Injeção na dieta HCG

Dieta HCG – Como Funciona, Cardápio e Dicas

Quando seis em cada dez brasileiros estão acima do peso, não é de se espantar que mais uma dieta restritiva esteja ganhando os holofotes do mundo fitness.

Centrada em um consumo calórico baixíssimo e na utilização de hormônio da gravidez, a dieta HCG é mais uma a prometer uma grande perda de peso em um curto espaço de tempo. Mas será que ela realmente funciona? É o que vamos conferir abaixo.

Saiba mais

Desenvolvida há quase 60 anos, a dieta HCG é um plano para emagrecer que inclui o consumo de poucas calorias – mais especificamente 500 por dia – e a aplicação de uma injeção diária contendo gonadotrofina coriônica humana (HCG), um hormônio produzido naturalmente pela placenta durante a gestação.

No início da década de 50 o médico inglês Dr. Albert Simeons observou que jovens obesos que recebiam injeções de HCG apresentavam uma redução no apetite e uma diminuição na circunferência abdominal. Ao mesmo tempo em que eliminavam gordura, perdiam pouca massa muscular – embora o peso não se alterasse de maneira significativa.

Com base nessa observação, o Dr. Simeons formulou a teoria de que o HCG foi o responsável por mobilizar a gordura dos quadris e resolveu associar o hormônio a uma dieta altamente restritiva.

O objetivo era obrigar o corpo a utilizar suas próprias reservas de gordura como combustível para as células. O médico obteve o resultado esperado, e seus pacientes começaram a perder peso e reduzir as medidas.

Controvérsia

Embora as análises do Dr. Albert Simeons tenham sido publicadas em destacados periódicos científicos, seus colegas de profissão jamais ficaram convencidos da eficácia e segurança da dieta HCG.

Isso porque não existe qualquer comprovação de que o HCG atue no controle do apetite ou então mobilize os estoques de gordura corporal.

Uma meta-análise de 24 estudos desenvolvidos para avaliar a atuação do HCG sobre a perda de peso chegou à conclusão de que:

  • Não há evidência científica de que a gonadotrofina coriônica ajude a emagrecer;
  • O hormônio não causa a redistribuição da gordura;
  • O HCG não reduz o apetite e não aumenta a saciedade.

Para os pesquisadores, os efeitos da dieta HCG devem-se à baixíssima ingestão de calorias sugerida pelo Dr. Simeons, e não exatamente pela atuação do hormônio, que teria um efeito placebo.

Hormônio HCG

A gonadotrofina coriônica é um hormônio encontrado em maiores concentrações no corpo feminino após a fertilização do óvulo.

Pode-se dizer que o HCG serve como estabilizador do meio para que o corpo lúteo (estrutura que auxilia o desenvolvimento fetal) permaneça no ovário nos seis primeiros meses de gravidez e continue a produzir progesterona.

Quando o óvulo é fecundado há um aumento na concentração de HCG no sangue e na urina, parâmetros que são analisados através de kits de farmácia destinados a confirmar uma possível gravidez.

Se habitualmente o corpo contém até 5mUI/mL de HCG na circulação, na gestação esse valor pode passar de 300.000 mUI/mL.

Como funciona a dieta HCG

Após muitos anos prescrevendo tratamento para obesidade com base na combinação dieta + HCG, o Dr. Simeons criou dois tipos de protocolo de acordo com a meta de perda de peso:

– Para quem precisa perder até 7 kg

  • De 125 a 500 UI/dia de HCG diariamente por 23 dias;
  • Alimentação bastante calórica durante dois primeiros dias da dieta;
  • Iniciar dieta de 500 calorias ao dia no terceiro dia de HCG e continuar por 26 dias;
  • Período de três semanas para readaptação à alimentação normal.

– Para aqueles que desejam perder mais de 7 kg

  • HCG diariamente durante 40 dias (excetuando-se o período menstrual);
  • Alimentação bastante calórica durante dois primeiros dias da dieta;
  • Dieta de 500 kcal/dia após terceiro dia de hormônio;
  • Fazer a dieta hipocalórica por 43 dias consecutivos;
  • Utilizar as três semanas após o final da dieta para reintroduzir mais alimentos ao cardápio; No início dar preferência às proteínas e gorduras saudáveis e limitar o consumo de carboidratos;
  • Caso elimine mais de 17 kg antes dos 40 dias é recomendável interromper a dieta.

De maneira semelhante, quem pretende perder mais de 17 kg deve esperar pelo menos seis semanas antes de reiniciar a dieta HCG.

Dieta HCG detalhada

Como vimos acima, o Dr. Simeons dividiu a dieta HCG em quatro fases distintas: fase de carregamento, fase 2, fase de transição e fase de estabilização do peso.

Entenda como cada uma delas funciona:

– Fase inicial

A primeira etapa da dieta HCG dura dois dias e começa com a aplicação do hormônio e a pesagem inicial. Nestas 48 horas você irá tomar o hormônio por duas vezes, mas não irá fazer dieta restritiva.

Na realidade, você deverá fazer o contrário: para preparar o corpo para o período de restrição calórica que se seguirá, consuma o máximo que puder de alimentos altamente calóricos, como abacate, nozes, ovos, creme de leite, carne, pizza – evite os açúcares se possível.

A ideia aqui é preencher as células de gordura com o máximo de ácidos graxos que ela comportar, pois assim (supostamente) o corpo recebe a mensagem de que já tem gordura suficiente e não deve armazenar mais nada.

Ainda na manhã do primeiro dia não se esqueça de se pesar, tirar as medidas e até mesmo fazer fotos para comparação ao final da dieta.

– Fase 2

Após os dois primeiros dias de “engorda” é chegada a hora de cortar as calorias e focar nos objetivos. Continue com a aplicação do hormônio, mas reduza sua ingestão calórica para 500 kcal ao dia e continue assim até conquistar o peso desejado ou então atingir o limite de 40 dias de dieta.

Suba na balança todos os dias de manhã e consuma apenas os alimentos permitidos sem ultrapassar as 500 calorias.

Para facilitar a eliminação das toxinas originadas a partir da oxidação das gorduras e também para estimular a saciedade, é fundamental ingerir pelo menos 2 litros de água durante esta segunda fase da dieta HCG.

A pouca oferta de energia para o organismo pode dificultar a prática de exercícios físicos nesse período, mas caso sinta-se disposto, tente encaixar caminhadas leves na sua rotina.

– Fase 3

Esta fase dura apenas 3 dias e se inicia logo após você ter atingido o peso desejado; ou então um período mínimo de 23 dias para quem precisa perder até 7 kg.

Tão logo termine a fase 2 você deverá interromper o uso do HCG, e continuar por mais três dias com a dieta restritiva de 500 calorias.

Esse período sem HCG serve para o corpo “voltar ao normal” e eliminar as altas doses do hormônio presentes na circulação.

– Fase 4

Com duração de 21 dias, esta costuma ser a fase mais importante – e muitas vezes mais difícil – da dieta HCG. E por diversos motivos.

Após tantos dias com pouco alimento, o corpo tende a reter tudo que é consumindo, as células clamam por energia rápida (carboidratos) e depois de um período de sacrifícios o sentimento de recompensa está mais forte do que nunca.

Ou seja: depois de 23 ou mais dias com apenas 500 calorias e quase nada de açúcares, a vontade de comer para se “premiar “por ter conseguido emagrecer pode colocar a perder todo o esforço de semanas.

Para evitar que isso ocorra você deverá aumentar seu consumo calórico de maneira bastante gradual, e continuar focando nas proteínas e gorduras. Evite os vegetais ricos em amido (batata doce, mandioca, etc), massas e doces em geral. Reiterando: nada de açúcar ou carboidrato na fase de estabilização.

Não existe uma quantidade de calorias exata para esta fase, pois o corpo estará tentando restabelecer o equilíbrio e trazer o metabolismo de volta ao normal. Tente manter-se na faixa de 1.200 a 1.500 calorias, lembrando que o importante aqui é manter e não perder peso.

Caso o ponteiro da balança comece a subir, analise sua dieta e faça modificações no cardápio a fim de não recuperar em poucos dias os quilos que levou semanas para perder.

Alimentos permitidos

Antes de conferirmos o cardápio da dieta HCG, confira os alimentos permitidos em cada etapa:

– Fase inicial

Nos dois primeiros dias da dieta HCG para emagrecer você deverá consumir alimentos calóricos e com alto teor de gordura. Exemplo: queijos amarelos, carne vermelha, salmão, óleo de coco, cream cheese, amendoim e azeite.

– Fases 2 e 3

Deixe os carboidratos de lado e utilize vegetais, proteínas e gorduras para atingir a cota de 500 calorias diárias.

Pode consumir:

  • Legumes com baixo teor de amido: escarola, couve, espinafre, pepino, acelga, aipo, rabanete, brócolis, repolho, pimentão, palmito, tomate, rúcula, agrião, chuchu, almeirão e outras folhas verdes;
  • Proteína: carne bovina magra, peixes pouco gordurosos (como a tilápia), peito de frango sem pele, ovos, camarão, lula e polvo;
  • Frutas de baixo índice glicêmico: maçã, morango, laranja, amora e framboesa;
  • Pequena quantidade de carboidrato: o equivalente a duas torradas;
  • Líquidos: água com limão em jejum, chá ou café sem açúcar (é permitido o uso de Stevia para adoçar) e muita água;
  • Gorduras: apenas a presente nos alimentos. Não é permitido utilizar óleo para cozinhar.

– Fase 4

Pode consumir todos os alimentos da fase 3 + (com muita moderação):

  • Frutas com pouco teor de açúcar (cereja, pera, mirtilos, goiaba, mamão, pêssego) e legumes com pouco amido (abóbora, ervilha, couve-flor, abobrinha, berinjela);
  • Queijos, iogurte (sem açúcar), leite desnatado e manteiga;
  • Nozes, azeite, alguns grãos de soja, maionese, manteiga de amendoim sem açúcar;
  • Bebidas alcóolicas em pequena quantidade (um copo de vinho seco com a refeição, por exemplo);
  • Açúcar e carboidratos continuam proibidos nesta fase de estabilização do peso.

Alimentos proibidos

Além do açúcar, sobremesas em geral, pães, queijos, embutidos, cereais, leguminosas (feijão, grão de bico, lentilha) e refrigerantes (mesmo os lights) não entram no cardápio da dieta HCG.

Cardápio

Agora que já sabemos como funciona a dieta HCG, vamos ver algumas sugestões de cardápio com 500 calorias diárias para as fases 2 e 3:

– Café da manhã

  • 1 ovo cozido ou uma torrada;
  • 1 xícara de chá ou café sem açúcar (pode usar Stevia).

– Lanche da manhã

  • 1 maçã pequena ou 5 morangos.

– Almoço

  • 100 gramas de proteína magra (escolher entre filé de frango, frutos do mar, carne vermelha ou peixe);
  • 1 prato raso de salada verde ou 50 gramas de chuchu refogado.

– Lanche da tarde

  • 1 copo de suco de couve com limão ou 1 laranja.

– Jantar

  • 100 gramas de proteína com baixo teor de gordura;
  • 1 pires de couve “refogada” com alho.

Dicas

  • O cardápio completo diário da dieta HCG não deve ultrapassar as 500 calorias, então cuidado para não subestimar o valor calórico dos alimentos;
  • Reduza o consumo de sal a fim de evitar a retenção de líquidos;
  • Não faça substituições para não correr o risco de exagerar nas calorias ou mesmo alterar de maneira exagerada as taxas de açúcar no sangue (o que pode aumentar o apetite);
  • Fique atento aos rótulos: muitos alimentos de sabor salgado contêm açúcar na lista de ingredientes. Molho para salada, shoyu, maionese, mostarda e molho de tomate são alguns deles e devem ficar de fora das fases 2 e 3 da dieta HCG;
  • Um copo de suco de couve com água logo ao acordar é uma boa maneira de estabilizar a glicose no sangue e controlar o apetite na parte da manhã;
  • O que está proibido durante todas as fases da dieta HCG: bronzeamento artificial, cremes e loções corporais à base de óleos, maquiagem oleosa, alimentos light ou diet e açúcar;
  • Caso note que sua perda de peso “estacionou”, comece a contar a quantidade de carboidratos que está ingerindo diariamente. Há quem sugira um dia inteiro com maçãs para sair do platô, mas esta alternativa parece ser ainda menos recomendável que o consumo de 500 calorias de alimentos variados;
  • Embora não conste no protocolo original do Dr. Simeons, a gelatina diet pode oferecer um alívio em momentos de muita (muita mesmo) vontade de comer algo doce. Mas não exagere: 5 colheres são suficientes para “matar a vontade” e continuar com a dieta em dia.

Riscos

A dieta HCG emagrece mas pode cobrar um preço alto por isso: o baixo consumo de calorias pode causar deficiências nutricionais, queda de cabelo, dores de cabeça, alterações de humor, constipação, confusão mental e fadiga.

Além disso, o uso do HCG só é aprovado para tratamento de fertilidade, e níveis elevados do hormônio parecem ser um fator importante para o desenvolvimento de células tumorais. Homens que fazem uso da gonadotrofina coriônica para emagrecer podem desenvolver ginecomastia.

E nunca é demais relembrar o eterno risco do efeito sanfona tão comum às dietas com alta restrição calórica. Após um longo período de fome o corpo tende a reduzir o metabolismo e dificultar a queima de gordura.

Como muitas vezes a vontade de comer tem um fundo psicológico e não fisiológico, voltar a comer como antes com um metabolismo mais lento pode ser um prato cheio (literalmente) para recuperar em pouco tempo o peso perdido.

Para emagrecer com saúde, invista em uma reeducação alimentar e comece a praticar atividade física pelo menos três vezes por semana.

Mas, se ainda assim você achar que vale a pena fazer a dieta HCG para emagrecer, lembre-se de que apenas um médico poderá prescrever a dose de HCG necessária para as diferentes etapas do regime alimentar.

Você já tinha ouvido falar na dieta HCG? Tem curiosidade de experimentá-la para emagrecer? E acredita que conseguiria segui-la com todas as restrições calóricas? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (234 votos, média: 3,75 de 5)
Loading...
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite


ARTIGOS RELACIONADOS

248 comentários

  1. Rosiny Rosa de Arruda

    Somente 1 pela manhã em jejum.

  2. Gente, estou na dieta a 3 dias e tomei doses de 150 dois dias e hj me confundi e acabei tomando 750 (sublingual) , amanhã tenho exame de sangue completo da empresa (inclusive beta) há probabilidade de constar? Quanto tempo tenho que estar na dieta para isso acontecer?

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*