue e controlar o apetite na parte da manhã;
  • O que está proibido durante todas as fases da dieta HCG: bronzeamento artificial, cremes e loções corporais à base de óleos, maquiagem oleosa, alimentos light ou diet e açúcar;
  • Caso se note que a perda de peso “estacionou”, é necessário começar a contar a quantidade de carboidratos que está sendo ingerida diariamente. Há quem sugira um dia inteiro com maçãs para sair do platô, mas esta alternativa parece ser ainda menos recomendável que o consumo de 500 calorias de alimentos variados;
  • Embora não conste no protocolo original do Dr. Simeons, a gelatina diet pode oferecer um alívio em momentos de muita (muita mesmo) vontade de comer algo doce. Mas não se deve exagerar: 5 colheres são suficientes para “matar a vontade” e continuar com a dieta em dia.

Riscos

A dieta HCG emagrece, mas pode cobrar um preço alto por isso: o baixo consumo de calorias pode causar deficiências nutricionais, queda de cabelo, dores de cabeça, alterações de humor, constipação, confusão mental e fadiga.

Além disso, o uso do HCG só é aprovado para tratamento de fertilidade, e níveis elevados do hormônio parecem ser um fator importante para o desenvolvimento de células tumorais. Homens que fazem uso da gonadotrofina coriônica para emagrecer podem desenvolver ginecomastia.

Apesar da dieta promover o emagrecimento rápido, a Food and Drug Administration (FDA) não recomenda a dieta HCG porque o órgão considera que não existem evidências contundentes sobre a eficácia do hormônio para emagrecer.

Há também uma preocupação sobre a segurança de suplementos contendo HCG pois eles não são criteriosamente testados e podem conter ingredientes desconhecidos ou nocivos em sua composição.

Além de problemas nutricionais, dor de cabeça e etc., a dieta HCG também pode causar sintomas depressivos, formação de coágulos sanguíneos, aumento do risco de cálculos biliares, perda muscular, arritmia cardíaca, desequilíbrio eletrolítico e complicações de saúde em diabéticos e em pessoas com problemas renais ou doenças cardíacas.

E nunca é demais relembrar o eterno risco do efeito sanfona tão comum às dietas com alta restrição calórica. Após um longo período de fome o corpo tende a reduzir o metabolismo e dificultar a queima de gordura.

Como muitas vezes a vontade de comer tem um fundo psicológico e não fisiológico, voltar a comer como antes com um metabolismo mais lento pode ser um prato cheio (literalmente) para recuperar em pouco tempo o peso perdido.

Para emagrecer com saúde, invista em uma reeducação alimentar e comece a praticar atividade física pelo menos três vezes por semana.

Mas, se ainda assim você achar que vale a pena fazer a dieta HCG para emagrecer, lembre-se de que apenas um médico poderá prescrever a dose de HCG necessária para as diferentes etapas do regime alimentar.

Fontes consultadas:

Referências adicionais:

Você já tinha ouvido falar na dieta HCG? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (291 votos, média: 3,76 de 5)
Loading...
Sobre Dra. Patricia Leite

Dra. Patricia é uma das nutricionistas mais conceituadas do país, sendo uma referência profissional em sua área e autora de artigos e vídeos de grande sucesso e reconhecimento. Tem pós-graduação em Nutrição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é especialista em Nutrição Esportiva pela Universidad Miguel de Cervantes (España) e é também membro da International Society of Sports Nutrition. É ainda a nutricionista com mais inscritos no YouTube em português. Dra. Patricia Leite é a revisora geral de todo conteúdo desenvolvido pela equipe de redatores especializados do Mundo Boa Forma.

Deixe um comentário

1 comentário em “Dieta HCG – Como Funciona, Cardápio, Dicas e Riscos”