Glucagon – O Que é, Função e Como Usar

Especialista:
atualizado em 06/07/2020

O nível descontrolado de glicose é um dos problemas de saúde mais comuns no mundo. Embora afetem pessoas com diabetes, aqueles que estão em risco não são apenas pessoas doentes, com excesso de peso ou inativas, pois qualquer pessoa que consuma uma dieta pobre e tiver problemas com o metabolismo normal da glicose pode desenvolver os sintomas.

O que é glucagon?

O glucagon é um hormônio que faz parte de um complexo sistema de hormônios para controlar o açúcar no sangue. Os níveis de açúcar no sangue são uma parte importante da saúde geral, e quando eles diminuem, podem provocar letargia. Se eles caírem muito baixo do nível adequado, pode causar desorientação, tontura e até mesmo desmaios.

O glucagon provém de células alfa encontradas no pâncreas e está intimamente relacionado com células beta secretoras de insulina, tornando-se um componente crucial que mantém os níveis de glicose no sangue do corpo estáveis.

Qual é a sua função?

O glucagon é um hormônio que funciona com outros hormônios e em conjunto com funções corporais para manter os níveis de glicose estáveis no sangue. Embora seja secretado pelo pâncreas, ele afeta diretamente o fígado, uma vez que trabalha para controlar os níveis de açúcar no sangue, impedindo que eles caiam para um ponto perigoso e estimulando a conversão do glicogênio armazenado em glicose no fígado. Essa glicose pode ser liberada na corrente sanguínea, um processo conhecido como glicogenólise.

O glucagon também impede que o fígado consuma alguma glicose, o que significa que ela entrará na corrente sanguínea em vez de ser consumida pelo fígado, mantendo os níveis estáveis. Finalmente, o glucagon participa da gliconeogênese, que é a produção de glicose nas moléculas de aminoácidos.

Em cada um desses processos o glucagon trabalha em parceria com a insulina. A insulina evitará que os níveis de glicose aumentem a um ponto que seja muito alto, enquanto o glucagon evita que caia muito baixo. A produção de glucagon é estimulada quando um indivíduo ingere uma refeição rica em proteínas, experimenta um surto de adrenalina ou tem um baixo nível de açúcar no sangue.

Açúcar no sangue e saúde

O corpo converte os carboidratos dos alimentos em açúcar (glicose), cujos níveis varia ao longo do dia, mas, na maioria dos casos, a insulina e o glucagon os mantêm normais. Fatores de saúde, incluindo resistência à insulina, diabetes e problemas com a dieta podem desregular os níveis de açúcar no sangue.

O responsável por liberar a insulina e glucagon é o pâncreas, e os níveis de açúcar no sangue são uma medida da eficácia com que o corpo de um indivíduo usa a glicose. Quando o corpo não converte glicose suficiente para uso, os níveis de açúcar no sangue permanecem altos. A insulina ajuda as células do corpo a absorverem glicose, diminuindo o açúcar no sangue e fornecendo às células a glicose que necessitam para obter energia. Quando os níveis de açúcar no sangue são muito baixos, o pâncreas libera glucagon. O glucagon força o fígado a liberar glicose armazenada, o que faz com que o açúcar no sangue suba.

Atuação da insulina

As células do corpo precisam de glicose como energia, mas a maioria delas não pode usar diretamente a glicose. A insulina age como uma chave para permitir que a glicose acesse as células. Ele se liga aos receptores de insulina nas células do corpo inteiro, dizendo a essas células que se abram para permitir que a glicose entre.

Baixos níveis de insulina estão constantemente circulando por todo o corpo. Quando a insulina aumenta, isso indica ao fígado que a glicemia também é alta. O fígado absorve a glicose e depois a transforma em uma molécula de armazenamento chamada glicogênio.

A insulina também suporta a cura após uma lesão, fornecendo aminoácidos para os músculos. Os aminoácidos ajudam a construir a proteína encontrada no tecido muscular; assim, quando os níveis de insulina estão baixos, os músculos podem não se recuperar adequadamente.

Atuação do glucagon

O fígado deve armazenar glicose para alimentar as células durante períodos de baixa de açúcar no sangue. Pular refeições e má nutrição pode diminuir o açúcar no sangue. Ao armazenar glicose, o fígado garante que os níveis de glicose no sangue permaneçam estáveis ​​entre as refeições ou durante o sono.

Quando a glicose no sangue cai, as células do pâncreas secretam glucagon, que instrui o fígado a converter o glicogênio em glicose. Isso torna a glicose mais disponível na corrente sanguínea. A partir daí, a insulina se liga aos receptores de insulina nas células para garantir que absorvam a glicose.

Como vimos, insulina e glucagon trabalham em um ciclo. O glucagon interage com o fígado para aumentar o açúcar no sangue, enquanto a insulina reduz o açúcar no sangue, ajudando as células a usar glicose.

Como os níveis de açúcar no sangue afetam o corpo?

A insulina e o glucagon não funcionam imediatamente, especialmente se o nível de açúcar no sangue for muito alto ou muito baixo.

Os sintomas de açúcar elevado no sangue incluem:

  • Urinar muito mais, além do que o habitual. Os rins respondem ao açúcar elevado no sangue, tentando se livrar do excesso de glicose.
  • Sentir-se excessivamente com sede, especialmente se também estiver urinando com frequência. Como os rins tentam regular o açúcar no sangue, pode causar desidratação e sensação de sede intensa.
  • Sentir-se excessivamente faminto. Isso não é causado pelo alto nível de açúcar no sangue, mas pelo baixo efeito de insulina que frequentemente acompanha o alto nível de açúcar no sangue.

Com o tempo, o açúcar no sangue muito alto pode causar:

  • Perda de peso sem motivo.
  • Tempos de cicatrização lentos.
  • Comichão, pele seca.
  • Aumento da probabilidade de infecções.
  • Dores de cabeça.
  • Fadiga ou dificuldade de concentração.
  • Visão embaçada.
  • Prisão de ventre, diarreia ou ambos.
  • Disfunção erétil.

Atrasos entre as refeições, má nutrição, alguns medicamentos para diabetes e algumas condições médicas podem causar baixo nível de açúcar no sangue.

Os sintomas de baixo nível de açúcar no sangue incluem:

  • Tontura.
  • Batimento cardíaco acelerado.
  • Fraqueza.
  • Formigamento, particularmente na língua, lábios, braços ou pernas.
  • Fome e náusea.
  • Desmaio.
  • Confusão e dificuldade de concentração.
  • Irritabilidade.
  • Convulsões ou perda de consciência.

Problemas de açúcar no sangue causados ​​por diabetes

A regulação da glicose no sangue é algo automático no nosso corpo, no entanto, para algumas pessoas, o processo não funciona corretamente.

Se você tem diabetes ou pré-diabetes, o uso ou a produção de insulina e glucagon estão desativados. E quando o sistema está fora de equilíbrio, pode levar a níveis perigosos de glicose no sangue. Existem vários tipos de diabetes, o tipo 1, 2, diabetes gestacional e pré-diabetes.

– Diabetes tipo 1

A diabetes tipo 1 pode ser referida como diabetes juvenil porque geralmente se desenvolve durante a infância. Ele faz com que as células do sistema imunológico do corpo ataquem algumas das células secretoras de insulina no pâncreas.

As pessoas com diabetes tipo 1 geralmente apresentam níveis muito altos de açúcar no sangue. Seus baixos níveis de insulina, no entanto, significam que elas não podem usar grande parte da glicose no sangue. A diabetes tipo 1 é um tipo de condição autoimune, o que significa que faz com que o corpo se ataque.

O pâncreas de uma pessoa com diabetes tipo 1 não libera glucagon para garantir que nível de açúcar no sangue não caia muito. As pessoas com diabetes tipo 1 devem verificar o nível de açúcar no sangue regularmente, tentar evitar o baixo nível e tratá-lo assim que ocorrer após ingerir uma fonte de açúcar de ação rápida (como suco, doce ou refrigerante).

– Diabetes tipo 2

A diabetes tipo 2 é o tipo mais comum e está ligada a questões de estilo de vida, como excesso de peso. Pessoas com essa condição apresentam resistência à insulina, o que significa que a insulina não funciona tão bem para permitir o acesso das células à glicose.

– Diabetes gestacional

A diabetes gestacional é uma forma de diabetes que ocorre durante a gravidez. Quando uma mulher está grávida, a placenta que sustenta o bebê em desenvolvimento pode prejudicar a capacidade do organismo de usar insulina. Isso causa resistência, que desencadeia sintomas semelhantes aos do diabetes tipo 2.

A diabetes gestacional geralmente desaparece depois que o bebê nasce. No entanto, é um fator de risco para o desenvolvimento posterior de diabetes tipo 2.

– Pré-diabetes

Se você tem pré-diabetes, seu corpo produz insulina, mas não a usa adequadamente. Como resultado, seus níveis de glicose no sangue são elevados, embora não tão altos quanto seriam se você tivesse diabetes tipo 2. Muitas pessoas que têm pré-diabetes desenvolvem a diabetes tipo 2.

Glucagon medicamento – Como usar?

Quando você tem diabetes e seu corpo não é capaz de liberar o glucagon para equilibrar os níveis de açúcar no sangue, a recomendação de glucagon medicamento pode ser feita pelo seu médico.

Ele é um é um medicamento de emergência e deve ser usado conforme a recomendação. Ele só deve ser administrado para tratar a hipoglicemia se a pessoa não puder comer, estiver desmaiada ou tiver uma convulsão. Certifique-se de que você sabe como administrar uma injeção de glucagon antes de usá-la. A hipoglicemia deve ser tratada o mais rápido possível. Ter baixo nível de açúcar no sangue por muito tempo pode causar convulsões, coma ou morte.

O glucagon medicamento é injetado sob a pele, em um músculo ou em uma veia. Você ou a pessoa que irá injetar deve ser orientado para usar as injeções e deve ligar para o seu médico após o uso. É importante ler todas as informações do paciente, guias de medicação e folhas de instruções fornecidas. Tire todas as dúvidas.

O medicamento é composto por um pó que deve ser misturado com um líquido (diluente) antes de utilizar. Prepare uma dose apenas quando estiver pronto para administrar uma injeção. Não use se o medicamento mudou de cor ou tem partículas nele.

Use metade da dose de adulto se estiver aplicando uma injeção em uma criança com menos de 6 anos de idade, ou para qualquer pessoa que pesa menos de 25 kg.

Após a injeção, é preciso ingerir uma fonte de açúcar de ação rápida e depois comer um lanche ou uma pequena refeição, como queijo e biscoitos ou um sanduíche.

Qual é a dosagem?

A dosagem será recomendada pelo seu médico, assim como as situações em que ele deve ser administrado. Porém, uma vez administrado o glucagon, as medições de glicose no sangue devem ser obtidas até que o paciente não esteja mais apresentando sintomas hipoglicêmicos.

A glicose intravenosa ou oral deve ser administrada para ajudar a restaurar os níveis de glicose no corpo e evitar mais hipoglicemia. Um médico deve ser notificado imediatamente após um episódio de hipoglicemia para considerar uma mudança na dose de medicamento a ser usada para tratar a diabetes, a fim de evitar novos episódios.

Quais são os efeitos colaterais do glucagon?

Náuseas e vômitos podem ocorrer ocasionalmente após a injeção de glucagon, mas isso pode ser um sintoma da hipoglicemia para a qual o glucagon está sendo administrado. Raras reações do tipo alérgico podem ocorrer, incluindo coceira, dificuldade respiratória ou pressão arterial baixa.

O glucagon não deve ser administrado em pacientes hipoglicêmicos que também estejam passando fome, insuficiência adrenal ou estejam sofrendo de hipoglicemia crônica. Estas condições médicas podem estar associadas a uma incapacidade do fígado para produzir glicose suficientemente em resposta ao glucagon. Para esses pacientes, a glicose oral é mais efetiva se o paciente estiver consciente. Se o paciente não estiver consciente, deve-se administrar glicose intravenosa.

Qual é a interação com outros medicamentos e suplementos?

O glucagon pode aumentar o efeito de anticoagulantes, causando um aumento na coagulação lenta do sangue e um risco maior de desenvolver um episódio de sangramento.

O glucagon não deve ser administrado com medicamentos anticolinérgicos, devido ao aumento do risco de efeitos secundários relacionados com o estômago e intestino. Indometacina também reduz o efeito do glucagon.

É seguro usar durante a gravidez ou a amamentação?

Não existem estudos sobre a segurança em mulheres grávidas ou amamentando. Ele não atravessa a placenta e o risco para o feto é considerado baixo, porém durante a amamentação não se sabe se ele é secretado no leite materno.

Episódios de baixo nível de açúcar no sangue podem acontecer com todos que têm diabetes. Fique atento aos sintomas que incluem dor de cabeça, fome, sudorese, irritabilidade, tontura, náusea, ritmo cardíaco acelerado e ansiedade ou tremores. Para tratar rapidamente, mantenha sempre uma fonte de açúcar de ação rápida. Para evitar uma hipoglicemia severa, siga corretamente as suas rotinas de dieta, medicação e exercício.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já precisou utilizar o glucagon medicamento alguma vez? Possui algum tipo de diabetes ou outra condição? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (5 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário