Lipoma: o que é, sintomas, causas e tratamento

Especialista da área:
atualizado em 22/10/2021

O aparecimento de um nódulo em qualquer região do corpo pode gerar uma grande preocupação. Uma das primeiras associações é com o câncer

  Continua Depois da Publicidade  

Mas, nem todo nódulo ou caroço é maligno. Na verdade, eles apresentam características muito diversas e podem ser inofensivos. Os nódulos podem ser duros, moles, elásticos, doloridos, indolores, móveis, imóveis, grandes ou pequenos. 

Antes de se preocupar, é possível analisar as características do nódulo para saber se é benigno ou maligno. O lipoma é um tipo de tumor benigno que não tem relação com câncer. Há casos muitos raros de lipossarcoma, que é um tumor maligno e que apresenta características diferentes do lipoma. 

Aprenda a identificar o lipoma e conheça os sintomas, as causas e os tratamentos disponíveis. 

Lipoma – o que é?

lipoma ilustração
Imagem: Dreamstime

Lipoma é um nódulo benigno formado por gordura que fica concentrada dentro de uma cápsula de fibra, logo abaixo da pele. O lipoma é uma “bolinha” de gordura. O tamanho do lipoma fica entre 2 e 3 cm. 

O lipoma apresenta um formato redondo com bordas regulares. Ao pressionar o nódulo, percebe-se que ele possui uma consistência firme, mas não dura, e que se movimenta levemente. Já o lipossarcoma é um nódulo duro, com bordas irregulares, que não se movimenta quando pressionado, e cresce muito rapidamente. 

O lipoma pode aparecer em qualquer lugar do corpo, mas são mais comuns no pescoço, tronco, braços, axilas e coxas. Raramente, aparecem nos músculos, nervos, órgãos internos e na cavidade abdominal.

  Continua Depois da Publicidade  

É mais comum aparecerem em mulheres entre 40 e 60 anos, mas podem se formar em qualquer idade, sendo mais raro em crianças e adolescentes. Em média, 1 a cada 100 pessoas apresenta lipoma em alguma parte do corpo. 

Sintomas

lipoma nas costas
Imagem: Pinterest

O lipoma é quase sempre assintomático, o que significa que não causa dor. Se o lipoma estiver em uma região com muitos nervos próximos, pode haver dor local. Isso acontece porque o lipoma pressiona esses nervos. 

Como o lipoma é pequeno, geralmente menor do que 5 cm, raramente causa dor. Mas, existem lipomas gigantes, que chegam a medir 10 cm e, por isso, acabam pressionando a rede de nervos ao seu redor. Nesses casos, a região do lipoma fica inchada, avermelhada e dolorida, com uma sensação de ardor, parecida com a de uma queimadura. 

Causas

Os especialistas ainda não descobriram as causas do lipoma, mas existem algumas hipóteses a respeito das possíveis causas do aparecimento dos nódulos. Veja quais são:

  • Genética: é comum que mais de uma pessoa na família tenha lipoma;
  • Lesão: o lipoma é formado em uma região do corpo que sofreu uma lesão;
  • Obesidade: o lipoma pode se formar quando uma pessoa magra engorda rapidamente, e não desaparece após o seu emagrecimento.

Todas essas causas são hipóteses, ou seja, não estão comprovadas. 

Além dessas causas, a formação de lipomas parece ter relação com algumas síndromes. Nesses casos, é comum aparecerem múltiplos lipomas e em diferentes locais do corpo. Essas síndromes são muito raras

  Continua Depois da Publicidade  

  • Síndrome de Gardner: transtorno genético em que são formados pólipos no cólon (região central do intestino grosso) e tumores fora do cólon, que incluem os lipomas;
  • Síndrome de Cowden: transtorno genético em que são formados nódulos benignos na pele, nas mucosas da boca e nariz, no intestino e outras regiões do corpo; 
  • Adipose dolorosa: doença rara caracterizada pela formação de muitos lipomas grandes e distribuídos pelo corpo, que causam dor;
  • Síndrome de Madelung: condição rara, em que massas de gordura são concentradas ao redor do pescoço, ombros, tronco e braços.

Tratamento

lipoma no pescoço

Em casos de lipomas pequenos e indolores, não é necessário nenhum tipo de tratamento. Os lipomas acabam regredindo e desaparecendo naturalmente

O tratamento é indicado quando o lipoma:

  • causa dor ou incômodo local;
  • gera desconforto estético, ainda que não seja acompanhado de dor; 
  • prejudica a realização de alguma atividade, situação comum quando o lipoma se desenvolve em uma articulação;
  • cresce rapidamente, de 1 a 3 cm em poucas semanas.  

O tratamento de escolha quando se decide remover o lipoma é preferencialmente cirúrgico, assim, tem-se maior garantia de remove-lo por completo, evitando recidivas.

Alguns procedimentos sugeridos como lipoaspiração ou injeção de corticoides, tem um índice menor de sucesso e menos comprovação de resultado.

Extração cirúrgica

A extração cirúrgica é um procedimento simples, realizado no consultório do dermatologista, sem necessidade de internação. É feita uma anestesia local, seguida de uma incisão. O lipoma é retirado, juntamente com a cápsula fibrosa, para evitar a recorrência no local. 

O cuidado pós-operatório visa minimizar a formação de manchas na cicatriz, com o uso de cremes cicatrizantes. 

  Continua Depois da Publicidade  

Lipoaspiração

Diferentemente da extração cirúrgica, essa técnica apresenta maior risco de recorrência de lipoma no local. 

Como é uma técnica de remoção de gordura, ela não age apenas sobre o lipoma, mas na gordura natural do corpo também. Então, pode acontecer de sobrarem algumas partes do lipoma no local e isso favorece o seu crescimento. 

Injeção de esteroide

Neste tratamento, o médico aplica uma anestesia local e faz a injeção de esteroide, que se mistura ao lipoma. Essa substância age nas células de gordura, fazendo com que diminuam de tamanho e morram. O número de sessões varia de acordo com cada caso. 

Se você tem ou conhece alguém que tenha lipoma, é importante buscar orientação médica em casos de mudanças no aspecto do nódulo, principalmente se ele ficar endurecido, ou se começar a sentir dor no local. O médico vai analisar o lipoma e pedir uma biópsia, caso seja necessário. 

Fontes e referências adicionais 

Você já teve lipoma? Se sim, ele sumiu sozinho ou precisou de tratamento? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média 5,00)
Loading...
Sobre Dra. Alessandra Drummond

Dra. Alessandra Drummond é médica dermatologista, graduada em medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), pós graduada em dermatologia no Instituto de Dermatologia Professor Rubem David Azulay. Felowship no Hospital Arcispedale Santa Maria Nueva, Reggio Emília, Itália. Tem diversas publicações em revistas científicas indexadas, participa constantemente de congressos e conferências nacionais e internacionais, na área da dermatologia clínica, cirúrgica e cosmiatria. Para mais informações, entre em contato com ela no seu site.

Deixe um comentário