Pesquisa aponta redução de testosterona em pacientes com COVID-19

Especialista:
atualizado em 05/10/2020

Embora seja um vírus recente, o funcionamento e as implicações do novo coronavírus já se tornam conhecidas pelos cientistas e pela população em geral. Recentemente, um novo estudo apontou a redução de testosterona em pacientes com Covid-19.

Com isso, ficou mais claro para os pesquisadores por que este vírus, em média, afeta mais uma determinada parte da população: os homens. O estudo, publicado na revista científica The Aging Male, pode nos ajudar a compreender a relação entre os níveis de testosterona e a Covid-19.

Além disso, a pesquisa também pode auxiliar a repensar tratamentos para os pacientes afetados.  Veja então como a Covid-19 e a redução dos níveis de testosterona estão ligados.

Diminuição nos níveis de testosterona pode explicar homens em estado mais grave

A pesquisa, realizada na Turquia, constatou que pacientes com infecção grave apresentam baixos níveis de testosterona, que é o principal hormônio sexual masculino. Ou seja, o baixo nível de testosterona contribui para um estado agravado da infecção pelo Sars-CoV-2. 

O estudo analisou um grupo de 438 pacientes, sendo 221 homens. Em todos os casos, o paciente estava infectado com o vírus. A pesquisa dividiu os participantes em três grupos de acordo com a gravidade do caso.

Para realizar o levantamento, os pesquisadores realizaram um histórico detalhado de cada caso.  Estes pacientes realizaram exames físicos completos e estudos laboratoriais, bem como de imagem radiológica.

O objetivo da análise era entender o motivo dos pacientes do sexo masculino sofrerem mais gravemente da doença. Do mesmo modo, o estudo pretendia verificar a relação da testosterona com o agravamento do quadro clínico, além das dificuldades na recuperação.

Níveis mais baixos de testosterona encontrados em pacientes na UTI

Uma das constatações da pesquisa foi a de que a média de testosterona total diminuiu conforme a gravidade da COVID-19 aumentou.

De acordo com os resultados da pesquisa, o nível médio de testosterona total foi significativamente menor no grupo da UTI do que no grupo da Unidade de Cuidados Intermediários.

A pesquisa ainda identificou que o nível médio de testosterona no sangue foi, de forma significativa, maior no grupo da UTI do que no grupo assintomático. 

Outro fator apontado pelos cientistas foi a ocorrência de hipogonadismo, que é uma condição em que o corpo não produz testosterona suficiente, em 113 dos pacientes do sexo masculino. Isto representa cerca de 51,1% dos casos analisados.

Queda de testosterona também comprovada em pacientes assintomáticos

Vacina Covid-19

O estudo também apontou uma perda significativa de testosterona nos pacientes assintomáticos.  A pesquisa revelou que 65% dos infectados que não apresentavam sintomas relatavam queda na libido.

Além disso, mostrou-se que os pacientes que foram a óbito possuíam índices menores de testosterona no corpo. Apesar do agravamento devido à baixa testosterona, a pesquisa não encontrou uma taxa significativa na diferença de mortes entre pacientes femininos e masculinos.

De acordo com o estudo, 4,97% dos pacientes masculinos morreram, enquanto que em pacientes femininas este índice não passou dos 3,55%.

Estudo pode ajudar a individualizar o tratamento

Para os pesquisadores, este estudo pode ajudar a individualizar o tratamento dos pacientes infectados. O professor de urologia e responsável pela pesquisa Selahittin Çayan afirma que os níveis de testosterona também devem ser testados junto com o vírus.

Para o pesquisador, o tratamento com testosterona pode melhorar o prognóstico de pacientes com COVID-19.

Você percebeu que conhece mais homens do que mulheres que contraíram ou estão em estado grave pela COVID-19? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Além disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

Deixe um comentário