Combinação Hidroxicloroquina e Zinco Contra o Novo Coronavírus Mostra Bons Resultados, Segundo Estudo

Muito do que cerca a pandemia do novo coronavírus envolve polêmicas: a necessidade de isolamento e os problemas econômicos que ele traz, a flexibilização da quarentena e o aumento de contaminados, mortos e de sobrecarga aos serviços de saúde que isso envolve, o uso de luvas e máscaras para ajudar a evitar o contágio pelo vírus, entre tantos outras questões.

Outro assunto que levanta discussões é se a hidroxicloroquina, um medicamento originalmente indicado para a malária, poderia ser utilizada no tratamento da COVID-19, a doença provocada pelo novo coronavírus.

Inicialmente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não indicou o uso de hidroxicloroquina para COVID-19 e estudos iniciais a respeito do uso do medicamento para a doença apresentaram resultados mistos. Na terça-feira (12/05), o G1 noticiou que uma pesquisa da Universidade de Albany, nos Estados Unidos, não encontrou relação entre o uso do remédio e a diminuição da mortalidade pela doença.

O estudo em questão foi publicado na revista científica Journal of the American Medical Association (Jornal da Associação Médica Americana, tradução livre, JAMA, sigla em inglês) e analisou 1.438 pacientes infectados pelo novo coronavírus, distribuídos entre 25 hospitais de Nova Iorque.

A pesquisa também apontou que os pacientes que foram tratados com uma combinação entre a hidroxicloroquina e o antibiótico azitromicina tiveram duas vezes mais chances de sofrer parada cardíaca durante o período analisado. Sabe-se que problemas cardíacos são um dos possíveis efeitos colaterais da hidroxicloroquina.

Entretanto, o estudo não é definitivo a respeito do uso da hidroxicloroquina para a COVID-19 porque não envolveu experimento com placebo (substância neutra), o que costuma ser observado nos experimentos científicos.

Além disso, outra pesquisa americana, conduzida pela Escola de Medicina Grossman da Universidade de Nova Iorque apontou que a combinação entre a hidroxicloroquina, o antibiótico e o suplemento de sulfato de zinco pode trazer resultados positivos no tratamento contra o novo coronavírus.

O estudo foi divulgado na terça-feira (12/05) e envolveu a análise dos registros de aproximadamente 900 pacientes com COVID-19: em torno da metade deles foi tratada com hidroxicloroquina, sulfato de zinco e azitromicina, enquanto o restante foi medicado com hidroxicloroquina e azitromicina.

Foi observado que aqueles que receberam a combinação com os três medicamentos tiveram 1,5 vezes mais chances de atingir uma recuperação suficiente para receber alta do hospital e registraram 44% menos risco de morrer, em comparação com os pacientes que foram tratados apenas com a hidroxicloroquina e a azitromicina.

Entretanto, o tempo médio gasto pelos pacientes no hospital – que foi de 6 dias –, o período em que precisaram ficar no ventilador – 5 dias – e a quantidade total de oxigênio que eles necessitaram receber não foram alteradas.

Porém, a pesquisa da Universidade de Nova Iorque também não pode ser considerada definitiva porque foi publicada em um site médico apenas como preprint, o que significa que não passou por uma revisão por pares (ainda não foi revisada por outros especialistas), além de se tratar do primeiro estudo a fazer uma comparação entre as combinações de hidroxicloroquina, sulfato de zinco e azitromicina e hidroxicloroquina e azitromicina para tratar a COVID-19.

Ou seja, são necessárias mais pesquisas antes de confirmar que a combinação tripla de medicamentos realmente pode ser uma boa saída contra o novo coronavírus. Isso significa que uma pessoa jamais pode fazer o uso de hidroxicloroquina, sulfato de zinco e azitromicina por conta própria em uma tentativa de prevenir-se ou tratar a COVID-19, algo do tipo representaria graves riscos para a saúde.

  Continua Depois da Publicidade  

Enquanto ainda não temos a comprovação de um medicamento realmente eficaz para o tratamento da doença provocada pelo novo coronavírus, a melhor alternativa que possuímos é obedecer rigorosamente a todas as recomendações de prevenção contra o vírus.

Isso inclui evitar aglomerações, ficar em casa sempre que puder, sair apenas em caso de urgência e quando for às ruas tomar os cuidados necessários para evitar o contágio pelo novo coronavírus, além de lavar muito bem as mãos e sempre manter a casa limpa e desinfetada, entre outras medidas de prevenção.

Você tem seguido corretamente as medidas de prevenção da COVID-19? Conhece alguém que já tenha sido infectado? Comente abaixo!

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (3 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...
Sobre Equipe Editorial MundoBoaForma

Quando se trata de saúde, é muito importante poder contar com uma fonte confiável de informações. Afinal de contas sabemos que o sua qualidade de vida e bem-estar devem estar em primeiro lugar para você. Por isso contamos com uma equipe profissional diversificada, com redatores e editores que desenvolvem um conteúdo de qualidade, adaptando-o a uma linguagem de fácil compreensão para o público em geral, tendo por base as mais confiáveis fontes de informação. Depois disso todo artigo é revisado por profissional especialista da área, para garantir que as informações são verídicas, e só então ele é publicado no site. Tudo isso para que você tenha confiança no MundoBoaForma e faça daqui sua fonte preferencial de consulta para assuntos relacionados a saúde, boa forma e qualidade de vida. Conheça mais sobre os profissionais que contribuem para a qualidade editorial do portal.

  Continua Depois da Publicidade  

Deixe um comentário