Insulina Lantus – Como Funciona, Benefícios, Efeitos Colaterais e Dicas

Especialista:
atualizado em 18/11/2019

As células do nosso corpo não são capazes de absorver sozinhas o açúcar ingerido pelos alimentos. Por esse motivo, quando comemos, o pâncreas libera a insulina. Ela é um hormônio capaz de converter a glicose para que o corpo use como energia, além de evitar que os níveis de açúcar fiquem muito altos ou baixos – condições conhecidas como hiperglicemia e hipoglicemia, respectivamente.

A insulina também é responsável por armazenar o açúcar no fígado, quando existe um excesso e, liberá-lo gradativamente conforme o corpo precisa. Isso ajuda a equilibrar os níveis no sangue e permite que eles permaneçam em uma faixa normal.

O problema começa quando algumas pessoas não são capazes de produzir a própria insulina e outras não produzem de forma eficaz ou são resistentes ao hormônio. Quando sintomas assim estão presentes, a pessoa recebe um diagnóstico de diabetes, que é uma doença que atualmente afeta milhões de pessoas no mundo inteiro.

A diabetes tipo 1 acontece quando as células beta do pâncreas estão danificadas ou destruídas, impedindo que a insulina seja produzida. Já no tipo 2, as pessoas não respondem bem ou são resistentes à insulina. Em alguns casos, elas podem precisar receber insulina para ajudar o corpo a processar melhor o açúcar e evitar complicações que a doença pode provocar. É aí que a insulina Lantus pode ser recomendada.

Insulina Lantus

A insulina Lantus tem o nome médico de glargina. Ela é uma insulina de ação prolongada, que inicia sua ação logo após a aplicação e continua funcionando equilibradamente por 24 horas.

Ela costuma ser prescrita para todos os tipos de diabetes, mas a recomendação mais comum é feita para pessoas com diabetes tipo 1, inclusive para crianças que tenham no mínimo 6 anos de idade. A insulina Lantus também pode ser indicada para pessoas com diabetes tipo 2, mas isso feito quando os medicamentos orais e mudanças na alimentação e estilo de vida não foram eficientes.

Como funciona?

A insulina Lantus funciona controlando o açúcar no sangue durante o dia inteiro. Ela é uma insulina de ação ultralenta, ou seja, sua liberação no organismo se dá de forma que ela não tenha picos de ação. Essa característica permite que ela tenha um efeito muito semelhante à ação da insulina produzida pelo  pâncreas, pois quando Lantus é injetada, a insulina glargina forma aglomerados no tecido adiposo da pele e eles se quebram lentamente, de modo que pequenas quantidades de insulina são liberadas na corrente sanguínea, gradualmente.

Isso permite que ela funcione em segundo plano para manter o açúcar no sangue controlado durante todas as atividades diárias, garantindo que as células sejam alimentadas com um fluxo constante. Essa condição inclui os períodos de jejum, como acontece durante o sono, e isso é importante porque quando a pessoa está em jejum, o fígado continua secretando glicose na corrente sanguínea e a insulina mantém esses níveis sadios, impedindo que aconteça um aumento preocupante.

Sua ação costuma iniciar entre 90 minutos e 4 horas após a aplicação, permanecendo na corrente sanguínea por até 24 horas. Seus efeitos podem diminuir algumas horas antes para algumas pessoas ou se prolongar para outras, pois cada organismo reage de uma forma diferente.

Benefícios da insulina Lantus

Os principais benefícios da insulina Lantus estão detalhados abaixo:

1. Fácil gerenciamento do nível de açúcar no sangue

Esse benefício é consequência da sua ação prolongada, que permite uma liberação gradual ao longo do dia. Essa condição proporciona que os níveis permaneçam mais uniformes e que não tenham picos não relacionados à alimentação.

2. Permite manter um estilo de vida mais flexível

Muitas pessoas optam por tomar insulina Lantus porque ela permite um estilo de vida mais flexível. Por ter uma ação prolongada, ela permite menos rigidez, por exemplo, com os horários das refeições e reduz a necessidade de fazer lanches intermediários que são necessários para evitar baixos níveis de açúcar no sangue.

3. Menos frequência de injeções

A insulina Lantus tem uma duração de 24 horas, o que permite que o paciente com diabetes aplique apenas uma injeção por dia da insulina de ação lenta. Essa característica faz muita diferença para algumas pessoas, pois dessa forma não é necessário receber duas ou três “picadas” de insulina lenta em um único dia.

4. Diminui o risco de complicações provocado por diabetes

Quando a insulina começa a ser administrada logo após o diagnóstico, ela é capaz de evitar complicações, segundo algumas pesquisas. O controle precoce diminui as chances de desenvolver complicações microvasculares, que afetam os pequenos vasos sanguíneos, e complicações macrovasculares que afetam as grandes artérias.

Além disso, o tratamento com insulina oferece para o corpo um efeito anti-hiperglicêmico mais potente, o que ajuda a manter com segurança os níveis de açúcar controlados, evitando hipoglicemia frequente. Essa condição pode inclusive permitir que pessoas com diabetes tipo 2 experimentem a remissão da doença.

5. Menos ganho de peso

Algumas pesquisas sugerem que a insulina Lantus provoca menos alterações nos ponteiros da balança, o que é muito bom. Seus resultados mostraram que a administração permitiu um maior controle glicêmico, menos episódios de hipoglicemia e gerenciamento do peso, quando comparado a outras insulinas.

6. Pode ser combinada com outras drogas para o gerenciamento de diabetes

A insulina glargina pode ser usada sozinha, com outros medicamentos de ação mais curta ou com outros remédios para diabetes.

Como é usado?

A insulina Lantus deve ser injetada no tecido adiposo da pele. Ela geralmente é vendida como uma caneta e existem maneiras de injetar e diferentes locais para administrar a medicação. Deve ser tomada uma vez por dia e pode ser aplicada em qualquer horário, desde que seja o mesmo todos os dias. Se esquecer a dose, fale com o seu médico, pois não pode ser aplicado mais que uma em um período inferior a 24 horas, exceto se o médico recomendar.

A insulina de ação prolongada pode ser aplicada no abdômen (barriga), na parte superior dos braços ou nas coxas, porém as injeções aplicadas na barriga absorvem e disponibilizam a insulina no sangue mais rapidamente. Uma observação importante é que o local deve ser alterado a cada aplicação, pois muitas injeções no mesmo lugar podem causar nódulos que dificultam o trabalho da insulina.

Sempre use a mesma caneta de injeção, trocando apenas as agulhas antes de cada procedimento. De forma nenhuma transfira a insulina da caneta para uma seringa e nunca compartilhe com outra pessoa, mesmo que a agulha tenha sido trocada.

Outro cuidado importante é que a insulina Lantus deve ser conservada em seu recipiente original e protegida do calor e da luz. As canetas de insulina são próprias para manterem a temperatura da insulina estável, e não precisam ser armazenadas em geladeira. Entretanto, elas devem ficar em ambiente frio (geladeira) até começarem a ser usadas. Quando em períodos de muito calor, recomenda-se colocá-las em uma bolsa térmica após iniciado seu uso. A insulina nunca deve ser congelada, agitada de forma brusca ou deixada sob o sol.

Qual é a dosagem?

A dosagem poderá variar, considerando o tipo de diabetes e o fato da pessoa nunca ter tomado insulina antes. No início, a recomendação é que um percentual menor do que a dose alvo seja administrada, o que permite uma adaptação do corpo e, gradualmente ela é aumentada até que esteja na quantidade adequada. A dose também pode ser ajustada se outros aspectos mudarem, como alimentação, práticas de exercícios e doenças relacionadas, pois todos esses fatores impactam nos níveis de açúcar no sangue.

As pessoas com diabetes tipo 1 costumam tomar doses fixas de insulina Lantus e usam insulinas de ação rápidas para cobrir os carboidratos da alimentação diária. Já os portadores de diabetes tipo 2 geralmente precisam de mais insulina ultralenta, devido à resistência que o corpo apresenta.

O médico será o profissional responsável por definir a dose exata para cada caso, pois essa decisão será tomada após a análise de seu histórico médico.

Possíveis efeitos colaterais

Assim como qualquer medicamento, o uso pode trazer efeitos coletareis; então, ficar atento às reações do corpo é fundamental. Mas vale reforçar que se o médico receitou este medicamento, é porque ele evidenciou que os benefícios para você são superiores aos efeitos colaterais que ele pode provocar, e existem muitas pessoas que usam este medicamento sem interferências graves.

Veja a seguir os possíveis efeitos colaterais:

  1. Presença de dor, pele vermelha ou irritada no local da aplicação. Geralmente os efeitos desaparecem, mas, se persistirem ou piorarem, informe o médico imediatamente.
  2. Efeitos secundários graves incluem baixo nível de potássio no sangue, que provoca sintomas como cãibras nas pernas, prisão de ventre, batimentos cardíacos irregulares, agitação no peito, aumento da sede ou micção e dormência ou formigueiro dos membros. Se isso acontecer, informe o médico.
  3. Insulina Lantus pode provocar hipoglicemia. Isso costuma acontecer quando não são ingeridas as quantidades adequadas de carboidratos ou através da prática excessiva de exercícios. Sintomas como sudorese repentina, fome, visão embaçada, tontura, tremores, batimentos cardíacos acelerados ou formigamento das mãos, pés ou ambos podem ser experimentados.
  4. Lantus pode provocar hiperglicemia. Os sintomas mais comuns estão relacionados à presença de sede constante, aumento da micção, confusão, sonolência, rubor, respiração rápida e hálito com odor frutado. Se estes sintomas acontecerem, informe o seu médico imediatamente, pois a dosagem pode estar incorreta.
  5. Reações alérgicas muito graves são consideradas raras. Mas fique atento ao surgimento de erupção cutânea, comichão ou inchaço, principalmente no rosto, na língua e garganta. Além disso, tonturas graves e dificuldade em respirar podem acontecer. Caso qualquer sintoma como esse apareça, procure uma unidade de emergência imediatamente e informe seu médico.

Interações

A insulina Lantus pode interagir com outros medicamentos e outros medicamentos podem fazer o mesmo com ele. Isso afetará a forma como eles funcionam, pois ela poderá alterar ou potencializar os efeitos, aumentando o risco de ter problemas graves. Então, antes de começar, parar ou trocar qualquer medicação, fale com o seu médico sobre essa questão e mantenha uma lista de todos os remédios que você usa, incluindo os prescritos e isentos de receita médica. Considere também fitoterápicos e suplementos.

Um componente que pode interagir com esta droga é conhecido como rosiglitazona. Além disso, medicamentos betabloqueadores podem acelerar os batimentos cardíacos, o que leva o paciente a confundir com os sintomas provocados pela hipoglicemia e, às vezes, ele pode fazer a ingestão indevida de algum medicamento para eliminar o sintoma.

Dicas para potencializar o seu tratamento

A diabetes é considerada uma doença grave, por esse motivo seguir rigorosamente o tratamento prescrito é fundamental. Alguns comportamentos também podem permitir o gerenciamento eficaz da doença, o que ajuda a manter a qualidade de vida.

  1. Mantenha-se informado: Leia e aprenda tudo o que puder sobre diabetes. Converse com seu médico e outros profissionais de saúde para sanar todas as dúvidas.
  2. Pratique hábitos saudáveis: Faça da alimentação saudável e atividade física parte da sua rotina diária, pois essa condição vai permitir manter um peso saudável, o que é fundamental para controlar o diabetes. Além disso, acompanhe os níveis de açúcar no sangue e tome os medicamentos conforme prescrito.
  3. Elimine o cigarro: Fumar aumenta os riscos de complicações da diabetes, como a redução do fluxo sanguíneo nas pernas e pés, o que pode levar até a uma amputação em casos mais graves, pode provocar doença cardíaca, derrame, doença ocular, danos nos nervos, doença renal e morte prematura.
  4. Controle a pressão arterial e colesterol: A diabetes pode danificar os vasos sanguíneos, por esse motivo uma condição como o colesterol alto pode provocar um dano mais grave e rápido, quando você tem diabetes. Essa combinação pode causar um ataque cardíaco, derrame ou outras condições que ameaçam a vida.
  5. Faça o acompanhamento corretamente: Mantenha uma rotina de dois a quatro acompanhamentos por ano. Não se esqueça de incluir as visitas ao oftalmologista e exames físicos.
  6. Gerencie as vacinas: A diabetes potencializa o risco de desenvolver algumas doenças, então manter a vacinação em dia pode ajudar na prevenção. Vacinas para gripe, pneumonia, hepatite B, tétano, entre outras, podem ser importantes. Consulte seu médico e veja o que é mais recomendado para o seu caso.
  7. Cuide da saúde bucal: As infecções nas gengivas podem ser recorrentes em pessoas com diabetes. Procure escovar corretamente os dentes, usar fio dental e realizar um acompanhamento com um profissional especializado, pelo menos duas vezes no ano. Mas, se um problema pontual aparecer, procure um profissional especializado imediatamente.
  8. Fique atento aos pés: Níveis de açúcar elevado no sangue costumam reduzir o fluxo sanguíneo e danificar os nervos dos pés. A falta de tratamento provoca cortes e bolhas que podem causar infecções graves. Pessoas que sofrem com diabetes também podem experimentar perda de sensibilidade, dor e formigamento nos pés.
  9. Beba álcool moderadamente: O álcool provoca picos de açúcar no sangue, sejam eles altos ou baixos. Se for beber, faça moderadamente. Se puder, evite completamente.
  10. Acompanhe os níveis de estresse: O estresse costuma desviar a sua atenção para o tratamento correto do diabetes e prejudicar o seu corpo de outras maneiras. Invista em técnicas para relaxar e procure dormir o suficiente para descansar.

A insulina Lantus não é a única medicação disponível para controlar a diabetes, pelo contrário, existem muitas disponíveis e cada pessoa deve procurar aquela que se sente mais confortável e que melhor administra o seu problema.

No entanto, podemos ressaltar que muitas pessoas discutem o uso de glargina com o seu médico por causa da flexibilidade que sua ação prolongada traz. O fato de esta droga garantir uma cobertura de 24 horas faz com que as preocupações relacionadas aos impactos dos horários de refeições e práticas de atividades físicas sejam menores, possibilitando assim o gerenciamento da doença e mais qualidade de vida para os seus usuários.

Fontes e Referências Adicionais:

Você já tinha ouvido falar na insulina Lantus? Já precisou utilizar esse medicamento por ser diagnosticado com diabetes? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Julio Bittar e Dra. Patricia Leite

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário